Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2009

Quatro do Campinense?

31 de julho de 2009 194
Vergonha é um sentimento forte!

Infelizmente vi só os últimos minutos deste resultado infeliz do Figueirense, sofrendo 4 a 2, contra o Campinense. Como avisei antes, viagem me impediu de acompanhar o jogo.

Liguei para o setorista do Figueira, o Diogo D’Ávila, para saber alguns detalhes deste resultado completamente fora do esquadro. Já que uma vitória, contra este saco de pancadas da Série B, seria o mínimo aceitável.

Me disse o Diogo que o Figueira foi o mesmo time medroso fora de casa, que impede o clube de deslanchar na Série B.

Olha, se não souber se impor nestes momentos, se decepcionar desta forma, se for irregular desta maneira, fica difícil abraçar a causa.

Ser goleado pelo time que é a piada da Série B é algo inaceitável. Vergonha é um sentimento forte, e difícil de lidar.

Mas, como disse, não acompanhei o roteiro desta tragédia. Logo, deixo aos blogueiros opinarem.

 
Agora, não preciso ver o jogo para saber que, se Totó foi escalado, boa coisa não estava prevista.

Olha, Roberto Fernandes, quer morrer abraçado com Totós e Cia? Então vai fazer isto em outro lugar, não no Figueira.

PS: Valeu, Wilson, você merece gol de pênalti e não merece tomar quatro do Campinense.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

O Ferinha manda o recado da Paraíba!

31 de julho de 2009 24
Blogueiros, peço desculpas aos alvinegros pela falta de um post hoje mais cedo, como é costume do blog em dia de jogo. Mas passei a manhã com compromisso e viagem deve me impedir até de ver o jogo. Mas deixo vocês com a companhia de Helton “Ferinha” Luiz, que está na Paraíba e nos mostra com seu bom humor e senso de observação o que rola por lá no textinho abaixo. Se eu conseguir me informar sobre o jogo, abro discussão no blog logo mais à noite. Inté. Manda parceiro Helton:

“Garçom, aqui na Paraíba, todo mundo é igual…”
Castija e amigos leitores! Claro que alterei a letra da música do Reginaldo Rossi, mas é mais ou menos isso. Todo mundo igual ou muito semelhante. O sotaque, a linguagem, o vernáculo nordestino é que deixa a gente feliz, como se não existisse preocupação no mundo, êita ferro! Bom, boralá escrevê procê, macho.
Distante 120 quilômetros de João Pessoa, Campina Grande não é tão quente quanto a capital. Aqui sobra um ar diferente o que não muda a hospitalidade do povo. Cheguei sentado – ao lado, que fique claro – do humorista Shaolim, aquele mesmo que iniciou no Domingão do Faustão e agora é contratado da Record, juntamente com Tom Cavalcante.
Primeira impressão: simpático.
O homem leu um livro chamado “A Cabana”, de William P. Young, a viagem inteira de Recife até Campina Grande. Tá certo que foram só 20 minutos de vôo, mas leu.
Aqui está a maior fábrica da Havaianas que é exportada para o mundo todo. O maior São João do Mundo, realizado no mês passado, infelizmente. O Encontro da Nova Consciência, um encontro ecumênico realizado durante o carnaval e, atualmente, o Festival de Inverno. Neste período se apresentam por aqui artistas de todo o país nas mais diversas formas de arte.
No hotel onde estamos encontrei o coreógrafo e dançarino Carlinhos de Jesus. Rápidos cumprimentos e me disse que está promovendo algumas oficinas de dança e um workshop, além de apresentações do seu grupo carioca de bailarinos.
Primeira impressão: simpático
O Figueirense chegou ontem à noite de Recife. Preferiu vir de ônibus e treinar no campo do Sport, na Ilha do Retiro. Uma questão de logística. Encontrará aqui um estádio onde cabem, “apertadinhu”, 50 mil pessoas – o que me disse o Vanduir, taxista aqui de Campina Grande. O nome é José, mas prefere Vanduir e não se fala mais nisso!
O estádio chama-se Gov. Ernani Sátiro, carinhosamente mais conhecido como Amigão. Capacidade oficial: 45 mil pessoas.
Recorde de público: 1982. 42.149 torcedores para ver o Treze levar 3 a 1 do Flamengo-RJ.
Ah, isso me fez lembrar algo. A piada na cidade é o Campinense, óbvio, pela campanha do time. A frase mais usada é: VISITE CAMPINA GRANDE E LEVE 3 PONTOS. Que coisa!
Dizem que o povo vai pro estádio mais para conhecer o time visitante do que torcer pela equipe da casa.
Era isso! Sobre futebol a gente fala depois na CBN, fechô mô fio?
Até a próxima.”

