01 dez10:21

Desenho de uma pirâmide na mão do Vereador

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Um detalhe que desperta curiosidade é um desenho que foi encontrado numa das mãos do vereador. Questionado sobre isso, o delegado Augusto Melo Brandão confirmou que havia um desenho, de uma pirâmide, feito com caneta. Mas ele não afirmou se isso pode ter alguma relação com o crime.

–Ele pode ter feito na escola- desconversou.

O delegado Ronaldo Neckel Moretto reiterou que a polícia trabalha com a hipótese de homicídio, embora o vereador tenha sido encontrado enforcado numa fita de nylon. De acordo com o delegado, na necropsia foi identificado um hematoma na parte de trás da cabeça, o que indica que ele levou uma pancada. A causa da morte nesse laudo preliminar teria sido o traumatismo craniano e asfixia mecânica. Mas o delegado acredita que o vereador foi asfixiado no chão, pois o nó da fita tinha uma circunferência de 37,5 centímetros e, o pescoço do vereador tinha 40 centímetros.

–Provavelmente alguém amarrou antes de pendurá-lo- disse.

Além disso não havia no local para que o vereador amarrasse a corda e se suspendesse sozinho. O sangue também coagulou no sentido do olho para a orelha, como se estivesse deitado, e não de cima para baixo, como seria num enforcamento.

Ele também avaliou que pelo menos duas pessoas estavam no local, para conseguir pendurar o vereador, que pesava cerca de 100 quilos.

>> Últimos passos do vereador Marcelino Chiarello

>> PT traz advogado criminalista Luiz Eduardo Greenhalgh para acompanhar o caso

A polícia trabalha com várias frentes de suspeitos, mas dentro da hipótese de que o crime tenha sido praticado em função de sua atuação na vida pública.

– Ele era muito combativo e tinha vários inimigos- avaliou Moretto.

O delegado disse que não indícios de motivação resultante na vida privada do vereador. –Não há indicativo de crime passional- explicou.

O promotor de Justiça Jackson Goldoni, disse que o vereador fazia várias denúncias de irregularidades. Uma delas resultou no afastamento do superintendente da Prefeitura no bairro Efapi, Dalmir Peliciolli, por suspeita de utilização irregular de subvenções.

Pelicioli, que voltou para a Câmara de Vereadores, convocou uma coletiva de imprensa para defender-se dos comentários na cidade de que seria um dos suspeitos.

–Não tem nada a ver meu afastamento com a morte do Marcelinho- declarou.

Ele até cogitou que alguém praticou o crime já com intenção de incriminá-lo. – Se pensaram que eu iria me esconder estão enganados- disse.

E se propôs a prestar depoimento para a polícia. – Eu que sou o principal suspeito não fui chamado- disse.

O vereador afirmou que está entrando na justiça contra pessoas que estão o acusando pelo crime, principalmente nas redes sociais.


Por

Um Comentário »

  • Nilton disse:

    Este crime foi planejado, com certeza, e por pessoas que querem incriminar o vereador Peliciolli. Seria os parceiros de Marcelino ou os do Peliciolli? Quem teria o maior interesse? Esperamos que todos os culpados sejam punidos, não só quem matou, mas também, quem incentivou o crime monetariamente ou não.

Comentários