04 nov15:36

Pente fino nos repasses federais

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O escândalo da liberação de recursos estourou no Esporte, mas foi o Ministério da Justiça que deu o primeiro lance para investigar os convênios entre governo e instituições não governamentais, as chamadas Ongs. Duas entidades do Oeste estão entre as 10 com maior volume de recurso entre as 78 investigadas.


Conclusão de estação de piscicultura pode atrasar ainda mais

A decisão do Planalto em congelar convênios por 30 dias para auditorias deve atrasar ainda mais a conclusão da Estação de Piscicultura que está sendo construída em Águas de Chapecó. O Instituto Goio-Ên, vinculado à Fundação Universitária do Desenvolvimento do Oeste (Fundeste), tem um convênio de R$ 2,3 milhões do Ministério da Pesca. Já foram repassadas quatro parcelas no valor de R$ 1,589 milhões e ainda faltam duas parcelas no valor de R$ 710 mil.

O diretor técnico do Instituto Goio-Ên, Régis Canton, disse que o repasse de recurso e a obra deveriam estar concluídos até o final do ano. Mas, como não houve o repasse, as obras também estão atrasadas e devem atrasar mais um mês por conta da decisão do governo. Canton vai pedir um aumento de prazo de seis meses.

Atualmente a obra está parada, mas já existem quatro prédios com cerca de 1,8 mil metros quadrados que vão abrigar laboratórios, alojamentos, sistema de desova e casa de despesca. Também foram escavados 25 viveiros. O restante do recurso deve ser utilizado na conclusão do cercamento da área de 16,8 hectares doados pela Foz do Chapecó Energia S. A. A Estação vai servir para reprodução de espécies nativas do Rio Uruguai, resgate do banco genético e pesquisa.

A previsão é de produção de um milhão de alevinos por ano. Canton disse que a prestação de contas está 100% em dia pelo sistema Siconv, com o encaminhamento de notas digitalizadas.


Cooperativa já recebeu dinheiro e diz estar tranqüila

A Cooperativa Central de Tecnologia, Desenvolvimento e Informação (Coopertec), recebeu R$ 3 milhões do Ministério do Desenvolvimento Agrário, para realizar assistência técnica nos três estados do Sul. Ela está localizada numa sala do segundo piso do prédio onde funciona a o escritório central da Cooperativa de Crédito Solidário (Cresol). Cerca de 10 pessoas estavam trabalhando no local na quinta-feira, 3.

A Coopertec foi criada em 2006 como um braço de capacitação da Cresol. Inicialmente o analista de Desenvolvimento e Capacitação da cooperativa, Roque de Nadal, ficou receoso de passar a informação, pois os diretores não estavam. Mas, após contato telefônico com um dos diretores, forneceu os dados e mostrou os relatórios que foram encaminhados ao Ministério do Desenvolvimento Agrário e à Caixa Econômica Federal, que repassou a verba.

Nadal disse que todo o recurso foi repassado e a prestação de contas será concluída até o final do ano. Cerca de R$ 2 milhões foram aplicados na contratação de 120 técnicos que prestaram assistência técnica para cerca de 12 mil agricultores da região sul. Cada técnico deu em média oito horas de consultorias, no planejamento da propriedade e projetos de infraestrutura e custeio. O custo da hora era de R$ 21.

Também foi aplicado dinheiro na despesa de combustíveis, seis seminários de capacitação e intercâmbios, onde produtores do litoral puderam conhecer a produção de leite do Oeste e produtores do Oeste foram ver a produção de uva na Serra Gaúcha.

Segundo Nadal, foram 26 viagens de intercâmbio com cerca de 40 produtores cada. Foram realizados 100 dias de campo para repasse de tecnologia. -Não temos medo de ser fiscalizados, é até bom- concluiu Nadal.


Por

Comentários