Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Dois acusados de assassinar ex-secretário Eliseu Santos em Porto Alegre são julgados pelo júri

19 de maio de 2016 0
Cid

Foto: Cid Martins / Gaúcha

Os réus Eliseu Pompeu Gomes e Fernando Júnior Treib Krol, acusados de envolvimento na morte do ex-secretário de saúde e ex-vice-prefeito de Porto Alegre Eliseu Santos, começaram a ser julgados pelo Tribunal do Júri na manhã desta quinta-feira (19). A sessão ocorre no plenário da 1ª Vara do Júri do Foro Central e os acusados respondem por homicídio quadruplamente qualificado, pelo fato da promotoria entender que houve uma execução planejada, devido a suposta corrupção envolvendo a Secretaria. Em 2013, o processo foi dividido em cinco partes, sendo ao todo, 13 réus.

O crime aconteceu na noite do dia 26 de fevereiro de 2010, na Rua Hoffmann, no bairro Floresta, zona norte da Capital. Eliseu estava acompanhado da mulher e da filha quando foi atingido por dois tiros. Segundo a investigação, os três foram atacados por Krol e por Eliseu Gomes, sendo esse último o responsável pelos disparos. Gomes também foi condenado no ano passado a 49 anos de prisão por outros crimes: tentativa de homicídio contra dois PMs e por roubos em São Leopoldo.

Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Arquivo

Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Arquivo

Homicídio Qualificado

Os promotores de acusação no Caso Eliseu, Eugênio Amorim e Lúcia Callegari, sustentam que o motivo torpe é um dos fatos para que os envolvidos sejam julgados por homicídio quadruplamente qualificado, já que entendem ter ocorrido uma vingança por parte de réus que estão respondendo pelo crime em outros processos. A segunda qualificadora é o fato de ter ocorrido emprego de meio que pode resultar em perigo comum, já que os Eliseu Gomes disparou em via pública. Outras qualificadoras são o fato de que o crime ocorreu mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e ainda para assegurar impunidade de crimes cometidos por outros réus em processos paralelos.

Divisão

Em 2013, o processo com 13 réus foi dividido em mais quatro partes pela 1ª Vara do Júri. O processo principal envolve os acusados Marcelo Machado Pio, Marco Antônio de Souza Bernardes, José Carlos Elmer Brack, Jonatas Pompeu Gomes (irmão de Eliseu Gomes que é julgado hoje pelo júri) e Cassio Medeiros de Abreu. Neste caso, o Ministério Público recorreu pelo fato de que o réu José Brack não foi pronunciado. O processo, também sobre homicídio qualificado, foi remetido à instância superior no Tribunal de Justiça.

Jorge Renato Hordoff de Mello é o único réu que responde pelo crime sozinho em único processo. Ele era proprietário da empresa Reação Vigilância e Segurança Ltda junto com o réu Marcelo Pio (que continua respondendo pelo crime no processo  principal). A empresa, que na época havia finalizado contrato com a Secretaria de Saúde de Porto Alegre, fechou e valores a serem recebidos ficaram bloqueados para pagamento dos funcionários. Este processo aguarda por audiência.

Também houve cisão em relação aos réus Adelino Ribeiro da Silveira, Aroldo Veriano da Silva e Janine Ferri Bittelo. Todos respondendo pelo mesmo caso em um único processo. E por fim, a última divisão do processo principal envolve os acusados Marcelo Dias Souza e Robinson Teixeira. Neste caso, a Justiça aguarda por material das defesas.

Polêmica

A morte do ex-secretário da Saúde da Capital causou polêmica pelo fato da Polícia Civil entender que houve tentativa de roubo de carro seguida de morte e a Promotoria entendeu que houve crime encomendado.

 

Envie seu Comentário