Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Hortifrutigranjeiros"

Restituição de área rural de Porto Alegre que tramita no Legislativo entra em debate no próximo dia 10 de Dezembro

28 de novembro de 2014 0
Projeto recria área rural em Porto Alegre

Foto: Luciano Lanes / PMPA

Em tramitação no Legislativo desde o inicio do mês, os vereadores da Capital já iniciaram o debate em plenário do Projeto de Lei Complementar do Executivo que pretende restituir a área rural de Porto Alegre. A proposta contempla as conclusões de um amplo levantamento realizado nas regiões sul e extremo-sul da cidade, que resultaram nas bases para a redação do projeto que limita e protege novamente essas áreas de produção primária. A Zona Rural foi extinta em 1999, quando entrou em vigor o atual Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental(PDDUA).

Para abrir o debate com os representantes do setor rural, comunidade e interessados no tema, no próximo dia 10 de dezembro, uma audiência pública debaterá, no âmbito do Legislativo, o PLCE do Executivo. A atividade inicia às 19h, no Plenário Otávio Rocha.

O relatório que serviu de base para a apresentação da proposta pela prefeitura aponta a divisão da região de acordo com quatro características. Grande parte dela é formada por áreas de preservação, outra parte expressiva por áreas de produção primária, além dos eixos viários estruturadores e também alguns núcleos residenciais. O projeto define como Zona Rural todas as áreas já utilizadas para agricultura, pecuária e extrativismo. Pela proposta encaminhada ao Legislativo, a área de produção primária que abrangerá a zona rural corresponde a 8,28% da área total do município, cerca de 4 mil hectares.

Com o restabelecimento da Zona Rural, os produtores passam a ter direito a linhas de crédito especiais para atividades primárias e a políticas que fomentam a agricultura, podem implantar agroindústrias, além de terem uma segurança para manter a mão-de-obra familiar na região, sem contar o desenvolvimento do potencial turístico e a preservação da paisagem e do meio-ambiente

Porto Alegre é a segunda capital brasileira em extensão de área rural, ficando atrás apenas de Palmas, no Tocantins. Com aproximadamente 1.200 produtores distribuídos em 17 mil hectares.

Banco de Alimentos da Ceasa recebe cadastramento de novas entidades assistenciais interessadas em receber o excedente de hortigranjeiros

16 de abril de 2014 0

Termina nesta quinta-feira(17) prazo para cadastramento de novas entidades assistenciais receberem o excedente de hortigranjeiros doados pelos permissionários da Ceasa para o Banco de Alimentos da empresa. A iniciativa visa ao desperdício zero de comida em condições de consumo humano no Galpão Não Permanente (GNP), onde mais de 2 mil produtores gaúchos comercializam toneladas de hortigranjeiros, e nos dez pavilhões dos comerciantes atacadistas.

No ano passado, o Banco de Alimentos da Ceasa/RS arrecadou 113.339.85 quilos de pães, 12 mil quilos de soja e 877.325.00 quilos de hortigranjeiros. Segundo o presidente da empresa, Paulino Donatti, atualmente, mais de 50 mil pessoas por mês são beneficiadas com alimentos que seriam descartados. Ao todo, são atendidas pelo Banco de Alimentos 220 entidades, entre creches, asilos, fazendas terapêuticas e associações comunitárias. Também são atendidas semanalmente 200 famílias do entorno da Ceasa, atingindo uma média de 800 pessoas.

Preço do tomate volta a ser destaque no índice de preços ao consumidor em Porto Alegre

02 de abril de 2014 0

A inflação voltou a acelerar em março na capital gaúcha com destaque para a alimentação. O índice de preços ao consumidor semanal registrou variação de 1,07% no mês passado. O resultado foi 0,06 ponto percentual superior ao divulgado na terceira semana de de março. Porto Alegre ficou novamente em primeiro lugar no índice pesquisado pela Fundação Getúlio Vargas em sete capitais brasileiras. A salada do portoalegrense está bem mais cara, principalmente devido ao tomate, que teve um aumento de  66,82%. O clima que favoreceu o tomate no final do ano passado, agora está prejudicando a produtividade.

