Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Dez momentos do primeiro debate entre os candidatos à prefeitura de Porto Alegre

16 de agosto de 2016 1

debate20795417

*Por Kelly Matos

Candidatos à prefeitura de Porto Alegre participaram do primeiro debate na manhã desta terça-feira (16), na Rádio Gaúcha. O blog separou momentos que chamaram atenção. Confira:

1. (In)segurança pública
O tema “segurança pública” apareceu nas manifestações de todos os candidatos à prefeitura da Capital. Nelson Marchezan Jr. (PSDB) classificou a situação atual como “calamitosa”. Alvo de críticas por ser vice-prefeito da atual gestão, Sebastião Melo (PMDB) citou ações como aumentar pontos de iluminação na cidade e a criação do Centro Integrado, com 1.200 câmeras. A candidata Luciana Genro  (PSOL) defendeu que agentes da EPTC atuem em conjunto com a Guarda Municipal.

Veja como foi o debate na Gaúcha

2. O nome na “hora h”
Candidato do PMDB à prefeitura de Porto Alegre, o atual vice-prefeito Sebastião Melo se confundiu ao citar nome da vice em sua chapa. Na referência, mencionou a vice “Luciana Brizola”, em vez de Juliana Brizola, que o acompanhava. No intervalo, a candidata Luciana Genro não perdeu a chance de brincar com o adversário: “Tu estás comigo na cabeça?”

3. O vice mais citado
Ninguém citou mais o vice do que o candidato do PTB, Maurício Dziedrick. Toda a vez que o tema segurança surgia, Dziedrick citava o nome do vice como um trunfo em relação aos adversários: “Temos um vice experiente, qualificado na área da segurança, que é o coronel Bonetti”.

4. Diga-me com quem andas
Em resposta ao candidato Raul Pont (PT), que havia citado o parcelamento de salários no governo Sartori, a candidata Luciana Genro (PSOL) aproveitou para disparar críticas ao partido do oponente e do qual já foi integrante. Luciana disse que o PMDB do Sartori era também o PMDB de (Michel) Temer, e que trata-se do mesmo PMDB que “o PT ajudou a alimentar no governo federal”.

5. Fora todos
O afastamento de Dilma Rousseff, que segue em discussão no Senado, e o governo interino de Michel Temer foram lembrados pelos candidatos Raul Pont (PT), Júlio Flores (PSTU) e Luciana Genro (PSOL). Júlio Flores (PSTU) defendeu uma ideia mais radical: “Estamos numa campanha para tirar todos eles: “Fora Temer. Fora Dilma. Fora Renan”, disse.

6. A Lomba do Pinheiro
Nenhuma região da cidade foi mais citada do que a Lomba do Pinheiro. É o bairro de onde veio o candidato João Carlos Rodrigues (PMN). Rodrigues disse que a localidade estava completamente carente de cuidados, porque a atual gestão prioriza regiões mais centrais. Ele afirmou que seu filho foi assaltado recentemente na região.

7. Guia dos Curiosos
Ao serem informados sobre a existência de uma pergunta surpresa, os candidatos espicharam o olhar para espiar o papel em mãos do mediador Daniel Scola. Tratava-se de um convite para elencar três prioridades, caso fossem eleitos prefeitos. Em ato de reflexo, o candidato Sebastião Melo chegou a esticar o braço para alcançar o papel, mas foi lembrado pelo jornalista que a pergunta seria anunciada em seguida.

8. Cof, cof
Era do candidato Maurício Dziedrik a tosse presente em todos os blocos do debate. Ao perceber a situação, o mediador Daniel Scola brincou com a situação e desejou “saúde” ao candidato.

