Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de abril 2015

Perfume de mulher

30 de abril de 2015 25

Bom dia, Cacau.
Parabenizando você pela sua coluna diária, aproveito para questionar se há um banco com as fotos das beldades que você publica.
Que tal colocar em uma revista? Garanto que a Playboy vai ficar roxa de inveja.

Abraços.

Mauricio Voss

Polêmica

29 de abril de 2015 38

Prezado Cacau,

Como seu leitor assíduo e querendo demonstrar que o deputado Gean Loureiro incorreu novamente em erro ao tentar politizar uma questão de técnica jurídica básica, sinto no dever de esclarece-lo para que pelo menos você entenda os fundamentos utilizados em minha nota anterior.
A resolução que regulamenta a colocação de redutores de velocidade é a resolução 39\98, que diz em seu art. 2o:

Art. 2º As ondulações transversais devem ser utilizadas em locais onde se pretenda reduzir a velocidade do veículo, de forma imperativa, principalmente naqueles onde há grande movimentação de pedestres.

Ocorre cacau, que no ano seguinte a resolução 336\99 veio acrescentar um parágrafo no artigo 2o da resolução 39, e não revogá-la como disse o deputado Gean. Cito:

Art. 1º Os arts. 2º e 6º da Resolução nº. 39, de 21 de maio de 1998, do Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN passam a vigorar com as seguintes redações:
“Art. 2º…………………………………………………………………………..
Parágrafo único. É proibida a utilização de tachas e tachões, aplicados transversalmente à via pública, como redutor de velocidade ou ondulação transversal.”

Veja cacau, qualquer um estudante de direito pode ver que não foi revogado o artigo anterior e sim acrescentado um parágrafo, o qual proibe a utilização de tachões como ondulações transversais, e não a colocação de ondulações transversais como redutores de velocidade.
Mais uma vez Cacau, resta mais que óbvio que a resolução 39 não foi revogada pela 336 e sim acrescentada.
Pois bem, feito este primeiro esclarecimento, ao contrário do que o Deputado Gean acredita, nem tudo que vai na pista como ondulação transversal é tachão, tanto que a resolução 336 veio exatamente para diferencia-lo de uma ondulação transversal.
A Resolução do Contran 1604, define o que vem a ser tachão, inclusive com desenhos, o que facilmente deixa claro que o que está colocado em Coqueiros temporariamente é legal e não é tachão.
Desculpe me alongar Cacau, mas é que questões políticas a parte, eu, como técnico, não pude aceitar que o Deputado Gean, que desconhece completamente a legislação de trânsito, se utilizasse de sua coluna para me impingir um ilicito quando na verdade nossa intensão sempre foi resguardar a segurança dos alunos do colégio Carvalhal.
Importante também dizer que estes redutores sempre foram temporários, já que vamos instalar um semáforo no local, reivindicação esta de mais de 10 anos da comunidade de Coqueiros, onde moro e vivo.
Abraços!
Raffael De Bona
Secretário Municipal de Segurança

Se jogou do quinto andar

29 de abril de 2015 19

O hit do momento do whatsApp em Floripa é um vídeo que mostra uma mulher, completamente nua dando um show da sacada do seu apartamento em Balneário Camboriú, até se jogar do quinto andar para a morte, tudo filmado por um morador da frente cm extrema frieza.

Os tachões!

29 de abril de 2015 7

Tachões em  Coqueiros Caro Cacau,não quero estender ainda mais a discussão, mas segue a verdadeira denominação do que colocaram em Coqueiros: Tachão redondo. Está nesse site de sinalização: http://www.vick.com.br/vick/novo/relacao_de_produtos.asp?hiddenField=A&RelacaoProdutos=56

Robson Almeida.

Alerta vermelho

29 de abril de 2015 14

O pau comeu solto hoje à tarde em frente à Assembleia Legislativa do Paraná. Os servidores estaduais protestaram contra reformas que o governador quer fazer na previdência do estado. A polícia usou até balas de borracha.
Em Santa Catarina, o governador Raimundo Colombo quer fazer alterações semelhantes às do governo paranaense. O bicho pode pegar.

Atenção, colegas!

29 de abril de 2015 2

A 4ª Câmara do Tribunal de Justiça julga nesta quinta-feira mandado de segurança que pede a cassação do mandato do presidente da Câmara de Vereadores de Laguna, Roberto Carlos Alves, acusado de ter promovido inúmeras irregularidades para ser reeleito. Entre elas a de ter confinado seis vereadores em um hotel de Gravatal, com todas as despesas pagas, dias antes da eleição até horas antes da votação. O relator, desembargador Julio Cesar Knoll, já votou pela cassação do presidente.