Postado por Marcos Castiel e Helton Luiz

Bookmark and Share

Agora é invadir o Pacaembu

30 de julho de 2009 142

Já notaram que rotina boa esta de comemorar gols?/Flávio Neves

A sexta vitória e o recorde não são o limite

A quarta vitória consecutiva na Série A do Brasileiro já não dava para esquecer. A quinta obtida hoje, sobre o Vitória, por 4 a 0, já é histórica. Já imaginou uma sexta, diante do Corinthians, domingo?

Igualaria o feito do Criciúma, em 2003, provavelmente coloca o time na briga próxima ao G-4. Fico imaginando, desde já, mais de 2.000 avaianos no Pacaembu. Depois de calar o Maracanã e a Arena da Baixada, se sair em festa e cantando mais alto também no Pacaembu, aí a nação azul terá estabelecido um início mais histórico ainda em sua primeira participação.

O começo de jogo já foi intenso, mostrando que o Leão não entrou em campo manso. Botou pressão sobre o time baiano, criou situações até chegar ao pênalti, antes dos 10 minutos. Penalidade, aliás, que realmente existiu.

Duas verdades sobre o momento da cobrança do pênalti. A primeira constatação: Marquinhos bateu mal as duas cobranças. A segunda constatação é de que o árbitro agiu certo em mandar retornar o primeiro chute, já que o goleiro Viáfara se adiantou bastante antes da cobrança.

A boa fase só cola em quem merece e produz para justificá-la. Antes dos 10 minutos veio a vantagem. Antes dos 20, esta foi ampliada. Um contra-ataque sensacional acabou com a conclusão de Luís Ricardo. Perceberam? Contra-ataque, dentro de seus domínios. Ou seja, um time maduro, que adotou a postura certa após o 1 a 0, mesmo jogando em casa.

No restante da etapa, o Vitória até ameaçou enquanto tinha 11 homens em campo, mas o Avaí foi sempre mais time e teve outras grandes chances. A constatação da superioridade foi no momento em que, descontrolado, Ueliton foi expulso por reclamação.

Com um a menos, o roteiro estava perfeito para o segundo tempo. O desempenho avaiano continuou irretocável, pena que William não estava com a pontaria afinada, perdendo duas boas chances e que Leo Gago também foi expulso.

O time, contudo, conduziu a partida com poucos sustos (o Vitória até perdeu duas chances com Róger), com inteligência, sem forçar e sem se complicar, como manda a cartilha.

Até que o “liso” Muriqui coroou sua atuação sofrendo mais um pênalti. Ele mesmo bateu e, antes dos 25 do segundo tempo, resolveu o jogo e encaminhou a goleada.

Caio, que entrou na vaga de Marquinhos, fez os baianos caírem de quatro. Espetáculo.

Pequenas avaliações

Muriqui: impressionante o rendimento de Muriqui. Um jogador que está acima da média não só dentro do Avaí, mas em todo Brasileiro. Jogasse em um clube do clube da grande mídia, estaria sendo cogitado para a Seleção.

Luís Ricardo: fez uma partida exemplar. Um jogador difícil de marcar, arisco e muito tático, além de decisivo.

Marquinhos: ainda não apresentou 1/5 do que pode e mesmo assim é um jogador importantíssimo. Gostaria de checar a informação de que ele está jogando “um pouco” no sacrifício. Se for real, seria interessante uma parada para “conserto”. Ele 100% deixaria este meio um diamante já lapidado.

