Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Jogos Olímpicos Rio 2016"

Brasil conquista 15 medalhas no primeiro dia do Campeonato Sul-Americano de Canoagem Velocidade e Paracanoagem

22 de abril de 2017 0

O Brasil mostrou força no primeiro dia de competições do Campeonato Sul-Americano de Canoagem Velocidade e Paracanoagem, que começou a ser disputado na sexta-feira (21), nas águas de Paipa, na Colômbia. Os brasileiros conquistaram 15 pódios, sendo sete medalhas de ouro, quatro de prata e outras quatro de bronze.

Seleção Brasileira no Sul-Americano - Divulgação/CBCa

Seleção Brasileira no Sul-Americano – Divulgação/CBCa

A primeira participação da canoa brasileira foi com o medalhista olímpico Isaquias Queiroz, na prova C1 1000 m Sênior e ele garantiu a medalha de ouro. Os colombianos Sergio Diaz e Alejandro Rodriguez ficaram com prata e bronze, respectivamente.

Depois da prova, o dono de duas pratae e um bronze nos Jogos Olímpicos Rio 2016 avaliou as dificuldades do Sul-Americano.

- A prova foi legal, acho que a nossa dificuldade é a altitude que pega bastante, vamos esperar agora as próximas provas de 500m e 200m para ver se consigo levar as três medalhas de ouro para o Brasil, e torcer pelos outros brasileiros, para sairmos campeões por equipe.

Isaquias confirmou favoritismo - Divulgação/Sergio Dutti/Exemplus/COB

Isaquias confirmou favoritismo – Divulgação/Sergio Dutti/Exemplus/COB

Erlon Santos e Maico Ferreira, no C2 da categoria Sênior, e Sávio Vieira e Hélton Silva, na categoria júnior,  conquistaram mais duas pratas.

Já no C1 1000 m da categoria júnior, Jacky Godmann foi o vencedor, enquanto no sub-23 Milton Oliveira garantiu mais um bronze para a equipe brasileira.

No K4 1000m masculino júnior, o Brasil conquistou o ouro com Vitor Navarro, Matheus Moia, Marcos Scolaro e Willian Silva. Argentinos e uruguaios completaram o pódio. Na versão feminina da prova, o Brasil ficou com o bronze, atrás da Argentina e Chile. O barco brasileiro foi formado por Emilly Schellworth, Silvia Portela, Débora Garcia e Isadora Ribeiro.

Vagner Souta cruzou a linha de chegada em primeiro na disputa do K1 1000m masculino Sênior e garantiu o segundo ouro brasileiro no caiaque. Ele foi seguido pelo argentino Nelson Sallete e pelo colombiano Luis Garcia. Na categoria Sub23, o Brasil conquistou duas medalhas nesta mesma distância, com Bruna Domingues, ouro no feminino e Gilmar Júnior, prata entre os homens. E na sub 23 o atleta Vitor Navarro conquistou mais uma prata.

Roberto Maehler e Celso Dias levaram a medalha dourada no K2 masculino, enquanto Ana Paula Vergutz e Bruna Domingues foram prata na disputa feminina e Vitor Navarro e Matheus Moia ficaram com o bronze na categoria junior.

E na última disputa da sexta, mais um ouro para o Brasil, no K4 1000m masculino com o time formado por Vagner Souta, Roberto Maehler, Edson Silva e Celso Dias.

Gaúcha 2020 edição número 24

05 de março de 2017 0

A edição número 24 do Gaúcha 2020, apresentada no dia 4 de março, teve como assuntos principais a realização da Copa Brasil de Vela, as denúncias de compra de votos para a sede dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e a aposentadoria do nadador gaúcho Samuel De Bona.

Robert Scheidt (boné amarelo) e Gabriel Borges no 49er - Divulgação

Robert Scheidt (boné amarelo) e Gabriel Borges no 49er – Divulgação

Em Porto Alegre, Robert Scheidt falou sobre sua mudança de classe e mais um ciclo olímpico em sua carreira. Aos 43 anos, o velejador dono de duas medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze em Jogos Olímpicos, três delas na classe Laser e duas na Star, agora irá competir nos barcos da 49er ao lado do proeiro Gabriel Borges.

