Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Bernardinho"

Rexona-Sesc bate Vôlei Nestlé/Osasco e fatura 12º título da Superliga Feminina de Vôlei

23 de abril de 2017 0

Maior campeão da história da Superliga Feminina de Vôlei, o Rexona-Sesc conquistou neste domingo (23), seu 12º troféu na história da competição, o quinto de forma consecuitva. Na decisão, diante do velho rival Vôlei Nestlé/Osasco (SP), o time carioca venceu por 3 sets a 2, parciais de 25/19, 22/25, 25/22, 18/25 e 15/6, em 2h17 de partida disputada na Arena Olímpica da Barra, no Rio de Janeiro.

Rexona-Sesc venceu 12º título de Superliga - Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Rexona-Sesc venceu 12º título de Superliga – Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

A vitória deste domingo marcou ainda o fim da parceria do projeto comandado por Bernardinho, após 20 anos. Desde a criação da equipe, em Curitiba (PR), a equipe se tornou a principal referência no esporte no país e acumulou diversos títulos, além das 12 Superligas, onde esteve presente em 16 finais, sendo que entre 1997 e 2004, a base do time era a capital paranaense.

Juciely e Monique Pavão vibram com vitória - Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Juciely e Monique Pavão vibram com vitória – Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Na disputa de hoje, o Rexona começou melhor e soube se impor no set inicial, com seis pontos marcados através do bloqueio, mesmo que a oposta Tandara tenha marcado cinco vezes para Osasco, que reagiu na segunda parcial e conseguiu virar uma desvantagem inicial para marcar 25/22, aproveitando os sete erros cometidos pelas donas da casa.

Tandara encara bloqueio do Rexona - Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Tandara encara bloqueio do Rexona – Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

O jogo passou a ficar tenso e o terceiro set foi muito equilibrado. Empurrado pela torcida, o Rexona-Sesc abriu vantagem em 8/5, mas viu o rival buscar o empate e cada ponto passou a ser extremamente disputado, até que na reta final a equipe carioca contou com uma inspirada ponteira Drussyla, que fez sete pontos nesta parcial, e venceu por 25/22.

Levantadora Roberta prepara ataque de Carol - Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Levantadora Roberta prepara ataque de Carol – Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Mas Osasco não chegou à decisão à toa e mostrou um grande poder de reação no quarto set, especialmente com mudanças implementadas pelo técnico Luizomar de Moura, como as entradas da oposta Paula Borgo e da ponta Gabi. Com gás renovado, as paulistas foram tomando conta do jogo e chegaram a ter nove pontos (18/9) de vantagem. No final, o 25/18, garantiu a realização de um tie-break para apontar o campeão.

Gabi Guimarães passa pelo bloqueio de Osasco - Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Gabi Guimarães passa pelo bloqueio de Osasco – Divulgação/ Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

No tie-break se esperava a volta do equilíbrio, mas o Rexona-Sesc foi arrasador. Logo de cara, a ponta Gabi Guimarães e a central Juciely, que terminaria a parcial com cinco pontos, pararam os ataques de Tandara e o time da casa disparou em 8/2. Um ace de Roberta ampliou a diferença para oito (13/5) e praticamente selou o resultado, que seria confirmado num ataque da oposta Monique Pavão.

Rexona-Sesc bate Minas e vai enfrentar Osasco na decisão da Superliga Feminina de Vôlei

14 de abril de 2017 0

O Rexona-Sesc confirmou nesta sexta-feira (15), a condição de melhor campanha da Superliga feminina de Vôlei e derrotou o Camponesa/Minas Tênis Clube (MG), por 3 sets a 1 (25/15, 26/24, 21/15 e 25/20, em 1h49 de partida disputa na Arena Olímpica do Rio de Janeiro.

