Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Lula"

Dilma Rousseff está na lista das 10 mulheres do ano de publicação britânica

08 de dezembro de 2016 4
Agência Brasil

Agência Brasil

O jornal britânico Financial Times escolheu a ex-presidente Dilma Rousseff como uma das mulheres do ano. O nome dela aparece ao lado da primeira-ministra britânica, Theresa May; da ginasta olímpica americana Simone Biles; da cantora Beyouncé; da candidata derrotada à presidência dos Estados Unidos, Hillay Clinton; entre outras.

À publicação, Dilma afirmou que não vai mais concorrer a nenhum cargo público, mas que continuará “politicamente ativa”. Em um trecho de uma longa entrevista assinada pelo jornalista Joa Leahy, ela afirma que o governo à frente do Brasil é formado por “velhos brancos ricos ou, pelo menos, daqueles que querem ser ricos”.

O texto define a ex-presidente como mais para uma “tecnocrata nerd” do que para uma política nata. Sobre o impeachment, há a citação das pedaladas fiscais, mas também o destaque de que “A verdadeira razão pela qual ela perdeu o poder foi a queda da popularidade em meio a uma recessão crescente e a uma investigação de corrupção na estatal Petrobras”.

Leia mais sobre a entrevista AQUI

Tarso admite possibilidade de sair do PT se partido não fizer ‘revolução interna’

04 de novembro de 2016 24
Carlos Macedo / Agencia RBS

Carlos Macedo / Agencia RBS

O ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro defendeu nesta sexta-feira (4) mudanças profundas no comando do Partido dos Trabalhadores. Em entrevista ao programa Timeline, Tarso argumentou a importância de uma troca “nos principais cargos de direção do partido”, a fim de que ocorra uma espécie “revolução interna”. Tarso defendeu o nome de Fernando Haddad, atual prefeito de São Paulo, para comandar esse movimento.

“Acho que esta direção se esgotou. Acho que o partido, pra se revigorar, tem que fazer uma revolução interna, trocar os principais cargos de direção do partido. Eu votaria no Haddad de olhos fechados”, disse.

Questionado sobre a possibilidade de deixar o Partido dos Trabalhadores, Tarso Genro disse que pretende permanecer, num cenário em que o partido promova mudanças internas. Se isso não acontecer, Tarso fala sobre reavaliação e diz que poderá trabalhar “outra alternativa”.

“Eu estou trabalhando pra que isso ocorra (mudanças para permanecer no PT). Se isso não ocorrer, acho que muita gente, não somente eu, vai reavaliar qual o tipo de movimentação política que vamos fazer; mantendo o PT ou trabalhando em outra alternativa”, disse.

Tarso também defendeu que o ex-presidente Lula não seja candidato à presidência novamente em 2018.

“Temos que abrir espaço para novos quadros políticos. Não só do PT, mas também do campo político que representamos”.

Eduardo Cunha

Tarso Genro também afirmou que, na sua interpretação, a prisão de Eduardo Cunha foi “equivocada” do ponto de vista jurídico. Porém, disse que se sentiu satisfeito porque Cunha teve papel preponderante “no lastro da corrupção brasileira”. Na avaliação de Tarso, que foi ministro da Justiça no governo Lula, Cunha deveria ter sido submetido às regras constitucionais e processuais que orientam esse tipo de prisão e, nesse sentido, não havia necessidade de prendê-lo.

“Eu acho que foi equivocada do ponto de vista jurídico. Eu acho que a prisão não seria necessária. Ela não foi uma prisão para garantir a execução do processo. Ele estava aí, a família dele estava aí, ele estava à disposição da Justiça. Então, não precisava prendê-lo”, disse o ex-ministro em entrevista ao programa Timeline.

O ex-governador, no entanto, ponderou que Cunha deveria ter sido preso quando estava à frente da Presidência da Câmara, isso porque naquele momento “estava utilizando seu cargo para interferir no processo político do país”, disse.

Confira fotos de infância de 10 políticos brasileiros

12 de outubro de 2016 1

Sempre que chega o mês de outubro, muitas pessoas trocam as fotos de perfis nas redes sociais para registros de quando eram crianças. Em 2016, os políticos não aderiram à ideia como em outros anos. A crise financeira e política brasileira pode ser a explicação para essa austeridade.

No entanto, o Blog Cenário Político trouxe as fotos de criança de algumas personalidades para que se possa fazer o “antes” e o “depois”.