De Bona foi medalhista no Mundial de 2013 - Divulgação/CBDA/Ricardo Brandão

De Bona foi medalhista no Mundial de 2013 – Divulgação/CBDA/Ricardo Brandão

Com apenas 26 anos, De Bona decidiu abandonar o esporte. Atual campeão brasileiro de Maratonas Aquáticas, o gaúcho que tem no currículo a medalha de bronze por equipes nos 5 km do Campeonato Mundial de 2013, em Barcelona, a partir de agora irá se dedicar à sua nova profissão, a advocacia.

Clique aqui e ouça a edição 24 do Gaúcha 2020.

Equipe de Refugiados Olímpicos é homenageada durante Prêmio Laureus

14 de fevereiro de 2017 0

A Equipe de Refugiados Olímpicos (ROT), formada por seis homens e quatro mulheres, que competiu nos Jogos Olímpicos Rio 2016  recebeu o troféu especial entregue para Iniciativas para Promover o Bem Através do Esporte, durante a cerimônia do Prêmio Laureus, considerado o Oscar do esporte, em cerimônia realizada nesta terça-feira (14), em Monte Carlo.

Os integrantes da equipe Olímpica de Atletas Refugiados que disputará os Jogos do Rio 2016 - Divulgação/@ACNUR

Os integrantes da equipe Olímpica de Atletas Refugiados que disputará os Jogos do Rio 2016 – Divulgação/@ACNUR

Os 10 atletas selecionados e que participaram dos Jogos eram originários da Síria, Sudão do Sul, Etiópia e República Democrática do Congo e foram assistidos pelos Comitês Olímpicos Nacionais de Brasil, Bélgica, Quênia, Luxemburgo e Alemanha. Na Cerimônias de Abertura da Rio 2016, eles ingressaram no Estádio do Maracanã antes do Time Brasil, que encerrou o desfile das nações.

Confira os atletas da ROT, seus países de origem, modalidades e comitês de apoio:

Rami Anis – Síria – Natação

Yiech Pur Biel – Sudão do Sul – Atletismo (800m) – Quênia

James Nyang Chiengjiek – Sudão do Sul – Atletismo (400m) – Quênia

Yonas Kinde – Etiópia – Atletismo (Maratona) – Luxemburgo

Paulo Amotun Lokoro – Sudão do Sul – Atletismo (1.500m) – Quênia

Popole Misenga – República Democrática do Congo – Judô (90kg) – Brasil

Yusra Mardini  – Síria – Natação (200m livre) – Alemanha

Anjelina Nada Lohalith – Sudão do Sul – Atletismo (1.500m) – Quênia

Rose Nathike Lokonyen – Sudão do Sul – Atletismo (800m) – Quênia

Yolande Bukasa Mabika – República Democrática do Congo – Judô (70kg) – Brasil

Simone Biles é a vencedora do Laureus de Melhor Esportista Mulher

14 de fevereiro de 2017 0

A ginasta norte-americana Simone Biles foi a grande vencedora da categoria Melhor Esportista Mulher do Prêmio Laureus, considerado o Oscar do esporte, que teve sua cerimônia realizada nesta terça-feira (14), em Monte Carlo.

Simone Biles ganhou seu primeiro Laureus - Divulgação/Rio 2016

Simone Biles ganhou seu primeiro Laureus – Divulgação/Rio 2016

Dona de quatro medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos Rio 2016, no individual geral, salto, solo e por equipes, além de um bronze na trave, a atleta de 19 anos ganhou o prêmio pela primeira vez na carreira. Biles, aliás, é a primeira ginasta a receber a premiação; A tenista norte-americana Serena Williams é a maior vencedora, com três indicações (2003/10/16).

