Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Futebol + Carnaval não dá samba em Santa Catarina

05 de fevereiro de 2016 8

Sei lá, acho que o raciocínio é até meio simples de se fazer: é necessário jogar o campeonato em meio ao Carnaval? Sim. Então, claro, a barra está sendo forçada. As datas disponíveis estão na estica.

Ora, é absolutamente nítido que os foliões em geral são, em grande parte, torcedores. Praticamente abre-se mão deste público ao se fazer futebol em meio ao Carnaval.

Mas Santa Catarina, premida pelo calendário, teve que manter a rodada no sábado e no domingo de festas pelo Brasil. Fato que foi alertado quando da decisão de se apelar à fórmula de pontos corridos no regional, que eu sempre fui contrário quando o assunto envolve estaduais. No caso do Brasileiro, sou sempre favorável aos pontos corridos.

Não adianta negar, até os atletas ficam indignados de atuar no Carnaval, e Victor, goleiro do Atlético-MG, falou forte sobre esta situação e contra o calendário.

Mas, a realidade está aí. Obviamente este blogueiro vai acompanhar detalhadamente a rodada e, se pudesse aconselhar o torcedor, estaria ao lado de seus times.

E, novamente, o motivo é óbvio: é só a terceira rodada, mas já vai direcionar muita coisa.

Neste sábado, por exemplo, o clássico Criciúma x Joinville precisa ter um vencedor para não deixar a Chapecoense rindo à toa. O Verdão do Oeste não tá nem aí: se confirmar o favoritismo diante do Guarani, vai de 100%. Então? Não era para o HH estar fervendo? E a Arena Condá também? Mas…

E neste domingo? Lá em Camboriú, o Cambura, zeradinho na tabela (confira a classificação), tem que superar o Avaí. Este, precisa embalar. Em Jaraguá, classiquíssimo entre Metrô e Brusque. Então? Não era para ter casas cheias? Mas a galera de Blumenau e Brusque vai em massa à cidade próxima? E a turma avaiana, vai deixar a festa de lado em Floripa? Sei não.

E no Scarpelli, tem Galo, que é um time que vale observar, e, claro, o Figueira, que mostrou bom futebol contra o JEC e precisa recuperação, do contrário pode bailar prematuramente no novo torneio da Liga Sul-Minas-Rio.

Bom, de minha parte, eu que já fui para lá de festeiro no Carnaval, ando numa fase mais tranquila. Pretendo ver a bola que vai rolar, trabalhar e continuar pilotando meu Kindle. Ainda bem que o Vinicius, dono da academia perto do DC, onde mantenho a forma, também pirou e vai manter o espaço aberto. Assim, para mim, o Carnaval vai passar batido. Vou de futebol, leitura, trabalho e malhação!

Bookmark and Share

Comentários (8)

  • Alecsandro diz: 5 de fevereiro de 2016

    Jogador reclamar por jogar no carnaval???, pera aí, eu como trabalhador também vou trabalhar no carnaval, e dou graças a deus trabalhar no carnaval, isso quer dizer que tenho emprego, trabalho, quantos desempregados gostariam de estar trabalhando no carnaval. Vão se catar, jogador também é funcionários e ponto. Me admiro o Sr. concordar com isso, até parece que não é do sul tchê!

    Nota do editor: oi Alecsandro, em momento nenhum concordei no texto, apenas relatei. Também fico feliz de trabalhar no Carnaval, alías, isso está no texto. De qualquer forma, a reclamação dos atletas não é “trabalhar” no Carnaval, e sim a proximidade de datas entre jogos e campeonatos, o que causa exaustão física. Abs, Castiel

  • Alvinegro diz: 5 de fevereiro de 2016

    A Chapecoense está 100% graças ao Sr. Heber Roberto, que anulou um gol legítimo do Camboriú. E o Sr. Célio, outro árbitro meio boca, que expulsou o jogador Dudu do Figueira, para fazer média com o Joinville? E os penaltis do Scarpelli, um assinalado corretamente, outro mandrake e outro não dado? Será que a árbitragem mais um ano será a marca negativa do nosso campeonato?

  • Tales diz: 5 de fevereiro de 2016

    Esse pensamento é puramente brasileiro. Em países desenvolvidos se aproveita a época de festas para alavancar os eventos esportivos. A NBA possui jogos no natal. O campeonato ingles também possui rodada entre as festas. E estas rodadas festivas tem um publico de familias, que aproveitam o tempo juntos para irem aos estádios. Aqui ao invés de pensarem nisso os clubes ficam refém de jogadores “foliões”. Poderiam fazer eventos juntando o futebol e o carnaval, mas nenhum clube se organiza para isto, infelizmente.

  • Rafael Meira diz: 6 de fevereiro de 2016

    Na verdade está sendo um campeonato fracassado, impulsionado pelo absurdo que aconteceu no tribunal ano passado. Precisamos ser verdadeiros e não mascarar a incredibilidade que ronda o campeonato de 2016, onde outra vez ninguém tem a certeza de que o resultado final terá origem do embate em campo.

  • roberto diz: 6 de fevereiro de 2016

    Ao pessoal do joinvice: não foi o Figueira que escalou o jogador irregular.
    Permaneçam em silêncio e vão curtir a série b junto com os amigos de criciúme e bavaí

  • Deba diz: 6 de fevereiro de 2016

    Esse Rafael Meira só pode ser bailarina ou Bvaiano.

    “O Absurdo que aconteceu no tribunal ano passado” foi culpa, única e exclusivamente do Joinveja, clube amador tipo Bvai que, escalaram jogadores irregulares ou sem contrato.
    Assim sendo, só os competentes se estabelecem, uma lógica incontestável.

    FURACÃO na veia.

  • Rafael Meira diz: 6 de fevereiro de 2016

    Campeonato sem credibilidade sim. Até agora em 10 jogos nem um público superior a 5000 pessoas (a média não passa de 3000). E o time do Estreito sendo beneficiado de novo pela arbitragem, ninguém mais aguenta.

  • Pedro Siqueira diz: 7 de fevereiro de 2016

    Acho que esse Rafael Meira comeu “meira” quando era pequeno e continua.

Envie seu Comentário