Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "escola de samba"

Diário de Carnaval: Valeu a pena!

20 de fevereiro de 2012 0

Bateria da escola de samba Príncipes do Samba. Foto: Rodrigo Philips


Hoje, segunda-feira, já estou descansada, mais tranquila e pronta para a próxima. Mas no sábado, o bicho pegou. No desfile dos blocos e escolas de samba de Joinville, desfilei pela Príncipes do Samba, a última escola a entrar na avenida, montada na rua Rio Branco, no centro.

Antes de vestir a fantasia da bateria – toquei tamborim – precisei acompanhar o desfiles dos outros grupos pela avenida. Corre para cá, corre para lá, um gole de água, uma paradinha para sentar no chão e descansar. A maratona foi compartilhada pelo fotógrafo Rodrigo Philips e pela jornalista Shirlei Alves, que relatou todos os passos do desfile ao vivo pelo AN.com.br.

E garanto que todo mundo suou a camisa – literalmente. Mas o apuro mesmo foi na hora de desfilar. Já estava com a fantasia, mas ainda faltava pegar o instrumento e o quepe. Corri até o caminhão da escola. Não achei o quepe. Voltei para falar com o mestre de bateria Chanceler. Ele deu um um jeitinho e encontrou um. Entrei na primeira fila dos músicos. Começamos a ensaiar. Chanceler e os sambistas ajeitavam o som com a bateria. O nervosismo tomou conta completamente. Hora de começar a andar.


Escondida no quepe. Foto: Rodrigo Philips


E lá fomos nós, deslizando pela avenida com os tamborins, surdos e cuícas nas mãos. É realmente difícil andar, dançar e tocar ao mesmo tempo. No começo, cometi vários erros. O mais grave ocorreu na frente da arquibancada das autoridades. Justo na frente do prefeito… Na hora de entrar no recuo, a bateria se perdeu um pouco. Eu mesma errei todos os passos possíveis.

Na saída tudo deu certo. Em seguida, quando a bateria passou o carro de som, parece que a coisa fluiu melhor. Que delícia! O público animava e aplaudia! Era simplesmente incrível escutar as pessoas aplaudindo. Na saída, mestre Chanceler fez um show a parte e levou o público ao delírio.

Só digo uma coisa: foi perfeito e em 2013 tem mais!

Confira mais fotos do Desfile de Joinville



Afoxé distribuiu rosas brancas na avenida. Foto: Rodrigo Philips




Rainha do bloco Manda Brasa. Foto: Rodrigo Philips



Bloco Graveloucos na avenida. Foto: Rodrigo Philips



Bloco carnavalesco Box 4. Foto: Rodrigo Philips



Escola Unidos pela Diversidade. Foto: Rodrigo Philips



Baianas da escola Fusão do Samba. Foto: Rodrigo Philips



Bateria da escola Acadêmicos do Serrinha. Foto: Rodrigo Philips



Escola Príncipes do Samba encerra o desfile em Joinville. Foto: Rodrigo Philips

Diário de Carnaval: Mais um dia para a folia

17 de fevereiro de 2012 1

Agora estou começando a ficar nervosa. Falta apenas um dia para o desfile das escolas de samba de Joinville, que ocorre neste sábado, a partir das 19h30, na rua Rio Branco, no centro.

Eu entrei nesta brincadeira e agora tenho que ir até o fim. Vou arriscar e invadir a avenida tocando tamborim com o pessoal da escola de samba Príncipes do Samba, a mais antiga da cidade.

Não sei se vou tocar bem, mas espero não fazer feio e muito menos atrapalhar os integrantes do grupo, que por sinal, mandam muito bem e são super dedicados.

Dia de prova da fantasia! Foto: Leo Munhoz

Hoje, sexta-feira, fui buscar a fantasia que vou usar na bateria. A roupa é bastante tradicional. Lembra um pouco o estilinho dos Beatles, em Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (eu quero achar isso). Claro que com muito mais brilhos.

Amanhã estarei lá, firme, forte e trajada. A Príncipes do Samba será a última escola a entrar, somente por volta das 23 horas. Para dar um gostinho, confira o vídeo do ensaio geral da escola que rolou na última quarta-feira (15).