1. Michel Temer

Foto 1: Reprodução - Foto 2: Marcos Corrêa / Presidência da República

Foto 1: Reprodução – Foto 2: Marcos Corrêa / Presidência da República

 

2. Dilma Rousseff

Foto 1: Reprodução / Foto 2: Agência Brasil

Foto 1: Reprodução – Foto 2: Agência Brasil

 

3. José Serra

Foto 1: Reprodução / Foto 2: Andréa Graiz / Agência RBS

Foto 1: Reprodução – Foto 2: Andréa Graiz / Agência RBS

 

4. Luis Inácio Lula da Silva

Foto 1: Instituto Lula - Foto 2: Instituto Lula

Foto 1: Instituto Lula – Foto 2: Instituto Lula

 

5. Aécio Neves

Foto 1: Blog do Aécio - Foto 2: José Cruz / Agência Brasil

Foto 1: Blog do Aécio – Foto 2: José Cruz / Agência Brasil

 

6. Fernando Henrique Cardoso

Foto 1: Fundação FHC - Foto 2: Fundação FHC

Foto 1: Fundação FHC – Foto 2: Fundação FHC

 

7. José Ivo Sartori

Foto 1: Reprodução - Foto 2: Agência RBS

Foto 1: Reprodução – Foto 2: Agência RBS

 

8. Tarso Genro

Foto 1: Reprodução - Foto 2: Julio Cordeiro / Agência RBS

Foto 1: Reprodução – Foto 2: Julio Cordeiro / Agência RBS

 

9. Nelson Marchezan Junior*

Foto 1: Arquivo Pessoal - Foto 2: Nathalia Pithan / Rádio Gaúcha

Foto 1: Arquivo Pessoal – Foto 2: Nathalia Pithan / Rádio Gaúcha

 

10. Sebastião Melo*

Foto 1 (2º da esquerda para a direita): Arquivo Pessoal - Foto 2: Nathalia Pithan / Rádio Gaúcha

Foto 1 (2º da esquerda para a direita): Arquivo Pessoal – Foto 2: Nathalia Pithan / Rádio Gaúcha

 

* Fotos de Nelson Marchezan Junior e Sebastião Melo solicitadas aos candidatos por Zero Hora.

"Não foi golpe contra Dilma, nem contra Cunha", diz Marina Silva

14 de setembro de 2016 12

17650099 marina

Em entrevista ao Timeline Gaúcha desta quarta-feira (14), a Ministra do Meio Ambiente no Governo Lula e ex-senadora Marina Silva afirmou que a cassação de Cunha e o impeachment de Dilma não foram um golpe: “os dois se dizem injustiçados, mas Dilma cometeu crime porque usou mais de R$ 50 bilhões sem autorização do Congresso. Ele cometeu crimes e foi cassado por isso. Ela cometeu crime de responsabilidade e foi cassada por isso. Não foi golpe contra Dilma, nem contra Cunha”.

Marina exaltou a cassação de Eduardo Cunha, o que disse ser um bom exemplo para os demais políticos: “é boa sinalização para sociedade que o crime, seja ele praticado por empresários ou políticos não deve compensar. Aqueles que praticam esses crimes devem ser punidos”.

Sobre as eleições de 2018, disse ainda ser cedo para lançar candidatura e negou que ela ou a Rede tenham procurado Joaquim Barbosa para ser vice na chapa: “ele é altamente respeitado pela Rede, pela sociedade, pela pessoa que é, principalmente pelo serviço no Mensalão. Tenho profundo respeito, ele dignifica as instituições públicas brasileiras, mas a Rede não fez esse movimento (de convidá-lo).

Sobre as investigações acerca do ex-presidente Lula, foi taxativa: “a lei é para todos. Se confirmado que cometeu algo, não importa se é Lula, Dilma, Temer…”

Lula e mais seis são denunciados pelo Ministério Público Federal

21 de julho de 2016 1
Foto: Diego Vara / Agencia RBS

Foto: Diego Vara / Agencia RBS

*Por Silvana Pires

O Ministério Público Federal do Distrito Federal apresentou denúncia contra o ex-presidente Lula, o ex-senador Delcídio do Amaral e outras cinco pessoas por obstrução da justiça. Eles são acusados de atrapalhar as investigações da Lava Jato. Eles teriam tentado comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, para que ele não fizesse delação premiada.

