Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Jogos Pan-Americanos de Toronto"

Nathalie Moellhausen fica em 37º na etapa de Legnano da Copa do Mundo de Esgrima

11 de fevereiro de 2017 0

A esgrimista Nathalie Moellhausen, que defendeu o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016, ficou em 37º lugar na 41ª edição do Trofeo Caroccio, disputado em Legnano, na região de Milão, na Itália, e válido pela Copa do Mundo de Esgrima.

Nathalie Moellhausen defendeu Itália e Brasil em Jogos Olímpicos - Foto: Reprodução/Twitter/@nmoellhausen

Nathalie Moellhausen defendeu Itália e Brasil em Jogos Olímpicos – Foto: Reprodução/Twitter/@nmoellhausen

Nascida na Itália, filha de um alemão e da estilista ítalo-brasileira Valeria Ferlini, Nathalie foi campeã mundial e europeia na arma espada, defendendo a seleção italiana. Em 2014 passou a competir pela equipe brasileira e foi campeã sul-americana em 2015, ano em que ainda ganhou duas medalhas de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

Em Legnano, a esgrimista de 31 anos foi eliminada pela italiana Marta Ferrari, na primeira rodada eliminatória, ao perder por 12 a 10. A medalha de ouro ficou com a estoniana Julia Beljajeva, campeã mundial em 2013, que derrotou a francesa Lauren Rempi na decisão, por 12 a 8. O pódio ainda teve a tunisiana Sarra Besbes e a ucraniana Dzhoan Feybi Bechura.

Após ótima campanha nos Jogos Rio 2016, Hugo Calderano atinge melhor ranking de um mesa-tenista latino-americano

25 de agosto de 2016 0

O brasileiro Hugo Calderano atingiu o melhor resultado de um mesa-tenista latino-americano no ranking da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF). Após a boa campanha nos Jogos Olímpicos Rio 2016, quando foi eliminado nas oitavas de final, o carioca de 20 anos passou a ocupar a 31ª posição, melhor colocação já atingida por um jogador da América Latina, superando o 33º lugar do paulista Gustavo Tsuboi, em novembro de 2014.

Calderano fez história na Rio 2016 - Divulgação/Christian Martinez/CBTM

Calderano fez história na Rio 2016 – Divulgação/Christian Martinez/CBTM

Medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos de Toronto, no Canadá, no ano passado, quando ainda levou o título por equipes, Calderano comemorou a marca.

“Fiquei muito feliz com essa nova posição. Vinha treinando bem há algum tempo, mas não tinha subido no ranking. Agora, isso me dá muita motivação e confiança para os meus próximos campeonatos e também para a Liga Alemã. A Copa do Mundo, que vai ser meu próximo evento internacional, vai ser uma outra boa oportunidade para competir com os melhores do mundo”.

Fonte: Confederação Brasileira de Tênis de Mesa 

Técnico da Seleção Olímpica, Rogério Micale foi vice no Mundial sub-20 e bronze no Pan de Toronto

15 de junho de 2016 1

O técnico Rogério Micale vai comandar a Seleção Brasileira Olímpica durante os Jogos Rio 2016, em agosto.  O baiano de 47 anos, que se notabilizou por trabalhos em categorias de base tem no currículo, a conquista da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2008, pelo Figueirense (SC), o bicampeonato da Taça BH Júnior de 2010/11, pelo Atlético Mineiro (MG).

Micale venceu cinco e perdeu dois jogos com a Seleção Olímpica - Divulgação/CBf/Arquivo

Micale venceu cinco e perdeu dois jogos com a Seleção Olímpica – Divulgação/CBf/Arquivo

Em maio de 2015, Micale foi convidado a ser o novo técnico das Seleções Brasileiras sub-20 e sub-23, após a demissão de Alexandre Gallo, e ficou com o vice-campeonato do Mundial sub-20 de 2015 e na conquista da medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

No Pan de Toronto, atacante Luciano foi chamado por Micale - Divulgação/Rafael Ribeiro/CBF

No Pan de Toronto, atacante Luciano foi chamado por Micale – Divulgação/Rafael Ribeiro/CBF

No período em que Dunga esteve no comando da Seleção Principal, Rogério Micale dirigiu a equipe olímpica em sete amistosos com cinco vitórias (República Dominicana, Haiti, Estados Unidos, duas vezes, e África do Sul) e duas derrotas (França e Nigéria). No Pan, foram três vitórias (Canadá, Peru e Panamá), um empate (Panamá) e uma derrota (Uruguai).

