Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

A palavra tem poder! Não duvidem do Avaí. E viva a reação catarinense

21 de junho de 2015 2

Não duvidem do Leão! Bradou Salles Júnior na CBN/Diário, quando do gol de empate de André Lima, heroico, contra o poderoso São Paulo, que lutava para ser líder do Brasileiro. E esta máxima é intocável, é pétrea! O Avaí que quase foi rebaixado no Campeonato Catarinense, que ninguém esperava muito, que todos diriam ser o catarinense mais ameaçado, pois este Leão se revela quando dele duvidam.

Ah, mas não foi uma boa partida do Avaí, dirão muitos. E eu concordarei. Mas retrucarei: e quem fez grandes jogos até agora? Inter? Corinthians? Tá, dirão que o Atlético começou a engrenar, que os grandes vão embalar. Até concordo, mas nossa valente Chapecoense foi lá e deu um recadinho made in SC para a Raposa.

Aliás, a primeira vitória do JEC veio em boa hora. Já não é mais lanterna. E o Figueira, lá na longíqua quinta-feira também não perdeu para o Inter.

Enfim, uma rodada favorável a nossos times.

E vamos ser otimistas. A palavra tem poder. Assim como a narração de Salles é verdadeira, também Roberto Alves, várias vezes na transmissão profetizou: “o resultado não é definitivo”, profetizou várias vezes o comendador. E não foi. Falou e disse, Bob Alves.

Bookmark and Share

Em Avaí e Figueira: gol de capitão, golaço de placa, pênalti não marcado, sem camisa da paz mas com paz entre torcidas

14 de junho de 2015 109
Clássico Avaí x Figueirense

Paz entre os Marquinhos. Foto: Cristiano Estrela

Em primeiro lugar quero reafirmar o que já havia expressado no TVCOM Esportes de sexta-feira. Acho excessiva a medida da delegada e da Justiça para impedir França de ter jogado. Ponto. O atleta teria que ter seu direito de trabalhar preservado.

Digo isso porque também não achei legal o Figueira não entrar com a camisa da paz. Segundo esclareceu seu presidente Wilfredo Brillinger como protesto em relação a França ter sido impedido de trabalhar.

O fato de eu ter achado excessiva a decisão não invalida a ideia que tenho de que ações policiais e judiciais merecem meu respeito e simplesmente devem ser acatadas.

Como não foi o Avaí que deu causa à ausência de França, e sim a polícia e a Justiça, então por que não cumprir todo o protocolo acertado entre os times? Achei desnecessário.

Sobre o jogo, foi um belo clássico, pegado, suado, pesado como o campo, mas emocionante, digno de Série A, com gol do capitão alvinegro, golaço do Anderson Lopes.

Comportamento da torcida, idem. Provocações restritas às arquibancadas, o que é válido. Sinal de que se pode evoluir com a campanha.

E para não dizer que fico em cima do muro, na minha opinião foi muuuuito pênalti o lance no último minuto no Eduardo Costa.

Bookmark and Share

A paz, as pazes, a teoria, a prática, os Marquinhos e o que se espera seja um golaço de Avaí e Figueirense

11 de junho de 2015 11
Clássico da Paz

Os Marquinhos dando exemplo. Foto: Guto Kuerten

Fiz questão de estar pessoalmente hoje pela manhã no hall que ambienta as entradas dos cinemas no Beira-Mar Shopping. Porque acho fantástica a iniciativa da dupla da Capital em passar uma mensagem de paz, de dentro para fora, com ações concretas.

Por exemplo, os dois capitães virem a público declarar (e, assim, se comprometer) com responsabilidade antes e depois do jogo.

Falo antes e depois, porque qualquer um sabe que futebol é um esporte pegado, viril, e ninguém espera que os atletas “peguem leve” ao longo da partida, e nem este é a proposição dos clubes. (veja todos os detalhes na matéria)

A mensagem é para que se tome cuidado com as declarações antes da partida, e que após o jogo o vencedor comemore com sua torcida, com muita festa e com respeito ao vencido.

Então temos, aí, a paz selada.

Outra questão, são as pazes. Estas foram expressas pelo capitães. Que se comprometeram a dar esta demonstração antes da partida e depois da mesma. Muito importante, porque os Marquinhos da dupla Avaí e Figueirense têm influência com os companheiros e com a torcida.

Resta a prática. Não tenho dúvida que, dentro do campo, estão todos vacinados. Seria surreal ver um jogador dar alguma declaração ou comemorar um gol de forma desrespeitosa.