9. Velho é tu
Candidato pelo PSL, Fábio Ostermann apresentou-se como o único candidato que defendia abertamente as privatizações. E lançou a pergunta ao candidato do PSTU, Júlio Flores. Socialista, Júlio rebateu dizendo que defendia exatamente o contrário: “Queremos estatizar tudo. Estatizar todo o transporte, desprivatizar a saúde e a educação”. Ostermann classificou a fala como “velhas ideias estatizantes”. Flores disse que velho mesmo era o “capitalismo”.

10. O pai do buraco
A questão da mobilidade urbana, incluindo transporte coletivo e a manutenção das vias da Capital, foi abordada por todos os candidatos. Raul Pont disse que a Carris foi “quebrada” e defendeu que houvesse regulação por parte do Poder Público. Atual vice-prefeito, Melo disse que a gestão dele e do prefeito José Fortunati foi a primeira na história a promover a licitação do transporte público. Ex-secretário de Obras, Dziedrick defendeu que órgão atuem de forma conjunta para melhorar a pavimentação das ruas: “SMOV, DMLU, DEP e SMAM não podem mais brigar pela paternidade do buraco”.

Comentários (1)

  • Chicão diz: 17 de agosto de 2016

    Não acredito que Porto Alegre tenha tido na sua história um grupo de candidatos a prefeito tão medíocre quanto este, de 2016!

    Pont, Genro, Melo, Flores(murchas), ilustres desconhecidos … fico pasma em ver que o povo não reage a esses nomes, que são os responsáveis pela nossa situação caótica, que representam a política abjeta e deletéria que nos explora há anos!

    Nada de novo no front?!

    Os mesmos debates inócuos, as mesmas provocações idiotas, as mesmas críticas ridículas, os mesmos partidos corruptos e desonestos lutando para se manter no poder!

    Se votarmos no Flores(murchas) ou Genro(a filha, Luciana), eles vão querer que andemos de carroça, que nos abastecemos de água de poços artesianos, que iremos morar em barracas, que seremos todos funcionários públicos e recebendo salário mínimo PARCELADO, expulsarão do RS as multinacionais, criarão uma infindável quantidade de estatais para dar emprego aos apaniguados, e seremos uma Venezuela brasileira, pois até a fábrica de papel higiênico Astória, gaúcha, deixará o RS, e teremos de nos socorrer nos matos ou nos arroios para o “serviço” de higiene nos baixios borrados e fedidos!

    Melo é PMDB, amante do PT, que nos deixou nesta situação catastrófica, diante de uma relação que tiveram de tórrido romance, que resultou nesta recessão econômica porque o casal só queria fazer sexo, abandonando o trabalho e suas obrigações com o país e povo!

    E foram tão intensas, que Temer tem sido uma temeridade, pois ainda se ressente do amor intenso que o prendia a um amor violento e infiel, que impedirá Melo de governar adequadamente o município de Porto Alegre, pois os cacos desse romance estão sendo catados pelos cantos do Planalto, em consequência, Melo será um Sartori, um água morna, sem criatividade, sem ousar, sem encontrar uma saída honrosa para a crise que abala a sociedade gaúcha!

    Pont … Pont … Pont é a ponte que nos levará de novo a uma administração corrupta, desonesta, de alianças espúrias, acordos imorais, aparelhamento do Estado, de abrir mais estatais e dar emprego a petistas apátridas, e que nada se importam com o estado e país!

    O petista simboliza a velhice e velhacaria de uma política ignóbil, exploradora, retrógrada, de falsa divulgação de projetos sociais, pois condena o povo à miséria para deixá-lo dependente do Estado e, desta forma, alegar que se preocupa com a população pois a socorre com a esmola que denomina de Bolsa Família, no lugar de criar frentes de trabalho e escolas para os mais de 13% que temos de analfabetos absolutos e mais de 40% de analfabetos funcionais!

