Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Tese de que os três catarinenses serão rebaixados na Série A já toma conta da mídia nacional

17 de abril de 2014 56

Assim serão as análises na ESPN, no Lance, e em todos os lugares. Santa Catarina começará o campeonato rebaixada integralmente. O primeiro a lançar a tese foi o Globo.com (clique aqui e confira). O companheiro blogueiro Rodrigo Santos faz uma análise também sobre este assunto (confira a opinião dele).

Numa lógica que viu fatores e atribui pesos a elenco, retrospecto, finanças etc times como os paranaenses, os baianos e até o Goiás ficaram na frente. Aliás, o melhor catarinense, o Figueirense, só ficou à frente do Sport.

Não vejo como ofensa, apenas questiono o fato de que se estamos com três entre os 20 isso quer dizer algo. Algo, aliás, que não aparece como fator de peso em nenhuma análise.

É fato que nossos times lutarão, num primeiro momento, contra o rebaixamento. Mas a distância dos três não é grande para os demais, sendo que Figueira e Tigre já estão acostumados à Série A. A Chapecoense terá uma difícil adaptação.

Mas o Figueirense já passou por sete temporadas na Série A, tem retrospecto respeitável contra muito time grande (Santos e Grêmio só para citar dois) e ainda é visto com preconceito.

No Estadual, em parte, incorremos no mesmo erro. Previmos dos cinco grandes quatro classificados, dois ficaram de fora, um deles, o campeão Figueira, quase não entrou.

Vamos ver o que este início de elite do Brasileiro vai nos dizer dos nossos grandes. Acredito que pelo menos um, torço para dois e ficaria surpreendido se o três fossem bem. Mas não determino rebaixamento de ninguém com antecedência.

Até acertei o rebaixamento do Brusque indicando este time para cair antes do início do Estadual, mas reconheço, foi puro acaso, poderia ter errado feio.

Bookmark and Share

Agora é o Icasa, e a palhaçada do tapetão não tem fim no futebol brasileiro, ninguém mais aguenta

15 de abril de 2014 101

Para completar a palhaçada, eu só estou esperando um daqueles anúncios estapafúrdios: jogaremos o Brasileiro com 22 clubes! Ou joga-se com 18 times. Ou viradas de mesa para subir um e descer outro. Ou qualquer outra baboseira que seja forjada em tribunais.

Já estou esperando nos comentários aqueles que vem com o papinho que, se está na Lei, tem que cumprir. Aí o cara vai ver a tal lei, tem 40 interpretações da mesma. E o futebol, que tem de ser validado em campo, fica sendo discutido com liminares.

Falo, claro, do Icasa tentando entrar na Série A, ameaçando a permanência do Figueirense, e abrindo nova batalha jurídica na Série A.

O torcedor brasileiro está de saco cheio. O povão, aquele que queria pão e circo, não vai mais aos estádios, está sem dinheiro para tal.

E quem tem dinheiro, também não tem mais paciência de gastar em bagunça. Paixão tem limites. Por mais que se ame um time e o futebol, dinheiro não é capim. E gastar uma grana para ver seu time prejudicado em tapetão, ou sofrer com violência, o cara acaba partindo para outra diversão.

Bookmark and Share

A resposta do Avaí, a indignação do presidente do JEC e a falha nos melhores do Catarinense

15 de abril de 2014 45

Tá difícil mergulhar no Brasileiro. Bem que o blog quer começar a discutir as séries A e B, mas ainda tem muito respingo pós Estadual. Ontem o clima entre os presidentes do Figueirense e do Joinville, na festa dos melhores do Catarinense (clique aqui e confira como foi o evento)  definitivamente não era bom.

Wilfredo Brillinger e Nereu Martinelli não cruzaram olhares no palco. Receberam prêmios no palco e sequer se cumprimentaram, observei da plateia Nereu apertar o passo ao sair. O presidente não aceita o que considerou tratamento indigno no Scarpelli (clique aqui e confira). Ele vai torcer para o Figueira ser rebaixado no Brasileiro.

Meu colega do AN, Edenilson Leandro, o Deco, estava sentado pertinho da escada e viu na subida para receber a premiação Nereu reclamando com Wilfredo.

Aliás, sobre prêmio, Everton Santos não estar na lista dos melhores é uma aberração. Inaceitável. Há uma comissão que avalia, pós-campeonato, a lista. Se esta comissão não for inteligente e consultar amplamente a mídia, cometerá gafes.

