04 nov17:01

Pet-Saúde previne contra a utilização de drogas em escolas

Promover a conscientização quanto ao uso de medicamentos e drogas lícitas e ilícitas, foi o objetivo de palestra realizada na Escola Municipal São Francisco, no Bairro Seminário, em Chapecó. A organização do evento foi a primeira atividade de intervenção feita pelo grupo da tutora Lucimare Ferraz, do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde). O trabalho de intervenção é voltado para adolescentes e jovens dos bairros Seminário, Universitário e Quedas do Palmital.

A pesquisa iniciou ainda no ano passado e resultou na temática de intervenção, feita por acadêmicos do PET-Saúde da Unochapecó, agentes de saúde e líderes comunitários. Segundo a enfermeira e preceptora do PET-Saúde, Lucivete Agostini, o uso de drogas é um problema que atinge todas as faixas etárias. Nas visitas à comunidade percebeu-se que muitas pessoas relatavam, nos postos de saúde e nas escolas, a necessidade de conscientização quanto ao uso das drogas, problema perceptível para os moradores. – Tenho um tio que usa drogas e pude perceber aqui também que isso é ruim, vou me manter afastada disso – afirmou uma adolescente que estuda na oitava série da escola.

Uma das principais preocupações da comunidade é quanto ao uso de drogas ilícitas em locais públicos. Antes, afirmam os moradores, os usuários somente se sentiam seguros para consumir estas drogas em locais escondidos, geralmente durante a noite, mas hoje isso acontece a qualquer hora do dia. Para diminuir a incidência do uso de drogas, principalmente entre os jovens, foram planejadas palestras de conscientização e prevenção às drogas.

A acadêmica de Nutrição Karine Lazarotto vê na atividade prevencionista uma oportunidade de envolvimento com a comunidade a partir da vivência e intervenção. – Podemos conscientizar sobre o problema e, assim, ajudar a diminuí-lo – afirma. Para a diretora da escola, Mara Rosane Costa Maria, é muito bom abrir o espaço da escola para trabalhar temas como gravidez na adolescência, sexualidade, drogas e bullying.

Alunos da sexta a oitava séries são o público alvo das palestras, com programação também para a Escola São Francisco. Até o final da campanha, segundo Lucivete Agostini, a pretensão é atingir cerca de mil estudantes. As palestras de intervenção são realizadas pelo PET-Saúde, com o apoio da Unochapecó e da Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó.


Por

Comentários