Neymar será atração na Rio 2016 - Divulgação/CBF

Neymar será atração na Rio 2016 – Divulgação/CBF

Para os Jogos Rio 2016, a CBF irá apresentar à FIFA uma pré-lista com 35 jogadores e 12 integrantes da comissão técnica. No dia 19 de junho, a relação definitiva terá que ser divulgada, contendo os 18 inscritos para o torneio olímpico e mais quatro reservas.

Dafne Schippers quebra recorde e é grande nome da etapa de Oslo da Liga Diamante de Atletismo

09 de junho de 2016 0

A holandesa Dafne Schippers foi o grande nome da sétima etapa da Liga Diamante de Atletismo, realizada nesta quinta-feira (09), em Oslo, na Noruega. Com o tempo de 21seg93, ela venceu a prova, estabeleceu a melhor marca da temporada e de quebra cravou um novo recorde para o Meeting e para a competição.

Dafne Schippers fez melhor marca do ano - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Dafne Schippers fez melhor marca do ano – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Campeã mundial dos 200m em Pequim, no ano passado, e vice-campeã nos 100m rasos, a atleta de 23 anos promete ser uma das grandes atrações dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A segunda colocação ficou com a jamaicana Elaine Thompson, atual vice-campeã do mundo, que completou a prova em 22seg64. O pódio ainda teve a búlgara Ivet Lalova-Collio, com 22seg78. Única brasileira a participar do evento, a carioca Rosângela Santos finalizou em sexto lugar, com 23seg65, sua melhor marca no ano.

Rosângela ficou em sexto nos 200m - Divulgação/CBAt

Rosângela ficou em sexto nos 200m – Divulgação/CBAt

Medalhista de ouro nos 100m e 200m rasos nos Jogos Pan-Americanos de Toronto-2015, o canadense Andre De Grasse venceu a prova dos 100m com o tempo de 10seg07, superando os norte-americanos Michael Rodgers (10seg09) e Dentarius Locke (10seg12).

De Grasse venceu os 100m - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

De Grasse venceu os 100m – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Outros dois recordes de temporada foram estabelecidos em Oslo, ambos na Milha (1,609m). No masculino, o queniano Asbel Kiprop fez 3min51seg48 e deicou para trás o compatriota Elijah Motonei Manangoi (3min52seg04) e o argelino Taoufik Makhloufi (3min52seg24) e assumiu a liderança do ranking.

Asbel Kiprop fez melhor marca da milha - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Asbel Kiprop fez melhor marca da milha – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Já entre as mulheres, a etíope Faith Kipyetson marcou 4min18seg60 e venceu o duelo com a britânica Laura Muir (4min19seg12) e a sueca Meraf Bahta, nascida na Eritreia, que marcou 4min25seg26 e levou o bronze.

No duelo entre o atual campeão olímpico do salto com vara, o francês Renaud Lavillenie, e o atual campeão mundial e dos Jogos Pan-Americanos, o canadense Shawn Barber, melhor para o europeu que saltou 5,80m e ficou sete centímetros à frente do rival. O polonês Paweł Wojciechowski , bronze no Mundial, conseguiu 5.65m e garantiu um lugar no pódio.

Lavillenie é atual campeão olímpico - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Lavillenie é atual campeão olímpico – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Demais resultados:

Lançamento do disco feminino -

Ouro: Sandra Perković (CRO) 67,10m

Prata: Nadine Müller (ALE) 63,09m

Bronze: Denia Caballero (CUB) 62,65m

Salto triplo masculino -

Ouro: Alexis Copello (CUB) 16,91m

Prata: Teddy Tamgho (FRA) 16,80m

Bronze: Max Hess (ALE) 16,69m

Arremesso de peso masculino -

Ouro: Joe Kovacs (EUA) 22,01m

Joe Kovacs é atual campeão mundial - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Joe Kovacs é atual campeão mundial – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Prata: Konrad Bukowiecki (POL) 21,14m