Escolas de Joinville fazem os últimos ajustes para entrar na avenida

17 de fevereiro de 2012 0


..

A contagem regressiva para cair no samba já pode começar. Hoje tem festa na praça Dario Salles, em Joinville, e no Clube Náutico Cruzeiro do Sul, em São Francisco do Sul, onde acontece o tradicional baile de Carnaval.

Já no fim de semana, a folia será comandada pelos desfiles das escolas de samba. E para deixar a festa mais esperada do ano perfeita, foi preciso correr contra o tempo.

Agora faltam poucos detalhes: uma pluma aqui, um enfeite lá, e tudo estará pronto para a hora do show. Em Joinville as arquibancadas já foram montadas na rua Rio Branco, no Centro da cidade.

O desfile de sábado a noite ocorrerá em frente ao Museu Nacional da Imigração e Colonização e começa às 19h30. Na noite de hoje, no entanto, a festa será na praça Dario Salles, onde ocorrerá a escolha da Rainha do Carnaval e do Rei Momo, além de shows de pagode. Todas as apresentações serão gratuitas e começam a partir das 20 horas.

Enquanto isso, nas escolas de samba de Joinville, equipes correm para lá e para cá para retocar os últimos detalhes nas fantasias e ensaiar com as baterias.

Unidos pela Diversidade
Na nova escola de samba de Joinville, a Unidos pela Diversidade, as fantasias já estão praticamente prontas. No ano de estreia, o grupo falará de cinema na avenida. Poucos detalhes ainda precisam ser feitos, o que não preocupa o diretor artístico da escola, Rogério Souza Júnior, 33 anos. “Estamos correndo direto. Ficamos trabalhando até o último desistir”, brincou. Com a ajuda da diretora de harmonia, Iara Vieira, 23, e da também foliã Elizangela Minuzzo, 36, o grupo conferia as fantasias que já estavam prontas, enquanto outra equipe terminava o carro alegórico.

Fusão do Samba
Muita coisa foi reaproveitada no carnaval do ano passado na escola Fusão do Samba, de Joinville. Mesmo assim, o trabalho foi intenso nos últimos dois meses. Este ano o grupo falará da imprensa joinvilense. O carnavalesco Paulo Sérgio da Rosa, 31, se inspirou em fantasias de carnavais passados do Rio e de São Paulo para criar as roupas daqui. “A gente tira uma ideia e depois coloca em prática”, revelou. Enquanto ele ajeita os detalhes, a costureira Tânia Adolfo acerta os últimos pontos das roupas dos integrantes da bateria.

Acadêmicos do Serrinha
Vanuza dos Santos Silva, 31, e o amigo Reginaldo Barbosa da Fonseca, 32, trabalhavam duro na tarde de quinta-feira, em Joinville. Eles enrolavam uma fita dourada em uma cesta, que será carregada de flores. O artefato fará parte de uma das fantasias da Acadêmicos do Serrinha, que este ano vai falar justamente de flores. “São 300 componentes e mais de 200 roupas já estão prontas”, informou Vanuza. A costureira Angelina de Moraes, 54, que está trabalhando das 8 às 22 horas, tirava medidas das fantasias das baianas. Mesmo com tanto trabalho, o sorrisão do rosto não dava lugar ao baixo-astral.

Príncipes do Samba
A escola de samba mais antiga de Joinville, a Príncipes do Samba, se antecipou e fez o último ensaio-geral com bateria, samba-enredo e prova de roupas na última quarta-feira, no Kênia Clube. A antecipação aconteceu porque a agremiação vai ter duas representantes concorrendo na eleição da Rainha do Carnaval e Joinville e um candidato a Rei Momo. A escola vai entrar na avenida com 500 integrantes.

Troféu de São Francisco do Sul levará o nome do carnavalesco Bolacha

15 de fevereiro de 2012 1

Agora foi confirmado. A escola de samba vencedora do Carnaval 2012 de São Francisco do Sul levará para casa o troféu “João Araudo de Souza“, o popular Bolacha – um dos maiores carnavalescos da cidade.

