Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

A última foto

18 de julho de 2010 14

Bar do Seu Chico é demolido no Campeche.
Local foi colocado abaixo em razão de determinação judicial. Agora me chega a notícia de que o prefeito Dário Berger e o diretor superintendente da Floram, Gerson Basso, fizeram de tudo para reverter a ação.
O Bar do Seu Chico, em funcionamento desde o início dos anos 1980 na Praia do Campeche, Sul da Ilha, foi demolido depois de 10 anos de luta na justiça. A denúncia foi encaminhada pela Fundação do Meio Ambiente do Município (Floram), na gestão de Elizabeth Amin Helou Vieceli ao Ministério Público Estadual. A decisão assinada pelo juiz Hélio do Valle Pereira há três semanas foi cumprida por funcionários do Departamento de Fiscalização da Floram, coordenada por Marcelo Ferreira.

O reduto de praia,foi construído a revelia do poder público em Área de Preservação Permanente. Segundo matéria do jornal Diário Catarinense, em 2006, uma manifestação impediu a derrubada. Seu Chico era, em tese, o administrador do bar. Cabia aos familiares tocar o estabelecimento.

Comentários (14)

  • luiz frank diz: 18 de julho de 2010

    Basta de invadir area ambiental que é de todos e nao pode ser tomada por um segmento privado.Basta de tomar espaco publico como seu, como é exemplo durmir em calçadas e nas praças que sao de todos e não de uns.

  • luiz oliveira diz: 18 de julho de 2010

    e o pirata da brava, tambem esta na ex restinga que havia ali, mas é claro, ali frequentam JB e outros medalhoes…ai nao acontece nada, é nojento isso tudo!!!!

  • angela silveira diz: 18 de julho de 2010

    Outros bares na Ilha estão na mesma situação. Certamente os ” JUÍSES” vão mandar demolir também.
    Construções recentes em beira de calçada nas prias em lugar proibido e a Prefeitura está deixando construir. Para que existem os fiscais? apenas para receber dinheiro ou o Prefeito manda eles fazerem vista grossa para ganhar voto?
    Por que só o Butequinho desses coitados? É repugnante !!!!!!!!!!!

  • Josué Alves de Albuquerque diz: 18 de julho de 2010

    Cacau, esse precedente de querer “proteger” alguns porque são pobres ou porque já se tornaram tradicionais, mesmo que estejam infringindo a lei é muito perigoso, pois os mesmos que agora defendem a permanência de um bar irregular, vão querer cobrar providências do Poder Público quando se tratar de poderosos.
    Com que moral farão isso?
    “pau que dá em Chico, dá em Franciso”, não lembras?

  • Helena diz: 18 de julho de 2010

    SÓ RECLAMA QUEM DESRESPEITA A LEGISLAÇÃO URBANÍSTICA E AMBIENTAL. ABAIXO A ECOLOGIA NO TERRENO DO VIZINHO!!!!

    Nos últimos anos, a região da Grande Florianópolis vem sofrendo ataques e achaques por ecoterroristas, ecoxiitas, ecochatos, ecohistéricos, biodesagradáveis, anarquismo verde, enfim, a chamada “máfia verde”.

    Muitos vociferam em nome de ONGs de fachada, entidades comunitárias irregulares e “fóruns” sem personalidade jurídica. Esses bravateadores formam claques, autodenominam-se “representantes” da população, ocupam os mais diversos espaços públicos para decidir o futuro das cidades e a vida do cidadão de bem. Muitas dessas entidades não prestam contas da verba que recebem, às vezes, pública. Também não apresentam sua lista de filiados ou associados, pois sequer possuem registro de seu Estatuto conforme previsão legal. E mais: muitas delas encontram-se locadas em áreas de ocupação irregular ou até de preservação permanente. E ainda: muitos de seus diretores ou aqueles que se intitulam líderes comunitários ou ambientalistas moram em áreas de preservação permanente ou limitada, não possuem “Habite-se” geral, tampouco o específico da fossa séptica. Mas, pasmem, querem ditar as regras para a população, pois consideram que sua moral é melhor que a dos outros. Ao invés de legítima representatividade, o que eles têm é legítima moral de cuecas. Ou melhor: é a legítima “ecologia no terreno do vizinho”.

    O movimento ecoxiita atingiu seu auge, quando, recentemente, uma entidade comunitária, com endereço em cima das dunas dos Ingleses (a conhecida favela do siri em área de preservação permanente) requereu ao Ministério Público Estadual “explicações” sobre um projeto de teleférico entre Ingleses/Santinho (Inquérito Civil 06.2010.002789-6).

