Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Polícia Federal"

Polícia Federal apreende mais de 30 armas em Porto Alegre, incluindo fuzil e submetralhadora

03 de junho de 2015 0
As armas foram encontradas em uma residência vazia / Foto: Polícia Federal

As armas foram encontradas em uma residência vazia / Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal apreendeu 33 armas em um endereço residencial em Porto Alegre. A investigação é sigilosa, tanto é que nem o bairro foi divulgado. A ação ocorreu no final do dia de terça-feira (02), mas divulgada somente nesta quarta-feira (03) pelo fato de que os agentes estavam verificando a procedência do armamento. Os policiais encontraram um fuzil 556, duas submetralhadoras 9 milímetros, pistolas, revólveres de diversos calibres (44, 357 e 38), além de munição e acessórios. Não havia morador residindo no local abordado e o responsável pelo imóvel foi ouvido pela Polícia Federal. Foi instaurado inquérito para apurar a origem das armas.

 

Justiça Federal em NH condena três pessoas por tráfico internacional de armas e de drogas

26 de maio de 2015 0

A Justiça Federal em Novo Hamburgo (NH) condenou três pessoas por tráfico internacional de armas e de drogas. Esta é a primeira decisão sobre um total de três ações penais encaminhadas pelo Ministério Público Federal (MPF) contra uma quadrilha desarticulada em abril do ano passado pela Polícia Federal (PF). Ao todo, 36 suspeitos foram denunciados e 33 chegaram a ser presos em sete cidades gaúchas. As penas destas três pessoas condenadas, que ainda podem recorrer da decisão, vão de 16 a 86 anos de reclusão.

Operação Panóptico

De acordo com a PF, uma facção criminosa que atua nos presídios do Rio Grande do Sul mantinha contato com traficantes do Paraguai para abastecer com drogas e armas pontos de venda de entorpecentes em Porto Alegre, Vale do Sinos, Serra gaúcha e região de Santa Cruz do Sul. Durante a investigação, que iniciou em 2013, descobriu-se também que os traficantes simulavam viagens de motorhomes em família para enviar drogas ao estado e para isso, usavam até crianças. A PF também apreendeu durante o período de apuração dos fatos, 1,2 mil tonelada de drogas, R$ 165 mil, 24 veículos, entre eles um motorhome, um colete à prova de balas, diversas armas de calibre restrito, incluindo um fuzil AR-15, sete pistolas 9mm e uma submetralhadora.

Nesta primeira ação penal, foram enquadrados os réus acusados de serem os chefes da quadrilha, responsáveis pelo comando, coordenação, controle das ações do grupo e das grandes ações do tráfico (aquisição das drogas, carregamento e transporte até o Brasil). As outras duas ações penais do MPF contra a organização criminosa seguem tramitando na Justiça Federal em Novo Hamburgo.

Durante a investigação de um ano, cerca de 1,2 mil tonelada de drogas foi apreendida / Foto: Polícia Federal

Durante a investigação de um ano, cerca de 1,2 mil tonelada de drogas foi apreendida / Foto: Polícia Federal

* Saiba mais:

Traficantes simulavam viagens em família para enviar drogas ao RS.

Operação nacional da PF contra pornografia infantil cumpre mandado judicial em Esteio

20 de maio de 2015 0

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (20) a Operação Araceli em nove estados brasileiros e no Distrito Federal (DF), que tem como objetivo combater a pornografia infantil. No Rio Grande do Sul, foi cumprido um mandado judicial na cidade de Esteio, na Região Metropolitana de Porto Alegre. Além do RS e do DF, cerca de 120 policiais cumpriram 29 mandados de busca e apreensão no Acre, Alagoas, Amazonas, Ceará, Goiás, Pernambuco, Roraima e Santa Catarina.