Bronze: Tomasz Majewski (POL) 20,56m

Salto em altura feminino -

Ouro: Ruth Beitia (ESP) 1,90m

Prata: Tonje Angelsen (NOR) 1,85m

Prata: Michaela Hruba (CZE) 1,85m

Prata: Sofie Skoog (SUE) 1,85m

400m com barrieras masculino -

Ouro: Yasmani Copello (TUR) 48seg79

Prata: Javier Culson (PUR) 49seg99

Bronze: Michael Tinsley (EUA) 49seg02

3.000m com obstáculos feminino -

Ouro: Hyvin Kiyengh (QUE) 9min09seg57

 Hyvin Kiyengh levou 3 mil com obstáculos - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Hyvin Kiyengh levou 3 mil com obstáculos – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Prata: Sofia Assefa (ETI) 9min18seg53

Bronze: Etenesh Diro Neda (ETI) 9min19seg40

400m rasos feminino -

Ouro: Stephenie Ann McPherson (JAM) 51seg04

Prata: Natasha Hastings (EUA) 51seg38

Bronze: Novlene Williams-Mills (JAM) 51seg66

Lançamento do dardo masculino -

Ouro: Thomas Röhler (ALE) 89,30m

Prata: Johannes Vetter (ALE) 87,11m

Bronze: Keshorn Walcott (TTO) 86,35m

5.000m rasos masculino -

Ouro: Hagos Gebriwet (ETI) 13min07seg70

Prata: Muktar Edris (ETI) 13min08seg11

Bronze: Yomif Kejelcha (ETI) 13min08seg34

Salto em distância feminino -

Ouro: Ivana Španović (SER) 6,94m

Ivana Španović foi bronze no Mundial - Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Ivana Španović foi bronze no Mundial – Divulgação/Mark Shearman/IAAF

Prata: Christabel Nettey (CAN) 6,68m

Bronze: Shara Proctor (GBR) 6,67m

100m com barreiras feminino -

Ouro: Brianna Rollins (EUA) 12seg56

Prata: Dawn Harper-Nelson (EUA) 12seg75

Bronze: Jasmin Stowers (EUA) 12seg79

Mais dois brasileiros conquistam índice olímpico no Atletismo

09 de maio de 2016 0

A lista dos atletas brasileiros que vão aos Jogos Olímpicos Rio 2016 ganhou mais dois nomes no final de semana. O goiano Mahau Suguimati, radicado no Japão, terminou em quarto lugar os 400m com barreiras do Grand Prix de Kawasaki, no Japão, com o tempo de 49s26 e superou o índice de 49s40, estabelecido para disputar a competição.

Mahau Suguimati disputou os Pans de 2007/11 - Divulgação/Arquivo

Mahau Suguimati disputou os Pans de 2007/11 – Divulgação/Arquivo

Esta será a segunda Olimpíada de Suguimati. Mahau foi semifinalista nos Jogos de Pequim-2008, quando terminou em 15º lugar. Aos 31 anos, ele tem como principais resultados as medalhas de ouro no Campeonato Ibero-Americano de 2008, e de bronze na mesma competição em 2010/14. Ele ainda foi campeão sul-americano em 2013. Sua melhor marca na prova é de 48s67, obtida em Niigata (Japão), em outubro de 2009.

O outro classificado foi Altobeli Santos da Silva, 25 anos, que venceu a etapa de São Bernardo do Campo, do Campeonato Paulista de Atletismo, nos 3000m com obstáculos com o tempo de 8m28s56, superando o índice que era de 8m30s00. A marca é a 17ª melhor do mundo nesta temporada. Dos 16 primeiros, 11 atletas são quenianos.

Altobeli Santos da Silva disputará sua primeira Olimpíada - Divulgação

Altobeli Santos da Silva disputará sua primeira Olimpíada – Divulgação

Campeão da meia maratona do Rio de Janeiro (2013), vice-campeão Ibero-Americano, e campeão do Troféu Brasil de Atletismo nos 5.000m metros (2015), Altobelli disputou os Jogos Pan-Americanos de Toronto, no ano passado, e ficou em sexto lugar nos 5.000m rasos.

Caio Bonfim e Cisiane Dutra Lopes vencem Copa Brasil de Marcha

27 de fevereiro de 2016 0

O brasiliense Caio Bonfim (CASO-DF) e a pernambucana Cisiane Dutra Lopes (AASD-PE) confirmaram o favoritismo e venceram na manhã deste sábado (27) as provas dos 20 km da Copa Brasil de Marcha, disputada no circuito olímpico montado na Praia do Pontal, Recreio dos Bandeirantes, no Rio de Janeiro.

