Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Internacional"

Lages comemora o seu Inter, torneio não vai parar, quatro grandes emplacaram e só Avaí deu vexame

05 de março de 2015 27

A rodada desta quarta-feira do Campeonato Catarinense foi praticamente protocolar: daquelas onde o roteiro óbvio não surpreendeu nem um telespectador da sessão da tarde.

E se só deu a lógica, o grande vencedor da noite só poderia ser o Internacional de Lages, que em seu primeiro ano de volta à elite carimba de vermelho o Hexagonal (veja como ficou a classificação final).

Trata-se de uma região que estava economicamente adormecida e que, ao despertar, trouxe novamente consigo o time de futebol à vitrine. E a torcida ama o Inter, adora futebol, e vai lotar o Tio Vida. Parabéns nação lageana, grande feito.

E aí alguém vai pontuar: lógica o Inter vencer o Avaí? Da forma como se encaminhou a competição, e com o Avaí tendo a petulância de fazer “experiências”, a vitória do colorado lageano nada mais foi do que o normal, o esperado.

E quem perigou, e muito, ficar de fora foi o JEC. Um golzinho da Chapecoense, e cairia a casa de Hemerson Maria. Aliás, o fato de o Tricolor do Norte não tomar um gol só não salvou a pele do presidente Delfim Pádua Peixoto Filho porque o Marcílio não fez sua parte. havia a ameaça era real de o torneio paralisar, o que seria vexame nacional.

No mais, embate apertado no Scarpelli, com vitória Figueirense? Normal.

Vitória do Criciúma em Ibirama? Sem novidade.

Empate em Itajaí? Qualquer vitorioso nesta partida seria admissível, o empate ficou de ótimo tamanho, mas obviamente o Guarani lamentou não ter classificado por muito pouco.

Resumo da obra: quatro dos cinco grandes fizeram sua parte; Metrô beliscou novamente e pavimentou um pouco mais sua estrada rumo à tribo dos grandes; e o Internacional, que já foi um time médio/grande orgulha sua Lages.

Na outra ponta, o Marcílio cai de pé, apesar da trapalhada na inscrição do atleta, o Avaí foi o vexame da largada do Catarinense, não só em nível regional, mas um exemplo negativo de todo o país. E o Atlético-Ib não vingou.

Bookmark and Share

Figueirense pragmático diante do Internacional de Lages. Ainda falta melhorar o conjunto alvinegro

07 de fevereiro de 2015 8
Marcão, atacante do Figueirense

Atacante Marcão fez gol da vitória do Figueirense. Foto: Charles Guerra

Vencer sem convencer é melhor que convencer sem vencer. Esta é o resumo que sobra após assistir a esta vitória apertadíssima do Figueirense sobre o Internacional de Lages.

E a conclusão é justamente pelo fato de que na rodada passada o Alvinegro até jogou uma partida de bom nível, mas deixou o campo abatido por Schwenck e cia do Marcílio Dias.

E hoje? Quase levou uma punição de outro craque experiente, Marcelinho Paraíba, que fez o gol de empate do Inter, mas achou o gol da vitória.

É ou não é melhor vencer sem convencer? Claro, três pontos na conta alvinegra. Sem sofrer gozações adversárias por gols de bons jogadores, mas já sem mercado em grandes times.

E mais: o gol da vitória saiu justamente dos pés de um Marcão que está completamente fora de ritmo. Mas achou o gol, finalizou bem e fez o que dele se espera: gols.

Sobre o colorado, é um time que terá muitas dificuldades. Tem alguma qualidade, mas sofrerá para ter bons resultados fora de casa. Terá que conseguir seus preciosos pontos jogando no Tio Vida.

Não há dúvida sobre a qualidade de Marcelinho Paraíba. Disparado, poderia estar jogando em qualquer dos “grandes” de SC.