Apreensão em Esteio de material que têm conteúdo pornográfico envolvendo crianças / Foto: Polícia Federal

Apreensão em Esteio de material que têm conteúdo pornográfico envolvendo crianças / Foto: Polícia Federal

Esteio

Policiais federais cumpriram um mandado de busca e apreenderam em uma residência quatro computadores e dois HDs externos. Foi verificado que um dos HDs continha arquivos com conteúdo pornográfico infantil. Além disso, um dos notebooks transmitia e recebia material pornográfico. O responsável pelo material não foi localizado em casa e nem no local onde trabalha. Depois de identificá-lo, a PF tenta agora localizá-lo.

Crimes

Os crimes investigados na Operação Araceli, que apura armazenamento e divulgação de imagens e vídeos de pornografia infantil, preveem penas que podem chegar a 6 de anos de reclusão e multa.

Araceli

O nome da operação presta homenagem à menina Araceli Cabrera Sánchez Crespo, 8 anos, que foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada em 18 de maio de 1973, crime que até hoje permanece impune. Posteriormente, a data ficou instituída como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”.

* Em abril deste ano o Governo Federal lançou o portal #HumanizaRedes, que recebe denúncias de violações de direitos humanos, inclusive pornografia infantil: http://www.humanizaredes.gov.br

* Saiba mais:

PF faz operação contra pornografia infantil em nove Estados.

 

BM impede roubo de cargas e prende ladrões que se passavam por fiscais da Receita Federal

02 de abril de 2015 0
Divulgação

Divulgação

A Brigada Militar (BM) da Restinga, zona Sul de Porto Alegre, impediu um roubo de cargas e prendeu quatro ladrões que se passavam por fiscais da Receita Federal (RF). Os PMs apreendeream na tarde desta quinta-feira (02) um caminhão carregado com roupas e ventiladores e com os suspeitos, encontraram dois bonés e uma camiseta da RF, além de uma capa de colete da Polícia Federal (PF).

Os presos e produtos serão encaminhados à PF. A BM recebeu uma denúncia anônima pelo 190 e acredita que o material possa ser contrabandeado. Ainda foram apreendidos três veículos que acompanhavam o caminhão, um estava com giroflex e outro é investigado pelo fato de que o proprietário seria uma policial civil da 16ª delegacia da Capital.

IMG_9204

Divulgação

Polícia Federal prende argentinos e brasileiros por câmbio ilegal na Fronteira-Oeste

20 de março de 2015 0

A Polícia Federal (PF) prendeu em flagrante 16 argentinos e três brasileiros por câmbio ilegal de moeda estrangeira na Fronteira-Oeste. A prisão ocorreu na noite de quinta-feira (19), mas foi divulgada na manhã desta sexta-feira (20). O grupo iria trocar dinheiro com turistas que estavam em deslocamento na região, bem como pretendia repassar notas falsas. A ação teve o apoio da Brigada Militar de Uruguaiana e ocorreu em um posto de combustíveis às margens da BR-290.

Denúncia

A PF recebeu a informação de que os suspeitos iriam realizar a prática criminosa com passageiros de 40 ônibus de excursão do Rio de Janeiro com destino à província de San Luís, na Argentina. Eles iriam participar da 6ª edição do Carnaval de Rio no país vizinho. Os criminosos também pretendiam distribuir aos turistas notas estrangeiras falsas. Foram apreendidos R$ 3,6 mil, U$ 602, além de pesos argentinos e uruguaios. Os presos foram encaminhados à Penitenciária modulada de Uruguaiana e responderão pelo crime de câmbio ilegal (Lei nº 7.492/86), que prevê pena de um a quatro anos de prisão.

Foram presos na região de Uruguaiana 16 argentinos e três brasileiros / Foto: Polícia Federal

Foram presos na região de Uruguaiana 16 argentinos e três brasileiros / Foto: Polícia Federal

PF combate lavagem de dinheiro em Soledade, Norte RS, e em mais três estados

05 de março de 2015 0

Uma operação da Polícia Federal (PF), em conjunto com a Receita Federal, desarticulou nesta quinta-feira (5) uma organização criminosa responsável por esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. A ação ocorre em quatro estados do Brasil, incluindo o Rio Grande do Sul, em Soledade, no Norte, onde uma pessoa foi presa. É um empresário de Foz do Iguaçu, no Paraná, que estava em hotel na cidade gaúcha. Foram cumpridos sete mandados de prisão preventiva e 34 de prisão temporária, além de outros 25 para conduzir suspeitos para depoimento em delegacias. A base do trabalho é no Paraná e se estende também para Santa Catarina e São Paulo.

