Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "PT"

Assembleia Legislativa paga salário-extra de R$ 22 milhões a ex-servidores nesta terça

31 de janeiro de 2017 0
Foto: Luiz Avila /Divulgação

Foto: Luiz Avila /Divulgação

O último ato da deputada Silvana Covatti (PP) na presidência da Assembleia Legislativa foi a autorização para o pagamento de R$ 22 milhões a ex-servidores da Casa. O montante é destinado a cerca de 970 pessoas que atuavam no Parlamento em 1994, quando o Plano Real foi instituído. A dívida é referente à diferença no cálculo da Unidade Real de Valor (URV), instituída na transição de moedas.

O martelo foi batido nesta segunda-feira (30). A equipe técnica de Silvana Covatti defendia o pagamento, já que a dívida com essa despesa batia na casa dos R$ 120 milhões e é reajustada mensalmente. Já a equipe política via a medida com reservas, já que a quitação em um momento em que servidores públicos do Executivo recebem os salários parcelados poderia gerar desconforto.

2º pagamento

Silvana já havia realizado um pagamento referente à diferença no cálculo da URV em março de 2016. Na ocasião, foram destinados R$ 6,5 milhões, empenhados ainda na gestão de Edson Brum (PMDB) à frente do Parlamento.

URV

As diferenças de URV começaram a ser pagas em 2012. A dívida cresceu em razão do reajuste de juros e correção monetária desde 1994. A variação foi entre 0,6% e 1% ao mês, mesmo cálculo utilizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Tribunal de Justiça (TJRS), que também pagaram as diferenças salariais a seus servidores.

Bancada petista gaúcha não apoiará reeleição de Rodrigo Maia à presidência da Câmara

30 de janeiro de 2017 0
Foto: Eliane Silveira / Divulgação

Foto: Eliane Silveira / Divulgação

Após integrantes do diretório nacional do PT mencionarem apoio à reeleição de Rodrigo Maia (DEM) à presidência da Câmara Federal, os deputados gaúchos da sigla se apressaram em se posicionar contrariamente à situação. Em entrevista coletiva na Capital gaúcha, nessa segunda-feira (30), uma alternativa foi apresentada, que passa pela formação de um bloco de esquerda em torno de um nome de consenso.

“Petista não vota em golpista. Temos que construir candidatura com programa e com nome”, relata Elvino Bohn Gass.

Uma das possibilidade seria apoiar a candidatura de André Figueiredo (PDT-CE). No entanto, será preciso fechar com PDT, PCdoB, Rede e PSOL.

Quanto ao apoio de setores petistas à candidatura de Maia para garantir presença na Mesa Diretora da Câmara, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, também afirmou ser contra e defendeu a formação do bloco de esquerda. Isso se deu após pressão de diretórios estaduais e da base do partido, que lembram que o atual presidente votou pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT), além de integrar a base de apoio de Michel Temer (PMDB).

"Não serei o Eduardo Cunha", diz novo presidente da Assembleia gaúcha, Edegar Pretto

30 de janeiro de 2017 0
Foto: Marcelo Bertani / Assembleia Legislativa / Divulgação

Foto: Marcelo Bertani / Assembleia Legislativa / Divulgação

*Por Andressa Xavier

O deputado Edegar Pretto (PT) afirmou nesta segunda-feira (30) no Gaúcha Atualidade que será um presidente que vai dialogar com os movimentos sociais e com os chefes dos demais poderes. Ele assume a presidência da Assembleia Legislativa nesta terça (31), no lugar da deputada Silvana Covatti (PP).

“Acho que todos nós estamos precisando escutar mais a população”, disse.

MST e entidades organizam ato paralelo de posse à presidência da Assembleia para Edegar Pretto

Ele ainda não conversou com o governador José Ivo Sartori, mas garantiu que o encontro será logo após a posse. Deputado de oposição, Pretto garantiu que não decidirá nada sozinho e que o parlamento seguirá tomando decisões em conjunto com o colegiado de líderes de todos os partidos.

“A possibilidade do impeachment, se chegar ao parlamento, será olhada com olhar técnico e jurídico. Não vamos cometer irregularidade política. Eu não serei o Eduardo Cunha da presidente Dilma, até porque ele está preso”, comparou.

A antecessora de Pretto precisou deliberar sobre pedido de impeachment de Sartori na Casa. O novo presidente disse que as pessoas devem esperar dele diálogo e cumprimento do regimento da Assembleia.

“Estou no papel de oposição, mas assumindo a presidência tenho por obrigação levar em conta a pluralidade”, concluiu.

Tarso admite possibilidade de sair do PT se partido não fizer ‘revolução interna’

04 de novembro de 2016 24
Carlos Macedo / Agencia RBS

Carlos Macedo / Agencia RBS

O ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro defendeu nesta sexta-feira (4) mudanças profundas no comando do Partido dos Trabalhadores. Em entrevista ao programa Timeline, Tarso argumentou a importância de uma troca “nos principais cargos de direção do partido”, a fim de que ocorra uma espécie “revolução interna”. Tarso defendeu o nome de Fernando Haddad, atual prefeito de São Paulo, para comandar esse movimento.

“Acho que esta direção se esgotou. Acho que o partido, pra se revigorar, tem que fazer uma revolução interna, trocar os principais cargos de direção do partido. Eu votaria no Haddad de olhos fechados”, disse.

Questionado sobre a possibilidade de deixar o Partido dos Trabalhadores, Tarso Genro disse que pretende permanecer, num cenário em que o partido promova mudanças internas. Se isso não acontecer, Tarso fala sobre reavaliação e diz que poderá trabalhar “outra alternativa”.

“Eu estou trabalhando pra que isso ocorra (mudanças para permanecer no PT). Se isso não ocorrer, acho que muita gente, não somente eu, vai reavaliar qual o tipo de movimentação política que vamos fazer; mantendo o PT ou trabalhando em outra alternativa”, disse.

Tarso também defendeu que o ex-presidente Lula não seja candidato à presidência novamente em 2018.

“Temos que abrir espaço para novos quadros políticos. Não só do PT, mas também do campo político que representamos”.

Eduardo Cunha

Tarso Genro também afirmou que, na sua interpretação, a prisão de Eduardo Cunha foi “equivocada” do ponto de vista jurídico. Porém, disse que se sentiu satisfeito porque Cunha teve papel preponderante “no lastro da corrupção brasileira”. Na avaliação de Tarso, que foi ministro da Justiça no governo Lula, Cunha deveria ter sido submetido às regras constitucionais e processuais que orientam esse tipo de prisão e, nesse sentido, não havia necessidade de prendê-lo.

“Eu acho que foi equivocada do ponto de vista jurídico. Eu acho que a prisão não seria necessária. Ela não foi uma prisão para garantir a execução do processo. Ele estava aí, a família dele estava aí, ele estava à disposição da Justiça. Então, não precisava prendê-lo”, disse o ex-ministro em entrevista ao programa Timeline.

O ex-governador, no entanto, ponderou que Cunha deveria ter sido preso quando estava à frente da Presidência da Câmara, isso porque naquele momento “estava utilizando seu cargo para interferir no processo político do país”, disse.

Dilma Rousseff gravará depoimento para campanha de Raul Pont na capital

09 de setembro de 2016 5
Foto: Fernando Gomes / Agência RBS

Foto: Fernando Gomes / Agência RBS

De volta a Porto Alegre, a ex-presidente Dilma Rousseff deverá gravar um depoimento para a campanha de rádio e televisão de Raul Pont à prefeitura da Capital. A costura está sendo feita através do ex-ministro Miguel Rossetto.

“Ela está disposta a gravar um depoimento. Provavelmente será na semana que vem”, adiantou o coordenador de Comunicação da campanha petista, Marcelo Danéris.

