Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "Série B"

Minha simulação para Chape, Figueira, Avaí, Tigre e JEC na Série A e na Série B do Brasileiro

21 de outubro de 2016 2

Meu artigo da última quinta-feira aqui no DC Esportes (clique aqui e confira) foi otimista. Elenquei cenários futuros (na verdade, duas situações) em que SC teria, ao final das séries A e B, três ou quatro times na elite e um ou dois na segunda divisão.

A repercussão entre os leitores foi positiva também. Dizem por aí os filósofos: pense positivo e os polos positivos do Universo aliarão forças às suas! Recebi e-mail, fui abordado na academia e até por um vizinho naquela caminhada básica com a cachorrinha Mel nas ruas, todos torcedores com cálculos de como salvar seu time.

Então, evoluo na abstração, mirando não só a rodada que se avizinha, mas também os jogos seguintes, buscando cenários adequados, positivos, otimistas, mas não surreais, para o que de melhor possa acontecer aos cinco grandes de SC.

Para simplificar o raciocínio, atribuindo vitória (V), empate (E) ou derrota (D) na minha simulação. Ao final, o total de pontos atingido e a probabilidade de Libertadores, permanência na Série A, acesso e permanência na Série B, segundo calculam os principais sites de estatísticas ligados ao futebol.

Ah, no confronto direto de Chapecoense e Figueirense, na simulação do Verdão vai vitória do Oeste; na simulação do Alvinegro, vai vitória da Capital.

O critério deste pensador esportivo é simples: puxar a brasa para a nossa sardinha, primeiro; pensar no momento do adversário e posição da tabela, num segundo momento; imaginar que, em jogos em casa, nossos times terão a força necessária para esta arrancada decisiva, é o terceiro critério.

Comecemos pela Série A:

CHAPECOENSE

Chapecoense x Santos (V); Corinthians x Chapecoense (E); Chapecoense x Figueirense (V); Botafogo x Chapecoense (E); Chapecoense x São Paulo (V); Palmeiras x Chapecoense (D); Chapecoense x Atlético-MG (V).

Pontuação final: 56 pontos. Probabilidade de G-6: 40%

FIGUEIRENSE

Atlético-MG x Figueirense (D); Figueirense x Grêmio (E); Figueirense x Chapecoense (V); Figueirense x Corinthians (E); Vitória x Figueirense (E); Figueirense x Fluminense (V); Sport x Figueirense (V)

Pontuação final: 44 pontos. Probabilidade de ficar na elite: 70%

Agora, a Série B:

AVAÍ

Vasco x Avaí (D); Avaí x Paraná (V); Oeste x Avaí (E); Avaí x Náutico (V); Londrina x Avaí (E); Avaí x Brasil-Pe (V) .

Pontuação final: 65 pontos. Probabilidade de subir à elite: 95%

CRICIÚMA

Criciúma x Atlético-GO (V); Criciúma x Londrina (V); Luverdense x Criciúma (E); Criciúma x Ceará (V); Paraná x Criciúma (V); Criciúma x Vasco (V); Paysandu x Criciúma (E).

Pontuação final: 63. Probabilidade de subir à elite: 70%

JOINVILLE

CRB X JEC (E); JEC X Brasil- Pe (V); Sampaio Corrêa x JEC (V); JEC x Bragantino (V); Goiás x JEC (D); Oeste x JEC (E); JEC x Vila Nova (V).

Pontuação final: 43. Probabilidade de permanecer na Série B: 90%

Confira a tabelas da Série A

Confira a tabela da Série B

Confira as últimas notícias no DC Esporte

 

Bookmark and Share

Aposta do técnico Claudinei Oliveira é empoderar Marquinhos no Avaí para melhorar na Série B

30 de agosto de 2016 0

O termo empoderar está na moda. E ele se aplica com perfeição ao que se espera de Marquinhos junto ao Avaí.

E o novo técnico Claudinei Oliveira, que estreia hoje contra o Luverdense, percebeu isso e agiu neste sentido.

Nas definições de dicionário, empoderar é “conceder poder, obter mais poder; tornar-se ainda mais poderoso”.

Confira detalhes do jogo de hoje à noite
O que pensa o técnico sobre Marquinhos

Este tipo de roupa veste bem a Marquinhos. Ele se sente confortável e, normalmente, tem moral para retribuir com liderança e bom futebol.

É disso que o Avaí precisa muito para um projeto de returno que não inclua o sofrimento contínuo com a ameaça de rebaixamento.

