Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

Quem mandou ser pato!

18 de julho de 2010 11

Os motivos da separação já teriam sido  exautivamente tratados na imprensa.
 Agora, há de se reconhecer a forma da condução do , digamos, “acordo”: discreto, rápido e “significativo”.

Essa, realmente, não deixou barato!. Não entro no mérito de ser justo, ou não, porém, ela vai permanecer na lembrança dele por um bom tempo, e mensalmente.

Sai mais barato andar na linha.
 
A Justiça do Rio de Janeiro decidiu que o jogador Alexandre Pato vai ter que pagar 20% do seu salário líquido para a ex-mulher, a atriz Sthefany Brito. Traduzindo em valores, Sthefany vai receber cerca de 130 mil reais por mês, além de ter direito a 20% de tudo o que Pato ganhar daqui pra frente. A decisão foi da juíza Maria Cristina Brito Lima, da 1ª Vara de Família do Rio.  O salário que o jogador ganha no Milan por ano é estimado em 3,5 milhões de Euros, cerca de R$ 7 milhões.

Segundo a assessoria do tribunal, os advogados do jogador haviam entrado em março com uma ação de alimentos, na qual propunham pagar à Sthefany R$ 5 mil por mês durante um ano, mas o juíz em exercício na Vara, Antônio Aurélio Duarte, negou o pedido na época. Os advogados da atriz entraram com um pedido de recovenção – uma reformulação dos valores — e solicitaram 20% dos rendimentos do jogador.

Comentários (11)

  • Charles diz: 18 de julho de 2010

    OO Mane, com tanta coisa acontecendo por aqui, inclusive no teu quintal, tu nao deverias comentar outras coisas nao???olha pro teu umbigo…. Floripa ta precisando de vassouras e tu preocupado com o Pato???Tenha do o Jacu….

  • Highsecret diz: 18 de julho de 2010

    Com mais 4 dessas ele fica com 0% de tudo que ganhar!!!!
    Essa é a primeira ou última seu PATO!

  • Berloque Gomes diz: 18 de julho de 2010

    Será que o Pato pateta pintou o canecou, bateu na galinha ou surrou o marreco? Diz a mídia que a Sthefany “queria se divorciar na Itália, pois o país costuma abrir vantagens para a esposa”. E que “o motivo teria sido as brigas constantes, após o jogador cortar o cartão da ex-mulher e até a internet”. Ou seja, o negócio dela é e sempre foi grana. E a tal juíza, que também é Brito, merecia ter uma nora picareta no futuro, pra sentir na própria família uma sacanagem do mesmo tipo que ajudou a fazer. E essa história de pensão vitalícia pra quem pode trabalhar é um absurdo sem tamanho. A Sthefany não ajudou em nada a carreira do Pato, muito pelo contrário. Por que deveria ganhar pensão pra sempre? A Sthefany teve sorte que casou com o Pato e não com o goleiro Bruno.

  • Rodrigo diz: 18 de julho de 2010

    Essa guria é uma baita safada e essa juíza uma vendida. Como dar pensão a uma garota que anda, fala, escuta, tem juventude o suficiente para ter força e conseguir um novo emprego ou até continuar no emprego, haja vista que é atriz e modelo, ou seja, trabalha por contrato, não é nenhuma deficiente e é muito bonita. Em que advogados e juíza se basearam para ela ter esse direito. Não foi nem um ano de casados e nem filhos foram gerados. Foi só para afetar o rapaz? Creio que sim, pois essa atitude dela, para mim, a transformou em mais uma oportunista barata igual essas marias chuteiras que se espalham pelo país.

  • Rodrigo Santanna diz: 18 de julho de 2010

    Cacau, realmente é muito delicado e difícil opinar nesse tipo de asunto, mas acredito que nada mais justo que, neste caso específico, a ex-esposa tenha direito a um ressarcimento financeiro que compense a perda que ela teve ao largar a vida de atriz para casar e ir morar em outro país com esse jogador.
    É verdade que, como bem diz o Prates, o melhor casamento ainda é um bom diploma e um emprego decente, mas as bobinhas adoram acreditar em príncipes encantados e esse bobão nem é homem ainda para casar, como se viu do resultado de um relacionamento de apenas alguns meses.
    Nada mais justo que agora pague – e bem caro – pela inconsequência e irresponsabilidade dos seus atos.
    Boa semana!

  • Rodrigo Santanna diz: 18 de julho de 2010

    Cacau, a grafia correta é ASSUNTO.

  • pacpacbr diz: 19 de julho de 2010

    para quem não moveu um dedo para a formação do patrimônio do “pato”, realmente ser mulher e casar (com um pato) é um ótimo negócio, ainda mais quando ela tem capacidade plena para trabalhar e não têm filhos. tal decisão indica uma juíza recalcada e nada amada…

  • Luciano diz: 19 de julho de 2010

    Está na hora de nós, homens, nos unirmos.
    O que mais se ve últimamente, são mulheres exigindo direitos iguais (o que acho muito justo), mas não querem abrir mão de alumas regalias.
    Como bem falou o Sr. Rodrigo, essa guria é uma espertinha. Têm tudo pra se dar muito bem na vida, mas quer arrancar dinheiro do rapaz, tal qual uma maria chuteira.
    Existem alguns casos, que realmente a mulher precisa de uma ajuda, mas esse, definitivamente não é um deles.
    E essa juiza? Deveria deixar o feminismo dela de lado, e ser mais justa.

  • Paulo diz: 19 de julho de 2010

    Completamente absurda essa decisão, a mulher é jovem, repleta de saúde e pode muito bem trabalhar, se a justificativa for indenizar o fato dela ter largado a carreira o melhor caminho seria indenizar o que ela deixou de ganhar no período entao, que certamente nao chega nem perto do valor arbitrado. O Judiciário brasileiro precisa rever esse tipo de decisão urgente…

  • Luna Tico diz: 19 de julho de 2010

    Isso é justiça ou corporativismo feminista barato? Melhor dizendo: muito caro! O pato (muito pato, não?) bem que poderia largar o futebol profissional e passar a jogar de graça, pois já não precisa de salários futuros. Vira filantropo e logo ficará viúvo, pois a ex morrerá de ódio. E olha que ódio definha e mata! Ele ganhará fama de caridoso e se livrará dessa encrenca. A sugestão é só de brincadeirinha, tá, Cacau?!

  • Norberto diz: 19 de julho de 2010

    como já dizia a famosa (por também ter depenado o ex-marido, que, suprema ironia, se chama donald – nome de pato) ivana trump: don’t get mad; get even (numa livre tradução – não fique com raiva, fique com tudo).

Envie seu Comentário