Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

“A imaginação humana é absolutamente ilimitada”, diz Eliseu Padilha sobre hipótese de crime na morte de Teori

20 de janeiro de 2017 0
Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil

Após encontro com o governador José Ivo Sartori, nesta sexta-feira (20), o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, comentou a morte de Teori Zavascki. Ele elogiou a atuação do magistrado na carreira jurídica e exaltou o fato de o ministro ter escolhido o Rio Grande do Sul como base. Em seguida, foi questionado sobre possíveis nomes para substituí-lo na Corte, o impacto sobre a Operação Lava-Jato e as suspeitas levantadas nas redes sociais de que o acidente pode ter sido provocado.

“O que se vê é que a imaginação humana é absolutamente ilimitada. Nenhum comentário (sobre as suspeitas)”, afirmou.

Em relação ao andamento da Lava-Jato – Teori estava prestes a homologar delações de executivos da empreiteira Odebrecht, Padilha reconheceu que a morte do ministro irá atrasar as ações.

“Vai fazer com que a gente tenha em relação à Lava-Jato um pouco mais de tempo para que as chamadas delações sejam homologadas ou não. Perde tempo, sim, mas o presidente Michel Temer vai indicar com a maior brevidade possível, mas independe do novo ministro o andamento do processo”.

O chefe da Casa Civil evitou tecer comentários sobre o perfil buscado por Temer para o novo ministro. Foi perguntado se o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, seria um dos cotados, mas se absteve de opinar. Também não falou sobre a possibilidade de redistribuição do processo a outro magistrado.

Sobre o constrangimento do presidente em indicar um ministro que deverá investiga-lo, já que seu nome aparece em delações, citou a Constituição Federal.

“A observância da constituição da República não constrange absolutamente ninguém. O presidente tem uma atribuição que lhe foi delegada pela constituição. E vai seguramente corresponder na plenitude”, asseverou.

Eliseu Padilha ficará permanecerá no Rio Grande do Sul para acompanhar os ritos fúnebres de Teori Zavascki.

Envie seu Comentário