No final do ano passado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já havia feito essa denúncia, mas como Delcídio do Amaral perdeu o foro privilegiado, após ser cassado, o caso foi enviado para à Justiça Federal de Brasília. O procurador da República, Ivan Cláudio Marx, confirmou integralmente a primeira denúncia da PGR e ainda acrescentou novos elementos, ampliando a descrição dos fatos e das provas dos acusados.

Também foram denunciados o banqueiro André Santos Esteves, o assessor de Delcídio, Diogo Ferreira Rodriguez, o advogado Edson Siqueira Ribeiro Filho, o pecuarista e amigo de Lula, José Carlos Costa Bumlai, e o filho dele, Maurício Barros Bumlai.

O caso está sob segredo de justiça, mas o MPF já requereu o levantamento do sigilo.

"Tirar Dilma é o maior ato de ilegalidade desde o golpe militar", diz ex-presidente Lula

25 de abril de 2016 10
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula /Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula /Divulgação

O ex-presidente Lula voltou a disparar críticas ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, nesta segunda-feira (25). Em palestra durante o seminário “Democracia e Justiça Social”, em São Paulo, o ex-presidente disse que Dilma não cometeu crime de responsabilidade e comparou o processo ao golpe militar de 1964.

Confira os votos de cada um dos deputados da bancada gaúcha na Câmara

“A paciência dos brasileiros passou dos limites”, diz Sartori sobre impeachment

“Tirar Dilma é o maior ato de ilegalidade desde 1964, no golpe militar. Naquele tempo, era um gesto de força dos militares. Hoje, é um gesto de livre e espontânea vontade da direita. Querem eleger um presidente pela via indireta. Nós do PT vamos resistir, lutar. Com a democracia não se brinca”, afirmou.

Em sua fala, Lula também atacou diretamente o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O ex-presidente reforçou a tese já defendida pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, de que o processo de impeachment foi aberto por vingança do peemedebista.

“Quando os deputados do PT se recusaram a acobertá-lo no Conselho de Ética, o presidente da Câmara abriu o procedimento de impeachment. Esta operação foi comandada pelo presidente da Câmara, réu em dois processos por corrupção, investigado em quatro inquéritos”, disse.

O ex-presidenta teceu críticas também aos parlamentares que participaram da sessão que aprovou o impeachment da presidente no plenário da Câmara dos Deputados, no último dia 17. Na avaliação de Lula, foi um “deprimente espetáculo”.

“Corruptos clamando contra a corrupção. Oportunistas exercitando o cinismo e a hipocrisia, e alguns defendendo tortura e ditadura. O mundo assistiu ao deprimente espetáculo na sessão da Câmara dos Deputados que votou a abertura do impeachment”, completou.

 

 

"Lula se autorizou a brincar de Deus", diz Ciro Gomes

22 de março de 2016 14

Ex-ministro concedeu entrevista ao Timeline (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Por Tiago Boff

O ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes fez duras críticas ao ex-presidente Lula, à presidente Dilma Rousseff e aos líderes da oposição. Em entrevista ao Timeline Gaúcha desta terça-feira (22), o pedetista afirmou que a crise política e econômica são responsabilidade direta do ex-presidente: “Lula é o grande responsável. De tempo prá cá, ele se autorizou a brincar de Deus e está confundindo a república”.

Ciro Gomes disse ainda que a nomeação para a Casa Civil faz parte de ‘uma série de bobagens do governo. A mais estúpida delas’: “PMDB tem seis ministérios. Governo Dilma está se aproximando de ser indefensável”.

Ele classificou como um erro a atitude de Sérgio Moro, de conduzir o ex-presidente para condução coercitiva: “O juiz Sérgio Moro jamais deveria ter autorizado a uma condução coercitiva alguém que não se recusou a prestar depoimento”.

Apesar das críticas, o político disse ser contra o impeachment, afirmando que as pedaladas fiscais, uma das bases para o parecer que pede a retirada de Dilma, são prática comum de todos os governos: “A Dilma é uma pessoa honrada. Pedalada fiscal não é crime. O que ela está pilotando é um governo ruim. Não podemos interromper a democracia”.

Sobrou também para o vice-presidente da república: “Michel Temer é chefe do lado bandido do PMDB. Tudo que não presta ele está envolvido”. E a crítica não é só à Temer: “Os políticos estão praticando um golpe. Está tudo acertado por eles, PMDB e PSDB, que são o centro disso”.

Na metralhadora giratória de Ciro Gomes, outro disparo, dessa vez com bom humor: “Renúncia é ato unilateral de vontade. Você ver o Michel Temer e o Eduardo Cunha, chamados para moralizar o País, renunciarem? É mais fácil um boi voar de costas”.