Produtores de frutas e hortaliças da Serra gaúcha podem evitar mais perdas utilizando práticas culturais

19 de novembro de 2013 0
DSC_4422x1500

Foto Divulgação

O granizo, a chuva forte e as ventanias da semana passada causaram perdas na produção de uvas e hortaliças em municípios da Serra Gaúcha. O pesquisador e chefe-geral da Embrapa Uva e Vinho, Lucas Garrido, orienta os agricultores para a necessidade de adotarem uma série de práticas culturais, para evitar prejuízos ainda maiores. Nos casos da viticultura e da fruticultura de clima temperado, o procedimento específico depende do grau de danos provocados aos vinhedos e pomares. Nas situações de perdas próximas de 100%, os produtores deverão efetuar uma poda de formação, igual à feita no inverno passado, e após aplicar fungicidas de contato. Ele também aconselha uma nova adubação para que a planta tenha nutrientes suficientes para a brotação e acúmulo de novas reservas.

Para os vinhedos e pomares que apresentam um nível menor de estragos, a recomendação é a aplicação de fungicidas de contato, para proteção dos ferimentos ocasionados nas plantas pelo granizo. Também as frutas danificadas devem receber uma ou duas pulverizações com fungicidas para evitar que fungos causem apodrecimento. Em caso de qualquer dúvida, os produtores deverão consultar os técnicos de extensão rural ou de vinícolas.

A Emater e a Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura de Bento Gonçalves estimam em mais de R$ 9,8 milhões os prejuízos para o meio rural do município decorrentes do granizo. As perdas variam de acordo com a cultura, na viticultura, a projeção de quebra para a próxima safra é de 13,45%, e nas fruteiras de clima de temperado, a estimativa de perda é de 80%.

Ceasa gaúcha amplia o mix de produtos à venda, oferecendo cereais e complementos

10 de outubro de 2013 0

As Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul ampliou o seu mix de produtos para comercialização, atualmente com mais de 110 itens. A partir desta semana produtores, atacadistas e compradores têm como opção a compra de cereais em fardo, além de outros complementos, como, por exemplo, molho de tomate , no Agro Atacado, o Supermercado da Ceasa. De acordo com o novo permissionário responsável pelo estabelecimento, Guilherme Gehlen, o objetivo é proporcionar, para o público dos minimercados e restaurantes, comodidade e racionalização do tempo. Outro foco é fortalecer o vínculo com as cooperativas gaúchas, comprando os cereais dos produtores agrícolas. Também está em estudo a possibilidade de vender laticínios, provenientes da produção cooperativada, e uma cesta básica própria, com a marca Agro Atacado. Para isso, Gehlen está aguardando a liberação do selo Inmetro/Mapa, para garantir aos clientes a compra de produtos que obedecem um rigoroso padrão de qualidade. O horário de comercialização é outro diferencial, abrindo nas madrugadas de segunda-feira, às 5h, e se estendendo até às 18h. Nos demais dias da semana, de terça a quarta-feira, o horário é comercial, das 8h às 18h, e no sábado, estará aberto

Cadeia produtiva de hortifrutigranjeiros terá orientação em boas práticas agrícolas

05 de setembro de 2013 0

Agência RBS

O Ministério da Agricultura em parceria com a Associação Brasileira de Supermercados, elaborou um calendário de atividades de capacitação em boas práticas agrícolas na produção de frutas, legumes e verduras. Os cursos vão tratar sobre monitoramento e uso racional de agrotóxicos para produtores rurais, distribuidores e supermercadistas. Estão previstos quatro eventos, este ano, nos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Sergipe e Ceará. Até julho de 2014, Rio Grande do Sul, Goiás, Paraná, Maranhão e Bahia serão contemplados com a capacitação.