William: Muitos podem achá-lo um pouco tosco, um nível abaixo do que a Série A requer. Discordo. Chama muito a marcação, desempenha um papel tático vital. Deve seguir como titular, mesmo com a fase iluminada de Roberto

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

Ela é um show

30 de julho de 2009 56

Divulgação site Globo.com

Como aperitivo para o jogão desta noite, convido todos a visitarem mais um ensaio da Marcelle Lisboa, que vai concorrer a Musa do Brasileirão pelo Avaí. (clique aqui e confira)

É uma gata linda, representando com maestria a beleza das mulheres avaianas. Importante: ela é torcedora mesmo, vai ao estádio e conhece tudo sobre o clube.

No mais, é rumo à quinta vitória consecutiva, de preferência com a Ressacada lotada.

Aliás, a força da torcida será importantíssima. Complicado e perigoso são adjetivos modestos para dizer definir o que representa o time baiano.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

O recorde é mais complicado

29 de julho de 2009 69
Criciúma já teve seis vitórias consecutivas na elite

Depois de uma pesquisa bastante minuciosa, quando já havia chegado à conclusão de que o Avaí lutaria amanhã para estabelecer o novo recorde de vitórias consecutivas na elite Brasileira, o repórter Mauricio Frighetto, sempre meticuloso, descobriu novos números.

Acontece que, se você avaliar a tabela de 2003, realmente o Tigre teve quatro vitórias na seqüência, como eu levantei. Só que tem um detalhe, que só apareceu na tabela original da CBF, que traz os jogos por ordem de datas, não por ordem de rodadas. E que o Friga detectou: duas rodadas foram antecipadas para o Tigre. E, bingo: o Criciúma venceu os dois jogos.

Logo, o Criciúma acumula seis vitórias consecutivas. A seqüência apresenta: Criciúma 2 x 0 Paysandu; Fortaleza 0 x 1 Criciúma; Criciúma 1 x 0 Atlético-MG; Criciúma 3 x 0 Juventude; Criciúma 4 x 3 Flamengo; Grêmio 0 x 2 Criciúma.

O que vale é o feito na seqüência de datas, portanto o Avaí precisa superar o Vitória, amanhã, e o Corinthians, domingo, para igualar o recorde.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

Ecoa o grito alvinegro: "o G-4 é o meu lugar"

28 de julho de 2009 108

Clodoaldo vai para a ambulância. A recuperação será difícil/Ricardo Duarte

Nota triste pela grave lesão de Clodoaldo

Existem marcos dentro de uma competição. Esta noite hostil fora de campo, no Orlando Scarpelli, era uma delas. A vitória do Figueirense, por 3 a 1, sobre o Brasiliense tem uma mensagem muito importante ao apaixonado torcedor alvinegro: o G-4 de cima é o único palco onde o Figueirense encaixa bem. A torcida, que enfrentou o frio e a chuva, merecia esta resposta positiva.

Qualquer outra situação que venha a acontecer na competição, ficar numa zona intermediária, ou cair assustadoramente na tabela, será algo fora do normal para o Figueirense.

Tem mais. Gás total, força e concentração: foco no Campinense, depois, se tudo der certo, tem o América-RN num sábado, no Scarpelli, para colocar 19 mil pessoas e encostar no Guarani.

Outra: se cumprir este roteiro com audácia, competência e ousadia, terá chegado a 32 pontos, metade do caminho (em teoria) para se garantir no G-4, três rodadas antes do fim do turno. Que tal?

Parêntesis para RC e Eto`o

Analisado o marco que esta partida delimitou, o jogo começou como todo torcedor sempre sonha. Dois tenros minutinhos de bola rolando, Vinícius Pacheco aprontou um “salcedo” e Rafael Coelho estabeleceu a vantagem.

Um parêntesis para RC. O artilheiro da competição cravou seu 11º no Nacional e mostrou que bola na rede é sua arte, seu destino, sua especialidade. É íntimo do ofício. tomara que a janela feche logo e, quando acontecer, ele ainda esteja no Scarpelli. Será?

Feita esta divagação, a noite fria, a chuva, o campo orvalhado deixaram de ser perceptíveis e o jogo poderia ter virado um conto de fadas para o torcedor com o segundo gol. Um GOLAÇO de Clodoaldo. Cinquinho, só cinco minutos, e saiu o segundo tento. Uma trama bonita, dentro da área, e o Clodô Eto`o deu um toque sutil.

