Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Bandido Seco preparava facção criminosa aos moldes do PCC nas cadeias gaúchas

06 de novembro de 2014 0
Foto: Cid Martins / Rádio Gaúcha

Foto: Cid Martins / Rádio Gaúcha

José Carlos dos Santos, conhecido como Seco, é investigado por articular a criação de uma facção criminosa dentro das cadeias gaúchas. O fato foi descoberto após a polícia apurar roubos de veículos e tráfico de drogas comandados pelo detento de dentro da Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc).

O delegado Juliano Ferreira, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), acredita que com a operação desencadeada hoje o grupo não terá mais condições de se articular. Pelo menos 16 pessoas foram presas por envolvimento no esquema liderado por Seco.

Em depoimento à polícia, José Carlos dos Santos negou participação nos crimes e até mesmo que fosse a voz dele nas escutas telefônicas flagradas pela polícia durante a investigação.

O delegado diz que Seco esquematizava um grupo a exemplo do Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, com estatuto, organização, lideranças e ordens de dentro das cadeias, além do comando dos principais presídios do Estado. Em uma das escutas telefônicas, ele menciona a quadrilha de traficante dos “Bala na Cara”, que além de traficar drogas também comanda facções dentro de penitenciárias.

Em outra escuta, um comparsa de Seco, que está preso desde 2012, Carlos Raimundo Alves Júnior, o Ninho, fala com outro detento sobre a criação da nova organização criminosa.

Consultor do crime
Além de uma nova facção e de comandar crimes de dentro da Pasc, Seco, segundo a polícia, usava o celular para dar uma espécie de consultoria do crime. Em várias interceptações telefônicas aparecem outros bandidos e até mesmo presidiários pedindo informações sobre explosivos, tipos de armas para usar em ataques, bem como forma de agir em crimes. Uma escuta telefônica, comprova a fala de Seco para outro bandido.

A operação de hoje cumpriu mais de 50 mandados judiciais e prendeu 16 pessoas, incluindo a atual companheira de Seco. Ele recebeu voz de prisão na Pasc e foi conduzido para depoimento em delegacia da Capital.

Envie seu Comentário