Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de janeiro 2011

Crescem apreensões de produtos em aeroportos

24 de janeiro de 2011 0

Fiscais federais agropecuários do Ministério da Agricultura apreenderam 55,6 toneladas de produtos irregulares em bagagens, em 2010. O número representa crescimento de 20,04%, em relação ao registrado em 2009, de 46,4 toneladas. O balanço foi realizado nos três aeroportos mais movimentados no país: Guarulhos (SP), que alcançou o primeiro lugar, com 41,3 toneladas apreendidas, seguido do Galeão (RJ), 7,5 toneladas, e Juscelino Kubitschek (Brasília), 6,8 toneladas.

- Vistoriarmos os produtos de origem animal e vegetal que possam colocar em risco a saúde humana e o agronegócio brasileiro e internacional. A média de peso por apreensão foi de 4,9 kg – explica o coordenador-geral do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro), Marcos Valadão.
Os materiais apreendidos como carnes, queijos, enlatados, plantas, sementes, terra, mel e medicamentos de uso proibido são encaminhados para destruição.
Segundo Valadão, a ação contribui para evitar a entrada no país de pragas como o besouro chinês da madeira. Também coíbe a ocorrência de cupins, fungos, bactérias e vírus que atacam plantas comerciais e nativas (eucalipto, soja e cana-de-açúcar). Na área animal, foi possível conter doenças como brucelose, tuberculose, peste suína e o mal da vaca louca.
Em Guarulhos, 6.596 passageiros tiveram bagagens apreendidas em 35.992 voos. No Rio de Janeiro, com 13.096 voos, foram vistoriadas 2.507 pessoas e, em Brasília, 2.195, em 1.096 voos.
Saiba Mais
Os produtos agropecuários que não podem ingressar no país sem prévia autorização do Vigiagro e/ou certificação sanitária são:
- Frutas e hortaliças frescas;
- Insetos, caracóis, bactérias e fungos;
- Flores, plantas ou partes delas;
- Bulbos, sementes, mudas e estacas;
- Animais de companhia (cães e gatos);
- Aves domésticas e silvestres;
- Espécies exóticas, peixes e pássaros ornamentais e abelhas;
- Carne de qualquer espécia animal, in natura ou industrializada (embutidos, presunto, salgados, enlatados);
- Leite e produtos lácteos;
- Produtos Apícolas (mel, cera, própolis);
- Ovos e derivados;
- Sêmen, embriões, produtos biológicos, veterinários (soro, vacinas);
- Alimentos para animais;
- Terras;
- Madeiras não tratadas;
- Agrotóxicos;
- Material biológico para pesquisa científica, entre outros.
* Com informações da assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura

Apoio à produção vitivinícola do Centro Serra

24 de janeiro de 2011 0

A vitivinicultura é uma das alternativas encontrada por um grupo de produtores da região centro serra para romper com a monocultura do fumo. A partir da união de 17 produtores foi criada a Associação dos Vitivinicultores do Centro Serra (Avitis) que, no entardecer da última sexta-feira (21), promoveu o início da colheita, em uma propriedade da Linha Rocinha, no interior de Arroio do Tigre. O Governo do Estado vai apoiar a iniciativa.

O ato foi prestigiado pelo secretário da Agricultura, Luiz Fernando Mainardi, que prometeu ajuda para promover a qualificação dos produtos industrializados na região a partir da uva. Também estavam presentes o presidente da Fepagro, Danilo dos Santos, o secretário-adjunto Cláudio Fioreze, o gerente regional da Emater, César Medeiros, prefeitos e lideranças da região, produtores e técnicos.
A abertura da safra ocorreu na propriedade de Luiz Hermes, que planta uvas há 40 anos e hoje ocupa três dos 100 hectares do estabelecimento com essa cultura.
- No começo foi muito difícil – recorda Hermes, que utiliza da mão-de-obra familiar na produção de soja, milho, feijão e trigo, suínos e ovo.
Praticamente toda a produção é comercializada diretamente na propriedade e em feiras da região.
- Começamos com 20 pés e hoje temos 2,3 mil pés de onde pretendemos colher cerca de 20 toneladas, que serão usadas para produzir vinho e suco – informou Hermes.
A Avitis congrega produtores de Arroio do Tigre, Ibarama, Sobradinho e Segredo que produzem uva em cerca de 50 hectares e que estimam colher, nesta safra 2010/2011, aproximadamente 62 toneladas.
Conforme o secretário Mainadi, o Governo do Estado será parceiro dos produtores e das prefeituras da região para promover o aumento da quantidade e da qualidade da produção local.
- Nosso desafio é promover ações que se traduzam em aumento da produção agropecuária do Estado, proporcionando o crescimento da renda daqueles que trabalham no campo – concluiu o secretário de Agricultura.
* Com informações da assessoria de imprensa da Secretaria da Agricultura do RS