    É sabido que os países do Primeiro Mundo, os quais se recusaram a assinar o Protocolo de Kyoto, não tem o menor interesse no progresso sócio-econômico de países como o Brasil. É a chamada reserva de mercado e de mão-de-obra barata. E o movimento ecoterrorista, não poucas vezes financiado com verba internacional, presta-se a criar obstáculos ao desenvolvimento sustentável pretendido pela nossa Nação.

    O mais escabroso é o método: ao mesmo tempo em que atacam os países “imperialistas”, por debaixo dos panos, fazem seu jogo.

    É por isso que cidadãos de bem da Região da Grande Florianópolis vem se organizando no sentido de desmascarar a falta de legalidade e de legitimidade de entidades e indivíduos ligados à “máfia verde” do atraso. Una-se a nós: denuncie-os, combata-os.

    Movimente-se, participe:

    Fórum em Defesa do Desenvolvimento Sustentável da Grande Florianópolis – O LEGÍTIMO:

    pelos morros, mangues e dunas livres, contra a ocupação irregular e em prol da valorização das regras dos Planos Diretores em vigor e do “Habite-se”; contra projetos de leis ORDINÁRIAS de denominação de servidão clandestina;
    em prol da rede coletora de esgoto; em defesa do Estado Democrático de Direito e contra a máfia verde. Pela criação de um Observatório da Insegurança Jurídica de Florianópolis!

  • elisabeth diz: 19 de julho de 2010

    Cacau, espero que esta açao por parte da Prefeitura venha se estender por toda a praia do Campeche. o bar do chico para nós os frequentadores era um ponto de encontro e nao causava tanto dano (ou nenhum), entretanto as residencias irregulares construidas em cima das dunas (bem depooooooois) do bar, que agora são até derrubadas pelo mar (o único que ve a injustiça), nao existe nem estudos para retirtá-las e diga-se com bastante propriedade essas ocupações ocorridas num tempo bem proximo são uma vergonha para a administração dessa nossa cidade que se diz “turistica”. a propria administração está calçando as ruas dos invasores. a CASAN colocando tubulação e a CELESC ligando a luz. nao é um contrasensso?
    eu tive o previlegio de visitar a africa do sul no ano passado e agora tu podes confirmar com a tua visita recente aquele país. as praias lindissimas de um país que todos acreditam ser de terceiro mundo, são maravilhosamente conservadas e sua organização é invejavel. precisamos evoluir muito até para alcançar a Africa.

  • laercio duarte diz: 19 de julho de 2010

    Dá pena ver tanta desinformação. Os que acham que a Lei deve ser aplicada com ferro e fogo a confundem com simples influência política e sentenças judiciais mal formuladas, devido a várias causas, até advogados incompetentes. Qual a diferençpa entre o Costão do Santinho e o Bar do Chico Doca? Não é preciso explicar, né mesmo? Pra finalizar: o avô do seu Chico Doca já tinha um rancho de pesca no local, portanto, aquela edificação existe há mais de um século. Não existia Prefeitura, nem Floram, nem Vara da Fazenda, nada disso tinha sequer sido pensado, quando o seu Chico já guardava ali suas canoas de pesca, assim como o seu Déca guardava as suas no rancho que fica ao lado do Bar do Zéca, no Pontal. Acontece que seu Chico teve o “azar” de reunir inadvertidamente um verdadeiro centro cultural, com gente jovem, inteligente e progressista, não necessariamente esquerdista, mas que desviava totalmente do padrão bem comportado dos frequentadores do “Costão”. Além disso, seu filho era vereador do PT. Foi o suficiente para aguçar o ódio da família Amim e seus aliados em todos os níveis. Os amigos de Seu Chico Doca perderam esta batalha, infelizmente, depois de mais de dez anos de resistência. Só nos resta lamentar pelo que resta da velha ilha da magia. Não falta muito para que a última bruxa nos deixe completamente desamparados …

  • Baal Teshuva diz: 19 de julho de 2010

    Pode até parecer contraditório algo de caráter jurídico com embuste político, mas existe uma chamada dos movimentos socialistas de luta que diz: “Vc pode até doar a medula óssea para salvar a filha de um burguês, mas na primeira oportunidade ele te mata pelas costas”.