Para ficar com o prêmio, Simone Biles superou duas compatriotas, a nadadora Katie Ledecky e a velocista Allyson Felix. Também concorriam, a velocista jamaicana Elaine Thompson, a tenista alemã Angelique Kerber e a ciclista britânica Laura Kenny.

Nathalie Moellhausen fica em 37º na etapa de Legnano da Copa do Mundo de Esgrima

11 de fevereiro de 2017 0

A esgrimista Nathalie Moellhausen, que defendeu o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016, ficou em 37º lugar na 41ª edição do Trofeo Caroccio, disputado em Legnano, na região de Milão, na Itália, e válido pela Copa do Mundo de Esgrima.

Nathalie Moellhausen defendeu Itália e Brasil em Jogos Olímpicos - Foto: Reprodução/Twitter/@nmoellhausen

Nathalie Moellhausen defendeu Itália e Brasil em Jogos Olímpicos – Foto: Reprodução/Twitter/@nmoellhausen

Nascida na Itália, filha de um alemão e da estilista ítalo-brasileira Valeria Ferlini, Nathalie foi campeã mundial e europeia na arma espada, defendendo a seleção italiana. Em 2014 passou a competir pela equipe brasileira e foi campeã sul-americana em 2015, ano em que ainda ganhou duas medalhas de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

Em Legnano, a esgrimista de 31 anos foi eliminada pela italiana Marta Ferrari, na primeira rodada eliminatória, ao perder por 12 a 10. A medalha de ouro ficou com a estoniana Julia Beljajeva, campeã mundial em 2013, que derrotou a francesa Lauren Rempi na decisão, por 12 a 8. O pódio ainda teve a tunisiana Sarra Besbes e a ucraniana Dzhoan Feybi Bechura.

Sogipa recebe material utilizado no torneio de Tênis de Mesa dos Jogos Rio 2016

03 de fevereiro de 2017 0

Porto Alegre foi mais uma das cidades beneficiadas por parte do legado material dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A Sogipa recebeu, além de mesas de jogo, cadeiras de árbitro, porta toalhas, placar e separadores, que serão utilizados por diversos atletas de Tênis de Mesa.

O CT de Tênis de Mesa da Sogipa - Divulgação/CBTM

O CT de Tênis de Mesa da Sogipa – Divulgação/CBTM

João Irigoyen, diretor do departamento de Tênis de Mesa da Sogipa, acredita que poder usar o material que os melhores jogadores do mundo da modalidade também utilizaram será um fator motivacional para os jovens atletas.

- Teremos um centro de treinamento que reproduzirá um local com o que há de mais moderno no tênis de mesa. Certamente, este é um elemento da mais alta motivação. Os atletas se sentirão valorizados na prática do esporte. Fazendo uma comparação com o futebol, é como treinar em um campinho ou em uma grande arena.

Além de Porto Alegre, Rio de Janeiro (RJ), Varginha (MG), Teresina (PI), São Bento (SC) e Cuiabá (MT) também receberam materiais usados nos Jogos Olímpicos para centros de treinamentos. Todos eles, além de outros trabalhos, terão atividades voltadas aos mais jovens, visando detecção de talentos.

Jorge Zarif é bicampeão da etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela

29 de janeiro de 2017 0

Com uma campanha impressionante, o brasileiro Jorge Zarif conquistou neste domingo (29) o título da classe Finn, na etapa de Miami da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela, no City of Miami Regatta Park, nos Estados Unidos.

Zarif (centro) venceu na Finn - Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

Zarif (centro) venceu na Finn – Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

Quarto colocado nos Jogos Olímpicos Rio-2016, Jorginho venceu cinco da 10 regatas da fase classificatória e chegou ao último dia com 20 pontos de vantagem. Dessa forma, com um terceiro lugar na medal race, ele assegurou a medalha de ouro, com 23 pontos perdidos contra 51 do britânico Ben Cornish e 55 do norueguês Anders Pedersen.

Esta foi a segunda medalha de ouro de Zarif em Miami, já que ele também venceu no ano passado. Na atual edição, as campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze venceram na classe 49er FX.