Mas voltanto aos dirigentes. Tanto a atitude de Brillinger permitindo o Face do clube provocar o Avaí no título contra o Joinville, quanto a de Nereu são atos que chamo de “jogar para a torcida”. O Alvinegro amplia a empatia com o torcedor, que andava em baixa (não dele, presidente, mas da confiança na diretoria como um todo) e o tricolor desvia a atenção da derrota.

Já o Avaí respondeu em seu face (clique aqui e veja) a provocação do Figueira (relembre) o que ocasionou uma indisposição entre os clubes (veja matéria no DC online).

É ou não uma teia de acontecimentos. Definitivamente, foi um título que mexeu com brios? Abaixo, a publicação no Face do Avaí:

faceavai

Bookmark and Share

Só para lembrar da bandeira na ponte e não deixar passar a "intizicada" do Figueirense com o Avaí no Facebook oficial

14 de abril de 2014 31

Este post vem cobrar a bandeira do Figueirense na praça da Ponte Pedro Ivo, na entrada da cidade. Porque do contrário as autoridades deixam passar batido, que quando há um campeão catarinense de Floripa, ou um dos times perpetra um grande feito, o manto é erguido em homenagem. O prefeito Cesar Souza Júnior, mesmo avaiano, deve estar orgulhoso pelo fato de o Figueira trazer para Floripa a hegemonia do futebol catarinense.

Não poderia deixar passar batido, também, a questão da “intizicada” com o rival Avaí. Particularmente não gosto, em veículos oficiais, de provocações, embora respeite o direito. Há que se ter elegância na vitória e na derrota

Veja abaixo print screen do Face do Figueira (ou vá à página clicando aqui), elogiando o vice-campeonato do Hexagonal obtido pelo Avaí. E aí, o que você pensa disso, alvinegro e avaiano?

 

facefigueira

Bookmark and Share

Figueirense foi campeão porque sabe jogar sob pressão, mérito de Eutrópio e dos jogadores

13 de abril de 2014 74

Envolvido na cobertura intensa da decisão, convido o internauta a conferir minha crônica do jogo publicada no DC Esportes, ali mostro minha visão da final (clique aqui e confira).

Mas neste espaço deixou registrado algumas impressões que vamos tratar mais a fundo:

- Everton Santos pelo conjunto da obra mereceria ser o craque do campeonato.

- Wellington Saci roubou a cena, merecia ter sido expulso no primeiro jogo, decidiu lá e em circunstâncias diferentes poderia ter decidido em Floripa.

- Houve erro de Heber no pênalti. Deveria ter expulsado Ivan e, antes de anotar a penalidade, esperado a conclusão da jogada (ou seja deveria ter marcado gol).

- Heber provavelmente não viu, mas o árbitro auxiliar atrás do gol dever ter visto. Nirley, no primeiro tempo, usou o cotovelo e deveria ter sido expulso.

- A bola bateu, sim, na mão de Maranhão, mas o toque foi involuntário. Na minha opinião gol legal.

- A festa foi civilizada e linda em Joinville. Está sendo (tomara que eu não morda a língua, a noite é longa) linda e civilizada em Florianópolis.

- Que bom que a arte da intimidação se limitou a dentro de campo, ali é que o futebol deve se resolver.

- Por fim, uma característica que me chama atenção desde a subida para Série A. Como o técnico Vinícius Eutrópio devolveu a garra ao time, recuperou a relação com o torcedor e sabe fazer seus atletas renderem sob pressão.

 

Bookmark and Share

A arte da intimidação será decisiva em Figueirense e Joinville. Que este componente do futebol fique somente dentro de campo

12 de abril de 2014 15

Intimidação. Uma arte . Um olhar, uma chegada mais dura, um grito mais alto, associado à técnica e à tática ganham jogo. 

É o famoso lado psicológico. Até agora, nos encontros entre Joinville e Figueirense, a habilidade e a leitura do jogo foram equilibradas. Como o JEC conseguiu a vantagem? No psicológico. Naquilo que no futebol se conhece como raça, ou garra, e que para o vencido soa como violência. Wellington Saci chegou “mais junto”, arriscou mais (poderia ter sido expulso) e venceu.

Marcos Assunção, então, chamou a responsabilidade e disse: “Deixa ele comigo, irmão”, via Instagram, ao companheiro Leandro Silva, que reclamava na rede social do que julgou excesso de violência de Saci no primeiro jogo.