Confira no comentário em vídeo acima também minha opinião sobre os jogos do Criúma em Goiás e da tentativa do JEC, diante do Bahia, na Arena, de buscar uma sequência de vitórias

Bookmark and Share

Mistérios da meia-noite, que voam longe nos insondáveis Avaí e Figueirense

26 de agosto de 2016 0

Depois da rodada que envolveu a dupla da Capital lembrei da música de Zé Ramalho (os mais novos deem um google aí) que dizia: “Mistérios da meia-noite, que voam longe, que você nunca, não sabe nunca, se vão se ficam, quem vai quem foi…”.

O motivo? É que mistérios são especialidade da Ilha (e do Estreito também) dos casose ocasos raros e um deles me assaltou de forma avassaladora: como dois times, quebrados técnica e psicologicamente, com uma simples demissão de técnicos, mudam tudo da noite para o dia, obtêm resultados expressivos a ponto de acordar pela manhã chorando e lambendo feridas e ir dormir à noite sorrindo e exibindo saúde? Ora, a resposta são os tais mistérios…

Medalhões como Silas e Argel, em tese, tinham tudo para entender a realidade dos times, terem estabilidade e carta branca para agir. Não é que, depois de quase 20 dias de intertemporada, o Avaí demite o comandante na primeira rodada do returno. Peraí… Mas se iria trocar, não deveria tê-lo feito antes da parada para treino e recuperação? Lógica para quê, se os mistérios tudo resolvem no time que “faz coisa”. Até obter a primeira vitória fora de casa após um turno inteiro e mais um pouco!

E Argel? Volta para resolver tudo e, surpreendentemente, chega sem força? Mas não deveria ser o contrário? Aí é substituído por Tuca. Sim, Tuca, conhecem? Não, porque nunca teve um trabalho como técnico principal de uma equipe de elite. E, no primeiro grande desafio, deixa como cartão de visita uma goleada sobre um Flamengo em alta.

Então é isso, fica combinado: por aqui você não sabe nunca quem vai quem fica, pois os mistérios costumam voar longe do alcance de meros mortais.

Bookmark and Share

Um final de semana de alegria só para o Avaí dentre os cinco catarinenses já estava se tornando raro

04 de julho de 2016 2
avaí x Vasco

Foto: Charles Guerra

Não foi uma vitória qualquer. Foi um 2 a 1 sobre a sensação da Série B (clique aqui e relembre). Nesta montanha russa que está o cenário do futebol brasileiro, já estava ficando raro, entre os cinco catarinenses das séries A e B, vermos o Avaí como único vencedor da rodada.

Estava claro para todos: o Tigre é o melhor da Série B e deve ser nosso candidato a tentar a elite no ano que vem, mesmo que aos trancos e barrancos. Também é nítido que o JEC terá que ralar muito para não descer à Série C.

A novidade, então, na Série B, é o Avaí esboçando uma reação para, pelo menos, não sofrer com o descenso. E em alto estilo. Claro, já tem jogo amanhã, e fora contra o Paraná, equipe que mira o G-4 (confira a tabela).

Na Série A, o quadro segue o mesmo, e preocupante. Para o Figueira, lidando com o Z-4 e precisando decidir se quer ou não continuar com Eutrópio. E, na Chape, um retorno à campanha mediana, depois de vislumbrar algo mais.

Bookmark and Share

Chapecoense e Tigre, nossas alegrias; fator Marquinhos; Figueirense acuado; JEC defensivo

10 de maio de 2015 31

O saldo da primeira rodada da Série A do Campeonato Brasileiro me deixou algumas constatações saltando aos olhos. Vamos a algumas delas:

- Alegria na Série A só com o Verdão do Oeste, único vencedor dentre os quatro catarinenses (clique aqui e veja a crônica do jogo).

- Marquinhos é o centro das atenções do Avaí. Fez um golaço de falta (veja como foi o jogo) e evitou a derrota para o Santos. E agora será o centro das atenções no clássico de quarta-feira!

- O Figueirense está sendo testado ao nível máximo de sua concentração e poder de reação (confira como foi a derrota para o Sport). Não fez gols na final do Estadual (e por isso não evitou o Tapetão); perdeu o jogo de ida para o principal rival na Copa do Brasil; e, mesmo que com time misto, levou uma sapecada do Sport na estreia pela Série A! É pouco?

- O JEC, mesmo com um a menos durante boa parte do jogo (confira a crônica), segue o time defensivo no padrão Hemerson Maria de ser. Gosto muito do técnico do JEC, mas ele terá que evoluir na ousadia na Série A, do contrário o tricolor do Norte vai sofrer muito.