Rexona-Sesc disputará 13ª final seguida - Divulgação/CBV

Rexona-Sesc disputará 13ª final seguida – Divulgação/CBV

Com o resultado, a equipe comandada por Bernardinho fechou o playoff semifinal em 3 a 2 e agora vai disputar sua 13ª final consecutiva. Atual tetracampeão, o time carioca enfrentará o Vôlei Nestlé/Osasco (SP) na decisão. Esta será a 11ª vez que os dois maiores vencedores do vôlei brasileiro disputarão o título da competição. Nos confrontos anteriores, o Rexona-Sesc levou a melhor em sete oportunidades.

Roberta (12) e Juciely bloqueiam Jaqueline - Divulgação/CBV

Roberta (12) e Juciely bloqueiam Jaqueline – Divulgação/CBV

Depois de ser surpreendido pelo Minas, que venceu o segundo e o terceiro jogo, disputados no Rio de Janeiro, o Rexona-Sesc mostrou sua força e empatou a disputa em Belo Horizonte (MG) e chegou à virada nesta sexta-feira (14), com 18 pontos marcados através de bloqueio, sendo sete deles da central Juciely, que terminou a partida com 20 e foi eleita a melhor jogadora em quadra e ficou com o Troféu VivaVôlei. Outro destaque foi a ponta Drussyla, que marcou 18 vezes.

Drussyla fez 18 pontos - Divulgação/CBV

Drussyla fez 18 pontos – Divulgação/CBV

O Minas cometeu 30 erros na partida, seis a mais que o adversário, mas apesar da derrota teve a maior pontuadora da noite, a oposta norte-americana Destinee Hooker, com 24 acertos.

Rexona-Sesc vence o Minas e iguala semifinais da Superliga Feminina de Vôlei

12 de abril de 2017 0

A série semifinal da Superliga feminina de Vôlei, entre Rexona-Sesc (RJ) e Camponesa/Minas Tênis Clube (MG), segue imprevisível. Até o momento, foram quatro confrontos, com duas vitórias para cada lado, sendo que quem jogou fora de casa sempre levou a melhor.

Gabi Guimarães liderou vitória do Rexona-Sesc - Divulgação/Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Gabi Guimarães liderou vitória do Rexona-Sesc – Divulgação/Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Na terça-feira (11), o Minas entrou em quadra liderando a disputa por 2 a 1, após duas grandes vitórias no Rio de Janeiro. Porém, o tabu foi mantido e as visitantes saíram-se vencedoras. Com parciais de 25/12, 25/18, 27/29 e 25/23, em 1h53 de partida e forçou a disputa de um quinto jogo na próxima sexta-feira (14), às 19h30 (de Brasília), na Arena da Barra, sede das competições de Ginástica dos Jogos Rio-2016.

Monique Pavão encara bloqueio do Minas - Divulgação/Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Monique Pavão encara bloqueio do Minas – Divulgação/Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Com 25 acertos, a ponteira Gabi Guimarães foi a maior pontuadora do confronto. Já sua companheira de posição, Drussyla, que foi a surpresa na escalação do técnico Bernardinho, marcou outros 20, acabou sendo eleita a melhor jogadora em quadra e ficou com o Troféu VivaVôlei. As centrais Carol e Juciely, com 13 e 10 pontos, respectivamente, e a oposta Monique Pavão, que fez 12, também foram destaques na vitória do atual tetracampeão da Superliga.

Jaqueline marcou 10 pontos - Divulgação/Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Jaqueline marcou 10 pontos – Divulgação/Orlando Bento/Minas Tênis Clube

Pelo Minas, a oposta norte-americana Destinee Hooker marcou 22 vezes e foi a principal atacante. As ponta Rosamaria Jaqueline terminaram com 11 e 10 pontos assinalados, pela ordem.

Bernardinho ganha Troféu Adhemar Ferreira da Silva

29 de março de 2017 0

Dono de sete medalhas olímpicas, seis delas como treinador, Bernardinho foi o homenageado da noite com o Troféu Adhemar Ferreira da Silva, durante a cerimônia do Prêmio Brasil Olímpico 2016.