Caio Bonfim faturou o título da Copa do Brasil - Divulgação/André Telles/CBAt

Caio Bonfim faturou o título da Copa do Brasil – Divulgação/André Telles/CBAt

Caio obteve a quinta vitória consecutiva na competição ao completar as 20 voltas no circuito de 1 km em 1h26m12s. Já Cisiane conseguiu o sexto título da carreira no torneio, com o tempo de 1h45m34s. Os dois já estão qualificados para representar o Brasil na Olimpíada do Rio, em agosto.

Sexto colocado no Campeonato Mundial de Pequim e medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, Caio estava muito satisfeito com o desempenho.

“Marchei no meu ritmo e forcei na última volta. Valeu o teste, está tudo aprovado. Foi minha primeira competição do ano e estarei cada vez mais focado na Olimpíada”.

Na disputa feminina, Cisiane foi a primeira brasileira, já que a chinesa Fayin Ma, com o tempo de 1h43m49s, foi a primeira a concluir a prova, mas, como participou da competição como convidada, não entrou na classificação oficial.

Cisiane Lopes venceu pela sexta vez - Divulgação/André Telles/CBAt

Cisiane Lopes venceu pela sexta vez – Divulgação/André Telles/CBAt

Resultado final:

20 km masculino -

1º-Caio Bonfim (CASO-DF) – 1h26m12s
2º-José Alessandro Bagio (AABLU-SC) – 1h30m46s
3º-Moacir Zimmermann (AABLU-SC) – 1h34m19s

* O chinês Mingli Wang cruzou em terceiro lugar com 1h34m07s

20 km feminino -

1º-Cisiane Dutra Lopes (AASD-PE) – 1h45m34s
2º-Liliane Priscila Barbosa (ABC-DF) – 1h53m10s
3º-Nair da Rosa (AABLU-SC) – 1h54m42s

Real Madrid anuncia contratação do brasileiro Augusto Lima

25 de janeiro de 2016 0

O Real Madrid anunciou nesta segunda-feira (25), a contratação do ala/pivô brasileiro Augusto Lima, 24 anos, que estava atuando no UCAM Murcia.

Medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, em 2015, Augusto fez toda sua carreira na Espanha. Em 2009, ele começou a jogar pelo Baloncesto Unicaja Málaga e depois passou por CB Axarquía, Granada, antes de voltar a defender Málaga e Murcia, mais uma vez.

Augusto Lima com a camisa do Real Madrid - Divulgação/Real Madrid

Augusto Lima com a camisa do Real Madrid – Divulgação/Real Madrid

Augusto Lima fechou contrato com o Real Madrid irá até o final da temporada 2017-2018. Em seu site oficial, o clube destacou as principais características do brasileiro.

Augusto Lima foi ouro no Pan - Divulgação/Gaspar Nóbrega/Inovafoto/Bradesco

Augusto Lima foi ouro no Pan – Divulgação/Gaspar Nóbrega/Inovafoto/Bradesco

“Com 10,4 pontos, 7,2 rebotes e 16,6 de avaliação por partida, ele foi o segundo melhor pivô da Liga. É um jogador muito ágil para sua posição. Um reboteador nato, que liderou o ranking de rebotes na temporada 2013-14 e que tem média de mais de sete nos últimos dois anos. Possui uma grande capacidade defensiva, à qual contribui seu poder de intimidação”.

Salto com vara salva ano e coloca atletismo brasileiro no Top 10

27 de dezembro de 2015 1

O atletismo brasileiro vive um de seus piores momentos. Em 2015 durante os Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, o país conseguiu  13 medalhas (2 ouros, 5 pratas e 6 bronzes), sendo que a segunda medalha dourada veio após o anúncio de que a peruana Gladys Tejeda havia sido flagrada no exame anti-doping e Adriana Aparecida da Silva herdou o primeiro lugar da Maratona. Na pista, Juliana Paula dos Santos, nos 5000m, foi a única campeã.

Murer busca primeira medalha olímpica - Divulgação/Wagner Carmo/CBAt

Murer busca primeira medalha olímpica – Divulgação/Wagner Carmo/CBAt

Fabiana Murer, principal nome do atletismo brasileiro no momento, foi exceção. No Pan, ela ficou com a prata e repetiu a colocação no Campeonato Mundial, em Pequim, na China. Nas duas oportunidades, a cubana Yarisley Silva ficou com o ouro.