- O Criciúma buscou o resultado positivo na largada da Série B (veja como foi). Importante para oxigenar o início de trabalho. A jornada será longa, desgastante, desafiadora. Mas a volta à elite não é um sonho e sim uma possibilidade que precisa ser agarrada com dentes e garras de Tigre.

 

CLIQUE AQUI E VEJA COMO FICOU A CLASSIFICAÇÃO NA SÉRIE A

CLIQUE AQUI E VEJA COMO FICOU A CLASSIFICAÇÃO NA SÉRIE B

 

Bookmark and Share

Prefeito Cesar Souza Júnior, a Torcida do Avaí aguarda a bandeira do clube na entrada da Ilha

01 de dezembro de 2014 34

Então, um dos folclores da Ilha de Santa Catarina é justamente este. Sempre que um time de Florianópolis consegue um feito de nível nacional ou um título, a bandeira é hasteada junto às bandeiras de Florianópolis, Santa Catarina e do Brasil.

A localização é privilegiada, já da Ponte Pedro Ivo, se vê a bandeira. Ao se contornar em direção à Beira-Mar, o pavilhão se escancara.

Este revezamento provoca muita polêmica. É fato que o hasteamento neste período de verão é uma grande propaganda para o clube que consegue ter a entrada da Ilha com seu símbolo.

Mais que lembrar o rival de um feito, é também mostrar ao grande número de turistas o símbolo máximo do clube.

Alguns governantes demoram um pouco, mas cedem à pressão. E o prefeito Cesar Souza Júnior? Age rápido? Ainda hoje pela manhã? Ou quebra esta escrita?

Então vamos ver se o post é atualizado ainda hoje…

Bookmark and Share

Um milagre azul que eu me orgulho muito de ter testemunhado na mágica Ressacada

29 de novembro de 2014 37

Certas coisas fazem valer a pena toda a luta de décadas na crônica esportiva. A tarde deste sábado na Ressacada foi um destes momentos únicos.

Lá estava eu, ao vivo, junto com o Faraco, no gramado da Ressacada. E minha primeira intervenção foi: “Só estou aqui fazendo este programa porque eu acredito que o Avaí pode terminar o dia de hoje na Série A”.

Está lá gravado para depois conferir no site do DC, que fez a cobertura especial em conjunto.

Por que eu acreditava?

Mesmo sabendo que era difícil, diria até quase-impossível, já vimos muita coisa acontecer no futebol.

Também conheço muito bem o Avaí. Ali não há só futebol. Há uma comunhão torcida e clube, é uma religião azul, algo que, eu acredito, sim, adentra o terreno místico.

E vivenciar o clima do que lá aconteceu, vivenciar este momento no futebol, foi um dos que fazem a diferença para um profissional.

Aqui está falando um cara que já viu Usain Bolt cruzar um recorde mundial numa Olimpíada, a 50 metros de distância. Que já cobriu finais de brasileiros, Copa do Mundo, clássicos etc.

E o dia de hoje na Ressacada, está no mesmo nível.

A nação avaiana está presente na Série A.

Vamos torcer muito para a Chapecoense. Seremos quatro na elite.

E que o Tigre suba e ninguém caia.

Impossível? Cuidado com este pensamento!

Bookmark and Share

Avaí goleia a Portuguesa por 22 a 0

18 de novembro de 2014 17

Não é erro de digitação: sei muito bem que foi 2 a 0 a partida.

É apenas um exagero para mostrar o valor desta vitória.

Vitória que começou nos pés de quem gritou na hora certa. Marquinhos colocou os pingos nos is e reconstruiu as condições para retomar a essência do Avaí.

O galego gritou e o técnico apenas para consumo externo contra-atacou, só para não perder a autoridade. Porque, na prática, tomou as medidas de saneamento reclamadas pelo capitão.

Depois teve gol de Roberto, que aparentemente voltou na hora certa, nos jogos finais.

E teve a participação de um garoto, Rômulo, que fez sua primeira partida com a camisa do Avaí. É a cara do time que “faz coisa”.

Sim, o futebol continuou ruim, a vitória foi sobre um time rebaixado, mas valeu três pontos, não? Manteve o Leão na briga, não? E a tabela não é tão ruim, nem se comparada ao Atlético-GO, nem ao Boa (que depende do JEC), nem do Ceará (que ainda vai jogar quando do post). Claro, tem o Santa, mas um biquinho não está proibido.

Foi goleada!