Bernardinho ganhou sete medalhas olímpicas - Divulgaçãoo/CBV

Bernardinho ganhou sete medalhas olímpicas – Divulgaçãoo/CBV

Após se despedir da Seleção Brasileira masculina de Vôlei com a conquista do ouro nos Jogos do Rio de Janeiro, o carioca de 57 anos esteve no pódio em Los Angeles-1984, ainda como levantador, como vice-campeão. Como treinador, Bernardinho disputou as última seis edições dos Jogos Olímpicos e esteve no pódio em todas elas. Ele foi bronze com a equipe feminina em Atlanta-1996 e Sydney-2000 e com o time masculino levou o ouro em Atenas-2004 e Rio-2016 e prata em Pequim-2008 e Londres-2012.

O Troféu Adhemar Ferreira da Silva foi criado pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) em 2001, como forma de homenagear atletas e ex-atletas que representem os valores éticos, esportivos e morais que marcaram a trajetória de Adhemar, um exemplo de eficiência técnica, esportividade, companheirismo, sentido de coletividade e respeito ao próximo, entre outros.

Confira a galeria de vencedores do Prêmio:

2001 – Nelson Prudêncio – Atletismo

2002 – João Gonçalves Filho – Natação e Pólo Aquático

2003 – Amaury Antonio Pasos – Basquete

2004 – Maria Lenk – Natação

2005 – Agberto Guimarães – Atletismo

2006 – Aída dos Santos – Atletismo

2007 – André Gustavo Richer – Remo

2008 – João Havelange – Natação e Pólo Aquático

2009 – Joaquim Cruz – Atletismo

2010 – Eder Jofre – Boxe

2011 – Bernard Rajzman – Vôlei

2012- Hortência – Basquete

2013 – Torben Grael – Vela

2014 – Vanderlei Cordeiro de Lima – Atletismo

2015 – Gustavo Kuerten – Tênis

Rexona-Sesc vence clássico e abre 11 pontos de vantagem na liderança da Superliga Feminina de Vôlei

04 de março de 2017 0

O Rexona-Sesc (RJ) manteve a liderança isolada da Superliga Feminina de Vôlei ao derrotar o Vôlei Nestlé/Osasco (SP), na sexta-feira (03), na Jeunesse Arena, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro (RJ). Diante de 2.402 pessoas, o time comandado pelo técnico Bernardinho fez 3 sets a 1, com parciais de 25/20, 21/25, 25/21 e 25/15, em 1h50 de partida e chegou aos 56 pontos, 11 a mais que o rival.

Monique Pavão foi eleita a melhor do jogo - Divulgação/Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Monique Pavão foi eleita a melhor do jogo – Divulgação/Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Para conseguir sua 19ª vitória em 20 jogos na temporada, o Rexona-Sesc contou com 20 pontos marcados pelo bloqueio, sendo que as centrais Juciely e Carol foram responsáveis por cinco, cada uma. A oposta Monique Pavão marcou 19 vezes, foi a principal atacante da equipe carioca e ainda foi eleita a melhor jogadora em quadra e ficou com o Troféu VivaVôlei.

Bloqueio foi uma das armas do time carioca - Divulgação/Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Bloqueio foi uma das armas do time carioca – Divulgação/Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Outras quatro jogadoras do time da casa também se destacaram no confronto. A ponteira Gabi Guimarães, que fez 16 pontos, a central Juciely e a ponta holandesa Anne Buijs, ambas com 13, e a central Carol, com 12 acertos.

Gabi Guimarães encara o bloqueio de Osasco - Divulgação/Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Gabi Guimarães encara o bloqueio de Osasco – Divulgação/Alexandre Loureiro/Inovafoto/CBV

Já a equipe de Osasco sofreu a quinta derrota em 20 atuações e teve como destaque a oposta Paula Borgo, que saiu do banco de reservas, e terminou com 21 pontos assinalados, quatro a mais que a ponta Tandara.