    Pont será a continuidade da insegurança, que mata mais de sessenta mil brasileiros a cada ano, mais que a guerra na Síria; a mesma saúde pública deficiente para atender a demanda, deixando que pessoas morram nas calçadas ou nas portas de hospitais por falta de atendimento, pois não existem sequer remédios e bandagens para atender os doentes! E não se importará com a educação, principalmente os Ensinos Fundamental e Médio, pois a gurizada não vota, então a sua atenção aos universitários, que ingressam nas Faculdades, mas não as concluem por falta de condições econômicas, que sequer podem comprar um livro durante o curso!

    Pont será o elo que nos lembrará diariamente os roubos que o seu partido, o PT, ocasionou à Petrobrás, ao erário público, aos fundos de pensão, e nos empréstimos consignados, saqueando de cada necessitado uma quantia que era dividida entre o “administrador”, que ficava com 30%, e com os petistas, que recebiam 70% deste roubo através do ladrão Paulo Bernardo, ex-ministro de Dilma e marido da senadora Gleici Hoffmann, também e naturalmente PETISTA!

    Pont nos lembrará as usinas da Petrobrás, que Lula deu de presente ao boliviano Morales; irá nos recordar da compra da usina de Pasadena(EUA), adquirida por Dilma, e que gerou um prejuízo de mais de UM BILHÃO DE DÓLARES!

    Pont não nos deixará esquecer do BNDES, cujo presidente administrou este banco de fomentos como se fosse do PT, doando dinheiro para países e governos que se identificavam ideologicamente com o partido de PonT, assim como deu de presente a construção do porto de Mariel para Cuba, uma possessão de Fidel Castro, amo e senhor de todos os petistas vivos, líder inconteste de Dilma, Lula, Pont, Genro, Olívio, Zé Dirceu, que seguidamente iam para a ilha caribenha beijar a mão do títere e ditador, e também cheirar os peidos do sanguinário El Comandante!

    Pont será a ligação de um passado recente que faliu ética e moralmente com o Brasil!

    Se quiserem votar neste candidato, que representa o esfacelamento do país, a separação do povo, uma ideologia genocida, atrasada, arcaica, retrógrada, um sistema “bolivariano”, que enriquece dirigentes partidários e meia dúzia de espertalhões, mas deixa o povo cada vez mais pobre e necessitado – os desempregados e inadimplentes que o digam! -, fiquem à vontade, mas não esqueçam de chorar na cama, que é lugar quente, enquanto que os petistas irão inflar o serviço público de tal maneira que a Prefeitura ficará em situação pior que o RS, onde o que arrecada é para pagar servidores públicos, e desnecessários, apenas porque um dia foram do PT, então a “boquinha” tão almejada e desejada!

    Maurício, Rodrigues e Ostermann são os desconhecidos, pois desconhecem a realidade atual do RS, são imaturos, porém com os mesmos defeitos dos mais velhos, e acham que têm soluções para nossos impasses, haja vista que adotaram a mesma política que impede o desenvolvimento municipal, estadual e federal, ou seja, aguardarão que Brasília resolva os nossos problemas porque não saberão como agir diante do caos que estamos padecendo, pois nada apresentaram de novo, de interessante, a começar pelo debate, onde comprovaram que são mesmos inadequados à função e incapazes de assumir uma prefeitura como a da capital dos gaúchos!

    Aconselho o voto nulo ou esperar que surja um nome que una os eleitores, em face de que este grupo é sofrível, temerário, retrógrado, imaturo, a mesmice que nos tem levado célere à beira do abismo!

    Agora, se quiserem votar mesmo, por favor, menos em Genro (que será mais um filho que o pai da esposa terá de sustentar) e Flores(murchas, secas, pois jamais deu água às plantas, esperando que elas fossem estatizadas)!

    Se ainda acham que somos o povo mais politizado do Brasil é porque não viram esta “nominata” de candidatos à prefeitura de Porto Alegre, como de resto de todo o RS, uma lástima, que apenas ilustra o quadro dantesco da política nacional, corrupto, deletério, abjeto, desonesto, imoral e antiético!

Envie seu Comentário