No Figueira, Léo Lisboa foi apagado, ficou devendo. Mazola até jogou bem. Marcão está sem ritmo. E as duas alas, com Leandro Silva e Marquinhos Pedroso estão devendo muito, apagados e, com esta produção baixa, vão comprometer o time sempre.

Bookmark and Share

Clássico da Ressacada entre Avaí e Criciúma dará o tom do campeonato e vira finalzinha particular

05 de fevereiro de 2015 2

Já dá para afirmar que o modelo de Hexagonal emprestou ao Catarinense um charme que promete perdurar pela fase de classificação.

E isso graças a excelente fase do nosso futebol. A presença de quatro na Série A abriu nosso mercado para bons atletas.

Se não temos jogos excelentes na totalidade, é porque o futebol brasileiro não está legal.

Mas assisti nas férias jogos dos demais estaduais e garanto: não há nada dando um banho no que vemos por aqui.

Tivemos jogos bons, outros regulares, mas emoção tá rolando legal. E equilíbrio também.

Analisando o andar da carruagem, o Marcílio subiu a régua. Vai obrigar Guarani, Inter, Metrô e Atlético a fazerem um “crime” num grande em seus domínios.

O Inter, por exemplo, tinha que ter ganho do Metrô. No campeonato pela “sexta vaga” do Hexagonal, time “médio” não pode não ganhar de outro igual em seus domínios.

Por todo o exposto acima, é que o clássico de hoje na Ressacada é vital. Se der empate, a mistureba na classificação (clique aqui e confira a tabela) começará a dar tons de que um dos cinco grandes pode bailar na primeira fase. Ah, convenhamos, desastre de proporções cataclísmicas se um deles não avançar.

E, se houver vencedor, este respira legal e empurra para o outro um pesinho chato. Em se tratando de times em montagem e afirmação, percebemos como Avaí e Tigre devem fazer uma “final” particular hoje.

Todos os caminhos levam à Ressacada (apesar o horário, que na Ilha é desastroso).

Após o jogo, logo depois, post aqui. Espero vocês.

Bookmark and Share

Voa, Verdão!

12 de outubro de 2014 13

Espetacular o fato de a Chapecoense garantir, fora de casa, esta vitória de seis pontos sobre o Bahia. Foi magrinho, mas vale muuuito. Manteve o embalo pós apresentação mágica diante do Internacional (os inesquecíveis 5 a 0 que ficarão eternos na Arena Condá).

Para comprovar que a jornada diante do colorado gaúcho foi espetacular, basta ver que o Inter venceu o Fluminense por 2 a 1 neste domingo jogando muito bem.

Antes do jogo do Figueirense (que vamos comentar aqui também), o Verdão fica como melhor catarinense na Série A (confira a classificação clicando aqui).

Era importantíssimo este resultado, já que a sequência é contra um Galo em ascensão (está entrando no G-4), novamente fora de casa.

Que momento do nosso representante do Oeste na Série A. Um debut de alto nível. Para impor respeito.

 

Bookmark and Share

Figueirense, DNA de Série A, com virada heroica mostra quem manda na região Sul do Brasil

07 de setembro de 2014 51

Não adianta, é bom Internacional e Grêmio se acostumarem. Além de terem menos representantes que Santa Catarina na Série A, ainda têm que aguentar a superioridade de um de seus representantes em solo gaúcho.

O anormal atualmente é o Figueira visitar Inter e Grêmio e voltar de lá lamentando. Já foram dois 4 a 2 aplicados no Inter no Beira-Rio nos anos 2000 e agora esta virada espetacular em 3 a 2, como foi em 2012, com o mesmo placar deste domingo, só para lembrar de resultados marcantes.

Já que citei o Grêmio, nos anos 2000 já foram dois 3 a 1 em Porto Alegre.

Então, o Figueirense, melhor DNA de Série A dos catarinenses, continua achando normal vivenciar vitórias em solo gaúcho, até porque a comparação é com o RS, porque o Paraná já não está mais com poder para desafiar nosso pequeno estado.