Demais resultados:

São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP) 3 x 0 Sesi-SP (SP) – 25/19, 25/23 e 25/17

Genter Vôlei Bauru (SP) 3 x 0 Rio do Sul (SC) – 25/21, 25/23 e 25/23

Fluminense F.C. (RJ) 3 x 2 E.C. Pinheiros (SP) – 25/17, 23/25, 25/18, 25/27 e 15/5

Renata Valinhos/Country (SP) 2 x 3 Terracap/BRB/Brasília (DF) – 20/25, 25/16, 25/19, 16/25 e 16/14

Rexona-Sesc mantém freguesia, vence Praia Clube, fatura tetra Sul-Americano e se garante no Mundial de Clubes de Vôlei Feminino

18 de fevereiro de 2017 0

O Rexona-Sesc (RJ) derrotou o Dentil/Praia Clube (MG) por 3 sets a 1 (25/19, 20/25, 25/19 e 25/10), em 1h39 de partida disputada no ginásio do Praia Clube, em Uberlândia (MG) e conquistou neste sábado (18) o título do Campeonato Sul-Americano de Clubes Feminino de Vôlei, pela quarta vez, a terceira consecutiva, e ainda mantiveram 100% de aproveitamento diante das rivais em 22 enfrentamentos até hoje.

Monique Pavão passa pelo bloqueio do Praia Clube - Divulgação/CSV

Monique Pavão passa pelo bloqueio do Praia Clube – Divulgação/CSV

Com o tetracampeonato, o time comandado pelo técnico Bernardinho garantiu uma vaga no Campeonato Mundial de Clubes, que será realizado em Kobe, no Japão, entre os dias 8 e 14 de maio deste ano e que terá oito equipes. Além das cariocas, já estão classificadas as japonesas Hisamitsu Springs, como sede do evento, e NEC Red Rockets, campeão asiático de 2016. Ainda participarão do torneio, o campeão europeu e mais quatro convidados.

A Seleção do campeonato - Divulgação/CBV

A Seleção do campeonato – Divulgação/CBV

A ponteira norte-americana Alix Klineman, com 20 acertos, foi a principal pontuadora do jogo, apesar da derrota do Praia Clube. No time campeão, quem mais pontuou foi a oposta Monique Pavão, em 12 oportunidades. As duas jogadoras foram escolhidas para a Seleção Ideal do campeonato, que ainda teve a líbero Fabí, a levantadora Roberta e a MVP, a ponta Gabi Guimarães, todas do Rexona-Sesc, mais as centrais Fabiana Claudino e Walewska, vice-campeãs, e a ponteira peruana Ángela Leyva, da Universidad San Martín de Porres, do Peru, que marcou 17 pontos e ajudou sua equipe a conquistar a terceira colocação ao derrotar o Villa Dora, da Argentina, por 3 a 0 (25/20, 31/29 e 25/18).

Rexona-Sesc começa com vitória sobre o Boca Juniors no Sul-Americano Feminino de Clubes de Vôlei

14 de fevereiro de 2017 0

O Rexona-Sesc (RJ) começou com vitória a luta por seu quarto título do Campeonato Sul-Americano Feminino de Clubes de Vôlei, em Uberaba (MG), uma das sedes da competição. Nesta terça-feira (14), o time dirigido pelo técnico Bernardinho derrotou o Boca Juniors, da Argentina, por 3 sets 0, parciais de 21/17, 21/8 e 21/8, em 1h12 de jogo válido pelo Grupo “B”, que ainda tem a Universidad de San Martín de Porres, do Peru.

Monique enfrenta o bloqueio do Boca - Divulgação/Neto Talmeli/CSV

Monique enfrenta o bloqueio do Boca – Divulgação/Neto Talmeli/CSV

Com sete acertos, cada uma, as ponteiras Drussyla e Gabi Guimarães foram as principais pontuadoras do Rexona, enquanto a oposta Micaela Fabiani marcou 10 vezes para o Boca.