A partir das 16h deste domingo aguarda-se este último capítulo. No tapete do Scarpelli, Assunção vai dar a resposta, em campo: uma falta daquelas certeiras, quem sabe? Já que Saci usou uma falta à Assunção para detonar o Figueira no jogo de ida. Ou Saci, com sua vontade de dar o troco ao time que o desprezou, desequilibrará com suas jogadas e levantará a taça?

Bookmark and Share

Everton Santos e Saci vão jogar por Joinville e Figueirense. Final completinha em suas emoções

10 de abril de 2014 22

Ainda há pressão do Figueirense para que na sessão de hoje à noite no TJD da FCF haja uma punição para Saci.

Mas já se sabe por fontes que não vai prosperar. Everton Santos também foi liberado (veja matéria do DC aqui).

Então teremos Saci e Everton Santos em campo. Garantia de todas as emoções e condições técnicas para as duas equipes, até porque Assunção vai jogar também.

Ou seja, quem for campeão domingo, será sem desculpas. O JEC quase com força máxima (não terá Jael) e Figueira com todos os titulares (mas Assunção fora da melhor forma), arbitragem do Heber, estádio lotado.

Uma das decisões mais imprevisíveis dos últimos tempos.

Bookmark and Share

Sem sequelas pós-Copa do Brasil para Figueirense e Joinville antes da final no Scarpelli domingo

10 de abril de 2014 1

Se o Joinville com time mistão toma um chacoalho do Novo Hamburgo, que não é galinha morta? Não aconteceu, 1 a 0 é resultado totalmente reversível. Pena que o JEC jogou com um a mais e mesmo assim não se segurou a bronca.

Se o Figueirense deixa o Scarpelli com uma catástrofe histórica, desclassificado para o Plácido de Castro? Não aconteceu, o 3 a 1 reverteu uma situação que iria impactar na final. Pena que ficou claro os problemas com qualidade de reposição que tem o Figueira. Definitivamente, para Série A, será preciso gastar um dinheiro a mais para melhorar o plantel.

Fato é que Figueirense e JEC tiveram um meio de semana de Copa do Brasil que poderia ter atrapalhado psicologicamente às finais. Não aconteceu.

Sem sequelas, então.

Agora, é o jogão do Scarpelli. E este ninguém arrisca palpite, né? Só um louco para ver em algum dos dois times melhores condições para ser campeão!

Bookmark and Share

Chapecoense dá seu recado na Copa do Brasil, e hoje é dia de mergulhar na competição nacional

09 de abril de 2014 5

Não há como não dar uma pausa nas finais do Catarinense para mergulhar rapidamente na Copá do Brasil. O feito de Chapecoense, ontem, foi fantástico (clique aqui e confira).

Porque não é novidade: o Brasil vai ficar de olho no Verdão do Oeste. Esta vitrine pode ser fantástica, pode ser um incômodos. Explico: o início de Estadual ruim (o que acontece com vários times em formação para Série A) para o Verdão foi mais intenso. Todos pensaram: ué. time de Série A lutando para não cair no regional? Então a melhora no Hexagonal já acalmou as coisas. Agora a classificação direta à fase seguinte dá um gás e uma moral (vejam especial da Chapecoense que o DC preparou).

Repito, tudo que a Chape fizer será fiscalizado nacionalmente: tratamento no estádio, recepção, gramado etc. Mas sei que o Oeste está prontinho para este desafio.

Hoje é o JEC e o Figueirense. Confiram especial do Joinville e o especial do Figueirense, trabalhos muito esmerados do DC Esportes. E o Avaí está tranquilão, como a Chape, já classificado.

Bookmark and Share

Confira o Hino da Copa do Mundo, que vazou antes da hora, e que eu achei uma vergonha para o Brasil

08 de abril de 2014 32

Abaixo está o vídeo com o Hino da “nossa” Copa do Mundo, que vazou. Para ler mais veja o blog Contracapa (do Jornal de Santa Catarina). De minha parte, estou tentando fazer um esforço de outro mundo para ver as coisas boas da Copa do Mundo aqui.

Mas escute a música abaixo, brasileiros. Trata-se de uma música com a sonoridade do rapper Pitbull, absolutamente sem conexão com nossa cultura. A Claudia Leite tem participação pífia. E os ritmos inserinos são latinos, mas sem brasilidade.

O tal Fuleco já era de doer. A condução dos estádios de chorar. E a música de se espantar. Meu Deus!

Bookmark and Share