Bookmark and Share

Razões que a razão desconhece para os gols. Fora isso, o Inter foi melhor e mereceu vencer o Criciúma

30 de maio de 2013 84

Fabinho, do Tigre, aos 7 minutos, dá um chute cara a cara com o goleiro e este desvia para fora; minutos depois, William arrisca um chute e este desvia na zaga e para dentro do gol do Criciúma. Por que o destino foi bondoso com um, cruel com o outro?

O zagueiro Moledo, do Inter, aos 16, cabeceia para o gol, a bola entra; logo depois, Matheus Ferraz aparece sozinho, cabeceia em condições similares e a bola não ruma para gol. Por que um é bafejado com a felicidade, o outro com a  desolação?

Dois lances, logo no primeiro tempo, defiram o 2 a 0 e a sorte do jogo.

Sim, são as tais razões que a própria razão desconhece.

Mas há explicações racionais para que a vantagem conquistada tenha sido preservada pelo representante gaúcho. E a principal delas residiu no meio-campo. O volume de jogo do Internacional, a antecipação no desarme e a conquista da maioria dos rebotes são decisivos.

A favor do Tigre o fato de seu meio-campo estar dilacerado com desfalques. E aí entra a tal capacidade de investimento, que forma um grupo forte. Serginho teve que entrar às pressas, o que nunca é bom.

De uma forma geral, verificamos qualidades individuais importantes no Criciúma, mesmo na derrota. Bem alinhavadas ao decorrer do campeonato podem resultar numa boa campanha.

Mas segue o alerta e a preocupação com a sequência que tem o Tigre: vem Flu, depois Flamengo, depois Santos, depois Atlético-MG… é ruim, hein!

Bookmark and Share

Paraná pensa Sul-Minas pelo ranking. Problema é que Joinville ficaria de fora

06 de abril de 2013 32

O post que fiz aqui e rendeu ótima discussão entre os blogueiros foi oportuno (clique aqui e relembre a postagem). Até porque um forte movimento paranaense deu start às negociações para o surgimento de uma Sul-Minas. Aliás, já com o apoio dos clubes mineiros, veja abaixo no post link para matéria.

O problema para SC é que o modelo foi baseado no ranking da CBF, com quatro clubes de cada Estado, e nesta condição o Joinville ficaria de fora, entrando a Chapecoense, junto a Figueirense, Avaí e Criciúma.

Sabemos que o tricolor do Norte ficar de fora, para nós, no Estado, é uma aberração.

A proposta inclui rebaixamento e substituição via Estadual.

Tirando a questão do JEC, me parece que a conversa estimulada desde o Paraná nasce com critérios interessantes.

Veja matéria da Gazeta do Povo clicando aqui.

Veja matéria no Paraná Online, mostrando que mineiros estão apoiando. (clique aqui)

Lembrando que estou no Facebook com minha Fun Page (clique aqui), tenho o @castija no Twitter (clique aqui) ou via e-mail podemos conversar (marcos.castiel@diario.com.br)

Bookmark and Share

A falta de credibilidade e vergonha na cara nos bastidores do futebol brasileiro

01 de novembro de 2012 35
  • Indignação é pouco

Os indícios de quanto são sórdidos os bastidores do futebol brasileiro são tantos, ocorrem em proporção geométrica, e a falta de bons exemplos é tão inversamente proporcional, que perdemos a capacidade de indignação. É comum pararmos e pensarmos: por que estou irritado, incomodado ou pasmo com determinada atitude se meu estresse não ganha repercussão jurídica? Se tudo o que está sendo feito de podre volta a ocorrer? Então, passamos a nos acostumar com o errado como se fosse algo normal. O que é uma pena e um erro, mas compreensível. Já que indignação é pouco para a vergonha que é a atitude do STJD de anular a partida entre Internacional e Palmeiras porque um gol de mão foi corretamente anulado.