 

 

Bookmark and Share

Um acesso à Série A conquistado pela persistência da nação tricolor: JEC vai nos honrar na elite

04 de novembro de 2014 32
Alegria do JEC no Maranhão. Foto: Divulgação JEC

Alegria do JEC no Maranhão. Foto: Divulgação JEC

Nos moldes como a Série A é conhecida, desde a formatação em séries A, B, C e D, Santa Catarina sempre teve motivos de sobra para se orgulhar. Se nosso futebol tinha pouco destaque antes, passou a ser respeitado na nova era.

::: Confira o site especial do JEC

De todos os grandes catarinenses, quatro já provaram do gostinho da elite: Figueirense, Avaí, Criciúma e mais recentemente a Chapecoense. Todos têm histórias sofridas na Série A, mas com episódios de muito respeito e até de algum brilho em determinados momentos.

Faltava um para completar esta ascensão do futebol de SC. Era inadmissível não ver o JEC com pelo menos uma passagem na elite. Não era aceitável porque não é preciso fazer muita pesquisa para ver o DNA vencedor desta região. América e Caxias já demonstraram fartamente a força do futebol na região.

E o próprio Joinville já enfileirou títulos estaduais. Aliás, o JEC já teve ótimas participações em nível nacional na disputa de Brasileiros.

Chega agora para apresentar credenciais para o Brasil inteiro conferir depois de superar o Sampaio Corrêa e contar com a ajuda do Avaí, que não venceu o Oeste (confira como foi a rodada na página do DC Esportes)

Como disse no título deste post, é uma conquista não só de um time (e uma “senhora” equipe) mas de toda uma nação tricolor.

Ao contrário da maioria das torcidas, nunca a torcida do Joinville deixou de dizer presente na Arena. Mesmo estando desde de 2001 sem um título regional, mesmo tendo sofrido para chegar até a Série D, sempre a Arena esteve cheia.

Prova inequívoca de amor ao clube, de devoção dos fãs, de confiança. Recompensada com a maturidade de um clube que cresceu na medida certa, passo a passo, plantou e colheu.

Como Joinville é uma cidade trabalhadora, organizada, certamente seremos muito bem representados Brasil afora.

É um imenso orgulho ver que chegou a hora do JEC, conferir a festa nas ruas e torcer muito para que o time brilhe cada vez mais.

Parabéns, nação tricolor! Agora é manter a concentração para ser campeão.

Bookmark and Share

Ao fincar pé na Série A, JEC transfere ao Avaí a responsabilidade para o clássico da Ressacada

22 de outubro de 2014 20
Joinville faz festa na Série B

Edgar Júnio fez três gols no ABC;. Foto: Rodrigo Philipps

A discussão rodada de ontem passou a ser apenas “quando” o JEC vai ratificar sua volta à elite do futebol brasileiro (confira a tabela da Série B).

::: Confira a página especial do Joinville
::: Veja o site dedicado ao Avaí

Este feito fantástico do tricolor do Norte (veja como foi a vitória sobre o ABC) é para ser comemorado. Depois que a Chapecoense conseguiu ingressar no seleto grupo de times que já fincaram o pé na Série A, faltava o Joinville carimbar este passaporte.

Ele, JEC, que em muitas oportunidades já nos representou muito bem na elite, com grandes times, ainda não tinha tido o gostinho de chegar entre os 20 melhores no novo modelo de Série A.

Time e torcida ainda têm que manter a concentração, claro. O famoso “Já Ganhou” é sempre um perigo. Mas a matemática não desmente.

Agora o clássico, sexta-feira.

O que dizer deste jogo com o Avaí, depois do tropeço em campinas (veja como foi o jogo com a Ponte Preta)?

Apenas que, a partir de agora, inicia-se uma campanha de compreensão da torcida avaiana do que significa tentar superar o tricolor.

Simplesmente é o divisor de águas para que o time abra uma pequena vantagem sobre o Ceará.

Se o time entrar em campo e ver o “mar azul” confiando e pronto para mudar o destino, é uma coisa; se encontrar um público pequeno, o papo é outro.

Para o Joinville, não é preciso nem dizer: venceu? Vai para as ruas continuar a festa, agora regada a mais chopp das festas de outubro.

Temos que torcer muito hoje à noite por nossos três representantes na Série A. Principalmente pelo Tigre.

São 12% de chances de termos cinco na elite. Para aumentar este percentual, só se o Criciúma vencer o Atlético-PR.

Figueirense e Chapecoense, por sua vez, têm pedreiras. É assunto para post à noite.

Bookmark and Share