Em menos de cinco anos, os suspeitos movimentaram cerca de R$ 600 milhões. Através do uso de contas bancárias de 87 empresas, maioria fictícias, os suspeitos mantinham contatos com pessoas físicas e jurídicas interessadas em mercadorias, drogas e cigarros do Paraguai.

Este grupo era responsável por conferir aparência lícita a recursos financeiros de origem criminosa e remeter esse mesmo dinheiro “sujo” ao Paraguai. Além dessas atividades, para atender as exigências de “doleiros” paraguaios, a organização criminosa também era responsável por transferir parte dos ativos ilícitos para contas bancárias brasileiras controladas por tais “doleiros”.

Mandados judiciais

Foram cumpridos 07 mandados de prisão preventiva, 34 mandados de prisão temporária, 25 mandados de condução coercitiva e 68 mandados de busca e apreensão nos municípios de Foz do Iguaçu/PR, Santa Terezinha de Itaipu/PR, Matelândia/PR, Cascavel/PR, Toledo/PR, Altônia/PR, Joinville/SC, Soledade/RS, Ribeirão Preto/SP e Monte Aprazível/SP. Estão envolvidos na ação 230 policiais federais e 30 servidores da Receita Federal.

 

 

 

Operação da PF prende em Porto Alegre líder dos "Bala na Cara" solto pela Justiça há um mês

17 de outubro de 2014 51

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta sexta-feira (17) uma operação em dois estados do Brasil e prendeu em Porto Alegre o líder da quadrilha de traficantes dos “Bala na Cara“, que havia sido solto no final de setembro. Luís Fernando da Silva Soares Júnior havia sido preso em julho com cerca de 20 quilos de cocaína em um carro, em hospital da cidade, e a Justiça entendeu que não havia provas suficientes para mantê-lo detido.

Saiba mais:

Juiz solta o número 1 da facção criminosa que atua na Região Metropolitana.

Luis Fernando da Silva Soares Júnior, o Júnior, líder dos "Bala na Cara" / Foto: Reprodução

Luis Fernando da Silva Soares Júnior, o Júnior, líder dos “Bala na Cara” / Foto: Reprodução

Operação

Na manhã de hoje, cerca de 100 agentes realizaram a Operação Bom Jesus para coibir o tráfico internacional de armas e drogas no Rio Grande do Sul (RS) e no Paraná (PR). Foram cumpridos dez mandados de prisão preventiva e dez de busca e apreensão em Porto Alegre, quatro presos, e Cachoerinha, um preso, além de Cascavel, dois presos, e Foz do Iguaçu, um preso, no PR. Foram apreendidos veículos, dinheiro e armas. Dois mandados foram cumpridos em presídios gaúchos, Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (PASC) e Presídio Central.

Quadrilha

Foi desarticulado o grupo criminoso dos “Bala na Cara” que domina o tráfico de drogas e armas, especialmente no bairro Bom Jesus, zona leste de Porto Alegre e em outras regiões da cidade. Uma das características da quadrilha é conquistar territórios através da violência contra outros grupos por meio da utilização de armamento pesado e do controle de galerias em presídios.

Investigação

A investigação começou em fevereiro em Porto Alegre. Foi apurado que os “Bala na Cara” compravam cocaína e armas no Paraguai e transportavam em compartimentos escondidos em veículos. O ingresso no Brasil se dava principalmente por Foz do Iguaçu, fronteira com Ciudad del Este, no Paraguai, e depois era vendida em pontos de tráfico da capital.