  • Fim do mundo em 2012

Só de cabeça, rapidamente, faço um pequeno exercício de algumas coisas que minha memória, sem esforço algum, me permite lembrar com relação a absurdos em nosso futebol: impunidade de organizadas, omissão do poder público ante a violência, estádios vazios, ingressos caros, jogadores descomprometidos, talento desperdiçado, exploração das categorias de base sem critério, empresários gananciosos, perda de qualidade na Seleção e nos clubes, superfaturamento de estádio da Copa, descaso da Seleção com os brasileiros, arbitragens horrorosas e tendenciosas, política de clubes e federações antidemocráticas, relação escandalosa de clubes com o INSS, alguns dirigentes com perfis mafiosos, campeonatos mal planejados, calendários mal executados… É pouco?

  • Descrédito eterno

A exploração não sustentável sempre tem um fim. Um dia o sol que nos ilumina vai acabar – em bilhões de anos, mas vai; ditaduras, todas, têm prazo de validade; a natureza se esgota se maltratada; economias prósperas entram em ruína; impérios implodem; até a paciência tem fim. Mas o futebol brasileiro desafia esta máxima. Décadas passam e as condições indignas com que a paixão nacional é tratada se perpetuam.

Sempre há espaço para mais vergonhas.

Se um gol feito com a mão for corretamente anulado e a lei permitir que a correção do árbitro seja considerada inválida, que se mude a lei! Mas nunca se afronte a lógica.

Sabe por que a Fifa não aceita recurso externo para dirimir dúvidas nos jogos? Simples: este seria o fim do meio mais eficiente de manipular jogos.

 

Bookmark and Share

Ygor negociado. Agora, espera-se a reposição por parte do Figueirense

29 de junho de 2012 52

ATUALIZAÇÃO DO POST (15H)

Bom, agora há pouco confirmou-se o Ygor no Inter.

Então, é fato que um dos jogadores mais regulares do Figueirense agora defenderá o time gaúcho.

Entrando um bom dinheiro, e havendo reposição, tudo normal.

Certamente o Figueira não dormirá no ponto. Esperemos, pois, as futuras ações.

Até porque, como escrevi abaixo, é preciso fazer valer outras questões.

POST ORIGINAL

Pois o time que está processando o Figueirense para receber dinheiro na negociação por Cleiton Xavier quer levar o volante Ygor?

A informação é dos colegas gaúchos, que estão mancheteando por lá e também do nosso Fabiano Linhares, na CBN/Diário.

Pois o Figueira deveria cogitar este negócio só com uma retirada da ação. Ou mandaria o Ygor para pagar ao Inter depois?

Isso, porque a carga do clube é certa. A reação do Figueirense é que precisa ser forte. Aliás, como já foi quando o Grêmio tentou e o atleta foi mantido.

Bookmark and Share

Um favoritismo relativo do Figueirense, diante do Avaí, no duelo de domingo na Ressacada

02 de dezembro de 2011 67

O Figueirense é favorito. Mas não é “favoriiiitoooo” para o clássico do próximo domingo, na Ressacada.

Pela campanha que fez, pelos pontos a mais que o adversário que acumulou, demonstrou ter melhor time, mais conjunto.

Mas o melhor desempenho no Nacional, em clássico, não é o único ingrediente.

O Figueira vem de duas derrotas. Jogará pressionado para buscar a vitória, coisa que demonstrou não saber fazer ao longo do campeonato.

Neste mesmo campeonato, jogando melhor, pecou em detalhes e perdeu o jogo ida para o Leão.

Pegará um adversário com a honra ferida, querendo dar uma resposta à torcida, tentando tirá-lo da Libertadores e tentando evitar que o principal rival bata a melhor colocação na história em Brasileiros.

Então, o termo favorito é bastante relativo. Apenas para contextualizar. Em campo, teremos um jogo de tirar o fôlego.

Bookmark and Share