Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Suínos"

Governo federal quer ampliar o número de Estados com status de livre da peste suína clássica

16 de outubro de 2014 0

O Ministério da Agricultura está convocando os Estados produtores de suínos para intensificar esforços em sanidade animal. O objetivo é que mais unidades federativas tenham condições de pedir o reconhecimento internacional de livre de peste suína clássica. Na terça-feira(14) e quarta-feira(15), representantes dos órgãos estaduais de defesa sanitária e do Departamento de Sanidade Animal do ministério se reuniram em Belo Horizonte(MG) para discutir ações, estratégias e levantar as situações dos Estados com relação à prevenção da doença. A principal deficiência está na coleta de materiais nos frigoríficos.

Conforme o diretor do DSA, Guilherme Marques, atualmente 15 Estados mais o Distrito Federal (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Rondônia e Acre) são reconhecidos nacionalmente como livres da enfermidade. Neste ano o governo encaminhou para a Organização Mundial de Saúde Animal o pedido de reconhecimento internacional do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, que apresentaram as melhores condições e que estão em acordo com as regras determinadas pelo órgão. O reconhecimento é esperado para maio de 2015, quando ocorre a assembleia geral da OIE.

Ministério da Agricultura define restrições no trânsito de suínos para SC e RS

18 de setembro de 2014 0

O Ministério da Agricultura restringiu o trânsito de suínos para Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Pela nova regra, não poderão entrar leitões vindos de outros estados para recria ou terminação. A medida vale a partir de 4 de setembro. Instrução Normativa 33 autoriza a entrada apenas de reprodutores oriundos de Granja de Reprodutores de Suínos Certificada, animais para abate imediato e produtos e subprodutos inspecionados pelos serviços do Ministério.

A decisão faz parte das exigências da Organização Mundial de Saúde Animal para o reconhecimento internacional dos estados gaúcho e catarinense como áreas livres de Peste Suína Clássica. A regra para o trânsito de suínos entre os dois estados não foi alterada.

México mostra interesse em ampliar importação de carnes brasileiras

30 de julho de 2014 0

O México quer ampliar a importação de produtos da avicultura brasileira, como genética animal e ovos, e abrir mercado também para a carne suína. Uma missão do Brasil participou de encontros nesta semana com o governo mexicano e a iniciativa privada do país. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Francisco Turra, o México também está interessado em comprar até 100 mil toneladas de carne de peru, 29% do que o Brasil produz anualmente. Os principais mercados nesse segmento são Europa e África do Sul. O dirigente também afirma que os mexicanos querem ampliar o número de empresas brasileiras habilitadas a exportar carne de frango. Atualmente são cinco, mas uma missão que virá ao Brasil poderá elevar de 15 a 20 as novas unidades aptas a vender para os mexicanos.

Cotação internacional da carne suína pode atingir nível recorde no 3º trimestre do ano

29 de julho de 2014 0

O vírus da diarréia epidêmica Suína que afeta países exportadores como Estados Unidos, México e Coreia do Sul, pode elevar a níveis recordes as cotações globais da carne suína no 3ºtrimestre deste ano. Analistas do banco Rabobank avaliam que a redução da oferta nestes países deve empurrar a rentabilidade do suinocultor.

No Brasil, a perspectiva para as cotações da carne suína é positiva, refletindo o consumo doméstico elevado durante a Copa do Mundo e período de inverno. O banco estima que os números para a produção e exportação do País neste ano vão ser semelhantes aos do ano passado, sugerindo uma recuperação após o fraco desempenho no 1º semestre. Conforme o Rabobank, a principal vantagem competitiva do Brasil é que o país se mantém livre de problemas sanitários.

Região Sul busca reconhecimento internacional de área livre de peste suína clássica

01 de julho de 2014 0

Os Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná se uniram para obter a certificação internacional de área livre de peste suína clássica junto a Organização Mundial de Saúde Animal. A partir de 2015, a OIE passará a certificar os países, ou áreas dentro de países, como livres da doença. O reconhecimento favorece o acesso da carne suína aos mercados mais competitivos do mundo. Os 3 Estados, responsáveis por 62% da produção nacional de suínos, têm até setembro deste ano para formalizarem o pedido de certificação. O processo será concluído em maio do ano que vem durante a Assembléia Geral da OIE. A região é considerada área livre da doença pelo Ministério da Agricultura desde 2010. Atualmente o Brasil possui 16 estados com este status.

Governo e criadores brasileiros reforçam cuidados para evitar a entrada no país durante a Copa do Mundo de grave doença que ataca suínos

09 de junho de 2014 0

A doença conhecida como Diarreia Epidêmica de Suínos que afeta alguns países vizinhos do Brasil coloca em alerta o governo e os criadores de suínos do país. Para evitar a entrada da doença nos rebanhos durante a Copa do Mundo, as entidades que representam o setor alertam sobre a necessidade de manter e redobrar os procedimentos de biossegurança nas granjas. Se houver algum sinal clínico da doença, o produtor deve procurar o veterinário do serviço oficial, estadual ou federal. O Ministério da Agricultura já definiu medidas como a necessidade de quarentena de suínos vivos importados antes de seguirem para as fazendas brasileiras. A doença não foi diagnosticada ainda no Brasil e apesar de ser quase mortal para suínos jovens, não faz mal para os seres humanos.

Confira as dicas relacionados a biossegurança:

1. Ingresso de animais de outros criatórios deve ser de origem certificada e confiável. Os animais devem ser mantidos isolados dos demais por pelo menos 15 dias;

2. Ingresso de veículos, objetos ou equipamentos que possam ter passado por outros criatórios;

3. Ingresso de pessoas que tiveram contato com outros suínos;

4. Se houver quaisquer sinais clínicos compatíveis com a PED, o produtor ou o veterinário devem procurar imediatamente o veterinário do serviço oficial (estadual ou federal) para que seja providenciado o diagnóstico precoce e a adoção de medidas para evitar a disseminação da doença.

Confira as medidas que estão sendo tomadas pelo Ministério da Agricultura:

1. Todas as importações de suínos vivos autorizadas pelo Mapa, que analisa caso a caso; os animais devem ser originados de estabelecimentos certificados pelo serviço veterinário do país exportador da ausência da doença nos últimos 12 meses e deverão cumprir quarentena na origem e também serão quarentenados por no mínimo 30 dias nas novas instalações da Estação Quarentenária de Cananéia, sob permanente supervisão do serviço veterinário oficial, antes de serem transportados para fazendas no Brasil.

2. Em relação à importação de sêmen suíno, somente serão emitidas autorizações de importação pelo Mapa, que analisará caso a caso. Os semens deverão ser oriundos de centros de coleta credenciados pelo serviço veterinário oficial do país exportador e que não registraram ocorrências da doença nos últimos 12 meses;

3. Com relação ao plasma suíno para ração animal, somente serão autorizadas importações pelo Mapa e que sejam oriundas de estabelecimentos registrados pelo serviço veterinário oficial do país de origem; com certificação sanitária oficial quanto aos rigorosos requisitos estabelecidos pelas autoridades brasileiras para importação. Também serão realizadas missões de fiscais federais agropecuários aos estabelecimentos exportadores do insumo para averiguar “in loco” o cumprimento dos requisitos sanitários.

Ministério da Agricultura inaugura instalações especiais para quarentena de suínos importados

04 de abril de 2014 0

O governo brasileiro vai inaugurar na próxima terça-feira(08) instalações especiais para quarentena de suínos importados na Estação Quarentenária em Cananéia, São Paulo. O Ministério da Agricultura quer garantir a sanidade do rebanho de suínos do país evitando o ingresso e disseminação de doenças de alto risco e impacto econômico.

A medida se deve principalmente após o surto de Diarréia Epidêmica Suína em países que regularmente exportam suínos vivos ao Brasil para reprodução. A doença atinge o rebanho dos Estados Unidos desde o ano passado. O serviço de quarentena tem a finalidade de reter os animais importados em um galpão, onde são liberados após a comprovação de sanidade. O vírus da Diarréia Epidêmica Suína é fatal apenas para suínos jovens e não representa ameaça à saúde humana ou à segurança dos alimentos.

Suínos importados pelo Brasil vão passar por quarentena para evitar doença que atinge o rebanho norte-americano

02 de abril de 2014 0

Representantes dos suinocultores e das agroindústrias levaram ao Ministério da Agricultura sugestões para previnir que o surto de diarréia suína que ocorre nos Estados Unidos desde o ano passado, atinja o rebanho brasileiro. Entre as propostas estão a suspensão temporária da importação de plasma suíno que é utilizado nos programas nutricionais, de reprodutores suínos e de sêmen norte-americano. O presidente do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal do RS, Rogério Kerber, garante que uma das consequências das sugestões levadas ao Departamento de Saúde Animal do Ministério é a quarentena que passa a ser exigida a partir deste mês para todos os suínos importados pelo Brasil e que será realizada no estado de São Paulo.

-”A quarentena se dará na Ilha de Cananéia que é um novo quarentenário do Ministério da Agricultura que reúne condições de biossegurança da altíssimo nível.”