Lei fortalece sanidade vegetal gaúcha

24 de janeiro de 2011 0
A lei sancionada na última semana, que cria o código da defesa sanitária vegetal, vai unificar as normas estaduais para o controle de pragas. O objetivo é assegurar a qualidade dos produtos vegetais do Rio Grande do Sul.
Entre as medidas, estão o cadastro das propriedades agrícolas e o credenciamento dos laboratórios de identificação e diagnósticos das moléstias. A norma também credencia engenheiros agrônomos, florestais e técnicos agrícolas atuantes na área de sanidade vegetal no Rio Grande do Sul.
O agrônomo do Departamento de Produção Vegetal da Secretaria da Agricultura, Antônio Rivaldo, explica que a regulamentação vai facilitar ações de fiscalização.
- Estes programas eram realizados mas não existia uma lei que pudesse compatibilizar providências neste sentido. E agora temos um instrumento importante a nível estadual que nos dá mais organização das atividades desenvolvidas – ressalta.
A lei somente passa a vigorar a partir da regulamentação, que deverá ocorrer dentro de 180 dias.

Boa expectativa para a colheita da uva

24 de janeiro de 2011 0
A safra gaúcha de uva deve crescer entre 10% e 20% em relação ao ano passado. O otimismo se dá devido ao clima favorável, sobretudo com a ocorrência de chuva abaixo da média histórica.
Segundo o pesquisador em agrometeorologia da Embrapa Uva e Vinho, José Eduardo Monteiro, o tempo também deve beneficiar a qualidade dos frutos.
- O tempo mais seco favorece a qualidade da produção. As uvas, neste ano, estarão com 2 a 3 graus babo de concentração maior de açúcar do que a média normal. Isto vai ser outro atrativo para a vindima deste ano – explica.
A estimativa do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos e do Instituto Nacional de Meteorologia para o período janeiro-março é a ocorrência de chuvas abaixo do normal na região Sul. Isso, quando do período da vindima, favorece a concentração de açúcares e de compostos de cor, aroma e sabor na uva.

Demanda crescente por ovinos estimula produtor

24 de janeiro de 2011 0
A diminuição de oferta da carne uruguaia e a procura no mercado interno estão impulsionando a criação de ovinos no país. O quilo da carcaça de cordeiro está cotado entre R$ 9 e R$ 14, e o quilo vivo entre R$ 5 e R$ 8,50.
Apesar dos bons preços, a preocupação dos ovinocultores é de atender a demanda. O presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Ovinos (Arco) estima um aumento de dois quilos per capta do consumo da carne. Mas Paulo Schwab afirma que para isso é preciso aumentar o plantel.
- Para aumentarmos em dois quilos habitante/ano, onde ficaria 2,4 quilos, já que hoje o consumo nacional é de 400 gramas, precisaríamos de uma produção de 50 milhões de ovelhas. De 16 milhões, para chegarmos em 50, teríamos que ter vários programas em vários estados – acredita.
O presidente da Arco pede que criadores e governo se organizem para gerar programas de incentivo à produção.

Banrisul disponibiliza crédito para setor rural

24 de janeiro de 2011 0

O Banrisul disponibilizou R$ 50 milhões aos produtores rurais para aquisição e reforma de máquinas e equipamentos. O financiamento para as reformas será atendido pela linha de crédito da poupança rural, com taxa de juros de 10,75% ao ano. O prazo é de até três anos, sem carência. Para máquinas e equipamentos novos e usados, o limite máximo por produtor é de R$ 200 mil. A taxa de juros é de 6,75% ao ano, e o prazo para pagamento de dois a cinco anos, sem carência.

Para o diretor de Crédito do Banrisul, Bruno Fronza, essa modalidade de crédito vai facilitar a aquisição ou reforma das máquinas, fundamental para as melhorias tecnológicas da propriedade e para a produção de alimentos.
- O produtor rural interessado em adquirir ou reformar seu equipamento deverá procurar a sua agência para encaminhar o financiamento – salientou.
* Com informações da assessoria de imprensa do Banrisul