No outro jogo da rodada, válido pelo grupo A, que é sediado em Uberlândia (MG), Club Atlético de Villa Dora, da Argentina, derrotou o Olympic, da Bolívia, por 3 a 0 (25/06, 25/17 e 25/19), em apenas 56 minutos de confronto. O Dentil/Praia Clube (MG) folgou nesta terça.

A principal pontuadora da partida foi a argentina Maira Westergaard, com 22. No time boliviano, que mais pontuou foi Fernanda Maida, em sete oportunidades.

De virada, Rexona-Sesc vence Pinheiros e mantém liderança isolada da Superliga Feminina

11 de fevereiro de 2017 0

O Rexona-Sesc (RJ) segue como líder isolado da Superliga Feminina de Vôlei. Na sexta-feira (10), à noite, no ginásio do Tijuca Tênis Clube, no Rio de Janeiro, a equipe carioca derrotou o Pinheiros (SP) por 3 sets a 2 (25/17, 17/25, 23/25, 25/15 e 15/5), em exatas duas horas de partida e agora soma 50 pontos, com 17 vitórias e apenas uma derrota.

Monique Pavão (10), Bia (15) e Gabi Guimarães - Divulgação/Rexona-Sesc

Monique Pavão (10), Bia (15) e Gabi Guimarães – Divulgação/Rexona-Sesc

A oposta Monique Pavão teve grande atuação, foi a maior pontuadora do confronto, com 19 acertos, e ficou com o Troféu VivaVôlei, como melhor jogadora em quadra. A ponteira holandesa Anne Buijs e a central Carol marcaram 13 vezes, cada uma. Outros destaques do time comandado por Bernardinho foram a ponta Gabi Guimarães e a central Juciely, ambas com 12 pontos assinalados.

Jogadoras do Rexona vibram com vitória - Divulgação/Rexona-Sesc

Jogadoras do Rexona vibram com vitória – Divulgação/Rexona-Sesc

Pelo time paulista, que está em nono lugar com 21 pontos, a oposta Bárbara e a ponteira Vanessa com 16 e 14 acertos, respectivamente, foram as principais pontuadoras. O Pinheiros sofreu sua nona derrota em 16 atuações.

Osasco bate Brasília e segue em terceiro

O Vôlei Nestlé (SP) alcançou a 13ª vitória ao derrotar o Terracap/BRB/Brasília Vôlei (DF) por 3 sets a 1 (25/23, 20/25, 25/18 e 30/28), em 2h08 de jogo disputado no ginásio José Liberatti, em Osasco (SP).

Tandara foi grande nome de Osasco - Divulgação/João Pires/Fotojump

Tandara foi grande nome de Osasco – Divulgação/João Pires/Fotojump

Com o resultado, o time do treinador Luizomar de Moura segue em terceiro lugar na classificação geral, com 40 pontos. Já o Brasília Vôlei continua na quarta posição, com 32 pontos.

Sérvia Bjelica observa esforço das jogadoras de Brasília - Divulgação/João Pires/Fotojump

Sérvia Bjelica observa esforço das jogadoras de Brasília – Divulgação/João Pires/Fotojump

A ponteira Tandara foi o grande destaque e terminou a partida com 29 acertos, sendo a maior pontuadora e a melhor em quadra, ganhando o Troféu VivaVôlei. Depois do jogo, ela fez questão de agradecer o apoio da torcida .

- Essa torcida ajuda muito e eles nos empurram o tempo todo. Eu ainda errei em alguns momentos, mas o importante foi que conseguimos esses três pontos que serão importantes para a nossa classificação.

Demais resultados:

Renata Valinhos/Country (SP) 0 x 3 São Cristóvão Saúde/São Caetano (SP) – 17/25, 22/25 e 23/25

Dentil/Praia Clube (MG) 3 x 0 Sesi-SP (SP) – 25/14, 25/12 e 25/20

Camponesa/Minas (MG) 3 x 0 Rio do Sul (SC) – 25/16, 25/10 e 25/14

Rexona-Sesc conquista tricampeonato da Copa do Brasil Feminina de Vôlei

28 de janeiro de 2017 0

O Rexona-Sesc (RJ) é o campeão da Copa do Brasil Feminina de Vôlei 2017. Neste sábado (28), diante de mais de 2.700 pessoas, a equipe carioca venceu o Camponesa/Minas Tênis Clube (MG) na decisão por 3 sets a 0 (25/15, 25/21 e 25/20), em jogo disputado no ginásio do Taquaral, em Campinas (SP). O time do treinador Bernardinho conquistou o terceiro título da competição, já que também venceu as edições de 2007/16.

