Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Vereadores

26 de março de 2013 8
Cacau, la vai …

Quando um cidadão tem a intenção em candidatar-se a um cargo político, neste caso, “vereador”, o mesmo, para que possa exercer com maestria os quatro anos de sua legislatura, precisa estar inteirado das prerrogativas da cidade, principalmente da carta magna, que é o nosso Plano Diretor Participativo. Mas na prática o que se observa é o contrário, dos atuais integrantes da Câmara Municipal, raros, digo mais uma vez, raros, foram os que participaram das reuniões do PDP, e olha que não foram poucas, em torno de 1.400, sem falar nas Audiências Públicas. Uma vergonha, como é que um parlamentar, que não participou das reuniões comunitárias, poderá discernir sobre os rumos da cidade? Estamos agora prestes a retomar as discussões para posterior envio a Câmara. Ai que mora o perigo, por falta de habilidade e interesses dos ditos representantes do povo, o presidente do legislativo municipal, César Farias, terá que ter rédeas curtas, ou seja, caso mude as diretrizes estabelecidas pelo Núcleo Gestor do PDP e a comunidade, que as faça as claras, convocando a sociedade em Audiências Públicas para futuras modificações. Não custa lembrar que o Plano Diretor atual (1997), é apelidado de “colcha de retalhos” de tantas modificações efetuadas, fazendo com que a cidade chegasse onde chegou, ou seja, sem rumo. Esperamos pois, que, o Prefeito César, com a habilidade que lhe é peculiar, monitore de perto esta fase importante do futuro da cidade. Estamos de olho!

Édio Jajá
Representante da área continental no Plano Diretor

Comentários (8)

  • Gelter diz: 26 de março de 2013

    Faço as do leitor Édio Jajá as minhas palavras. Bom comentário. Voto com o relator.
    Abs

  • ZÉ COLMÉIA diz: 26 de março de 2013

    CACAU,
    MAIS UMA FARRA COM O NOSSO DINHEIRO…………

    DIÁRIO CATARINENSE – Dinheiro público – 26/03/2013 – 14H52

    Comissão da AL aprova reajuste de auxílio-moradia ao Ministério Público
    Impacto anual previsto no orçamento do MP é de R$ 7,95 milhões

    Paola Bello
    paola.bello@gmail.com

    A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembléia Legislativa aprovou, na manhã desta terça-feira, 26, o projeto de lei complementar que regulamenta o reajuste do auxílio-moradia a procuradores e promotores de Santa Catarina. O projeto foi enviado aos parlamentares no início de março pelo próprio Ministério Público com o argumento de equiparação de benefícios a todos os poderes do Estado. O impacto anual previsto no orçamento do MP-SC é de R$ 7,95 mihões.

    O reajuste foi aprovado na Lei Estadual 15.939, de 20 de dezembro de 2012. Ainda no final do ano passado, com base nesta lei, o auxílio dos deputados estaduais e dos magistrados aumentou em 79%. Apesar de os deputados terem aprovado em dezembro a lei que inclui todos os poderes no reajuste, no caso do MP-SC é preciso fazer uma alteração na lei orgânica para que o aumento entre em vigor.

    De acordo com a justificativa do procurador-geral do MP-SC, Lio Marcos Marin, encaminhada à Assembleia junto com o projeto, a lei aprovada em dezembro não revogou a anterior, de 2000, que também regulamentava o benefício.

    O projeto precisa ainda passar pela Comissão de Finanças, para então ir a plenário.

  • Bruno Silveira diz: 26 de março de 2013

    Sou morador do sul ilha , aqui no sul da ilha este tal conselho chamado PDP não têm siguinificância nenhuma , não tem representatividade , e os representantes aqui do sul ilha não foram eleitos por a comunidade . A comunidade dos nossos distritos aqui do sul ilha não se resume em 10 pessoas que se intitularam dirigentes deste conselho , a ultima vez que estive presente em uma dessas reuniões oque eu vi foi poucas pessoas com uma mesma opinião sobre este assunto . Pessoas que não têm representatividade nenhuma em nossas comunidades , um exemplo é um senhor que se intitula representante do moradores do distrito do Pântano do Sul , um cara chamado Gherti . Essa cara quase apanho dos moradores do Pantano em uma reunião , isso não é representatividade . Representatividade é maioria e não minoria que tão pouco natural de Florianópolis é !!!! Os vereadores tem que alterar aonde a comunidade achar que tem , aonde a maioria achar que é devido .