Questionado pelo Blog Cenário Político sobre a contribuição da ex-presidente na corrida ao Paço Municipal, Danéris citou o volume de recursos remetidos à cidade durante o período em que Dilma Rousseff esteve à frente do Planalto.

“Dilma destinou cerca de R$ 1 bilhão em obras para Porto Alegre. Além disso, ela é hoje um símbolo de resistência democrática”, concluiu.

A ex-presidente voltou a morar em seu apartamento na zona sul da Capital na última semana, após deixar o Palácio da Alvorada na última semana.

Renan Calheiros defende mais espaço para o PSDB no governo

19 de agosto de 2016 0
Foto: Arquivo - Antonio Cruz/Agência Brasil

Foto: Arquivo – Antonio Cruz/Agência Brasil

*Por Matheus Schuch

O presidente do Senado, Renan Calheiros, disse nesta sexta-feira (19) que é favorável à abertura de mais espaço para o PSDB dentro do governo do presidente interino Michel Temer. A declaração foi feita após encontro com a presidente afastada, Dilma Rousseff. Renan disse que o PMDB não foi suficientemente valorizado no governo petista, e não quer aplicar isso na relação com os tucanos.

“Eu acho que é fundamental este espaço, a participação mais direta do PSDB no governo na definição de diretrizes, na especificação de políticas públicas. O PMDB tem muita experiência para não repetir com o PSDB a relação periférica que o partido (PMDB) teve com o PT no governo anterior”, sustentou.

A pressão do PSDB para ter mais força no governo toma conta de grande parte das discussões na cúpula do Palácio do Planalto. Para estreitar laços com o partido, Temer ofereceu um jantar a senadores tucanos na última quarta-feira. O presidente interino também reforçou o compromisso com o ajuste fiscal, umas das exigências do PSDB para manter o apoio ao peemedebista.

"Meu filho falou que tenho 20 anos", diz Suplicy após prisão

26 de julho de 2016 5

Por: Tiago Boff

 

20345815

O ex-senador e hoje candidato à vereador em São Paulo, Eduardo Suplicy (PT), revelou ao programa Timeline Gaúcha desta terça-feira (26) que seu filho, Supla, brincou com a disposição do pai no protesto da manhã passada: “um sentimento do filho solidário ao pai. Chegou a telefonar para mim na hora que eu estava no depoimento com o delegado. Ele conversou com o delegado, que comentou comigo que meu filho disse que parecia que eu tinha 20 anos de idade. E eu estou com 75″, informou, aos risos.

Ao programa Gaúcha Repórter, Supla ironizou que “prenderam o Eduardo errado”, referindo-se à Cunha.

Suplicy defendeu-se das acusações de que buscava visibilidade ao deitar-se em frente à polícia paulista, evitando que a decisão judicial fosse cumprida: “deitei no chão para tentar evitar uma situação eminente, que julguei que poderia ser um conflito sério, com pessoas feridas. Aí falei: não vou sair daqui. Se a polícia quiser me levar, não vou criar resistência. E me carregaram”. A reintegração de posse ocorria em um terreno ocupado por cerca de 350 famílias, na Zona Oeste de São Paulo.

Ele disse ainda que ficou três horas detido e que o delegado compreendeu sua ação: “informaram que, possivelmente, um juiz vai me chamar nos próximos dias para esclarecer”.

A entrevista foi interrompida pelo menos três vezes: “mais de 10 deputados me ligaram. Pessoas de toda a parte que continuam me ligando prestando solidariedade”. Novamente o celular tocou: “me liga em 10 minutos, agora não posso”, disse ao fundo.

RS é o terceiro estado com mais filiados a partidos políticos

02 de maio de 2016 0
Foto: Salmo Duarte / Agência RBS

Foto: Salmo Duarte / Agência RBS

*Por Matheus Schuch

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou, nesta segunda-feira (02), o número de filiados a partidos políticos no país. Em números absolutos, o Rio Grande do Sul é o terceiro estado no ranking, com 1.398.410 adeptos. Em segundo lugar vem Minas Gerais, que soma 1.749.859. A lista é liderada pelo estado de São Paulo, que conta com 3.170.658 pessoas. Roraima é o estado com o menor número, possui 54.777 filiados.