Mas tenho dúvidas fora de campo. Sei que o mundo das organizadas é um mundo à parte. Tem suas regras próprias, suas condutas e não se submete à racionalidade. Então, não há como prever se haverá civilidade de ambos os lados.

A iniciativa tende, se tudo evoluir para o lado do bem a culminar com a torcida mista no segundo clássico. Aguardemos, pois.

Recomendo no DC Esportes:

Já experimentou o Quiz com seus conhecimentos no clássico?

 

Bookmark and Share

Torcida pela torcida mista no segundo clássico entre Figueirense e Avaí

10 de junho de 2015 11

O assunto é bem mais controverso aqui em Santa Catarina do que eu imaginava.

Na minha humilde percepção (e aí o grande defeito de se ter pré-conceitos, que é o irmão mais novo do preconceito), achava que a iniciativa da torcida mista no clássico catarinense seria “favas contadas”, todos saudariam como algo bacana, construtivo, bom exemplo, etc.

Veja a tabela da Série A do Brasileiro
Enquete: quem vai vencer o clássico 409?
Ingressos começam a ser vendidos nesta quinta-feira: confira os preços

Mas não. A enquete promovida pelo Jornal Hora (clique aqui e confira) mostra que pouco mais de 50% é favorável. Os comentários no Facebook do DC Esportes (clique aqui e veja) boa parte são contrários também.

Não sei se é um fenômeno do mundo virtual, onde o anonimato estimula um lado mais obscuro do ser humano, mas fato é que nas conversas diárias também vejo muita gente boa que conheço contrária.

Aí penso: tá, você é contrário, ok: então não vai consumir o produto, não vai frequentar o local. Mas respeitaria quem assim se propuser, certo? Infelizmente, e aí está meu espanto e até uma ponta de tristeza, muita gente instruída acha errado fazer a torcida mista. Acha que “não fica legal”, “não combina com futebol”, “vai dar briga” etc.

Teve um amigo, que me disse: “Faz torcida mista com as organizadas. Ou eles viram amigos, ou se matam logo e não incomodam mais”.

Vejam quanta falta de entendimento!

Claro, é preciso um trabalho interno nos clubes, de concientização dos atletas e das comissões técnicas e uma ação conjunta com o poder público e a sociedade privada para fazer a ideia prosperar.

De minha parte, ainda acredito no ser humano e seu lado bom, embora esteja cada vez pessimista.

Torço pela torcida mista, e espero que o exemplo dela no segundo clássico da Série A entre Figueirense e Avaí mude um pouco este quadro de infecção generalizada que vive o futebol com um azedume sem precedentes.

Bookmark and Share

Finalistas do Estadual Figueirense e JEC no Z-4, Chapecoense e Avaí tranquilos

24 de maio de 2015 57

Qualquer análise colocaria Figueirense e Joinville como os dois catarinenses com a tendência de fazer um Brasileiro da Série A mais equilibrado.

Não é o que vemos.

A Chapecoense, que está às portas do G-4, tudo bem, sabíamos que tinha todas as condições do mundo de ser regular e forte. E está sendo principalmente pelo fator Condá, onde é 100%.

Avaí x Flamengo

Torcida avaiana feliz. Foto Cristiano Estrela

Agora, o Avaí é surpresa. Um time que se reinventou e mesmo sendo eliminado na Copa do Brasil para o Figueirense, se apresenta consistente.

Já Alvinegro e JEC preocupam (veja a classificação). O Figueira por estar numa imensa crise de criação no meio-campo (e sem nomes para solucionar o imbróglio) e agora com seu ataque em um marasmo assustador.

E o Tricolor do Norte porque precisará entender rapidamente que para jogar a Série A precisa ousar (e tem time e condições para isso). Porque se for se defender primeiro e só depois atacar, vai ser rebaixado antes de terminar o primeiro turno.

Então temos os seguinte quadro: o Figueirense com dificuldade de foco por disputar paralelamente a Copa do Brasil, o Joinville assimilando golpes de Série A, bem mais fortes que os de Série B e tentando entrar na briga.

A Chapecoense sendo Chapecoense. Sempre centrada, forte, focada, inteligente e determinada. É um time de alto nível e que vai fazer novamente bonito. E o Avaí sendo Avaí. Imprevisível, ousado, orgulhoso, inesperado e surpreendente.

