Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "PP"

Após cateterismo, deputado estadual Adolfo Brito recebe alta hospitalar

07 de abril de 2017 0
Foto: Marcelo Bertani / Assembleia Legislativa

Foto: Marcelo Bertani / Assembleia Legislativa

O deputado estadual Adolfo Brito (PP-RS) recebeu alta na manhã desta sesta-feira (7) do Instituto de Cardiologia de Brasília. Ela estava internado desde ontem, quando foi submetido a um cateterismo. Adolfo Brito passou mal na manhã de quinta-feira na Câmara dos Deputados, quando foi socorrido e encaminhado ao hospital.

Ao blog, o deputado contou que “está tudo bem agora, foi um susto grande. Mas eu fiz o cateterismo e não apareceu nada mais grave. Eu já tenho um problema antigo nas válvulas do coração, mas está tudo bem”.

A esposa Astrid e a filha Luciana estão em Brasília acompanhando o deputado que deve retornar ao Rio Grande do Sul neste sábado.

Assembleia Legislativa paga salário-extra de R$ 22 milhões a ex-servidores nesta terça

31 de janeiro de 2017 0
Foto: Luiz Avila /Divulgação

Foto: Luiz Avila /Divulgação

O último ato da deputada Silvana Covatti (PP) na presidência da Assembleia Legislativa foi a autorização para o pagamento de R$ 22 milhões a ex-servidores da Casa. O montante é destinado a cerca de 970 pessoas que atuavam no Parlamento em 1994, quando o Plano Real foi instituído. A dívida é referente à diferença no cálculo da Unidade Real de Valor (URV), instituída na transição de moedas.

O martelo foi batido nesta segunda-feira (30). A equipe técnica de Silvana Covatti defendia o pagamento, já que a dívida com essa despesa batia na casa dos R$ 120 milhões e é reajustada mensalmente. Já a equipe política via a medida com reservas, já que a quitação em um momento em que servidores públicos do Executivo recebem os salários parcelados poderia gerar desconforto.

2º pagamento

Silvana já havia realizado um pagamento referente à diferença no cálculo da URV em março de 2016. Na ocasião, foram destinados R$ 6,5 milhões, empenhados ainda na gestão de Edson Brum (PMDB) à frente do Parlamento.

URV

As diferenças de URV começaram a ser pagas em 2012. A dívida cresceu em razão do reajuste de juros e correção monetária desde 1994. A variação foi entre 0,6% e 1% ao mês, mesmo cálculo utilizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Tribunal de Justiça (TJRS), que também pagaram as diferenças salariais a seus servidores.

"Não serei o Eduardo Cunha", diz novo presidente da Assembleia gaúcha, Edegar Pretto

30 de janeiro de 2017 0
Foto: Marcelo Bertani / Assembleia Legislativa / Divulgação

Foto: Marcelo Bertani / Assembleia Legislativa / Divulgação

*Por Andressa Xavier

O deputado Edegar Pretto (PT) afirmou nesta segunda-feira (30) no Gaúcha Atualidade que será um presidente que vai dialogar com os movimentos sociais e com os chefes dos demais poderes. Ele assume a presidência da Assembleia Legislativa nesta terça (31), no lugar da deputada Silvana Covatti (PP).

“Acho que todos nós estamos precisando escutar mais a população”, disse.

MST e entidades organizam ato paralelo de posse à presidência da Assembleia para Edegar Pretto

Ele ainda não conversou com o governador José Ivo Sartori, mas garantiu que o encontro será logo após a posse. Deputado de oposição, Pretto garantiu que não decidirá nada sozinho e que o parlamento seguirá tomando decisões em conjunto com o colegiado de líderes de todos os partidos.

“A possibilidade do impeachment, se chegar ao parlamento, será olhada com olhar técnico e jurídico. Não vamos cometer irregularidade política. Eu não serei o Eduardo Cunha da presidente Dilma, até porque ele está preso”, comparou.

A antecessora de Pretto precisou deliberar sobre pedido de impeachment de Sartori na Casa. O novo presidente disse que as pessoas devem esperar dele diálogo e cumprimento do regimento da Assembleia.

“Estou no papel de oposição, mas assumindo a presidência tenho por obrigação levar em conta a pluralidade”, concluiu.

Bancada do PP na Câmara articula votação pró-impeachment

12 de abril de 2016 0
Deputado Jerônimo Goergen é favorável ao impeachment. Foto: Zeca Ribeiro/Agência Câmara

Deputado Jerônimo Goergen é favorável ao impeachment da presidente. Foto: Zeca Ribeiro/Agência Câmara

*Por Kelly Matos e Matheus Schuch

O líder do Partido Progressista (PP) na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro, convocou para a tarde desta terça-feira (12) uma reunião da bancada. O encontro, em uma das comissões da Câmara, servirá para discutir o desembarque do governo da presidente Dilma Rousseff. Ao todo, o PP tem 47 deputados federais no exercício do mandato.

Apesar de haver resistência de um grupo de parlamentares da sigla, a tendência é de que a bancada feche apoio ao impeachment. Na avaliação de deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), há maioria para consolidar posição contra a presidente. “Hoje, temos 33 deputados que defendem essa postura”, afirmou à Rádio Gaúcha.

Com isso, a ala pró-impeachment passaria a contar com mais de 40 votos no plenário, na votação marcada para domingo (17). O partido calcula que alguns deputados, mesmo após fechamento de posição contra Dilma, possam permanecer em apoio à presidente em razão de “circunstâncias regionais”.

Após pressão de oposicionistas, PP cancela reunião que definiria futuro no governo Dilma

06 de abril de 2016 0
Presidente da sigla, Ciro Nogueira, cancelou reunião. Foto: Divulgação

Presidente da sigla, Ciro Nogueira, cancelou reunião. Foto: Divulgação

*Por Matheus Schuch

A mobilização de deputados e senadores contrários à permanência do Partido Progressista (PP) no governo Dilma Rousseff fez o presidente nacional da sigla, senador Ciro Nogueira, cancelar a reunião das bancadas marcada para esta quarta-feira (06). O encontro foi convocado às pressas, e serviria para definir o futuro do partido na base. Os oposicionistas defendem um encontro de todo o diretório nacional, e não apenas dos parlamentares.

Um dos líderes do grupo que é a favor do desembarque, o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) sustenta que a reunião de bancadas diminui a importância da decisão. Nos bastidores, a informação é de que havia um indicativo de apoio ao governo no encontro desta quarta.

Mesmo que os colegas de partido venham a decidir pela permanência na gestão Dilma, o PP do Rio Grande do Sul diz que irá permanecer contrário.

Reunião do Partido Progressista nesta quarta decide sobre permanência no governo Dilma

05 de abril de 2016 1
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

*Por Kelly Matos e Matheus Schuch

A direção nacional do Partido Progressista (PP) marcou para esta quarta-feira (06), em Brasília, uma reunião das bancadas do partido na Câmara dos Deputados e no Senado para decidir sobre a permanência ou não no governo Dilma Rousseff (PT). O anúncio foi feito pelo presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, após reunião nesta terça com integrantes da legenda do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e Goiás.

Nogueira determinou ainda que, até que seja definida posição, nenhuma nomeação ou exoneração deverá ser realizada em nome do PP. O futuro da sigla no governo deveria ter sido anunciado na semana passada, mas o anúncio foi prorrogado.

“A decisão de amanhã é que vai balizar a atitude do diretório. Mas eu renovo a posição do PP do Rio Grande do Sul, que é de oposição ao governo. Mesmo que venham a decidir pela permanência na gestão Dilma, o PP do Rio Grande do Sul estará onde sempre esteve, contrário ao governo”, afirmou a senadora Ana Amélia Lemos (PP-RS).

Nos bastidores, a informação é de que o Planalto age para manter o PP no governo. Neste sentido, o governo já teria oferecido aos dirigentes do partido o Ministério da Saúde, um dos principais da Esplanada. A intenção é tentar evitar o desembarque da sigla e ter apoio para evita o impeachment da presidente.

Defesa de José Otávio Germano vai questionar legalidade das provas para tentar anular condenação na Rodin

02 de abril de 2016 1
Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

Foto: Adriana Franciosi / Agencia RBS

A defesa do deputado federal José Otávio Germano (PP-RS) vai ingressar na próxima semana com embargos declaratórios (com efeito infringente) no sentido de tentar reverter a condenação aplicada pela Justiça Federal, em uma das ações de improbidade administrativa originadas na Operação Rodin.

É que na noite desta sexta-feira (31) o juiz Loraci Flores de Lima, da 3ª Vara Federal de Santa Maria, condenou Germano e outros dois réus neste processo: o ex-secretário Luiz Fernando Zachia e o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado João Luiz Vargas.