Ganha força em Brasília possibilidade de entregar ministério a Lula

09 de março de 2016 2
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula /Divulgação

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula /Divulgação

*Por Renata Colombo

Ganhou força em Brasília a conversa de que a presidente Dilma Rousseff quer entregar um ministério ao ex-presidente Lula. O problema é que ela não faria isso porque o considera o nome certo para integrar o governo, mas sim para livrar o petista da mira do juiz da Lava Jato, Sérgio Moro.

Ao se tornar ministro, Lula passaria a ter foro privilegiado, portanto investigações contra ele seriam comandadas pela Procuradoria-Geral da República e julgamentos ficariam a cargo do Supremo Tribunal Federal. Na avaliação do Planalto, trocar o ex-presidente de instância aumenta as chances dele de fugir de uma eventual denúncia ou até condenação, uma vez que Lula tornou-se um dos grandes alvos da Polícia Federal na operação.

A maior crítica que se ouve por parte da oposição, contudo, é em relação à manobra. O que pensar de um governo que dá um ministério exclusivamente para proteger um aliado? Que moral teria o governo Dilma para acusar o presidente da Câmara de fazer manobras se ele mesmo estaria fazendo o mesmo? O que teria feito o ex-presidente Lula para merecer tamanha proteção? São questionamentos frequentes deste que o assunto veio à tona.

"Não tem neste país uma viva alma mais honesta do que eu", diz ex-presidente Lula

20 de janeiro de 2016 80
Foto: Jonas Ramos/Agencia RBS

Foto: Jonas Ramos/Agencia RBS

*Por Tiago Boff

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva concede entrevista a blogueiros nesta quarta-feira (20) no Instituto Lula, em São Paulo. Em sua fala, Lula se defendeu das acusações de envolvimento em corrupção e da possível ligação com o lobista Mauro Marcondes:

“Uma coisa que me orgulho é que não tem nesse País uma viva alma mais honesta do que eu”, declarou.

Lula também falou que contratou advogados para processar jornalistas que falam dele e de sua família.

“Vou processar todo mundo para ver se consigo colocar ordem na casa. O que fazem com meu filho é uma violência. Dizem que é dono da Friboi, dono da Casa Branca… é muita desfaçatez”.

O ex-presidente disse ainda ter feito um dos maiores trabalhos sociais do mundo e que hoje é procurado para palestras pelo exemplo, se intitulando como “o conferencista mais bem pago do mundo ao lado de Clinton”.

Sobre o atual momento do País, Lula citou Tiradentes ao defender Dilma: “heróis levam anos para serem reconhecidos. No Brasil, nesse momento, nem habeas corpus se consegue. Está pior que na Ditadura”.

E defendeu a inocência de Dilma frente ao processo de impeachment: “Dilma sabe que tem três anos de mandato. E tem que decidir como quer deixar o País quando entregar esse mandato. Podem discordar, mas poucas vezes o País teve alguém com a dignidade dela”.

Paulo Pimenta diz que não vai pedir desculpas por postagem polêmica

05 de janeiro de 2016 175

O Deputado Federal Paulo Pimenta (PT) disse que não vai pedir desculpas após o polêmico tweet em que relaciona o congestionamento no retorno do feriadão e a crise econômica brasileira. Em entrevista ao programa Timeline Gaúcha desta terça-feira (5), Pimenta disse que tem liberdade para brincar nas redes sociais: “por eu ser deputado não posso brincar em meu Twitter pessoal? Foi uma brincadeira. As pessoas demonstram incapacidade de compreender uma brincadeira”.

pimenta post polemico

Ele disse ainda que não esperava tamanha repercussão: “foi desproporcional, era só uma brincadeira de início de ano”. O tweet do deputado teve quase 300 compartilhamentos. Postagens no Facebook citando o parlamentar ultrapassaram meio milhão de interações.

Na entrevista, Paulo Pimenta citou outra polêmica em que se envolveu no microblog: “eu disse que se o Eduardo Cunha fosse um time do Brasileirão, ele seria o Fluminense. Com tantos recursos, nunca seria rebaixado. E me incomodei muito com isso também”.

Ao analisar o cenário político, ele defendeu Lula, disse que coloca a mão no fogo pelo ex-presidente, que “tem um bom coração” e que “não se lambuzou no poder”, ao relembrar a frase do atual Ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner.