Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pode julgar, punir, não adianta nada, porque no país do faz de conta o futebol é Rei

22 de março de 2013 20

A perda de mando de campo de um jogo para o Figueirense chegou para fazer marola.

E começa mais um faz de conta. Faz de conta que eu julgo e condeno, faz de conta que eu defendo.

E no fim tudo termina em pizza.

Não que nossos promotores e auditores estejam brincando, muito  pelo contrário. Todos são ilibados e altamente conhecedores do direito desportivo. E aplicam, em geral, com correção a lei.

Falo, sim, de como a coisa acontece no Brasil, o país do faz de conta. Onde embriagados matam ao volante e seguem dirigindo; onde assassinos ganham as ruas muito rapidamente graças à lei; onde a bandidagem juvenil faz a festa amparada também em legislação; e, claro, onde a violência no futebol é tratada sem rigor na legislação, ou, quando é, cai em descrédito pois a aplicabilidade é só no papel.

Lembro, por exemplo, de matéria no jornal ZH, onde de duas dezenas de torcedores punidos do Grêmio, 90% não se apresentavam na delegacia.

Óbvio que a tentativa da torcida do Figueira de entrar em confronto com a do Avaí mereceria punição severa; assim como a do Avaí em outras oportunidades, a do JEC, a do Criciúma, da Chapecoense e todas as outras.

Os exemplos seriam infindáveis.

O que fica é a certeza de que nem mais tragédias poderosas, envolvendo mortes (vide o Corinthians recentemente), serve como motivo para punição aos clubes na esfera esportiva.

Bookmark and Share

Comentários (20)

  • Mário Medaglia diz: 22 de março de 2013

    Não dá para livrar a cara de juízes e auditores. Faz de conta que temos uma justiça desportiva. Depois ficam espantados quando torcedores se matam ou são mortos nos estádios. Aí é um tal de invocar o estatuto do torcedor e não sei o que mais. E reclamam quando deixam 12 “bandidos” presos em Oruru. As leis existem aqui, sim, e prevêem punições fortes. Os julgadores é que são fracos

  • MAURO JR diz: 22 de março de 2013

    O problema é o seguinte….. 1º NUNCA se conseguira acabar com as torcidas organizadas, afinal quem irá proibir que meia duzia de torcedores fiquem juntos no estádio gritando e apoiando seu time. 2º Essas punições somente surgirão efeito quando houver uma maior organização entre o clube e a torcida organizada. Hoje o clube é quase que refém das torcidas. Acredito que dentro da torcida deveria haver uma organização no sentido de venda de camisas e outros materiais, pois hoje vende-se para qualquer um, se tornando assim difícil o reconhecimento se tal sujeito que fez o ato é membro assíduo do grupo ou apenas um torcedor que estava com a camisa. Quando tiver uma organização em apenas venda de materiais para aqueles que se tornam membros os responsáveis pela torcida no caso os diretores, poderão responder pelos atos cometidos fora ou dentro do estádio, afinal estarão usando algo que identifique o infrator. Acredito que isso seja um passo, pois daí os responsáveis agirão excluindo do grupo os membros e assim aos poucos somente permanecerão membros dispostos a realmente incentivar seus times e nãos causar problemas.

  • Leninha Avaiana diz: 22 de março de 2013

    Infelismente no Brasil tudo acaba assim!!Fazer o que!

  • Carlos Ziggy diz: 22 de março de 2013

    A CONMEBOL perdeu uma grande oportunidade de dar um enorme exemplo ao não banir definitvamente da competição ou punir rigorasamente o Corinthians decorrente da morte do torcedor boliviano.
    No Brasil a coisa é até pior. Creio que a pena ao FFC foi muito leve pois aquela torcida organizada sem-vergonha, bancada pela direção do clube, partir pra cima de uma torcida inferior numericamente, com crianças, idoso e mulheres é um ato de covardia incontestável. Pro bem nada de pior aconteceu. Graças a esses imbecis agora me sinto inseguro de ir ao jogo do returno no Ressacada temendo represálias, já que a organizada principal do nosso rival tem um histórico de violência até maior.
    Complicado o futebol de hoje…

  • Fernando diz: 22 de março de 2013

    Caro Castiel. Sei que vai aparecer muita gente aqui tentando isentar o Figueira desta punição, pois outros clubes em outros campeonatos também não foram punidos. Mas chega um momento que alguém deve ser o primeiro a pagar. Neste caso específico, seria fácil punir os infratores. O jogo acabou e a torcida do Figueira deveria deixar o estádio antes da torcida do Avaí, que seria posteriormente escoltada pela polícia. Aqueles torcedores do Figueira que permaneceram no estádio, permaneceram por algum motivo. E o motivo era exatamente confrontar com a torcida adversária. Não deveria ser muita gente, visto que a maioria é de bom torcedores e foram para casa na hora certa, felizes comemorar a vitória. Aquela meia-dúzia que permaneceu no estádio poderia ser facilmente cercada pela polícia e identificada, para posteriormente a justiça poder autuá-los. Como ninguém fez nada, fica para a próxima, quando algo pior acontecer em qualquer estádio. Quem sabe no jogo da volta o troco não seja dado e novamente os malacos ficarão impunes.

  • Leonardo Ramos diz: 22 de março de 2013

    A punição é merecida? É! Vai dar em alguma coisa? NÃO!
    Acho que o Figueira deveria acatar a punição pra ser vir de exemplo pros demais. O que não faltam são casos de vandalismo e violência ocorridos aqui no estado com torcidas de todos os times e que sempre não dão em nada. Tem time aí que se dependesse do comportamento da torcida que MANCHA e envergonha nosso estado, jogaria sem mando de campo durante toda uma temporada.

  • MAURO JR diz: 22 de março de 2013

    Nao quero apagar um erro com o outro, mas dai eu pergunto? COMO O avai O QUE ACONTECEU QUANDO LEVARAM OS SINALIZADORES PARA O CLÁSSICO OU ENTÃO, O QUE ACONTECEU QUANDO JOGARAM UMA BOMBA NA TORCIDA DO criciuma, OU QUANDO APEDREJARAM PESSOAS LA EM CHAPECÓ??? Nao estou aqui invertendo os fatos e nem dizendo que essa punição para o FIGUEIRA é injusto, só quero dizer que se fosse pro timizinho la do mangue as punições sempre sai mais leves como cestas báscias por exemplo quando puniram ano passado nao é???

  • Carlos Cesar da Silva diz: 22 de março de 2013

    Então tá né Castiel…vem com esse discursozinho para tentar influenciar os julgadores e tentar punição exemplar? E as mortes provocadas pelos torcedores que estão sem punição, aqueles que jogaram pedras em ônibus, os que jogaram bombas, os que jogaram rojões, aqueles….nossa são tantos maus exemplos…

  • da ilha diz: 22 de março de 2013

    engraçado, nunca vi o bvai perder mando de campo, e sua torcida e até dirigentes já fizeram misérias, como funciona isso, será que o Figueira tem sempre que ser EXEMPLO pra tudo, lembro que até rojão já jogaram dentro da ressacada.

  • Marco Schroeder diz: 22 de março de 2013

    Sou contra atos de violência, até porque gosto de levar meus netinhos para o estádio, mas não entendo a punição dada ao clube. Será que esses malfeitores vão se emendar porque o clube jogará fora do seu estádio? Certamente, não. Como disse o Fernando, trata-se de meia dúzia que ficou no estádio e partiu para cima da outra torcida, que estava integralmente lá, portanto em número maior. Caberia à polícia contê-los, como aconteceu, e levá-los para a delegacia ou apresentá-los à justiça presente para as providências. A pena seria impedi-los de entrar no estádio por tantos jogos. Caberia, então, ao clube, distribuir suas fotos para os porteiros visando implementar a decisão. Lembro que um torcedor do Avaí foi preso por desordem e constataram que ele já havia sido proibido, por 9 vezes, de frequentar o estádio. Se o clube permitiu sua entrada, aí sim deveria ser punido. Outra questão, qual a culpa do Corintians se um grupo de malucos disparou rojões lá no Equador?

