13 nov08:30

Em Busca do 15º Ouro

Darci Debona | darci.debona@dario.com.br

Há 27 anos a delegação de Chapecó tem um nome certo nos Jogos Abertos: Pedro Segalotto. O Pedruca, como é chamado, é referência do esporte na maior cidade do Oeste. Aos 55 anos, ele integra a equipe de bocha ainda jogando em alto rendimento.

–Vamos buscar o 15º título e o tricampeonato consecutivo- afirmou o bochófilo, após uma corrida para manter a forma no Parque Palmital.

Já são 14 medalhas de ouro, sete de prata e uma de bronze nos Jasc. Poucas vezes ele retornou para casa sem medalha. E só não começou a competir em 1983 porque houve enchente no Estado e os Jasc foram cancelados.

Pedruca morava em Nova Prata-RS quando foi contratado para integrar a equipe de Chapecó. Já tem seis títulos brasileiros, um Sul Americano em 1989 e um Mundial de Duplas em 1996. Foi considerado o melhor jogador de bocha do Brasil em 1981.

Aprendeu o esporte com pedras que recolhia na lavoura e jogava num potreiro próximo de sua casa. Depois morou num clube e arrumava canchas de bocha que eram de argila. Mesmo depois de tantos títulos, ainda sente a mesma emoção ao ganhar uma competição.

–É o mesmo gosto da primeira vez- explicou.

Ele se considera um viciado em vitórias. Por isso nem gosta de medalha de prata. Seus ex-alunos de escolinha, hoje são companheiros da equipe. Pedruca disse que ainda não sabe quando vai parar.

–Pode ser ano que vem, pode ser daqui a cinco anos- calculou. Enquanto ele estiver ganhando medalhas de ouro, vai ser difícil deixar o esporte.



Por

Comentários