Ainda no salto com vara, em junho, Thiago Braz da Silva quebrou o recorde sul-americano ao saltar 5.92m  em evento de rua, organizado pela Federação de Atletismo do Azerbaijão, em conjunto com a Associação Europeia de Atletismo, em meio aos Jogos Europeus de Baku, no Azerbaijão. O resultado foi o sétimo melhor da temporada.

Thiago fez sétima marca do ano - Divulgação/Wagner Carmo/CBAt

Thiago fez sétima marca do ano – Divulgação/Wagner Carmo/CBAt

Nas demais provas o Brasil não conseguiu nenhum outro atleta entre os 10 melhores do mundo. No Top-20, Andressa de Morais ficou com a 14ª marca no lançamento de disco, mesma colocação dos revezamentos 4x400m masculino e 4x100m feminino; Darlan Romani foi o 15º no arremesso de peso e o 4x100m masculino ficou com o 19º lugar.

Marcus Vinícius Freire, superintendente executivo de esportes do Comitê Olímpico do Brasil (COB), o objetivo é corrigir problemas para ter um bom desempenho.

- O atletismo está em um momento de transição de estratégia, eles têm um diretor técnico novo, já há mais de dois anos alguns treinadores estrangeiros foram contratados. Vamos ver os pontos de atenção e apresentar alguns pontos de mudança daqui para frente, para melhorar para o próximo ano.

Juliana foi ouro no Pan - Divulgação/Fernanda Paradizo/CBAt

Juliana foi ouro no Pan – Divulgação/Fernanda Paradizo/CBAt

Confira lista dos brasileiros entre os 50 melhores do ano de 2015:

Masculino -

Salto com vara – 7º Thiago Braz da Silva 5,92m

Revezamento 4x400m – 14º Brasil 3m00s96

Arremesso de peso – 15º Darlan Romani 20,90m

Revezamento 4x100m – 19º Brasil 38s63

Decatlo – 21º Luís Alberto de Araújo 8.179 pontos

Lançamento do dardo – 23º Júlio César de Oliveira 83,67m

Lançamento de disco – 28º Ronald Julião 64,65m

Ronald Julião buscará final - Divulgação/Arquivo/CBAt/Wagner do Carmo

Ronald Julião buscará final – Divulgação/Arquivo/CBAt/Wagner do Carmo

Salto em distância – 29º Alexsandro de Melo 8,12m

Marcha 20km – 29º Caio Bonfim 1h20m44s

Salto em altura – 39º Talles Frederico Silva 2,28m

Salto triplo – 42º Jean-Cassimiro Rosa 16,80m

1.500m rasos – 46º Thiago André 3m35s90

110m com barreiras – 42º João Vítor de Oliveira 133s45

400m com barreiras – 47º Hederson Estefani 49s40

Lançamento do martelo – 49º Wagner Domingos 74,20m

Feminino -

Salto com vara – 2º Fabiana Murer 4,85m

Lançamento do disco – 14º Andressa de Morais 64,15m

Andressa Morais ficou em 14º no ano - Divulgação/Carol Coelho/CBAt

Andressa Morais ficou em 14º no ano – Divulgação/Carol Coelho/CBAt

Revezamento 4x100m – 14º Brasil 42s92

Revezamento 4x400m – 21º Brasil 3m29s38

Salto triplo – 22º Keila Costa 14,17m

100m rasos – 23º Ana Cláudia Lemos Silva 11s01

Marcha 20km – 25º Érica de Sena 1h29m37s

Lançamento do dardo – 34º Jucilene de Lima 61,23m

Salto em distância – 35º Keila Costa 6,70m

Keila deve disputar saltos em distância e triplo - Divulgação/CBAt/Arquivo

Keila deve disputar saltos em distância e triplo – Divulgação/CBAt/Arquivo

Heptatlo – 36º Vanessa Spínola 6.103 pontos

Arremesso de peso – 40º Geisa Arcanjo 14,76m

200m rasos 0 42º Rosângela Santos 22s17

400m rasos – 42º Geisa Coutinho 51s43

800m rasos – 44º Flávia de Lima 2m00s40

Brasil encara hegemonia europeia e tabu de 47 anos sem vitórias no Pólo Aquático Masculino

21 de dezembro de 2015 0

A temporada da Seleção Brasileira de Pólo Aquático masculino foi bastante movimentada. Depois de uma surpreendente medalha de bronze na Liga Mundial, a equipe amargou um vice-campeonato nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e ainda se viu envolvida em um escândalo de acusação de assédio sexual envolvendo o goleiro reserva Thye Mattos Bezerra. Depois, no Mundial de Esportes Aquáticos em Kazan, na Rússia, o time dirigido pelo croata Ratko Rudić decepcionou e caiu nas oitavas de final, sem nenhuma vitória em quatro jogos, e terminou na 10ª colocação.