O nome foi sugerido pela Prefeitura para homenagear o homem que foi um dos transformadores do Carnaval da Ilha. A Liga Independente das Escolas de Samba de São Francisco apoiou a ideia.

Bolacha morreu no último dia 21 de janeiro, vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Ele era dono do Bar do Bolacha, do Centro Histórico, e fez daquele espaço uma espécie de quartel general do Bloco das Trevas, fundado por ele e outros dois amigos em 1972.

Relembre a matéria sobre a morte de Bolacha.

A bateria é o coração da escola

15 de fevereiro de 2012 0

Foto: Leo Munhoz
..

O barulho é alto, ecoa entre paredes e teto, e ultrapassa os limites da vizinhança. Mas não se pode chamar de barulho. A bateria de escola de samba faz música para os ouvidos dos foliões. É o que garante a festa dos carnavalescos e o que faz o corpo requebrar.

O ensaio da bateria nem sempre começa pontualmente. Em Joinville, os músicos e carnavalescos trabalham o dia inteiro e correm para a escola de samba à noite para ensaiar. Aqueles que chegam mais tarde, se infiltram entre os colegas e logo entram no ritmo.

O mestre de bateria da Escola Príncipe do Samba – a mais antiga de Joinville – Jocimar de Melo, mais conhecido como Chanceler, está há dois anos no grupo. “O que eu mais analiso é a dedicação dos músicos. Não adianta a pessoa vir para bater no instrumento. Ela tem que tocar”, avalia. Além da dedicação, o músico precisa ter disciplina, noção do instrumento, e claro, um pouquinho de samba no pé.

E assim começa. Todos em seus lugares e prontos para ensaiar. Chanceler fica de frente para a bateria e dá o ritmo. À frente dele estão as duas fileiras dos tamborins. Na Príncipes, aproximadamente 15 pessoas irão tocar este instrumento que é um dos mais importantes. Durante os ensaios, é o pequeno tamborim – que lembra um pandeiro – que transfor- ma o samba.

“Em seguida vem os instrumentos de peso. Como o surdo, a caixa e o repique”, explica Chanceler. Estes são os instrumentos que servem de base para o enredo. “Ainda na frente vamos ter a participação do bloco Afoxé. Eles vão tocar cuícas, agogô e timba”, revela o mestre.

Durante o desfile, um trio elétrico acompanha a maioria das escolas em Joinville, lá os cantores levantam o povo com o samba-enredo. “A harmonia precisa estar junto do samba. Senão, perde todo o compasso”, lembra.

Para quem quer curtir a apresentação da Príncipes do Samba, é possível acompanhar os ensaios da bateria. Hoje, a partir das 20 horas, acontece o ensaio-geral antes do desfile. Todos os membros da bateria – inclusive a bela rainha – estarão presentes. O ensaio será no Kênia Clube, na rua Botafogo, no Floresta. No sábado, a escola será a última a entrar na avenida. A apresentação está prevista para as 23 horas.

Confira o horário de ensaio das escolas de samba de Joinville

15 de fevereiro de 2012 0

Quer curtir os ensaios das baterias das escolas de samba de Joinville? A festa é aberta ao público e não tem custo algum. Qualquer pessoa pode participar.

Confira os horários:

Príncipes do Samba
Quando? Quarta-feira, a partir das 20 horas
Onde? No Kenia Clube, da rua Botafogo, Floresta.

Fusão do Samba
Quando? Nesta quarta, quinta e sexta-feira, a partir das 19 horas
Onde? Na rua Florianópolis, 1.600, no Guanabara. No antigo Caldeirão do Samba.

Diversidade
Quando? Apenas nesta quarta-feira, a partir das 20 horas
Onde? Na boate Ivyx, na rua Procópio Gomes, 602, no Bucarein.

Acadêmicos do Serrinha
Quando? Quarta, quinta e sexta-feira, a partir das 20 horas
Onde? No Centro Social Urbano do Iririú, na rua Tuiuti, 1.010.