Apreensões

Desde o início, a PF interceptou três cargas que totalizaram aproximadamente 120 quilos de cocaína, além de três pistolas de calibre restrito (9mm) e duas 380, de uso restrito. A apreensão resultou em sete prisões. Os flagrantes ocorreram em junho, em um depósito na Vila Nova, em julho, quando um veículo transportado por um guincho foi abordado em posto de combustíveis e também em julho, quando o líder do grupo, Luís Fernando Soares, o Júnior, foi preso em flagrante ao receber veículo com drogas em estacionamento de hospital em Porto Alegre.

PF apreende armas e mais de 100 quilos de drogas / Foto: Divulgação PF

PF apreende armas e mais de 100 quilos de drogas / Foto: Divulgação PF

 

Polícia Federal faz operação contra pornografia infantil em páginas ocultas da internet

15 de outubro de 2014 0

*Por Lucas Abati

Polícia Federal busca arquivos em computadores suspeitos. Foto: Divulgação/Polícia Federal

Polícia Federal busca arquivos em computadores suspeitos. Foto: Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal cumpre na manhã desta quarta-feira (15), mais de cem mandados de busca, prisão e condução coercitiva em 17 estados do Brasil e Distrito Federal, contra a pornografia infantil em sites ocultos da Internet, hospedados na chamada Deep Web. Até o momento, 38 pessoas foram presas em todo o Brasil, sendo que seis no Rio Grande do Sul.

Desde o início das investigações, há um ano, seis crianças foram resgatadas e quatro homens foram presos. Cerca de 500 policiais participam das buscas.

A investigação é inédita na Deep Web, que é considerada um meio seguro para que usuários divulguem conteúdos proibidos na internet, já que dificulta que a localização dos usuários, pois camufla o endereço da máquina  utilizada.

A Operação Darknet apurou troca de informações e fotos de pedofilia. Em um dos casos, um pai contava que abusaria de sua filha que nem havia nascido.

Além do Rio Grande do Sul, que coordenou a Operação, participaram os estados: Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal. As informações obtidas durante as investigações que envolvem suspeitos de outros países foram repassadas para autoridades de Portugal, Itália, Colômbia, México, Venezuela.

Conheça a Deep Web

A Deep Web é considerada o submundo da Internet. É necessário um grande conhecimento técnico para se ter acesso com segurança. O local é utilizado tanto para divulgação de materiais piratas, quanto para pedofilia, tráfico de drogas, de pessoas e de órgãos. Por utilizar um método que camufla a localização do usuário, poucos casos são resolvidos.

Entenda o que é a Deep Web e saiba os riscos da navegação

 

Empresa de grupo criminoso que fraudava licitações prestou serviços à Polícia Federal no RS

03 de julho de 2014 0

Uma das empresas, criadas por um grupo criminoso que fraudava licitações em todo o Brasil, prestou serviços à Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio Grande do Sul. O esquema, que causou prejuízo superior a R$ 40 milhões, foi desarticulado na manhã desta quinta-feira (3) após investigação em conjunto dos estados gaúcho e mato-grossense. O empresário Luís Felipe Da Pieve foi preso no Centro de Porto Alegre. A prisão ocorreu em duas salas comerciais onde as 17 empresas do grupo, em nome de “laranjas”, têm endereço. Além disso, vários documentos foram apreendidos

Na Superintendência da PF, na capital gaúcha, o serviço foi prestado no ano de 2009. Seria no setor de atendimento. Também houve prestação de serviços à Caixa Econômica Federal e a diversos setores públicos. A investigação começou pelo estado do Mato Grosso após suspeita em serviço de mão de obra em um prédio público daquele estado. Da Pieve já foi indiciado em mais de 20 inquéritos da PF em quatro estados brasileiros: RS, SP, SC e PR. Em pelo menos um dos casos ele foi condenado e em outro absolvido.