Programas prioritários para o agronegócio gaúcho

23 de janeiro de 2011 0
Os projetos prioritários da Secretaria da Agricultura foram apresentados ao governador Tarso Genro pelo secretário Luiz Fernando Mainardi, durante reunião-almoço realizada na sede da pasta. O governador, cumprindo agenda de visitas aos órgãos estaduais, estava acompanhado pelo secretário-geral de Governo, Estilac Xavier e pelo coordenador de Assessoramento Superior, Flavio Koutzi.
De acordo com o secretário Mainardi, a oportunidade serviu para que Tarso conhecesse minuciosamente as principais propostas que estão sendo elaboradas pela Secretaria.
- Trocamos ideias e recebemos o aval do Governador para continuar trabalhando na perspectiva de desenvolvermos ações que estimulem e induzam o desenvolvimento dos setores produtivos, visando o crescimento da produção, o aumento da renda dos produtores e a melhoria da qualidade de vida dos que trabalham nessas atividades – explicou.
As prioridades da Secretaria, no momento, são programas voltados para o incremento da fruticultura, comercialização do arroz, estímulo à ovinocultura, estruturação da pecuária de corte com vista no aumento da produção da carne para exportação, sob o selo da melhor carne do mundo e construção de um projeto de irrigação para execução ao longo das próximas décadas. Alguns deles serão executados pela própria Secretaria e outros com parcerias externas, mas todos os projetos deverão estar interligados com as demais secretarias de estado, dentro do princípio da transversalidade das ações, uma das filosofias que orientam o atual governo do Estado.
Uma das questões que Tarso Genro pediu empenho especial de Mainardi foi a elaboração de um Plano de Trabalho para o Parque Estadual de Exposições Assis Brasil, localizado em Esteio, que tem como principal evento a Expointer. De acordo com o Secretário, o governador faz questão de recuperar aquele espaço, oferecendo melhores condições de infraestrutura para expositores e visitantes já na próxima edição da maior mostra da agropecuária gaúcha.
* Com informações da assessoria de imprensa da Secretaria da Agricultura do RS

Rio Grande do Sul conclui plantio do milho

23 de janeiro de 2011 0

O plantio da safra 2010/2011 de milho foi praticamente encerrado esta semana. Apenas poucas áreas em pequenas propriedades, cuja produção se destina ao consumo e subsistência, ainda devem ser concluídas nos próximos dias. Apesar da irregularidade das chuvas, a maioria das lavouras apresenta desenvolvimento satisfatório, segundo dados do Informativo Conjuntural elaborado pela Emater.

As lavouras em fase de maturação apresentam excelente potencial produtivo. Os rendimentos obtidos nos 8% já colhidos têm superado as expectativas inicialmente previstas. Com a entrada da nova safra no mercado e com este sinalizando que, apesar da irregularidade do clima, o Estado poderá ter uma produção adequada às suas necessidades, o preço médio da saca de 60 quilos começa a declinar lentamente. Mesmo assim, ainda permanece em patamares atraentes para o produtor, que a negocia a R$ 23,09 a saca.
No caso das frutas o destaque é para a melancia, com cerca de 80% da área semeada já colhida nos vales do Taquari e Caí. A qualidade este ano é muito boa, estando mais adocicada em razão das condições climáticas favoráveis no seu desenvolvimento. Na região Central do Estado, os frutos estão com excelente qualidade e com grande quantidade em oferta no mercado, mas os preços encontram-se em queda em decorrência desta maior disponibilidade de produto.
Permanece em ritmo rápido a maturação e colheita da safra do pêssego na região da Serra. Resta colher apenas 10% das frutas nos pomares que apresentam bom calibre e sanidade. Na região Sul, a colheita está em fase final, apresentando perdas entre 30% e 60%, devido às intempéries ocorridas.
Na Zona Sul foram registradas precipitações esparsas em um maior número de localidades, o que contribuí para amenizar o forte déficit hídrico que vem se registrando nesta região. Esta chuva, embora irregular e mal distribuída, favoreceu a manutenção das condições para o desenvolvimento das pastagens implantadas e do campo nativo em alguns municípios menos afetados.
O estado geral dos bovinos de corte é considerado razoável na maioria dos municípios que compõem a Metade Sul do Estado, com exceção dos municípios de Aceguá, Candiota, Quaraí e Dom Pedrito, na Campanha, e Pedras e Herval. Nestes locais a falta da água é mais acentuada e exige mais atenção em relação a dessedentação dos animais. Nas demais regiões do Estado, embora esteja sendo registrada irregularidade na distribuição, as chuvas têm contribuído para o desenvolvimento normal das pastagens, o que tem resultado em um bom desempenho da atividade.
* Com informações da assessoria de imprensa da Emater

Vinícola Garibaldi compra Granja União

23 de janeiro de 2011 0

Às vésperas de completar 80 anos, a Cooperativa Vinícola Garibaldi confirma a compra dos direitos de produção e comercialização da marca Granja União, que estava sob domínio da Vinícola Cordelier, situada no Vale dos Vinhedos. O anúncio foi feito pelo presidente Oscar Ló na Convenção de Vendas, reunindo cerca de 50 representantes da Garibaldi de todo o Brasil para um encontro de balanço e planejamento do ano. Hoje, a Garibaldi é referência de qualidade na elaboração de espumantes e suco de uva.