    Isso aí serve para os mensaleiros, oportunistas e pára-quedistas Petistas. Desde a muito, e independente do certo ou errado com relação a outros empreendimentos comerciais em APP que a ala mais a direita do PP na prefeitura de Florianópolis no governo de Ângela Amim tinha jurado que iria derrubar aquele bar. Eu fico pensando, política e justiça são dois irmãos siameses. Podem aparecer os especialistas jurando o contrário, mas esta é uma realidade presente nos dias de hoje, Se não fosse assim não haveria dois pesos e duas medidas (Costão do Santinho, Hotel Morro das Pedras entre tantos) no trato dessas questões ambientais. Num debate que participei no então SBT com as Superintendentes Leila Nunes (Franklin Cascaes) e Elizabeth Amim (Floram) pra mim ficou bastante claro as diferenças gigantescas partidárias e de classe pelo conteúdo ali escutado. Façam alianças e será sempre considerado a réles e, por isso nenhum tipo de concessão em qualquer época e motivação!

  • Baal Teshuva diz: 19 de julho de 2010

    Complementando, no governo da Frente Popular (que criou a FLORAM) várias casas foram derrubadas no interior do Parque da Lagoa do Perí e muitas estavam ali bem antes da área se considerada de preservação ambiental, embora na prática, os moradores dali sempre a consideravam. Governos e governos, justiça e justiça.

  • Mané da beramar diz: 19 de julho de 2010

    Então a lei foi cumprida e o bar do Chico se foi. Muito justo se cumprir esta lei ambiental em nome preservação das belezas naturais de nossa ilha.Agora seria muito mais justo que a lei fosse aplicada em todos os lugares de Floripa, na lagoa, Joaquina,´praia mole esta que recentimente teve inaugurado um bar chamado BIG BLUE que tinha autorização pra fazer um banheiro e um chuveiro pra um estacionamento, e se construiu um novo bar em situação identica ao bar do chico, sem mais essa de dois pesos e duas medidas.Vamos fazer a lei valer pra todos!! tirem todos os bares irregulares em todas as praias, queremos ver!!

  • restor das neves diz: 19 de julho de 2010

    Caro LUIZ OLIVEIRA, VOCÊ É UM INGRATO.DEVERIAS COLOCAR UM BUSTO DO GERSON BASSO LÁ NA PRAIA BRAVA. VÁ LÁ VER O ESTRAGO QUE A FLORAM FÊZ NO BAR DO PIRATA.CHEIRASSE COLA?

  • Bruna Locatelli diz: 19 de julho de 2010

    A FLORAM foi criada no Gov do Sergio Grando há exatos 15 anos atrás. Pela primeira vez está sendo comandada por um ADVOGADO, felizmente. Por isso, temos segurança jurídica nas ações da mesma. O caso do bar do seo chico, tem que ser debitado a ex-prefeita ANGELA AMIN, que numa ação raivosa, segundo o filho, ex-vereador Lázaro, entrou com uma ação civel pública com o intuito de derrubar aquele reduto, que segundo alguns, era um reduto de drogados. O bar já estava abandonado a muito tempo e, era caso de briga familiar, segundo alguns blogs, estando em área irregular e não passível de regularização, por isso impossível de ser tombado.´RESUMO DA ÓPERA-(todo o resto é especulação). A Floram foi criada pela frente popular-o Superintendente cumpriu ordem judicial-a Angela Amin agiu com raiva, como faz até hoje-a ação é juricamente perfeita-e pra finalizar, tudo se resume numa ação do PP CONTRA O PT.

  • VALESCA BRANDALISE diz: 19 de julho de 2010

    CARO CACAU

    Eu sou de Videira, terra natal do Gerson Basso, que está metido neste polêmico imbróglio do BAR DO CHICO. Eu queria entender o que faz as pessoas se incomodarem gratuitamente com política, talvez possas me explicar. A família do Gerson se mudou para Cascavel-Pr, em meados dos anos 70, onde seu pai foi um bem sucedido empresário do ramo de exportação de cereais, portanto de família rica. Ele é formado em duas faculdades e tem uma baita banca de advocacia aí na capital. Tem dois filhos do primeiro casamento e uma mulher muito linda, agora, que deves conhecer. Viaja direto pelo mundo e mora numa puta cobertura. Me explique por favor, se o ser humano tem necessidade de se incomodar , de graça? Será que é a necessidade de aparecer? Não acredito. Um abraço. pois te acompanho daqui e meus parabéns pela atuação jornalística.

  • juca deschamps diz: 19 de julho de 2010

    Essa moça, Bruna Locatelli, precisa melhor se localizar. Num texto confuso, ela vai de “Seca a Meca”, disparando contra todos para, ao final, dizer que a ação (pela derrubada do “BarPo Cilga”) “é juridicamente perfeita…”
    Sugiro revisitar os ensinamentos do Padre Antônio Vieira: toda redação tem de ter começo, meio e fim…

Envie seu Comentário