A diarreia suína epidêmica já atinge 27 estados norte-americanos, causando prejuízo ao setor, com a perda de pelo menos 7 milhões de cabeças. A doença não é transmitida a seres humanos, mas provoca a morte de suínos em quase 100% dos casos. Até agora não existem tratamentos para a enfermidade.

Porto Alegre sedia pela 1ª vez a Avisulat, feira dos setores de aves, suínos e leite do RS

27 de março de 2014 0
Eduardo dos Santos - Coordenador-geral Avisulat 2014

Eduardo dos Santos – Coordenador-geral Avisulat 2014

A boa perspectiva para a colheita de grãos cultivados no verão e o crescimento do agronegócio no Rio Grande do Sul são indicadores positivos para os setores de aves, suínos e leite que lançaram hoje(27) em Porto Alegre, no Centro de Eventos da Fiergs, a quarta edição da Avisulat. A capital gaúcha vai sediar o evento pela 1ª vez. As outras edições ocorreram em Bento Gonçalves, na Serra gaúcha. A Avisulat é realizada a cada 2 anos. O coordenador geral do Congresso Sul Brasileiro de Avicultura, Suinocultura e Laticínios, Eduardo dos Santos, afirma que a escolha de Porto Alegre para sediar o evento levou em conta principalmente a questão de logística para os participantes.

“Sempre consideramos o evento no interior por estar mais próximo dos segmentos, mas ao longo dos últimos anos com a evolução do evento se fez necessário de uma nova condição de logística com oferta de hotéis, aeroporto mais próximo dos hotéis e uma estrutura de centro de eventos que desse condições de trabalhar com atividades paralelas.”

Na programação da Avisulat estão previstas palestras, simpósios e uma rodada internacional de negócios com a participação de países importadores. Durante o lançamento, foram destacados temas importantes para os setores de aves, suínos e leite que movimentam cerca de R$ 15 bilhões por ano e ocupam o 3º lugar no ranking das exportações gaúchas. Entre eles a legislação trabalhista para funcionários das granjas, o abastecimento de milho e abertura de novos mercados.

O Rio Grande do Sul possui 121 mil produtores de leite em 449 municípios e produz 3,93 bilhões de litros de leite/ano. O diretor executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Dertivados do RS (Sindilat), Darlan Palharini, ressaltou durante o lançamento da Avisulat o lado social do setor. Segundo Palharini, a cadeia produtiva do leite emprega 25% mais pessoas no meio rural em relação à outras culturas.

Já o presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do RS(Sips), José Roberto Goulart, lembrou as dificuldades enfrentadas pelos suinocultores em anos anteriores quando enfrentaram preços baixos, muita oferta e fechamento de mercados como Rússia e Estados Unidos, e ressaltou a importância de investimento por parte do setor.

O presidente da Associação Gaúcha de Avicultura(Asgav), Nestor Freiberger, também presente ao evento, destacou alguns gargalos do setor, como o abastecimento de grãos(milho e farelo de soja) e linhas de crédito para atender normas de biossegurança e inovação. Nomeou como desafio para os avicultores o aumento no consumo de carne e ovos.

A Avisulat 2014 será realizada entre os dias 4 e 6 de novembro no Centro de Eventos da Fiergs.

Nova entidade busca fortalecer a cadeia de frango e de suínos do país

24 de março de 2014 0

As indústrias de frango e de suíno têm agora uma entidade única para representar o setor. A Associação Brasileira de Proteína Animal foi criada oficialmente nesta segunda-feira(24) a partir da fusão entre a União Brasileira de Avicultura e a Associação Brasileira de Produtores e Importadores de Carne Suína. As negociações começaram há dois anos. Hoje(24) foi aprovado o estatuto e eleita a nova diretoria da entidade. O presidente é Francisco Turra, ex-presidente executivo da Ubabef. Segundo ele, a abertura de novos mercados é uma das metas da Associação.

- “Vamos ampliar mercado para suínos, com a meta é dez novos mercados até 2020 e também para a avicultura. Vamos fazer trabalhos em conjunto de prospecção, de busca ao fortalecimento da representação política.”

A nova entidade quer passar de 70 para 80 mercados abertos para suínos e de 155 a 170 mercados para aves. Atualmente, as indústrias de aves e suínos exportam juntas U$ 10 bilhões, cerca de 10% do total embarcado pelo agronegócio brasileiro. A Associação Brasileira de Proteína Animal reúne 132 associados e também conta com dois vice-presidentes setoriais: Ricardo Santin, ex-diretor de mercados da Ubabef, que fica como vice-presidente de aves e Rui Vargas, ex-presidente da Abipecs, como vice-presidente de suínos.