Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Tribunal Arbitral do Esporte reduz pena e Maria Sharapova poderá voltar a jogar em abril de 2017

04 de outubro de 2016 0

O Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) reduziu a suspensão da tenista russa Maria Sharapova, que testou positivo para uso de Meldonium, em janeiro deste ano, para 15 meses.

Em 08 junho, a jogadora de 29 anos havia sido foi suspensa pela Federação Internacional de Tênis (ITF), após um tribunal independente concluir que ela infringiu o artigo 2.1 do Programa Antidoping da entidade e, por essa razão, teve seus resultados anulados a partir de 26 de janeiro, data em que testou positivo e foi proibida de atuar até 25 de janeiro de 2018.

Sharapova poderá voltar a jogar em abril de 2017 - Divulgação/Aus Open

Sharapova poderá voltar a jogar em abril de 2017 – Divulgação/Aus Open

Inconformada, Sharapova recorreu da suspensão seis dias depois e em julho entrou em acordo com a própria ITF para que o caso fosse julgado agora, abrindo mão  de disputar os Jogos Rio 2016. Com o resultado de hoje, ela poderá voltar a atuar em 25 de abril do próximo ano, seis dias após comemorar seu 30º aniversário.

Para reduzir a pena, o TAS alegou que ” Sharapova cometeu uma violação às regras antidoping e, apesar da “ausência de culpa significante”, ela teve um grau de culpa, para a qual uma sanção de 15 meses é apropriada” . De acordo com a Corte que julgou o caso, “ a pena que foi atribuída refere-se somente ao grau de culpa que pode ser imputado a um jogador por falhar em se certificar que a substância contida em um produto que utilizava durante longo tempo manteve-se em conformidade com as regras antidoping“.

Sharapova testou positivo, após derrota para Serena, na Austrália - Divulgação/Aus Open

Sharapova testou positivo, após derrota para Serena, na Austrália – Divulgação/Aus Open

Quando teve o teste positivo anunciado, em março deste ano, a russa alegou que tomava Mildronate, um medicamento que continha a substância para tratar uma deficiência de magnésio e evitar a diabetes. Porém, o Meldonium passou a ser proibido em setembro de 2015.

Após a definição desta terça, a ex-número um do mundo se manifestou através de suas redes sociais.

Eu passei de um dos dias mais difíceis da minha carreira em março passado, quando soube da minha suspensão, para agora, um dos mais felizes, quando descubro que posso retornar ao tênis em abril.

De diversas maneiras, eu sinto que algo que amo me foi tirado e é muito bom ter de volta. O tênis é a minha paixão e senti falta. Estou contando os dias até poder voltar à quadra.

Eu aprendi muito com isso e espero que a ITF também. O CAS concluiu que “o Painel determinou que não concorda com várias das conclusões do Tribunal (da ITF)…” Eu chamei a responsabilidade desde o começo por não saber que o medicamento livre de prescrição que eu tomava nos últimos dez anos não era mais permitido. Mas também aprendi o quão melhor outras federações foram em notificar seus atletas sobre a mudança de regra, especialmente no Leste Europeu, onde o Mildronate é usado comumente por milhões de pessoas.

Agora que o processo acabou, espero que a ITF e outras relevantes autoridades antidoping do tênis vão estudar o que essas outras federações fizeram, para que nenhum outro tenista passe pelo que passei.

E para os meus fãs, eu agradeço vocês demais por viverem e respirarem vários desses meses difíceis juntos. Durante esse tempo, eu aprendi o verdadeiro significado de um fã e sou muito afortunada por ter tido o seu suporte.

Vou voltar em breve e mal posso esperar!

Envie seu Comentário