Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Mistérios da meia-noite, que voam longe nos insondáveis Avaí e Figueirense

26 de agosto de 2016 0

Depois da rodada que envolveu a dupla da Capital lembrei da música de Zé Ramalho (os mais novos deem um google aí) que dizia: “Mistérios da meia-noite, que voam longe, que você nunca, não sabe nunca, se vão se ficam, quem vai quem foi…”.

O motivo? É que mistérios são especialidade da Ilha (e do Estreito também) dos casose ocasos raros e um deles me assaltou de forma avassaladora: como dois times, quebrados técnica e psicologicamente, com uma simples demissão de técnicos, mudam tudo da noite para o dia, obtêm resultados expressivos a ponto de acordar pela manhã chorando e lambendo feridas e ir dormir à noite sorrindo e exibindo saúde? Ora, a resposta são os tais mistérios…

Medalhões como Silas e Argel, em tese, tinham tudo para entender a realidade dos times, terem estabilidade e carta branca para agir. Não é que, depois de quase 20 dias de intertemporada, o Avaí demite o comandante na primeira rodada do returno. Peraí… Mas se iria trocar, não deveria tê-lo feito antes da parada para treino e recuperação? Lógica para quê, se os mistérios tudo resolvem no time que “faz coisa”. Até obter a primeira vitória fora de casa após um turno inteiro e mais um pouco!

E Argel? Volta para resolver tudo e, surpreendentemente, chega sem força? Mas não deveria ser o contrário? Aí é substituído por Tuca. Sim, Tuca, conhecem? Não, porque nunca teve um trabalho como técnico principal de uma equipe de elite. E, no primeiro grande desafio, deixa como cartão de visita uma goleada sobre um Flamengo em alta.

Então é isso, fica combinado: por aqui você não sabe nunca quem vai quem fica, pois os mistérios costumam voar longe do alcance de meros mortais.

Bookmark and Share

Envie seu Comentário