Duas décadas de Carnaval com a Filhos da Ilha

09 de fevereiro de 2012 0


O trabalho no prédio de esquina do Centro Histórico de Joinville está adiantando: até amanhã, a maior parte dos preparativos para o Carnaval já deve estar pronto na escola que será a primeira a entrar na avenida Marcílio Dias, em São Francisco do Sul, a Filhos da Ilha. À frente dela há exatos 20 anos – completados na segunda-feira sem festa, porque o trabalho não pode parar – está Willi Santos, 67 anos. O funcionário aposentado do Banco do Brasil fundou a escola e continua se dedicando à ela integralmente. “Às vezes fico me perguntando o que me levou a me dedicar tantos anos à escola. Mas essa coisa de Carnaval entra no sangue da gente”, conta Willi.
Foi ele quem escolheu o enredo deste ano, com a aprovação dos integrantes da escola. “O Maravilhoso Mundo das Cores” é um jeito de homenagear a mais pura forma de beleza que existe. “Afinal, o mundo só é assim tão bonito por causa das cores”, afirma Willi. Na composição e na interpretação do samba, só são-francisquenses, assim como boa parte dos integrantes da escola. Além disso, duas alas terão convidados para relembrar o início da Filhos da Ilha:  75 funcionários do Banco do Brasil vão desfilar, para comemorar os 20 anos da escola que, antes de ser promovida ao posto, era o Bloco do BB, integrado apenas pelos bancários.
Ano passado, a Filhos da Ilha foi uma das escolas a ficar com o primeiro lugar no concurso de São Francisco, ao lado da Unidos do Paulas e da Imperadores do Samba. Por isso, depois de uma deliberação entre os presidentes, eles abrirão o Carnaval 2012. Para isso, o trabalho começou assim que o Carnaval do ano passado terminou, a bateria começou a ensaiar quando 2012 começou e 35 pessoas estão trabalhando para fazer as fantasias e carros alegóricos coloridos deste ano. “A Filhos da Ilha vai para a avenida para cumprir o prometido ao público, que quer ver o que é belo”, diz o presidente.
Para Willi Santos – que já confessou ser roqueiro de coração – o Carnaval deveria ser mais respeitado na região. Afinal, só a escola dele reúne cerca de 450 pessoas no desfile e São Francisco do Sul chega a receber 200 mil turistas, que investem em todos os setores da cidade. “As pessoas criticam que o governo dá dinheiro para as escolas de samba, gasta com a festa, mas eu fico pensando: essa verba não é separada? Se tem dinheiro para investir na cultura, para que manifestação de arte mais pura que o Carnaval?”, questiona ele, lembrando que a festa é a grande oportunidade de divulgação da cidade no Estado.
“Quando você vê 500 pessoas que não se conhecem se organizando para desfilar, é emocionante. Carnaval é o dia em que o pobre fica rico e é aplaudido pelo rico que assiste ao desfile”, Willi Santos, presidente da Filhos da Ilha.

Compositores: Will Robson, Trella, André e Guga
Puxadores do samba: Trella, Will Robson, André, Claudio Carioca, Ed, Maru (Clique e ouça o samba-enredo)

O Maravilhoso Mundo das Cores

Um sorvete colorê
Pintando o sete uni-duni-tê
Vou voar nesse balão
Filhos da Ilha conquistou meu coração

Eu sou o tom da ciência
A fluorescência clareio a escuridão
Estou na tela do artista, na fotografia e na televisão
Seja jornal ou revista
Eu dito a moda
Sou a tendência em cada estação
Presente na força de expressão

Verde de raiva, azul de fome
Roxo de inveja, branco de pavor
Na hora do gol, não amarelei
Pelo vermelho da paixão me encantei

O tom da cor
Está presente na pele de todas as raças
Na incrível beleza da fauna e da flora
E traduz toda a força da mãe natureza

O criador
Espalhou pelo mundo toda a sua graça
Misturou em aquarela a felicidade
Desenhou no arco-íris a diversidade

Um sorvete colorê
Pintando o sete uni-duni-tê
Vou voar nesse balão
Filhos da Ilha conquistou meu coração

..