  • carlos eduardo diz: 27 de março de 2013

    Sr. Édio, o que o senhor apontou, para a alienação dos representantes, poderia ser evitado através do voto distrital.
    Mas, o que fica mais claro ainda, é que não podemos e nem devemos esperar uma inovação, discussão e qualquer coisa na direção da eficiência do exercício democrático – que venha da parte destas pessoas que hoje querem se dizer políticos, quando na verdade não fazem o que a política realmente propõe. É só engodo.
    Então, hajamos nós, por conta própria, aglutinando-nos, desde os pequenos grupos, pelas redes sociais, filtrando muito os infiltrantes que são uma das armas mais atuantes do poder corrupto.
    Façamos nós o que erroneamente esperamos que façam eles a quem pagamos para tal.
    O sistema é podre, as pessoas todas que se envolvem apodrecem juntas, em níveis diferentes, inevitavelmente.
    Multipliquemos a informação (eles multiplicam até difamação em suas redes,enquanto dormimos) a todos ao nosso redor, sobre o que foi debatido e o que ficou como parâmetro das ações em prol da comunidade.
    A alienação é um instrumento de enfraquecimento da comunidade, eles sabem disto e tem a imprensa ao seu lado, pois não vemos cadernos ou mesmo artigos extensos sobre o tema.
    Quando há uma entrevista, na mídia, é de 30 segundos, pra inglês ver.
    Até aqueles que nos defendem, hoje, devemos prestar atenção…após o final da encenação puramente teatral, juntam-se aos boçais para um uísque e um jantar nalgum hotel sofisticado, retornando ao seu reduto burguês, indiferentes ao produto da situação precária que consome o público espectador.

  • Roberto diz: 27 de março de 2013

    Cacau, meu velho Comendador.

    Chega de reuniões, meu caro Jajá. O PD já esta mais do que discutido. Todos nós jajá sabemos o que queremos do próprio. Então é colocar para tramitar na Câmara que, por lá, por força de lei, deverão haver audiências públicas etc. e tal, para daí ir a votação em plenário. Agora, pelo que conheço da matéria e não é pouco, o problema, diferentemente do que todos pensam, esta justamente após a sua aprovação e é aí que mora o perigo. Mas, como? Com as alterações pontuais que se sucedem por propostas de vereadores, atendendo a pedidos, podendo ser de apoiadores de campanha, cabos eleitorais, parentes e até de amigos como se é sabido. Entonces, meu caro Jajá, fique esperto e não fique cobrando presença em reuniões, pq o que vale mesmo é o que vêm depois, meu velho!
    1 grd. abraço e saúde.
    RP

  • marcelocardosodasilva diz: 28 de março de 2013

    …Caro Bruno Silveira;;; é mais um representante “LIBERAL”; se concordar com “ele?” e ÔÔ grupo “dele?” tudo bem!!! Se não concordar você é “AGREDIDO FISICAMENTE”!!!………….Uma pergunta ÔÔ??? Em quem este istepÔÔ, escumungado, lazarento será que votÔÔ e inté fez campanha nÔÔ estilo “funga-funga” e “janjão da prega”!!!

  • Bruno Silveira diz: 28 de março de 2013

    RESPOSTA ao : marcelocardosodasilva

    Cara pior que esses cara ainda tem a coragem de vir a público postar só bla bla bla no blog do cacau e etc….. Assim como esse prefeitinho que veto o projeto da ponta coral , meu deus a ponta do coral só tem rato , usuários de droga e etc…..
    Esse Cesar têm origem politicasujo no antigo PFL , grupo politico mais sujo do estado , tão sujos que trocaram o nome da sigla e agora fica vetando projetos para fazer matéria de capa jornal , criando seu material de campanha para tentar uma reeleição . Pergunta pra ele quanto custou o marqueteiro , pergunta como ele pagou . Mais sujo ainda é quem falar que esse cara ta fazendo algo bom pela cidade …….. Sem palavras ……..

  • edio jaja diz: 29 de março de 2013

    Caro Marcelo Cardoso Silva, assim como vc, quero uma Floripa linda, desenvolvida, pra frente, sem essa de “grupo deles”, cara, sou povão, sou do bem, não sou “funga-funga”, sai dessa. O que eu quero eh poder andar com meus filhos numa cidade com qualidade de vida, assim como vc quer para o seus filhos. Vamos fazer uma coisa, batalha na sua região que eu batalho aqui no continente, assim Floripa serah bem melhor, não vamos soh criticar, vamos fazer alguma coisa. Quem fica parado eh poste. Se eu passei essa impressão, me desculpe, soh quero contribuir para o bem de nossa cidade, se eu tiver uma opinião e essa opinião for rejeitada, mudo na mesma hora, eu quero eh o bem da comunidade. Participei das 1.400 reuniões do Plano Diretor, desde 2006, e vc, onde esteve esse tempo todo? Vamos batalhar junto cara!

Envie seu Comentário