Então, abro um segundo parêntesis. Eu já havia pedido Clodoaldo em Campinas, não rolou, mas o 3-6-1 com feições de 3-5-2 empregados contra a Macaca me convenceu. Hoje o jogador reapareceu ao lado do RC. E vos digo: dentro de um espírito de seriedade e foco, teria muita contribuição a dar ao Figueirense. O verbo foi “teria” justamente por sua lesão, que o tirou do jogo ainda na primeira etapa. Uma fratura de tíbia vai tirá-lo alguns meses de combate. Encerrou-se, aí, o que poderia ser um conto de fadas para o torcedor.

É duro aguentar um pênalti desses

Todo o primeiro tempo o Figueirense foi superior, mais perigoso, mais interessado, com variações táticas e jogadas mais lúcidas, principalmente com Clodoaldo, mas também nos 10 minutos restantes, já com Ricardinho no time e com Vinícius Pacheco, que fazia um partidão e ainda decretou o 3 a 0. O Brasiliense foi um adversário prostrado, sem força de chegada, sem soluções, um arremedo.

Pois não é que este amontoado amarelo ganhou um pênalti de presente do senhor Pablo dos Santos Alves. Fábio Júnior forjou uma penalidade e o árbitro embarcou. Ridículo o gol de honra dos candangos.

Na segunda etapa, as melhores chances voltaram a pertencer ao Figueirense. O time apresentou um ritmo um pouco menor, até pela configuração do placar que pediu um pouco mais de cautela e requisitou menor necessidade de riscos.

Obs: Havia comentado aqui no blog quão horrorosa era a camisa do Vila Nova, que aqui esteve. Mas nada bate em termos de show de horror o uniforme do Brasiliense. É uma ofensa aos times amadores compará-lo. Na várzea, tem coisa bem melhor.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

Desmontando mitos

28 de julho de 2009 88

O colega Mauricio Frighetto, setorista do Avaí, levantou o assunto ontem, na redação, sobre prejulgamento, preconceito, ideias preconcebidas, falsas premissas.

E o Avaí foi vítima disso tudo e mais um pouco ao longo deste início de Série A.

Veja alguns mitos que começam a cair por terra, segundo rápido levantamento feito pelo Friga e por mim. Aponte outros, blogueiros:

Premissa falsa
> A base da Série B não serviria para Série A
A realidade
> Tirando os jogos contra o Inter e Cruzeiro (atuações terríveis), tivemos partidas consistentes contra todos os adversários

Premissa falsa
> Se não trouxer um medalhão, o time não será respeitado
A realidade
> Ainda acho que de todas é a única que pode conter um pouco de verdade. Mas os resultados estão ao lado do clube, que não caiu em tentação.

Premissa falsa
> Torcida restrita a Florianópolis
A realidade
> Já impressionou no Maracanã, Beira-Rio e Arena da Baixada. Em todos os outros jogos fora foi bastante representada. Na Ressacada, lutando contra o trânsito e o tempo impiedoso, o clube já passou de 10 mil sócios e tem ótima presença mesmo com um ingresso bastante caro.

Premissa falsa
> O Avaí faria a pior campanha da história da Série A em pontos corridos.
A realidade
> Começou mal, foi para a lanterna, mas chegou à zona de classificação à Sul-Americana.

Premissa falsa
> Os atacantes passariam em branco na competição.
A realidade
> Roberto e William marcaram dois cada um nas últimas quatro partidas.

Premissa falsa
> A equipe não teria um goleador de destaque.
A realidade
> Muriqui já fez cinco (o goleador do Brasileiro tem nove _ Val Baiano, do Barueri).

Premissa falsa
> A campanha seria irregular, tomaria mais gols do que faria.
A realidade
> O saldo está zerado

Premissa falsa
> Santo André e Barueri, que também ascenderam à Série A, eram bem melhores.
A realidade
> O Avaí já passou o Santo André na tabela e está a três pontos do Barueri.

Premissa falsa
> Tinha chegado a hora de trocar de técnico.
A realidade
> Nesta, este blogueiro embarcou. Admito. Mas o clube manteve a serenidade no momento de turbulência e Silas deu a resposta positiva.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

Às 19h30min é melhor

27 de julho de 2009 89

Penso no jogo de amanhã do Figueira, às 19h30min, contra o Brasiliense.