 

Acadêmicos do Serrinha homenageia as flores

07 de fevereiro de 2012 0



Desde que o Carnaval de rua de Joinville voltou a acontecer, a Escola de Samba Acadêmicos do Serrinha tem uma tradição: todos os anos, o samba-enredo é pensado para homenagear algum aspecto de Joinville. Em 2012, as flores que deram à cidade o título de Cidade das Flores são o foco da letra criada por Luiz Antônio Gomes e musicada por Gigi, o puxador de samba da escola. Gigi já é o intérprete oficial da escola, há cinco anos à frente da Serrinha para levar as diferentes gerações para a avenida do Carnaval joinvilense. É uma das escolas de samba mais antigas de Joinville, foi fundada em 1973, quando os ensaios ainda aconteciam na casa de Darci da Silva, conhecido como Charuto. Foi lá que os instrumentos ficaram guardados dos anos 80, quando os desfiles de rua cessaram, até 2006.
Foi só nessa época que Jéssica Francine Cestrem, 19 anos, e Samantha Suyanne de Oliveira, 13 anos, ficaram conhecendo o que era Carnaval de rua. As meninas, que este ano desfilam pela segunda vez com a Serrinha, não têm lembranças de outras festas na rua e nem em salões, mas já estão descobrindo as alegrias do Carnaval. No ano passado, Jéssica foi rainha do Carnaval; agora, é destaque da escola, enquanto a prima dela, Samantha, desfilará na comissão de frente.
Em contrapartida, o presidente da escola, Jair Matias ainda espera o dia em que o Carnaval de Joinville voltará a ser como no passado, quando os quatro dias de festa pareciam ter mais importância. “O Carnaval era mais entendido em Joinville, tinha mais respeito dos governantes. Tinha o baile municipal na Liga (de Sociedades), que emocionava muito, além de ter baile em todos os salões da cidade”, lembra ele. Este ano, a escola quase desistiu de desfilar, já que não foi contemplada pelo edital de incentivo à cultura de Joinville, o Simdec. A verba que a escola deveria receber no ano passado chegou agora e foi somada a uma contribuição de R$ 13 mil da Fundação Cultural de Joinville.
“O que importa mesmo no Carnaval é tirar um pouco da tristeza. A festa tem que ser só alegria na avenida”, avalia Gigi, o intérprete de samba-enredo. Segundo ele, o único problema que a festa de Joinville ainda enfrenta é a disputa entre alguns representantes de escolas de samba. “O resgate do Carnaval é bom, mas não entendo porque existe uma rixa entre os presidentes das escolas. Afinal, não tem concurso em Joinville, então deveria ser uma festa falando só de alegria”, diz Gigi.

Rainha: Juciane Sobral.
1ª princesa: Cleoci de Freitas.
2ª princesa: Michele Cristina.
Rainha de bateria: Ediane Silveira.
Puxador de samba-enredo: Gigi.
Letra e melodia do samba-enredo: Luiz Antônio Gomes e Gigi. (Clique aqui e ouça o áudio)

Samba-enredo: “No colorido das Flores. Viajei.”

Sou tradição, sou paz amor.
Eu sou alegria na avenida.
Muito prazer, eu me chamo Serrinha.

No colorido das flores, viajei.
Num mundo encantado, entrei.
Com o Serrinha na avenida, encontrei.
Em Joinville, o paraíso que sonhei.

Roda a vida, gira a roda.
O tempo vai parar.
Abre-alas canta forte.
Amor e paixão.
Na alegria e tristeza, emoção.
Rosa vermelha é um poder de sedução.

Passeei, no jardim da babilônia,
encontrei cinco sentidos pra sonhar.
Se a margarida faz pulsar meu coração,
amor-perfeito é ilusão.
Cravo branco na lapela, eu respeito,
jogo um beijinho pra você amor.

Maria vai com as outras.
Minha aquarela
eu mesmo que pintei.
Cantar, dançar, brincar,
extravasar minha alegria.
E pra dizer que não falei das flores
as rosas só falam de amor.
Girassol, sempre vivas, mal me quer.
Serrinha é só flores neste Carnaval.