  • henrique diz: 22 de março de 2013

    Além deste fato, tem também o objeto atirado no campo pela torcida do Figueirense e que consta na súmula, será que não haverá punição por este ato também?

  • Renato Kammers diz: 22 de março de 2013

    Enquanto estes baderneiros que se dizem torcedores, estiverem sendo patrocinados pelos próprios clubes e indo aos estádios, eu jamais coloco meu pé dentro de um estádio. Torcida organizada poderia existir sim, para fazer aquela festa que eles sabem fazer, o problema é que no meio das mesmas, existem muitos bandidos que promovem a violência, pois é só desta forma que eles conseguem ser notados. Alguém já viu algum bandido ser notado por ter um bom ano escolar, namorar uma bela mulher ou fazer alguma coisa boa, qualquer que seja, não né, pois é, é só desta forma que eles conseguem ser notados. Cada presidente de torcida organizada deveria exigir antecedentes criminais, antes de admitir um integrante. Infelizmente tem que ser assim.

  • Paulo Pinheiro diz: 22 de março de 2013

    Henrique, houve punição pelo objeto atirado: multa de 6 mil reais.

    Mauro Jr. Não é “A” ou “B”. Basta lembrar a barbaridade que esse TJD fez em favor do Figueirense ao punir “por telefone” o zagueiro Souza da Chapecoense ano passado, deixando passar em branco entrada REALMENTE violenta do Túlio na mesma partida.

    Marco Schroeder, sobre o Corinthians: não se trata de culpa, mas de responsabilidade. O Corinthians aceitou participar da competição sabendo, desde o início, que o clube é responsável pelos atos dos seus torcedores em qualquer lugar. Ficou mesmo na pizza paraguaia. Sua sugestão sobre barrar torcedores na portaria é impossível. Primeiro porque o porteiro não tem a menor condição de olhar cada um dos que entram no estilo “cara-crachá, cara-crachá” pra afirmar com certeza e exatidão. Além disso, se o ingresso foi vendido o cidadão tem direito ao espetáculo.
    A solução seria (embora também utópica neste país) as pessoas comprarem ingressos somente se identificando. Deixa seu RG e quantos (e quais, por numeração) ingressos levou. Isso também ajudaria no combate a cambistas.
    Castiel, também concordo com você com relação ao faz-de-conta. Mas não concordo que os auditores e promotores estejam isentos de culpa disso.
    No fim das contas, a cidadania deveria partir de nós, assistentes dos espetáculos. Se fôssemos civilizados não precisaria de polícia, TJD, promotores, auditores, etc.

  • MAURINO BASTOS diz: 23 de março de 2013

    Sr Paulo Pinheiro!
    Concordo quando diz que fomos punidos pelo objeto jogado no campo. Acho ateh que o clube deveria tentar localizar esse irresponsavel e faze-lo pagar a multa.
    Discordo quando questiona a punicao do Cesar da Chapecoense. Vc nao foi correto ao dizer que o TJD ccondenou-o por telefone. Vc me parece ser uma pessoa bem esclarecida para cometer esse deslize. O fato eh que ele deveria ter sido punido sim. Ele fez uma jogada proibida por lei, alem disso ainda quebrou a perna do garoto. V queria o que?em Que fossem tambem conivente como foi o juiz no lance do Tulio? Acho que em certos casos devemos usar mais a razao que a emocao. Ah mais ele acertou a bola primeiro. Nao interessa, o fato eh que ele fez uma jogada proibida que culminou na quebra da perna do adversario. PONTO. Daqui a pouco pego uma arma legalizada e dou um tiro, acerto algiem, tambem nao devo ser punido porque nao quis acertar ninguem. Cometo uma impruden ia no transito, machuco alguem, tambem nao devo ser punido pq nao quiz machucar ninguem. Achp que deveremos ser coerentes com nossos comentarios e conosco mesmo, e nao porque eh sobre um time que nao gostamos, vamos discordar de tudo que diz respeito a ele