É bom ou ruim o jogo ser neste horário mais cedo? Acredito que, para o meio de semana, seja o melhor horário. Quem trabalha, termina o expediente, pega os filhos, vai ao jogo, 22h está em casa, pronto para descansar.

O mesmo vale para quem estuda.

Para alguns, contudo, é complicado. Hora do rush, Ponte e vias arteriais tomadas, atraso na certa para chegar ao estádio. Acaba até desistindo.

Pelo menos me parece um horário bom, se comparado ao das 21h, ou das 21h40min. Este, por exemplo, com o frio e o adiantado da hora, algumas famílias desistem de ir aos jogos.

De qualquer forma, acho que teremos um grande público no Scarpelli, arrisco até que ultrapasse os 12 mil torcedores.

Esta teoria é válida para o Figueira. O caso do Avaí é sui generis. Qualquer horário é complicado. Mas parece que uma solução está sendo perseguida pelo clube, já que, se depender do poder público, nada vai para frente.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

Verdão cresce, Tigre estanca

26 de julho de 2009 88

Cadu comemora gol e dedica ao filho/Raquel Heidrich
O Oeste de Santa Catarina, no encalço da Chapecoense, vem pedindo passagem como terceira força em Santa Catarina.

Não dá para falar em termos de história,  já que o Tigre é o maior campeão catarinense em nível nacional.

Mas em termos de realidade administrativa e de resultados dentro de campo dá para dizer que o Verdão encontrou um caminho a trilhar e o Tigre está estagnado.

A Chapecoense, que aplicou 3 a 0 no Naviraiense, e se classificou à próxima fase da Série D, vem chegando nos Estaduais, e agora no Nacional, com uma administração inteligente, centrada, humilde, mas obstinada.

Já o Criciúma estancou na Série C com a derrota para o Caxias, em casa. E quase foi parar na Série D, caso o Marcílio não tivesse sido tão fraco.

Bruscão respira

Vale lembrar que o Brusque segue vivo em seu grupo da Série D. Foi a Pelotas, arrancou um 1 a 0 suado e voltou vivo, a um ponto do Corinthians-PR, restando duas rodadas.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share

Outro espetáculo da torcida avaiana

26 de julho de 2009 50

Aí a galera, que deu mais um banho fora de casa/Divulgação Vinicius Schimidt Carpes
ATUALIZAÇÃO DO POST
Segundo informa o borderô publicado pela CBF, foram 1.173 ingressos vendidos aos visitantes, o que exige uma retificação da informação inicial, obtida na Arena da Baixada, de que eram 2,6 mil ingressos aos visitantes.

A mudança do número não muda o espírito do post, que enaltece a incrível mobilização avaiana, mas corrige os números com base na fonte oficial. Confira a súmula clicando aqui

POST ORIGINAL

Azurras compraram 2,6 mil ingressos do visitante

Solicitei imagens dos torcedores e a resposta foi rápida. Recebebi e-mail com fotos de Eduarda Machado, Silvestre Salvador Júnior e o da foto que publico que vem de Vinicius Schmidt Carpes.

O do Vinicius é o que tem as fotos em resolução compatível. No e-mail ele diz não concordar com a maioria das minhas opiniões, mas desejou participar do blog para um desabafo, que transcrevo abaixo:

“Queria pedir para você um post exclusivo para nossa torcida, que mudou muito desde o Catarinense recebendo a Chapecoense aqui de forma pacífica, recebemos Fluminense, São Paulo, Palmeiras e todos os clubes que vieram aqui muito bem e com muita paz e com um detalhe, NENHUM INCIDENTE ENTRE AS TORCIDAS.

Nossa torcida no Maracanã, Beira-Rio e na Arena invadiu como times de Libertadores, te pergunto, quando na história do futebol catarinense alguma equipe fez algo parecido?

Números da bilheteria do Atlético, foram disponibilizados com 2,6 mil ingressos para o Avai, todos vendidos e cerca de 50 torcedores no lado de fora ficaram sem ingresso. QUE LINDO QUE FOI”.

Dado o recado do Vinicius.

Postado por Marcos Castiel

Bookmark and Share