27 jan20:40

Homem que matou gerente da SDR alega pedido de propina

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O empresário Mário Duarte, indiciado pela morte do gerente de Infraestrutura da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira, Dalmar Libartoni, no dia 20 de dezembro do ano passado, alegou em sua defesa que estava sofrendo pedido de propina da vítima.

O advogado de Duarte, Marcos Daniel Haeflinger, disse que seu cliente tinha R$ 400 mil para receber da obra na escola da Escola Estadual de Educação Básica Governador Irineu Bornhausen. Duarte era um dos proprietários da Construtora MD Edificações e Saneamento LTDA, que realizava a obra.

No seu depoimento para a Polícia Civil, Duarte disse que repassou cerca de R$ 18 mil em dinheiro para o gerente. E relata que parte do dinheiro seria para o secretário de Desenvolvimento Regional, Flávio Berté. Ele argumentou que estaria sendo pressionado a liberar mais dinheiro para que os serviços da escola fossem pagos.

O advogado disse que seu cliente que não foi na secretaria com intenção de matar o gerente e que sacou a arma somente após uma discussão. Também foi divulgada uma nota da empresa que acusa a secretaria de direcionamento de licitações.

O delegado regional de São Miguel do Oeste, Albert Dieison Silveira, confirmou que recebeu denúncia formal de irregularidades na Secretaria de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueira. Ele abriu inquérito para apurar as denúncias e até foi realizada uma busca e apreensão de documentos na secretaria e numa empresa de Dionísio Cerqueira. Silveira disse que não pode adiantar se as denúncias se confirmaram mas informou que até o final do mês o inquérito será concluído.

>> Estão presos suspeitos de homicídio em Dionísio Cerqueira

>> Homicídio de gerente em Dionísio Cerqueira tem dois suspeitos

Também confirmou que Duarte é réu confesso do homicídio e que o inquérito deste caso já foi encaminhado para o Fórum de Justiça de Dionísio Cerqueira. O empresário segue detido em presídio não informado.

O secretário de Desenvolvimento Regional de Dionísio Cerqueria, Flávio Berté, disse que recebeu com surpresa as denúncias. –Isso não tem cabimento- declarou. Ele afirmou que nem acompanhava as medições da obra e considera que a empresa está tentando jogar a culpa em alguém que não pode se defender. Berté afirmou que a empresa apresentou vários problemas na execução da obra, que deveria ser entregue no final do ano passado. Ele afirmou que vai responsabilizar Duarte pelas declarações contra sua imagem.

Os familiares de Libardoni estão revoltados com a situação. –Alguém que está preso quer jogar a culpa em quem está morto- disse o filho de Dalmar, Guilherme Libardoni. Ele afirmou que a família tem um nome a zelar e vai conversar com um advogado na próxima semana para ver a atitude que será tomada. Em relação ao crime a família quer ver o caso julgado o mais rápido possível.


Por

Comentários