Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Pênalti nos acréscimos da vitória ao guerreiro Criciúma diante de um JEC indignado com árbitro

06 de fevereiro de 2016 5

Nove longos jogos sem marcar. Bruno Lopes foi lá e finalmente deu seu recado de atacante. E tomara que este jogador que apontou altíssimo potêncial nas categorias de base encontre seu caminho. Mas não seria suficiente para mais uma vitória do Tigre em clássico, como aconteceu diante do Avaí. O JEC buscou o empate. Seria terrível para os dois. Aliás seria um jogo que em nada lembraria um clássico, não fosse um final bastante polêmico. Veio um gol nos acréscimos, de pênalti polêmico, e o Criciúma garantiu três pontos.

O “come back” de Bruno Lopes seria em momento importante. Num clássico diante do JEC que valia bastante, mesmo em início de campeonato, seu gol destravaria um jogo que ameaçava se alongar lentamente. Até porque o técnico Cavalo foi obrigado a optar por Alex Santana na vaga de Roger Guedes, demonstrando uma fragilidade na reposição do ataque.

O gol marcado aos 32 minutos da primeira etapa veio de escanteio, bola parada, e o oportunismo é importante. Não foi de cabeça, como no clássico diante do Avaí, mas foi na base da presença de área.

Já falei sobre a importância desta partida no contexto do começo de competição no último post. Neste momento, está começando o jogo de Chapecó (mais tarde falaremos sobre ele no blog), mas algumas constatações são óbvias. Primeira: o Tigre confirmou ser bom de clássico em casa, o que resolve muita coisa em pontos corridos; segunda: Cavalo trabalha bem posicionamento, o que para um time que precisa se encorpar ao longo da competição é fundamental, apenas foi punido por uma falha individual como comentaremos adiante no gol do JEC; terceira: o JEC não venceu clássico, um empate com o Figueira, uma derrota para o Tigre, terá que desesperadamente recuperar-se em casa na próxima rodada, diante do Metrô. E o Tigre vai encarar a dureza de Lages, com o Tio Vida e a torcida vermelha prontinha para incomodar o tricolor do Sul.

Na primeira etapa, o JEC foi punido por ter vindo “a não jogar”. Este estilo, esta proposta, é algo ultrapassadíssimo no mundo do futebol. Se PC Gusmão vai nessa vibe no Estadual, acho que não deve durar muito no cargo.

No segundo tempo, o técnico do JEC colocou Trípodi e deu um pouquinho, e bota pouquinho nisso, de velocidade. Achou o gol graças a uma falha de posicionamento da zaga, especialmente do experiente Giaretta.

Só que o Tigre é Peleador. A partida nunca termina antes do apito final quando se trata do Criciúma. Destaco, além de Bruno Lopes, Ezequiel, que jogou muito.

Sobre o pênalti, vai ser um eterno dilema enquanto não for tomada uma decisão sobre bola na mão ou mão na bola. O torcedor do Tigre se vê na razão, o do JEC vai cuspir marimbondo.

Agora é a turma ficar de olho no Verdão do Oeste. Acho que o Guarani, de Palhoça, virou a maior torcida de SC… Todos os demais estarão secando a favoritíssima Chape, não só para o jogo, como para lutar pelo título.

Bookmark and Share

Comentários (5)

  • Remi diz: 6 de fevereiro de 2016

    Mais uma vez roubaram o JEC

  • jonis diz: 6 de fevereiro de 2016

    Pior de tudo é que foi no ombro, ele de costas….Nadine né ? explicado.

  • Deba diz: 7 de fevereiro de 2016

    Em criciúme deu a lógica.
    Os fraldinhas avacalharam com o ajuntamento dos sem-teto de joinveja.

    Já lá no Rio Grande do Oeste, em duelo de indígenas, o Bugre subtraiu 2 pontinhos importantes da Chape em plena arena do contribuinte.

    Isso vai dar cosa e o FURACÃO triturador só fica na boca-de-espera, .. hehe!

  • Tiago diz: 7 de fevereiro de 2016

    Roubaram nada, a imagem é clara, o jogador do Criciúma cabeceou para dentro da área, o jogador do jeg fico de braço aberto e impediu de ir para dentro da área. Sobre o Tempo foi uma vergonha na hora que o Tigre estava fazendo uma pressao grande foi paralisado o jogo. UMA VERGONHA.
    Vitoria Limpa do Tigre.

  • JECeano diz: 7 de fevereiro de 2016

    Campeonato de cartas marcadas. Mas o JEC vai chegar. Podem espernear. O verdadeiro MAIOR de Santa Catarina ( o outro é genérico) incomoda todo mundo, inclusive a federação. Mas eu entendo, tantos títulos em 40 anos geram muita dor de cotovelo mesmo. Avante tricolor!

Envie seu Comentário