Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

PF indicia 19 suspeitos de fraude milionária contra a Previdência e o seguro-desemprego no RS

10 de junho de 2016 0
A Operação Belo Monte foi deflagrada na última quarta-feira em dez cidades gaúchas / Foto: Divulgação / Polícia Federal /Polícia Federal

A Operação Belo Monte foi deflagrada na última quarta-feira em dez cidades gaúchas / Foto: Divulgação / Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) indiciou 19 pessoas, sendo sete delas presas e 12 conduzidas para depor, por fraude milionária contra a Previdência e o seguro-desemprego no Rio Grande do Sul. Durante a chamada “Operação Belo Monte“, deflagrada na última quarta-feira (8) em dez cidades gaúchas, foi desarticulada uma quadrilha que fraudou 3,5 mil vínculos empregatícios e causou prejuízo inicial de R$ 17 milhões aos cofres públicos.

Indiciamento

O indiciamento é por inserção de dados falsos em sistema de informática, organização criminosa e falsificação de documentos públicos. A investigação continua porque os agentes calculam que os danos podem ser ainda maiores. Até o momento, foi apurado o envolvimento de apenas 55 de 100 empresas ligadas ao esquema fraudulento. A PF segue analisando documentos, contratos e computadores.

Investigação

A delegada Ilienara Karas diz que foram contabilizados valores de R$ 1,6 milhão contra a Previdência (equivalente a apenas dez empresas investigadas), mas, com a ação desencadeada esta semana, foram evitados que mais R$ 5,5 milhões fossem fraudados. Já em relação ao seguro-desemprego, foram pagos ilegalmente mais de R$ 15 milhões para os golpistas. O grupo aliciava inclusive usuários de drogas para fornecer documentos para o esquema criminoso. Os mandados judiciais foram cumpridos, a maioria, no Vale do Sinos: Novo Hamburgo, Sapiranga, São Leopoldo, Campo Bom, Nova Hartz e Portão. Além de Capela de Santana, Parobé, Charqueadas e Xangri-lá.

Investigados

Entre os envolvidos, há quatro contadores – dois deles presos – e quatro agentes do Sine (de Charqueadas, Capela de Santana, Xangri-lá e Nova Hartz). A maioria dos benefícios irregulares foi concedida por agências de Novo Hamburgo, São Leopoldo e Sapiranga. Já as prisões ocorreram em Sapiranga (4), Novo Hamburgo, Campo Bom e Nova Hartz. Um dos investigados é um homem que frequentava a Câmara de Vereadores de Sapiranga e não um funcionário, como a PF havia divulgado anteriormente. O ex-prefeito de Xangri-lá, Celso Bassani, também está entre os indiciados, mas ele nega qualquer tipo de participação e, inclusive, procura saber os motivos pelos quais foi incluído na investigação.

Fraude

Os aliciadores recrutavam pessoas que cediam carteiras de trabalho e o chamado cartão cidadão. Depois, contadores inseriam contratos de trabalho retroativos (em geral por um ano) para os aliciados nas empresas que estão sendo investigadas, a maioria inativa. Após a rescisão ser feita, o seguro-desemprego era solicitado e a quadrilha fazia depois o recolhimento do Fundo de Garantia.

Envie seu Comentário