- Vamos incrementar nosso portfólio de vinhos finos tendo a Granja União um dos carros-chefes – afirma Oscar Ló, sem revelar os números envolvidos na negociação.
- Estamos investindo na tradição de uma marca afirmada e reconhecida, que ainda se mantém viva na memória das pessoas através de histórias contadas e passadas de pai para filho – recorda.
A marca é lembrada pelo seu tradicional slogan: “Não arrisque. Na dúvida, escolha um Granja União”.
Oscar Ló projeta dobrar a venda de vinhos finos da Garibaldi já em 2011, graças à Granja União. No ano passado, a cooperativa comercializou 280 mil garrafas de vinhos finos, um acréscimo de 45% sobre 2009.
- Este ano, só de Granja União queremos vender 300 mil garrafas – calcula. O presidente anuncia que manterá os rótulos e a características dos vinhos Granja União, elaborados a partir das uvas riesling, malvasia, merlot, cabernet franc, cabernet sauvignon e tannat.
- Só iremos acrescentar um moscatel e mudaremos o espumante brut. Não tem por que modificar um produto plenamente aprovado pelo consumidor – explica.
A aquisição desta marca é simbólica no ano em que a Garibaldi completou oito décadas de existência, nesse sábado (22). O rótulo Granja União surgiu no ano de seu nascimento, em 1931, elaborado pela Companhia Vinícola Riograndense, que anos depois tornou-se a principal concorrente da Garibaldi. A marca mudou consideravelmente o mercado e a concepção de vinhos no Brasil.
- O rótulo Granja União foi o primeiro vinho varietal elaborado no país – lembra Oscar Ló.
Saiba mais
Para se ter uma ideia de sua importância, a Companhia Vinícola Riograndense chegou a ter 25% da produção de vinhos do Rio Grande do Sul. Dois anos depois de sua criação, passou a importar parreiras da Europa, para desenvolver experimentos na Granja União, localizada em Flores da Cunha. O local funcionava como uma estação de aperfeiçoamento das videiras, com o objetivo de contribuir para eliminar vinhos de má qualidade e para disseminar a elaboração de vinhos com tecnologia adequada e sob controle.
A marca Granja União foi a responsável pela definição das variedades viníferas mais conhecidas na Serra Gaúcha há até pouco tempo. Durante muitos anos, quando se falava em Riesling ou Cabernet, automaticamente associava-se o nome Granja União. O sucesso era tamanho, que as vendas tiveram que ser limitadas já que a produção era insuficiente para atender à demanda.
* Com informações da assessoria de imprensa da Vinícola Garibaldi

Piratini comemora encerramento de safra da cevada

23 de janeiro de 2011 0

A Região de Piratini comemorou, na semana passada, o 19ª Encerramento de Safra e Premiação da Produtividade da Cevada. Aproximadamente 300 pessoas entre produtores, transportadores e colaboradores estiveram presentes na Sede Campestre da Empresa Cerealista Westermann Comércio e Agropecuária Ltda, no 1º Distrito de Piratini. Entre os presentes, o gerente de classificação da Emater, Edemar Streck.

A Emater possui contrato de prestação de serviço com a Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) para classificação de cevada para a Empresa Westermann. O classificador da Emater, Itacir Gelaim, conta que há 35 anos a Ambev promove e fomenta o plantio e a compra da produção de cevada da região.
- Fazemos a análise física do cereal e determinamos a qualidade da cevada ao entrar na unidade – disse Itacir.
Para a safra de 2010, os cerca de 23 produtores da região de Piratini colheram 5,7 mil toneladas de cevada, considerada a maior safra dos últimos quatro anos.
- Esta é a única festa de encerramento de safra que a Ambev promove no Brasil – informou o gerente da Empresa Westermann, Fredo Westermann.
Os três maiores produtores foram contemplados com um certificado de reconhecimento. O primeiro Lugar ficou com os Irmãos Stark, o segundo Lugar foi de Valcenir Coradini – ambos produziram duas variedades de cevada – e o terceiro Lugar, que plantou o cereal pela primeira vez, foi Sérgio Coradini.
O gerente de agronegócio da Ambev, Dércio Oppelt, considera a parceira com a Emater crucial para o negócio, pois é a partir da análise do cereal que se tem certeza daquilo que está comprando.
- Essa parceria está dando muito certo, e esperamos que continue no futuro – conclui Dércio.
* Com informações da assessoria de imprensa da Emater