Bookmark and Share

12 minutos estranhos em Figueirense x Botafogo que ninguém cala pela Copa do Brasil

21 de maio de 2015 34
Argel, Figueirense, Botafogo

Argel reclama com árbitro. Foto: Cristiano Estrela

Lembrei da musiquinha: “Ninguém cala, esse nosso amor…” que foi popularizada pela torcida do Botafogo. Gente, que amor é este do árbitro paulista Marcelo Aparecido de Souza que “achou” 12 minutos de acréscimo, entre primeiro e segundo tempo, para a partida que deu empate entre Figueirense x Botafogo? (confira aqui a crônica do jogo).

Olha, não se contesta o resultado aqui nessa reflexão. Apenas registro o estranhamento, porque tenho certeza que a crônica carioca faria um chororô (aliás, marca registrada do Rio de Janeiro e especialmente do Botafogo).

Não acho que devamos ignorar motivos técnicos e táticos que resultaram no fato de o Figueira não segurar o resultado. Mas não podemos ser ingênuos ao ignorar que o empate veio nos acréscimos.

Fui à súmula da partida (clique aqui e veja o relado na CBF) para ver o que deu causa. Aliás, lá no documento consta expulsão do preparador físico e do próprio Argel. E lá, como justificativa para dar mais tempo, apenas está dito que foram faltas, atendimento com maca etc, ou seja coisa normal de jogo. Pergunto: é motivo para 12 minutos? E respondo: Claro que não. Conta para o bonequinho.

Concordo com o desabafo de Argel (confira a matéria), ele não é fruto de paranóia. Dá a entender que o Figueira, por algum motivo, não é bem-vindo na próxima fase.

 

Bookmark and Share

Créu alvinegro. Súmula de Célio Amorim revela estopim da confusão.

14 de maio de 2015 133

Primeira atitude agora pela manhã foi conferir a súmula editada pelo árbitro Célio Amorim (que aliás teve excelente desempenho). E ali, com todas as letras, está uma observação valiosa: o motivo que deu início a toda a confusão ao final do clássico. (clique aqui e confira a súmula).

Veja o que foi descrito:

“Após o término da partida, em ato presenciado pelo 4º árbitro, Srº Carlos Eduardo Vieira Areas, o mesmo observou que o maqueiro da equipe mandante Figueirense Futebol Clube, Srº William de Souza Mohr, RG: 4570424-4, passou em frente ao banco de reservas do Avaí Futebol Clube provocando os atletas e comissão técnica da equipe adversária com gestos e executando a “dança do créu”, fazendo com que alguns jogadores suplentes e membros da comissão técnica partissem correndo em sua direção.”

Não foi o França (o que ele fazia em campo?) simulando enterro, não foi Marquinhos Alvinegro declarando preferir não ter ídolo e estar classificado, não foi Argel chamando às ganhas Eduardo Costa (até boletim de ocorrência deu, clique e confira).

Foi a devolução do créu.

O Créu era para ser marca registrada avaiana. Autoria? Marquinhos do Créu. Mas não. O maqueiro do Figueirense não resistiu e tão logo houve o apito final, fez um créu básico em frente ao banco.

Pronto, o créu não poderia ser pago com créu. Qualquer outra coisa, menos com o créu!

O maqueiro (e quem descreveu na súmula foi o quarto árbitro) na verdade só encarnou o espírito do torcedor alvinegro. Ele foi o torcedor naquele momento. Ele deu uma resposta a Marquinhos que toda uma coletividade tinha atravessado na garganta.

E o Argel? Mandou um recado na coletiva que ele não joga. Vesti um pouco o chapéu, porque fiz o post Argel x Marquinhos. Entendo o treinador. Ele é, mais que treinador, um guerreiro. Sigo com meu pensamento. Por mais que o Argel diga que não joga, ele joga sim.

Não entrar em campo, no caso dele, é um detalhe. Os 11 jogadores do Figueira, na quarta-feira, eram Argel.

 

Bookmark and Share

Por que Marquinhos, ídolo do Avaí, faz o sangue escorrer pelos olhos de Argel, comandante Alvinegro

12 de maio de 2015 33
Argel e Marquinhos

Os personagens do clássico. Quem vai rir por último?

Bate-papo de rua. Passeava pela rua com minha cachorrinha Mel e encostou em mim dois vizinhos, um Figueira e outro Avaí. Claro que o papo girou em torno do clássico. Meu vizinho avaiano só falava do Marquinhos; meu vizinho alvinegro, só falava de quem? Ora, do Marquinhos também. Aí eu provoquei meu amigo alvinegro: quem para o Galego?

A resposta me surpreendeu: “O Argel”!

Parei, pensei e refleti: faz sentido. Argel não entra em campo, mas é o nome que pode dar um nó em Marquinhos, ou ser nocauteado de vez pelo ídolo avaiano.