O levantamento inclui os dados informados pelos partidos até 14 de abril. Em todo o Brasil, são 16.487.710 adeptos a alguma legenda. O número pode ser alterado, uma vez que desistências ou novas filiações podem ocorrem a qualquer dia.

Os partidos com o maior número de filiados são PMDB, com 2.394.852 adesões; PT, que acumula 1.567.010 de filiados; e PSDB, que reúne 1.443.859. Dos partidos com registros mais recentes na Justiça Eleitoral, o Partido da Mulher Brasileira (PMB) alcançou 27.030 filiações; a Rede de Sustentabilidade teve 15.609 adesões; e o Partido Novo, 2.394.

Marina Silva diz que Paulo Paim está 90% fechado com a Rede

07 de janeiro de 2016 7

Ex-senadora também criticou a cúpula do PMDB: “Temer, Cunha e Renan são faces da mesma moeda”

A ex-senadora Marina Silva afirmou, na manhã desta quinta-feira (7) que a filiação do senador Paulo Paim (PT-RS) ao partido fundado por ela está muito bem encaminhada. Ao programa Timeline Gaúcha, ela disse que as conversas estão avançadas: “Paulo Paim está 90% fechado com a Rede Sustentabilidade”.

Ela disse ainda que o prefeito Fortunati, que já anunciou sua saída do PDT, não a procurou para integrar a equipe: “Já temos a filição da Regina Becker (deputada estadual, ex-PDT). O Fortunati não fez a discussão conosco”.

17650099

Marina criticou o Partido dos Trabalhadores e enalteceu a Operação Lava Jato: “O PT tem tesoureiro preso. E, ao lado do vice-presidente, temos o Presidente do Senado (Renan Calheiros) e da Câmara (Eduardo Cunha). Ele inclusive tem pedido de afastamento. São faces da mesma moeda”.

Candidata à presidência em 2014, desconversou sobre concorrer nas próximas eleições. Ela falou também sobre o atual momento político do País e disse que a presidente Dilma não falou a verdade durante a campanha: “o povo escolheu Dilma. Mas ela não falou a verdade durante a campanha. Hoje temos inflação acima de 10,5%. Eu tive coragem de falar dos problemas na economia e paguei por isso”.

Marina Silva falou também sobre o processo que tenta tirar Dilma do poder: “impeachment não é golpe. Está previsto na Constituição e já foi feito com Collor”.

Em ato simbólico, vereadores do PT cedem mandato a suplentes negros

18 de novembro de 2015 0
Foto: Ederson Nunes/CMPA

Foto: Ederson Nunes/CMPA

*Por Matheus Schuch

Vereadores do PT em Porto Alegre cederam lugar a suplentes negros nesta semana. O ato é feito em alusão à Semana da Consciência Negra. Três militantes da igualdade racial tomarão posse nesta quarta-feira (18): Eder Carteiro, que substituirá Marcelo Sgarbossa; Pérola Sampaio, que entra na vaga de Sofia Cavedon; e Alberto Terres, no lugar de Alberto Kopittke. Eles se somam a Antonio Matos, que foi oficialmente empossado na cadeira de engenheiro Comassetto na última segunda-feira.

Para que os quatro suplentes pudessem assumir as vagas, foi necessário convencer os militantes não-negros que estavam melhor posicionados na suplência. Segundo a bancada do PT, além do valor simbólico, a ação tem o objetivo de “empoderamento das lideranças negras, que poderão protocolar projetos de leis e exercer plenamente as atividades parlamentares, também busca valorizar a conscientização e combater o racismo e o preconceito que existe na sociedade”.

Os quatro vereadores voltarão a exercer suas atividades na próxima semana.