Martine e Kahena venceram na 49er FX - Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

Martine e Kahena venceram na 49er FX – Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

Mais dois barcos brasileiros disputaram as regatas de medalha neste último dia de competição. Na classe 470 masculina, Henrique Haddad e Breno Abdulklech ficaram em 10º na prova de hoje e em nono lugar na classificação geral. O pódio foi formado pelos norte-americanos Stuart McNay/David Hughes, que terminaram a Rio-2016 em quarto, pelos japoneses Tetsuya Isozaki/Akira Takayanagi, e pelos gregos Panagiotis Mantis/Pavlos Kagialis, que ficaram com o bronze na Olimpíada.

Pódio da 470 masculina - Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

Pódio da 470 masculina – Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

O paranaense Bruno Fontes ficou em sexto na medal race da classe Laser e na 10ª posição no geral. O francês Jean-Baptiste Bernaz levou a medalha de ouro, seguido pelo cipriota Pavlos Kontides e pelo britânico Lorenzo Chiavarini, que ficaram com prata e bronze, respectivamente.

Demais resultados:

470 feminino -

Ouro: Afrodite Zegers/Anneloes Van Veen (HOL)

Prata: Sophie Weguelin/Eilidh McIntyre (GBR)

Bronze: Silvia Mas Depares/Paula Barcelo Martín (ESP)

Nacra 17 -

Ouro: Ben Saxton/Nicola Groves (GBR)

Prata: Tom Phipps/Nicola Boniface (GBR)

Bronze: Nico Delle-Karth/Laura Schöfegger (AUT)

Laser Radial -

Ouro: Vasileia Karachalion (GRE)

Prata: Eve Van Acker (BEL)

As medalhistas na Laser Radial - Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

As medalhistas na Laser Radial – Divulgação/Pedro Martinez/Jesus Renedo Sailing Energy

Bronze: Mathilde de Kerangat (FRA)

25º Gabriella Kidd (BRA)

49er masculino -

Ouro: Dieter Fletcher-Scott/Stuart Bithell (GBR)

Prata: Benjamin Bildstein/David Hussl (AUT)

Bronze: Diego Botín le Chever/Iago López Marra (ESP)

16º Robert Scheidt/Gabriel Borges (BRA)

Etíopes dominam Maratona de Dubai

20 de janeiro de 2017 0

O etíope Tamirat Tola venceu nesta sexta-feira (20) a 18ª edição da Maratona de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Com o tempo de 2h04min11seg, o corredor de 25 anos, que conquistou a medalha de bronze nos 10 mil metros nos Jogos Olímpicos Rio 2016, estabeleceu uma nova marca para o percurso. O recorde anterior pertencia a seu compatriota Ayele Abshero, que venceu em 2012, com 2h04min23seg.

Tamirat Tola vence em Dubai - Divulgação/Giancarlo Colombo

Tamirat Tola vence em Dubai – Divulgação/Giancarlo Colombo

A vitória de Tola foi a sexta consecutiva de um corredor da Etiópia. No geral, os etíopes ganharam a prova em 11 oportunidades contra sete dos quenianos. Neste ano, eles ocuparam nove das dez primeiras colocações.

Um dos grandes favoritos, o também etíope Kenenisa Bekele acabou sofrendo uma queda no meio da prova e abandonou a disputa. O dono de três medalhas de ouro olímpicas e uma de prata havia anunciado que esperava vencer e ainda quebrar o recorde mundial, que pertence ao queniano Dennis Kimetto, que venceu a Maratona de Berlim (Alemanha) de 2014, com o tempo de 2h02min57seg. Caso algum atleta conseguisse este feito receberia um bônus US$ 50 mil, além dos US$ 200 mil destinados ao campeão.

Quenianos dominaram a prova - Divulgação/Giancarlo Colombo

Quenianos dominaram a prova – Divulgação/Giancarlo Colombo

Mais três etíopes chegaram na sequência e confirmaram a supremacia do país na competição: Mule Wasihun, foi o segundo a 2min35seg do líder, com Sisay Lemma e Sisay Jigsa na terceira e quarta colocações, respectivamente.