Croata Ratko Rudic (centro) dirige seleção brasileira - Divulgação

Croata Ratko Rudic (centro) dirige seleção brasileira – Divulgação

Com a vaga assegurada para os Jogos Rio-2016, o Brasil buscará surpreender os grandes favoritos e tentar repetir o desempenho da Liga Mundial. Porém, a tarefa será árdua. Desde 1900, quando a modalidade ingressou no programa olímpico as seleções europeias venceram as 25 medalhas de ouro disputadas, ficaram com 22 de prata e garantiram mais 23 bronzes. Apenas os Estados Unidos, com três pratas e três bronzes, conseguiram um lugar no pódio.

Em 2015, a Sérvia sagrou-se tricampeã da Liga Mundial e campeã do Mundial de Esportes Aquáticos, ao derrotar a Croácia, atual campeã olímpica, nas duas decisões. A Grécia ficou com o bronze em Kazan. Seis das 12 vagas para o Rio já estão preenchidas: Brasil (país-sede), Sérvia (campeã da Liga Mundial), Estados Unidos (campeões dos Jogos Pan-Americanos), Croácia e Grécia (vice-campeã e terceira colocada no Mundial) e Japão (campeã asiático) são os classificados. Os outros seis classificados serão definidos entre janeiro e abril do próximo ano.

Em 2009, Felipe Perrone foi vice mundial pela Espanha - Divulgação/Vítor Silva/CBDA

Em 2009, Felipe Perrone foi vice mundial pela Espanha – Divulgação/Vítor Silva/CBDA

A grande aposta brasileira para brigar por uma medalha não estará na piscina, mas ao lado. Aos 67 anos, Ratko Rudić é apontado como um dos principais treinadores do mundo. Vice-campeão olímpico nos Jogos de Moscou-1980, quando atuava pela seleção da Iugoslávia, ele construiu uma vitoriosa carreira dirigindo a própria seleção iugoslava, além de Itália, Estados Unidos e Croácia.

Nestas período, Rudić foi campeão olímpico em Los Angeles-1984 e em Seul-1988, pela Iugoslávia, em Barcelona-1992, pela Itália, e em Londres-2012 com a Croácia, além de um bronze em Atlanta-1996 com a equipe italiana.

Brasil levou a prata no Pólo Aquático do Pan -  Divulgação/CBDA

Brasil levou a prata no Pólo Aquático do Pan – Divulgação/CBDA

Em seis participações olímpicas, o Brasil tem apenas quatro vitórias em 28 jogos disputados. A primeira delas ocorreu na estreia dos Jogos da Antuérpia-20, quando os brasileiros ficaram em sexto lugar, após perderem para a Suécia nas quartas de final. Em 1932, em Los Angeles, após duas derrotas, a equipe foi desclassificada antes mesmo de concluir a fase classificatória, depois de agressões ao árbitro húngaro Bela Komjadi, na partida diante da Alemanha, o que ocasionou a eliminação do torneio.

Croácia é atual campeã olímpica - Divulgação/CBDA

Croácia é atual campeã olímpica – Divulgação/CBDA

Depois, em Helsinque-52, Roma-60 e Tóquio-64, o Brasil não passou da fase de classificação e ficou com o 13º lugar nas três oportunidades. No México-68, após um empate e cinco derrotas, os brasileiros disputaram o torneio de classificação e com vitórias sobre Egito e Grécia voltaram a repetir a colocação das edições anteriores.

A última vez que uma Seleção Brasileira esteve em uma Olimpíada foi em Los Angeles-84 e a equipe ficou na 12ª e última posição, sem vencer nenhum dos sete jogos disputados. Aliás, a última vitória brasileira aconteceu em 25 de outubro de 1968, diante da Grécia (5 a 2).

Chineses são favoritos e brasileiros buscarão disputar finais dos Saltos Ornamentais no Rio 2016

21 de dezembro de 2015 0

A China dominou as disputas das provas olímpicas dos Saltos Ornamentais no último Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em Kazan, na Rússia, e entra nos Jogos Olímpico Rio 2016 como grande favorita.