Ex-presidente do TCE é condenado a 12 anos de prisão na Rodin

O advogado José Antônio Paganella Boschi pretende argumentar que as provas colhidas na investigação já foram consideradas ilícitas pelo STF, e por isso não poderiam ter sido utilizadas para condenação.

Em maio 2013, os ministros do STF (foram seis votos a um) entenderam que as provas levantadas contra o parlamentar, no caso da Operação Rodin, eram ilícitas. Isso porque para investigar o deputado, a Polícia Federal deveria ter pedido autorização à Suprema Corte. Com aquele entendimento, José Otávio ficou livre da denúncia que enfrentava, por formação de quadrilha, peculato e dispensa de licitação sem amparo legal.

Delator tem pena de 25 anos extinta por relatora da Rodin

Na decisão desta sexta-feira (ação de improbidade), conforme o advogado Paganella Boschi, o juiz Loraci Flores de Lima considerou que apenas as interceptações telefônicas foram consideradas ilegais pelo STF, e por isso o condenou com outras provas (como depoimentos colhidos na investigação, por exemplo).

A Operação Rodin investigou, em 2007, desvio de R$ 90 milhões (valor atualizado) do Detran desde 2003. Foi desarticulado esquema de corrupção nos serviços de exames teóricos e práticos para expedição da carteira de motorista. Na fraude, os suspeitos realizavam subcontratações ilegais superfaturadas.

“Não participaria de convenção com Maluf de jeito nenhum”, diz Datena

19 de janeiro de 2016 1

O jornalista José Luis Datena voltou a atacar Paulo Maluf. Em entrevista ao programa Timeline Gaúcha, nesta terça-feira (19), ele repetiu que não cumprimentaria o ex-prefeito e deputado federal. Datena citou a condição de ter que disputar a prévia do partido contra Maluf como um dos motivos para sua desfiliação do PP:

“Eu não participaria de convenção com Maluf de jeito nenhum”.

Em 2015, Datena já havia dito ao Timeline a contrariedade ao então colega de partido. Na entrevista, ele disse que “jamais apertaria a mão de Maluf, nem para presidente de time de botão”.

E provocou Maluf: “A Prefeitura de São Paulo está tão quebrada que nem para roubar se consegue fazer alguma coisa. Maluf é candidato, por isso estou dizendo isso”.

17540115

O apresentador falou também sobre as denúncias do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apontam que o PP desviou R$ 385 milhões da Petrobras: “Tem provas contundentes. Todos têm direito à defesa, e o PP vai se defender. Mas, se tiver batom na cueca, tem que pagar. Se alguém deve no partido tem que pagar com cadeia”.

Datena revelou ter sentido muita pressão desde que anunciou que entraria para a sigla: “Esta foi a primeira noite que dormi bem depois de tomar essa decisão. Eu disse na época que a coisa estava ruim. Mas na verdade está pior que imaginávamos”.

Questionado se existe algum partido sem envolvimento em atos de corrupção, Datena disparou: “a maioria dos partidos tem o seu Maluf. A maioria dos partidos está com o pé na lama”.

Thammy Miranda se filia ao PP e deve sair candidato em 2016

03 de setembro de 2015 7

O ator Thammy Miranda, filho da cantora Gretchen, se filiou nesta quinta-feira (03) ao Partido Progressista, em São Paulo. A filiação foi motivo de comemoração e postagem no Instagram. “Agora o negócio vai ficar sério”, escreveu.

O partido pretende lançá-lo como candidato a vereador em 2016.

Foto: Instagram/Reprodução

Foto: Instagram/Reprodução

Na imagem, Thammy aparece entre os deputados Antonio Olim e Guilherme Mussi, que é também o presidente do PP em São Paulo.

Junto com a imagem, Thammy escreveu a seguinte mensagem: “Agora o negócio vai ficar sério… Não adianta só reclamar e não fazer p* nenhuma. Vim aqui brigar por nós”. Ele também contou que pediu para que seja criada no partido uma ala dedicada à diversidade: “Pedi para ter o Novo PP Diversidade… ELES ME OUVIRAM!”, escreveu.

Após publicar a foto, o ator recebeu críticas de alguns seguidores pelo fato de ter escolhido se filiar no mesmo partido do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que é contra as relações homoafetivas e critica temas relacionados à comunidade LGBT.