29 de abril de 2015 3

Titulares do Turismo não esquentam cadeira nos governos federal, estaduais e municipais. Nem os bons. Quando o “neófito” enfim começa a agir frente às demandas do setor, após custoso e demorado processo de sensibilização, com missivas e viagens dos atores do mercado a Brasília e do ministro aos “campos de batalha”, este é substituído. O mesmo se dá, “mutatis mutandis”, em estados e municípios na pasta em tese dedicada (quando há!) ao Turismo. E todo o processo de relações institucionais recomeça do zero! Sobra politicagem em atenção à famigerada “governabilidade” e faltam políticas de Estado! Se isto é ruim para o desenvolvimento do Turismo em geral – nossos números são pífios até diante de republiquetas do Caribe, inclusive em razão da nossa péssima infraestrutura e das acões de marketing insuficientes – imagine-se os prejuízos para o desenvolvimento do Turismo Náutico, que ainda rema e terá que remar muito para ter seu lugar ao sol…

Começou a campanha

29 de abril de 2015 34

“Por respeito aos valores éticos que cultivo, prefiro poupar-me de rebater a falta de urbanidade traduzida nos termos da manifestação do senhor secretário Municipal de Segurança, Rafael De Bona Dutra. Surpreende-me, contudo, perceber que um Delegado de Polícia, investido em cargo relevante na área da segurança pública, e tendo que lidar, obrigatoriamente, com as questões do conturbado trânsito da Capital, não acompanhe minimamente a evolução da legislação pertinente ao setor. Desconhece, por exemplo, que o art. 2º da Resolução n. 39/1998 do CONTRAN foi alterado pela Resolução n. 366/2009 do mesmo órgão. A nova regra – que, certamente, o Secretário desconhece – diz textualmente: “É proibida a utilização de tachas e tachões, aplicados transversalmente à via pública, como redutor de velocidade ou ondulação transversal”. A mesma resolução deixa explícito que esse tipo de “redutor” causa defeito aos automóveis. Não me parece que seja necessário o seu retorno à escola, basta que o Secretário leia o art. 1º, parágrafo único, da Resolução n. 336/2009 do CONTRAN. Um pouco mais de educação no trato com as pessoas, igualmente, lhe faria bem, independente de quem for, seja deputado ou cidadão comum. Quanto a segurança das crianças, me parece vergonhoso transferir a responsabilidade para tachões.

GEAN LOUREIRO”

Neymar e a tragédia de Xanxerê

29 de abril de 2015 2

Cacau exibiu hoje no Jornal do Almoço da RBS TV , com exclusividade, um depoimento gravado pelo craque Neymar, em Barcelona, se solidarizando com os moradores de Xanxerê pela tragédia do tornado. Pedido foi do deputado federal João Rodrigues, vizinho de condominio do craque na praia de Itapema, encaminhado ao deputado pelo pai do craque.

Evitem a pergunta: Neymar pai também ajudou com dinheiro as vítimas da tragédia. Afinal, Santa Catarina é o estado onde o jogador e sua família passam as férias.

Quem quiser conferir, o vídeo tá no G1,

Justiça feita

29 de abril de 2015 2

A justiça foi feita em Lages. O réu Julio Octavio Burido, conhecido como “Nescau”, acusado de matar Luiz Fernando Letti, o Nando, foi condenado a 21 anos e quatro meses de reclusão em regime fechado, sem direito de recorrer da decisão em liberdade, por homicídio triplamente qualificado – motivo fútil, surpresa e pelo fato de ter o crime sido praticado contra pessoa maior de 60 anos. Figura conhecida na região de Lages, Nando morreu aos 60 anos, vítima de um atropelamento. O incidente aconteceu em março de 2014, após uma discussão em um posto de combustíveis. Segundo testemunhas, o atropelamento teria sido proposital. “Nescau” foi recolhido ao presídio regional de Lages três dias depois do crime e lá deverá permanecer para cumprir a sua pena. A leitura da sentença pelo juiz que presidiu o Júri, Geraldo Corrêa Bastos, às 3 horas da madrugada de ontem, após 16 horas de julgamento, foi acompanhada por mais de 300 pessoas.