Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

AOS LEGISLADORES DE PLANTÃO

30 de setembro de 2012 12

 
É evidente que alguma coisa deverá ser feita para as futuras eleições para vereador. Centenas de candidatos, oriundos do serviço público, afastam-se de suas atividades, três meses antes do pleito, sem prejuizo de salário, e têm resultados pífios, vergonhosos, pelo simples motivo de que o negócio “é folgar e não se eleger”. Alguns não alcançam nem uma dúzia de votos e isso é resultado notório de seus desinteresses numa campanha séria, com captação de dinheiro nos partidos, sem esforço na apresentação de resultado. A legislação eleitoral, que permite esse absurdo, há muito que já deveria ter sido alterada.  Basta um artigo proibindo a candidatura de quem em pleito anterior não tenha alcançado votação com número a ser definido pelos legisladores. Ora, quando nem a família do candidato vota nele, é porque de antemão já se sabia que a participação no pleito tinha uma só finalidade: folgar às expensas do cofre público.
 

Comentários (12)

  • Osvaldo Peixoto diz: 30 de setembro de 2012

    Quem le o Diário Oficial do Estado todos os dias sabe exatamente o que vc fala. São milhares de candidatos por toda Santa Catarina. Uma folga de tres meses, do dia 07/07 a 07/10/2012. A educação tem o maior volume de licenças. Como diria o comendador Roberto Alves ‘é uma grandeza’ !!!

  • Adriana diz: 30 de setembro de 2012

    Cacau, o Brasil é mesmo o país que mais incentiva os seus cidadãos a serem desonestos, tal qual os seus políticos.
    Cadê as reformas tributária, política, agrária, etc que o PT vivia cobrando de TODOS os governos enquanto era oposição?
    Mas, cá pra nós, será que o “prejuízo” para os cofres públicos não é menor com o servidor querendo folga em vez de ser eleito do que ele “trabalhando”, ou seja, tomando cafezinho o dia todo, fazendo ligações telefônicas até para o disk-sexo ou, mais prejudicial ainda, participando de algum esquema para roubar?
    Vai saber…
    Abraços.

  • Roberto diz: 30 de setembro de 2012

    Essa Lei deveria ser revogada, quer ser candidato então entre de licença não remunerada oras, outra coisa, como em qualquer profissão tem os bons e os maus, tentar generalizar que todo servidor público passa o dia todo tomando café é ignorância, é uma profissão essencial que sofre pré- conceitos, geralmente quem critica é pq não conseguiu passar em um concurso público.

  • Newton Pizzolatti diz: 30 de setembro de 2012

    Poxa Cacau, vc tem uma amigo chamado Niguita, que faz isso, se canditata a vereador só com intenção de aparecer, e já vi reportagem sua na tv dando corda para este cara.
    Vc é inteligente e se prestar atenção, ele é muito mau carater, capaz da mentir, se fazer de amigo para conseguir coisas fúteis, colocar pessoas no fone se passando por outra (o que fez comigo), o cara é doente……….

  • Pedro diz: 30 de setembro de 2012

    A questão é simples de resolver: a licença para concorrer deveria ser sem remuneração, ou seja, sem salário, vale alimentação e demais. No governo federal é assim: quem se candidata não recebe o salário.

  • LUIZ CALDAS diz: 30 de setembro de 2012

    Prezado Cacau;

    “É o instituto da licença remunerada que poderia acabar com uma reforma política bem elaborada que possibilitasse inclusive a redução do número de partidos políticos no Brasil”.

    LUIZ CALDAS – HAJA AMOR POR FLORIPA.

  • Newton Pizzolatti diz: 30 de setembro de 2012

    Falei que vc é inteligente, sábia resposta………….

  • ZÉ MIRADO ÁRABES diz: 30 de setembro de 2012

    Ô Luiz Caldas, esse HAJA AMOR POR FLORIPA é algum tipo de insinuação para próxima eleição?

  • Berloque Gomes diz: 30 de setembro de 2012

    Zé Mirado, não é pra próxima, mas pra atual. O tal do Luiz Caldas é candidato a vereador. Por isso, passou a comentar no blog do Cacau. Bicho tolo, ele!

  • Bombeiro diz: 1 de outubro de 2012

    Absurdo mesmo é a lei permitir o registro de candidaturas sem nenhuma exigência. Na maioria dos concursos o cidadão tem que se submeter a exame intelectual, físico, médico, psicológico, toxicológico, possuir curso superior, etc. Para atuar no poder legisativo nada disso é exigido, quer dizer, pode ser semi analfabeto, sem condições físicas, doente, desequilibrado mental, etc.

  • Laricão diz: 1 de outubro de 2012

    Putz grila, mais uma lei absurda que eu era feliz em não saber da existência.
    O negócio, literalmente, é ser vagabundo nesse país.

Envie seu Comentário