Desde os Jogos de Seul-1988, aliás, os chineses tem dominado a modalidade. De lá para cá são 32 medalhas de ouro de um total de 44 em disputa. Os asiáticas ainda subiram no pódio em outras 23 oportunidades (16 pratas e 7 bronzes). O melhor desempenho aconteceu em casa, em Pequim-2008, quando a China ganhou sete das oito medalhas de ouro, além de garantir uma prata e três bronzes.

Qin Kai e Cao Yuan são atuais campeões mundiais do trampolim 3m sincronizado - Divulgação/Giorgio Scala/Deepbluemedia/FINA

Qin Kai e Cao Yuan são atuais campeões mundiais do trampolim 3m sincronizado – Divulgação/Giorgio Scala/Deepbluemedia/FINA

Maiores campeões olímpicos, com 49 ouros, 42 pratas e 44 bronzes, os Estados Unidos conseguiram apenas uma medalha de prata no Mundial e, após o crescimento chinês, venceram cinco finais olímpicas.

Na equipe masculina, os principais nomes são Qiu Bo, tricampeão mundial (2011/13/15), vice-campeão olímpico em Londres-12 e medalha de ouro nos Jogos da Juventude-10 na prova da plataforma 10m. Além dele, Cao Yuan, 29 anos, carrega um bicampeonato olímpico (08/12) e um penta mundial no trampolim sincronizado de 3m. Outro ganhador de um ouro olímpico é Lin Yue, que venceu em Pequim a disputa sincronizada da plataforma de 10m.

Qiu Bo tem três títulos mundiais e uma prata olímpica - Divulgação/FINA

Qiu Bo tem três títulos mundiais e uma prata olímpica – Divulgação/FINA

Entre as mulheres, a grande estrela é Wu Minxia, tricampeã olímpica no trampolim sincronizado de 3m e ouro em Londres-12 na disputa individual da prova, que ainda tem oito ouros em Campeonatos Mundiais. Destaque também para Chen Ruolin, atual bicampeã olímpica da plataforma 10m individual e sincronizada.

Em Londres, Wu Minxia conquistou tri olímpico - Divulgação/London 2012

Em Londres, Wu Minxia conquistou tri olímpico – Divulgação/London 2012

Brasil luta por vaga nas finais

Mesmo estando em casa, os brasileiros irão mergulhar na piscina do Parque Aquático Maria Lenk como zebras e um lugar nas finais já será considerado um excelente resultado. Nesta temporada, o melhor desempenho no Mundial de Kazan foi da dupla Ian Matos e Luiz Outerelo, que ficaram na 13ª colocação no trampolim sincronizado de 3m. Nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, Ingrid de Oliveira e Giovanna Pedroso conquistaram a única medalha brasileira, ao levarem a prata na plataforma sincronizada de 10 metros.

Ingrid e Giovanna ganharam prata no Pan   - Divulgação/CBDA

Ingrid e Giovanna ganharam prata no Pan – Divulgação/CBDA

Na história dos Jogos Olímpicos, o Brasil participou de 14 das 25 vezes em que os Saltos Ornamentais estiveram presentes no programa, desde Saint Louis-1094. A primeira participação brasileira aconteceu nos Jogos da Antuérpia-1920, quando Adolfo Wellich ficou em sétimo lugar na plataforma de 10m e em oitavo na plataforma estilo simples, também em 10m. O paulista ainda disputou as eliminatórias do trampolim 3m e ficou com a oitava colocação.

César Castro disputou final olímpica em Atenas - Divulgação/CBDA

César Castro disputou final olímpica em Atenas – Divulgação/CBDA

Desde então, 13 brasileiros estiveram em ação nos Jogos (10 homens e três mulheres) e o melhor desempenho coube a Milton Busin, sexto colocado no trampolim 3m em Helsinque-1952. Além dele, apenas César Castro atingiu uma final, na mesma prova, em Atenas-2004 e acabou em nono lugar.

O melhor resultado feminino pertence a Juliana Veloso,  16ª colocada plataforma 10m (semifinalista) nos Jogos de Atenas. Além dela, Ângela Mendonça Ribeiro (1984/88) e Silvana Neitzke (1992) foram as outras brasileiras a disputar uma Olimpíada.