Santa Catarina disponibiliza sementes e calcário a agricultores que perderam hortaliças devido ao frio

30 de julho de 2013 1

A produção de hortaliças de Santa Catarina foi prejudicada pela neve e geada que atingiram o estado na semana passada. Para viabilizar o replantio, a Secretaria catarinense da Agricultura vai disponibilizar sementes e calcário para os agricultores. A entrega dos insumos dependerá de levantamento das perdas em cada município pelos escritórios da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do estado. A preocupação maior é com as hortas e os viveiros de mudas, já que as culturas de inverno são mais resistentes às quedas de temperatura. Enquanto o frio persistir, o conselho para os agricultores é que seja realizada a cobertura e irrigação das hortas e que os animais sejam colocados em locais mais protegidos para que não sofram com as baixas temperaturas. Na Secretaria da Agricultura e da Pesca, há kits com sementes de hortaliças com caixas contendo 100 pacotes de sementes com nove variedades: alface, cenoura, pepino, rabanete, beterraba, feijão-de-vagem, almeirão, rúcula e salsa.

Frio não afeta abastecimento e preços dos hortigranjeiros no Rio Grande do Sul

30 de julho de 2013 0

As baixas temperaturas registradas na semana passada em todo o Estado não chegaram a prejudicar o abastecimento de hortigranjeiros na Ceasa em Porto Alegre. A comercialização ocorreu tranquila nesta segunda-feira. O frio também não influenciou os preços desses produtos. O presidente da Central, Paulino Donatti, afirma que a confirmação se houve ou não prejuízo nas lavouras gaúchas deve ocorrer hoje, considerado um dia forte na venda de hortigranjeiros. Segundo ele, ainda não é possível medir estragos na produção de folhosas e verduras. O técnicos da Ceasa, responsáveis pela pesquisa semanal de preços, garantem que as variações estão dentro da normalidade. O dirigente da Central aconselha que ao consumidor substituir produtos, caso constate alta excessiva de preços.

Copa do Mundo traz oportunidades para o setor de frutas e hortaliças, conforme análise de pesquisadores brasileiros

18 de julho de 2013 0

O setor hortifrutícola tem muito a ganhar com a Copa do Mundo que ocorrerá de 12 de junho a 13 de julho do ano que vem no Brasil. Há expectativas de aumento de consumo durante o evento, de melhoria na logística de distribuição desses alimentos e maior visibilidade dos produtos brasileiros no exterior. A partir destas perspectivas, pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), avaliaram os principais programas e benefícios que o evento pode gerar ao setor, incluindo projetos de incentivo à produção e consumo de frutas e hortaliças. Estudos apontam que somente os gastos no setor de alimentos e bebidas devem ter acréscimo na ordem de R$ 2 bilhões. O Ministério do Esporte prevê que o Brasil receba de 500 mil a 600 mil turistas estrangeiros e que cerca de 3 milhões de brasileiros também se desloquem para as 12 cidades-sede da Copa. Segundo os pesquisadores do Cepea, somente com o consumo adicional de hortifrutícolas pelos estrangeiros a estimativa é de um total aproximado de 5.250 toneladas em um mês. Este volume leva em consideração um consumo diário por pessoa de 350 gramas. Para atender essa demanda extra, os pesquisadores destacam a necessidade de que hortifruticultores comecem a se organizar desde já, além de desenvolverem estratégias próprias que proporcionem continuidade das vendas também após a Copa. Conforme pesquisa realizada por eles junto a produtores, atacadistas e exportadores, o setor ainda não começou a se planejar.

Ceasa reforça segurança em sua unidade no RS

19 de junho de 2013 0

As Centrais de Abastecimento em Porto Alegre iniciaram as obras de instalação do novo gradil de pré-concreto armado vazado junto à divisa da unidade, em substituição à antiga cerca de ferro. O trabalho deve estar concluído em 90 dias em um custo superior a R$ 294 mil. A Ceasa/RS realiza várias ações na área de segurança para coibir os arrombamentos, furtos e roubos no interior do complexo. A iniciativa também se deve à implementação do projeto Anchieta, para a urbanização da área, com a criação de lotes e ruas nas imediações das Centrais. Há cerca de dois meses, a direção da unidade definiu uma série de medidas em conjunto com a Brigada Militar, Polícia Civil e Associações dos Usuários e Produtores para reforçar a segurança no local. Entre as ações colocadas em prática, estão a ampliação do número de câmaras de vídeomonitoramento, bem como do efetivo da segurança privada, tanto no turno do dia quanto da noite. Com mais de dois mil produtores e 311 empresas atacadistas, a Ceasa nos dias de grande movimento, chega a receber cerca de 30 mil pessoas de diversos municípios gaúchos.