Rexona-Sesc conquistou o tri - Divulgação/William Lucas/Inovafoto/CBV

Rexona-Sesc conquistou o tri – Divulgação/William Lucas/Inovafoto/CBV

A experiente líbero Fabi foi eleita a melhor jogadora na decisão, que confirmou a supremacia do Rexona-Sesc no cenário brasileiro. Fundado em 2003, o time carioca acumula desde então nove títulos de Superliga, duas Supercopa Brasil, uma Supercopa do Campeões do Brasil, 12 campeonatos cariocas, além de três troféus de Campeonato Sul-Americano.

 

Rexona-Sesc e Minas Tênis Clube são os finalistas da Copa do Brasil de Vôlei Feminino

28 de janeiro de 2017 0

A final da Copa do Brasil de Vôlei Feminino será disputada neste sábado (28), às 21h (de Brasília), no ginásio do Taquaral, em Campinas (SP), entre Rexona-Sesc (RJ), atual campeão, e Camponesa/Minas Tênis Clube (MG).

O Rexona-Sesc garantiu vaga para disputar sua terceira final na história da competição ao derrotar o Dentil/Praia Clube (MG), por 3 sets a 1 (22/25, 25/20, 25/15 e 25/15), em jogo que reviveu a final da temporada passada e que teve 1h36 de duração.

Holandesa Anne Buijs foi a melhor do jogo - Divulgação/William Lucas/inovafoto/CBV

Holandesa Anne Buijs foi a melhor do jogo – Divulgação/William Lucas/inovafoto/CBV

Depois de um começo irregular, o time comandado pelo técnico Bernardinho dominou o adversário e manteve a escrita de jamais ter perdido para o adversário em todas as competições. A ponteira holandesa Anne Buijs, do Rexona-Sesc, teve atuação destacada e foi eleita a melhor jogadora do confronto.

Para a líbero Fabí, a grande mudança na partida foi a melhora do saque do time carioca.

- Fico muito feliz quando chegamos bem nos momentos decisivos das competições. O Praia Clube é uma grande equipe e tem um elenco muito forte. Conseguimos sair de um momento delicado na partida. Estávamos atrás do marcador até a metade do segundo set e revertemos o placar. A partir do segundo set, conseguimos sacar e defender melhor e, assim, criamos dificuldade para elas.

Minas surpreende Osasco em cinco sets

A outra semifinal terá lugar entre os melhores jogos da história do vôlei feminino brasileiro nos últimos anos. Em jogo que foi encerrado já na madrugada deste sábado, o Camponesa/Minas derrotou o Vôlei Nestlé/Osasco (SP), dono de dois títulos na história do torneio, por 3 sets a 2 (27/29, 25/23, 27/29, 25/22 e 15/10).

Jaqueline festeja ponto do Minas - Divulgação/Orlando Bento / Minas Tênis Clube

Jaqueline festeja ponto do Minas – Divulgação/Orlando Bento / Minas Tênis Clube

Com bloqueios decisivos, a central Carol Gattaz terminou a partida com o prêmio de melhor jogadora. Segundo ela, a força do grupo foi decisiva para a vitória.

- Foi muito importante termos conseguido essa vitória. Isso é resultado do investimento que esse projeto vem recebendo nos últimos três anos. Estamos numa crescente e essa partida mostrou a força do nosso grupo. Ganhamos essa partida como um time. Todo mundo que entrou ajudou, conseguimos reverter situações adversas e, como resultado, estamos em uma final.