O silêncio do Figueirense eu conheço bem. Porque aprendi mediante observação e muitos anos de futebol a compreender os bastidores. E o Figueira leva consigo o jeito Argel de lidar com seu grupo. O Alvinegro na muda é um acúmulo absurdo de energia que será liberado na noite desta quarta-feira, no Estádio Orlando Scarpelli.

Um perigoso acúmulo de energia. A explosão poderá vir em forma de futebol avassalador, com altas doses de motivação e desejo de dar o troco; mas pode vir sob a forma de perda do controle emocional.

Jamais Argel deixará barato três momentos constrangedores terem um desfecho pior. Não sair campeão catarinense (um título que o técnico está sedento por adquirir), perder um clássico em Copa do Brasil para o principal rival e, mesmo com time reserva, largar no Brasileiro com goleada não combina com o perfil de Argel.

Tem outro detalhe que imagino esteja como espinha atravessada na garganta do passional Argel: Marquinhos.

Marquinhos venceu, provocou e bateu. O meia avaiano ao final do clássico, ironicamente, falou no vice-campeão; e, no jogo, deixou uma joelhadinha básica como cartão de visitas.

Sabemos que, mudo, Argel não é: fala e, como diria Tite, as vezes “fala muito”, aliás como Marquinhos, que também “fala muito” em determinadas situações. Mas cego e surdo Argel também não é. Ouviu a provocação de Marquinhos, viu o lance da joelhada. Deve estar usando isso à exaustão nas palestras.

E agora? Marquinhos que já dançou créu no Scarpelli terá alguma outra coreografia guardada e uma coletiva cheia de recados depois do jogo? Ou quem “falará muito” por último e, quem sabe, sorrirá ao final será Argel?

Bookmark and Share

Chapecoense e Tigre, nossas alegrias; fator Marquinhos; Figueirense acuado; JEC defensivo

10 de maio de 2015 31

O saldo da primeira rodada da Série A do Campeonato Brasileiro me deixou algumas constatações saltando aos olhos. Vamos a algumas delas:

- Alegria na Série A só com o Verdão do Oeste, único vencedor dentre os quatro catarinenses (clique aqui e veja a crônica do jogo).

- Marquinhos é o centro das atenções do Avaí. Fez um golaço de falta (veja como foi o jogo) e evitou a derrota para o Santos. E agora será o centro das atenções no clássico de quarta-feira!

- O Figueirense está sendo testado ao nível máximo de sua concentração e poder de reação (confira como foi a derrota para o Sport). Não fez gols na final do Estadual (e por isso não evitou o Tapetão); perdeu o jogo de ida para o principal rival na Copa do Brasil; e, mesmo que com time misto, levou uma sapecada do Sport na estreia pela Série A! É pouco?

- O JEC, mesmo com um a menos durante boa parte do jogo (confira a crônica), segue o time defensivo no padrão Hemerson Maria de ser. Gosto muito do técnico do JEC, mas ele terá que evoluir na ousadia na Série A, do contrário o tricolor do Norte vai sofrer muito.

- O Criciúma buscou o resultado positivo na largada da Série B (veja como foi). Importante para oxigenar o início de trabalho. A jornada será longa, desgastante, desafiadora. Mas a volta à elite não é um sonho e sim uma possibilidade que precisa ser agarrada com dentes e garras de Tigre.

 

CLIQUE AQUI E VEJA COMO FICOU A CLASSIFICAÇÃO NA SÉRIE A

CLIQUE AQUI E VEJA COMO FICOU A CLASSIFICAÇÃO NA SÉRIE B

 

Bookmark and Share

Vídeo que mostra joelhada de Marquinhos promete esquentar bastidores de Avaí e Figueirense

07 de maio de 2015 134

O clássico é um campeonato à parte. É uma verdade absoluta. Deste clássico saiu um Avaí, antes destroçado, agora confiante. Tivemos um grande público. E muitas outras conclusões técnicas e táticas poderiam ser feitas.

Mas nada, absolutamente nada vai render mais do que a imagem que viralizou na internet com Marquinhos dando uma joelhada em Paulo Roberto.

Assim que o STJD ver o vídeo, certamente vai sobrar, novamente, para o galego. E diante da repercussão nas redes sociais, será inevitável a imagem chegar em um auditor, até porque a torcida do Figueirense cuidará disso, não tenham dúvida.

Como vemos, novamente o clássico não vai terminar tão cedo.

Clique aqui e veja o vídeo.

Bookmark and Share