Documentos foram apreendidos em salas comerciais no Centro da capital / Foto: Polícia Federal

Documentos foram apreendidos em salas comerciais no Centro da capital / Foto: Polícia Federal

Fraude

A fraude ocorria em licitações na área de prestação de serviços, como limpeza e manutenção. Um grupo criminoso atuava há dez anos em todo o País com 17 empresas em nome de “laranjas” participando de licitações e oferecendo valores abaixo do mercado. Em alguns casos, participava com mais de uma empresa para garantir a contratação. Após isso, realizava apenas parte do serviço e também não havia recolhimento de verbas trabalhistas ou previdenciárias, encargos sociais em geral. A dívida acabava ficando com a União. O grupo ainda falsificava documentos e atestados de capacidade técnica.

Saiba mais:

Operação da Polícia Federal combate fraude em licitações no RS e no MT superior a R$ 40 milhões.

PF faz operações contra fraudes no Rio Grande do Sul.

Operação da Polícia Federal combate fraude em licitações no RS e no MT superior a R$ 40 milhões

03 de julho de 2014 15

A Polícia Federal e a Controladoria Geral da União (CGU) realizaram nesta quinta-feira (3) uma operação nos estados do Rio Grande do Sul (RS) e Mato Grosso (MT) para combater fraudes em licitações na área de prestação de serviços, como limpeza, manutenção, secretaria, entre outros. O empresário Luís Felipe Da Pieve, que foi preso no Centro de Porto Alegre, é considerado o maior suspeito por obter contratos públicos de forma irregular para prestação destes serviços.

A fraude ultrapassa o valor de R$ 40 milhões. Esta quantia está relacionada somente aos contratos, já que o desvio ainda não foi contabilizado. Na capital gaúcha, foram cumpridos um mandado de prisão temporária e três de busca e apreensão. Um suspeito em Porto Alegre e outro em Gravataí foram conduzidos para a Superintendência da Polícia Federal com o objetivo de esclarecer possível envolvimento no esquema. Participaram da chamada Operação Kamikaze 25 policiais federais e cinco servidores da CGU.

Em Porto Alegre, Polícia Federal cumpre três mandados de busca e apreensão / Foto: Polícia Federal

Em Porto Alegre, Polícia Federal cumpre três mandados de busca e apreensão e prende um empresário / Foto: Polícia Federal

Investigação

A investigação começou no Mato Grosso, após suspeita em relação a um serviço de prestação de mão de obra em um prédio público daquele estado. Um grupo criminoso atuava em todo Brasil participando de licitações públicas, principalmente na modalidade pregão eletrônico. O valor oferecido pelo serviço era muito abaixo do mercado, resultando na vitória do certame. Parte do serviço era executado, porém não havia o recolhimento de verba trabalhista nem previdenciária. Como as empresas estavam em nome de “laranjas” e não possuíam patrimônio, a União acabava respondendo subsidiariamente pelas dívidas. A quadrilha, segundo a Polícia Federal, usava documentos falsos e, em um mesmo processo licitatório, participava com mais de uma empresa do grupo.

De acordo com o delegado Daniel Madruga, da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado, este grupo criou 17 empresas no nome de “laranjas” e atuava desde o ano de 2004. Os nomes das empresas não foram divulgados. Segundo o delegado federal, elas têm como sede o mesmo endereço: duas salas comercias no Centro de Porto Alegre. Em alguns casos, participavam da mesma licitação com duas ou mais empresas.

Empresário

O empresário Luís Felipe Da Pieve se tornou o 13º maior devedor trabalhista do Rio Grande do Sul e possuía 17 empresas, algumas em nome de terceiros. O suspeito já havia sido alvo da Operação Freio de Ouro deflagrada em 2009, quando depois foi indiciado em mais de 20 inquéritos na Polícia Federal no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Em pelo menos um desses casos, ele foi condenado pela Justiça Federal. Pela Operação Kamikaze ele irá responder por fraude em ato licitatório e associação criminosa.

Operação Kamikaze

O nome da operação se deve ao fato de empresas serem criadas para acabarem extintas em seguida. O fato lembra o episódio dos pilotos japoneses que jogavam os aviões contra navios norte-americanos, provocando a própria morte, durante a Segunda Guerra Mundial.

Saiba mais:

Operação Freio de Ouro