Conheça a Príncipes do Samba, a escola mais tradicional de Joinville

06 de fevereiro de 2012 2





Príncipes do Samba prepara desfile inspirado na Estação da Memória




Foi lá no final de 1905, em meio à construção da Estação Ferroviária de Joinville, que a escola de samba Príncipes do Samba foi buscar inspiração para o Carnaval 2012. É com base na história construída sobre os trilhos de trem que a escola mais antiga da cidade desfila no dia 18, narrando na avenida como a alegria e a musicalidade do carnaval eram transportadas pela linha férrea que chegava até São Francisco do Sul. A história de negros como Adelmo Brás, o fundador da escola, será levada no embalo do tic-tac, e do samba-enredo “Dos trilhos do Trem rumo a Estação da Memória”, por cerca de 500 pessoas.
Este é o terceiro ano que a representante do Kênia Clube carrega Joinville no enredo. Homenagear a cidade em meio ao colorido do Carnaval, segundo a diretora da escola, Lúcia Nara Ferreira, é cumprir com os objetivos. E ela promete continuar: “Enquanto houver criatividade na cabeça no carnavalesco, Joinville será nosso tema”, garante.  Mas o enredo deste ano contou com a participação de muita gente. Nara explica que para escolha do que seria cantado na avenida, a escola realizou um concurso em dezembro de 2011, que reuniu representantes da Príncipes do Samba e da comunidade em geral. Depois de uma concorrida disputa e com a letra de Fernando Camillo já escolhida, era hora de começar os trabalhos. Pelas mãos do carnavalesco Serginho Afoxé, as fantasias vão ganhando a forma das alas que irão narrar a construção da ferrovia. Sendo 12 no total, cada uma delas vai representar um pedaço da história. A ala Etnia Negra vem representar os trabalhadores da construção, a Baile de Máscaras mostra o Carnaval do início do século 20 e da Erva-mate fala sobre o principal produto transportado de uma cidade outra. Como não poderia ser diferente, o carro-chefe vem em forma de trem, o transportador do samba. Príncipes do Samba será a primeira a desfilar.

VÍDEO: confira a preparação da escola joinvilense Príncipes do Samba




Ensaios da Príncipes do Samba estão com tudo




Do lixo ao luxo

Numa rotina intensa de trabalho, as fantasias com que a escola desfilará na avenida ganham o brilho necessário. Grande parte delas foram doadas pela escola de samba Unidos de Paula, de São Francisco do Sul, e de outra escola da cidade de Bombinhas. “Do Lixo ao Luxo”, é como Serginho Afoxé define o processo de reciclagem.  A Príncipes do Samba foi contemplada com R$ 12 mil do Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura (Simdec), o qual, segundo o carnavalesco, só foi recebido no dia 1º de fevereiro.

Nome do compositor do samba-enredo: Fernando Camilo.
Nome do mestre de bateria: mestre Chanceler.
Puxadores do samba: Paulista, Joaquim e Calinho.
Rainha da escola: Sabrina Costa Lima.
Madrinha de bateria: Monica Roberta de Oliveira Costa.






Cerca de 500 pessoas participam da escola e contam a história da Estação da Memória





 

Príncipes do Samba (clique e ouça o samba-enredo)

 

 

Kénia, berço do samba,
orgulho, paixão popular,
meu pavilhão azul e branco
vai te exaltar Adelmo Braz.

Sob a proteção de Ogum
o trem da alegria vai passar
trazendo progresso e riqueza
levando a cultura popular     
trilhando sonhos de criança   
nos vagões da esperança   
o negro faz seu canto e sua dança
rumo aos bailes de Carnaval,
São Chico te espera em alto astral.

Vem amor cair na folia
embarque no trem
com a minha bateria   
na ferrovia do Carnaval
Samba Joinville na “estação memorial”.

Histórias afro joinvilense
Museu das Bicicletas.
Cultura da nossa gente.
Orgulho Catarinense .
Cartão postal.
Arquitetura tão monumental.
Feira das “pulgas”.
Encontros pra lembrar
a força do nosso trabalhador.
Espaço do povo
vamos preservar
pra tradição não acabar.

Compositores: Paulista, Scooby, Gean e Sorriso
Mestre de bateria: Mestre Chanceler.
Puxadores do samba: Paulista, Joaquim e Calinho.
Rainha da escola: Sabrina Costa Lima.
Madrinha de bateria: Monica Roberta de Oliveira Costa.





O presidente da Príncipes do Samba, João Nestor Padilha, e a diretora Lucia Nara Ferreira