Estreante vence prova feminina

O domínio etíope também foi verificado na prova feminina. As nove primeiras colocadas vieram da Etiópia. Estreante em maratonas, Worknesh Degefa, de 26 anos, foi a ganhadora com o tempo de 2h22min36seg, a 12ª melhor marca de uma debutante na história, 21 segundos à frente de sua compatriota Shure Demise, segunda colocada.

Worknesh Degefa estreou em maratonas - Divulgação/Giancarlo Colombo

Worknesh Degefa estreou em maratonas – Divulgação/Giancarlo Colombo

Esta foi a 11ª vitória consecutiva de uma etíope em Dubai, a 12ª nas 18 edições. A Rússia tem quatro vitórias e o Quênia, uma. O recorde ainda pertence a tricampeã Aselefech Mergia, que conquistou o bicampeonato em 2012, com 2h19min31seg.

Confira os 10 primeiros colocados em cada prova:

Masculino -

1º Tamirat Tola (ETI) 2:04:11
2º Mule Wasihun (ETI) 2:06:46
3º Sisay Lemma (ETI) 2:08:04
4º Sisay Jigsa (ETI) 2:08:09
5º Mark Lokwanamoi (QUE) 2:08:39
6º Mekuant Ayenew (ETI) 2:09:23
7º Azmeraw Bekele (ETI) 2:10:22
8º Chele Dechasa (ETI) 2:10:24
9º Limenih Getachew (ETI) 2:11:16
10 Tsegaye Mekonnen (ETI) 2:11:54

Feminino -

1ª Worknesh Degefa (ETH) 2:22:36
2ª Shure Demise (ETH) 2:22:57
3ª Yebrgual Melese (ETH) 2:23:13
4ª Tadelech Bekele (ETH) 2:24:04
5ª Hirut Tibebu (ETH) 2:25:12
6ª Roza Dereje (ETH) 2:26:58
7ª Shuko Genemo (ETH) 2:28:16
8ª Tigist Teshome (ETH) 2:30:09
9ª Megertu Ifa (ETH) 2:30:45
10ª Anne-Mari Hyrylainen (FIN) 2:32:19

Presidente do COI afirma que Rio 2016 foi absoluto sucesso

16 de novembro de 2016 0

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, voltou a exaltar os Jogos Olímpicos Rio 2016. Durante a XXI Assembleia Anual Geral da Associação Nacional dos Comitês Olímpicos (ANOC), o dirigente classificou os Jogos como um “absoluto sucesso” e destacou a ampla transmissão dos eventos no Rio de Janeiro e o alcance obtido a nível mundial pelas redes sociais.

Bach fez diversos elogios aos Jogos do Rio - Divulgação/ Greg Martin/COI

Bach fez diversos elogios aos Jogos do Rio – Divulgação/ Greg Martin/COI

Segundo Bach, o Rio 2016 registrou um aumento de 75% em termos de horas de transmissão em relação a Londres 2012, um recorde. Além disso, o COI alcançou por meio das plataformas sociais mais de cinco bilhões de pessoas. “Isso quer dizer que mais da metade da população do mundo estava assistindo aos Jogos. Isso é muito expressivo. A minha geração, que ainda vê televisão, e a geração mais jovem, que é ligada às mídias sociais, foram impactadas pelos Jogos“, destacou o dirigente.