  • Alvinegro diz: 23 de março de 2013

    A faça meu o favor, não houve exagero algum! Eu estava la e não vi nada fora da normalidade, antigamente era futebol de verdade hoje é essa palhaçada, de cada um na sua cadeirinha numerada, a da licença neh, isso é um jogo popuplar não um bale clássico, não tem mais cerveja não pode mais fazer nada qualquer coisa já da punição, ridículo ao extremo!

  • JULIO ALVINEGRO diz: 23 de março de 2013

    A propósito, alguém sabe me informar a punição do time do mangue a respeito da mutilação do sr. Ivo em criciúma ferindo as legislações esportivas e criminais? E a morte do torcedor do JEC que levou uma pedrada da mesma torcida? Quando se falar em torcida organizada excluam a T.M.A. que é de conhecimento de todos inclusive das autoridades que há ali vários marginais infiltrados. Há antecedentes desta torcida, não se pode falar genericamente colocando as demais torcidas do estado na vala comum. A legislação deve ser aplicada com rigor especialmente nos casos de violência para que em breve não vivamos uma situação parecida com o que vem acontecendo em Goiânia-GO. Saudações Alvinegras !

  • Carlos diz: 23 de março de 2013

    É engraçado, claro que concordo que deve haver punição, mas porque não agir com o mesmo critério sempre? Lembram daquele jogo em que jogaram um foguete na direção do lateral esquerdo do Figueira que agora está no Palmeiras, e nada aconteceu ao sempre Avaí. Vamos condenar, mas com isenção sempre.

  • Carlos diz: 23 de março de 2013

    Vou a quase todos os jogos do Figueira, e se tem uma torcida pacata é a do Figueira. Sem dúvida a torcida mais violenta com várias passagens violentas em sua trajetória, é a do Avaí, impulsionada pelos fanáticos torcedores jornalistas. Certamente houve provocação da torcida do avaí, o que não justifica ato de violência. E todos as agressões dos torcedores avaianos como arrancar braço de torcedor , baderna em Chapecó etc etc etc tudo isso fica impune. Será que este ano incentivado pela imprensa teremos o mesmo árbitro apitando os três ultimos jogos do Avaí? São fatos assim que revoltam os torcedores.

  • da ilha diz: 24 de março de 2013

    Paulo Pinheiro, você é mais um culpado por tudo que a torcida do avai já fez e ainda vai fazer, pois você passa a mão na cabeça, o pior cego é o que não quer ver

  • Diego Varnieri diz: 25 de março de 2013

    Concordo plenamente com o Marco Schroeder, não há sentido algum em punir o clube, isto nesse caso específico.

    A punição deveria ser pessoal aos que cometeram a infração, ou, em caso de não identificação dos responsáveis, à Gaviões.

    E tem outra coisa: todos nós sabemos, e o maior cego é o que não quer ver: no Brasil e em toda a América Latina, provavelmente África, e países pobres espalhados ao redor do mundo e, em menor nível, inclusive em todo o mundo, nós temos tribunais de justiça desportiva que parecem funcionar à margem do Direito. Crimes que fora do contexto esportivo seriam punidos severamente com vários anos de prisão passam a ser meras infrações sujeitas a multas inofensivas e outras sanções que me fazem rir, como assinatura de termo circunstanciado, proibição de comparecimento ao estádio por alguns jogos, e afins.

    Repito: A JUSTIÇA DESPORTIVA SEMPRE FOI UMA JUSTIÇA À MARGEM DO DIREITO.

    VERGONHA e REVOLTA são as principais palavras que encontro no momento para lamentar essa triste realidade.

Envie seu Comentário