25 ago18:30

Agricultores fazem protesto

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Agricultores familiares de Santa Catarina e Rio Grande do Sul fizeram iniciaram hoje um protesto pela renegociação das dívidas agrícolas. No final da manhã eles fecharam a BR 153 durante 20 minutos, próximo a ponte sobre o Rio Uruguai, que liga Concórdia ao município gaúcho de Marcelino Ramos. O grupo tinha cerca de 200 pessoas segundo os organizadores.

Depois eles montaram acampamento no lado gaúcho. Um novo bloqueio, que pode durar de uma a duas horas, está previsto para hoje. Os agricultores catarinenses vão se concentrar no Posto Fiscal da Cidasc e, às 10 horas, partem em caminhada de três quilômetros em direção à ponte. Lá vão se encontrar com um grupo de agricultores que vem do Rio Grande do Sul. O novo bloqueio da ponte está previsto para às 10h30min desta sexta-feira.

Participam do ato integrantes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (Fetraf-Sul), e da Via Campesina. De acordo com o coordenador estadual da Fetraf-Sul, Alexandre Bergamin, os movimentos do campo tem uma pauta unificada, que é a renegociação das dívidas agrícolas que perduram há mais de uma década.

A reivindicação é de uma anistia de R$ 12 mil nas dívidas dos produtores. Segundo Bergamin, os agricultores estão utilizando pegando novos financiamentos para pagar os antigos e não conseguem quitar os débitos.

Um exemplo é Delvino Bisol, de 62 anos, que tem uma propriedade de 15 hectares em Três Arroios-RS. Ele diz que ano a ano vem pegando um financiamento para pagar outro. –De uns 20 anos para cá é dívida em cima de dívida- disse. Atualmente ele tem para pagar R$ 9 mil do custeio da lavoura de milho, R$ 2 mil de um crédito de emergência pela estiagem de 2009 e mais duas parcelas de R$ 3 mil de investimento na propriedade. Ele está na luta por uma renegociação e assim equilibrar suas contas.

Hoje, às 11 horas, está prevista um audiência com os Ministérios da Fazenda e do Desenvolvimento Agrário. De acordo com Bergamin, a argumentação é de que os agricultores sofreram com sete estiagens nos últimos 11 anos, preços baixos e isso acabou descapitalizando os camponeses.

Os agricultores querem um auxílio similar aos concedidos para montadores de automóveis e outros setores, que tem isenções de impostos em tempos de crise. Bergamin informou que as dívidas dos pequenos agricultores somam R$ 30 bilhões e os pedidos de isenção seriam de R$ 1 bilhão. São 500 mil contratos com pendências em todo o país, sendo 8 mil em Santa Catarina, o que representa 6,5% do total no estado.

Por

Um Comentário »

  • Jonas disse:

    Esse pessoal vive de protesto em protesto. Em vez desses movimentos sociais incentivarem esses protestos deveriam auxiliar os pequenos agricultores a planejarem as suas atividades. E o restante dos trabalhadores que pagam impostos nunca são perdoados em suas dividas. Mas enfim, protestar é mais fácil do que planejar

Comentários