Vôlei foi umas grandes atrações dos Jogos Rio 2016 - Divulgaçõ/Rio 2016

Vôlei foi umas grandes atrações dos Jogos Rio 2016 – Divulgaçõ/Rio 2016

O presidente do COI também citou o clima de incerteza criado antes do evento, dissolvido ao longo dos dias de competição. “A atmosfera era de dúvida, com muitas alegações e acusações. Vocês lembram das manchetes. Sobre segurança, sobre as obras, sobre a política, sobre a zika. Muitos especialistas falaram que deveríamos cancelar os Jogos Olímpicos. Mas quando a poeira baixou, houve um abismo entre a opinião que foi publicada e a opinião pública. Quando olhamos com uma certa distância, podemos ter certeza de que os Jogos tiveram sucesso em todos ou na maioria dos aspectos. Foi além do que imaginávamos. Nós sabíamos que tínhamos um grande desafio pela frente”, afirmou durante a assembleia.

No Rio, Bolt chegou a nove medalhas de ouro olímpicas - Divulgação/Rio 2016

No Rio, Bolt chegou a nove medalhas de ouro olímpicas – Divulgação/Rio 2016

“Se a gente comparar onde está o esporte dentro do restante da sociedade, podemos dizer que, neste mundo frágil, o esporte é uma âncora de estabilidade que cada vez mais pessoas estão procurando e confiando. Temos que justificar essa confiança e permanecer sendo essa âncora”, comentou Bach.

Fonte: Ministério do Esporte/COI

Emily Lima convoca Seleção Brasileira Feminina de Futebol para disputa do Torneio Internacional de Manaus

15 de novembro de 2016 0

A técnica da Seleção Brasileira Feminina de Futebol, Emily Lima, realizou sua primeira convocação, após ser nomeada para substituir Vadão. Ela chamou 23 jogadoras para a disputa do Torneio Internacional de Manaus, de 7 a 18 de dezembro. Na competição, o Brasil enfrentará a Costa Rica (dia 7), a Rússia (dia 11) e a Itália (dia 14). As duas seleções melhores colocadas no quadrangular serão as finalistas, enquanto as outras duas disputarão o terceiro lugar. Todos os jogos serão realizados na Arena da Amazônia.

Emily Lima fará sua estreia na Seleção - Divulgação/ Kin Saito/CBF

Emily Lima fará sua estreia na Seleção – Divulgação/ Kin Saito/CBF

Das 23 jogadoras convocadas, 13 disputaram os Jogos Olímpicos Rio 2016, em que a Seleção Brasileira conquistou o quarto lugar. Millene, do Rio Preto, artilheira do Campeonato Brasileiro Feminino deste ano, é uma das novidades. Esta será a oitava edição da competição, e o Brasil é hexacampeão, ficando sem o título apenas em 2010, quando o Canadá sagrou-se campeão.

Confira a lista de convocadas:

Goleiras:

Bárbara – CBF

Letícia – Corinthians

Viviane – São José

Zagueiras:

Rafaelle – Changchun Volkswagem (China)

Mônica – Adelaide United FC (Austrália)

Mônica disputou Jogos Rio 2016 - Divulgação/Rafael Ribeiro / CBF

Mônica disputou Jogos Rio 2016 – Divulgação/Rafael Ribeiro / CBF

Bruna Benites – Avaldsnes Idrettslag (Noruega)

Ana Alice – Kiryat Gat (Israel)

Laterais:

Camila – Corinthians

Tamires – Fortuna Horring (Dinamarca)

Fabiana - Dalian Quanjian (China)

Poliana - Houston Dash (EUA)

Poliana também esteve nos Jogos Olímpicos - Divulgação/Vlademir Alexandre /Allsports

Poliana também esteve nos Jogos Olímpicos – Divulgação/Vlademir Alexandre /Allsports

Meio-campo:

Formiga – CBF

Thaisa – Corinthians

Andressinha – Houston Dash (EUA)

Gabi Ceará – Braga (Portugal)

Debinha - Dalian Quanjian (China)

Rosana – São José

Rosana foi prata nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008 - Divulgação/FIFA

Rosana foi prata nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008 – Divulgação/FIFA

Gabi Zanotti – Dalian Quanjian (China)

Atacantes:

Rafaela – Francana

Nenê - Corinthians

Millene – Rio Preto

Bia Zaneratto – Huyndai Steel Red Angels (Coreia do Sul)

Chu – Corinthians