09 fev09:39

Limpeza na barragem para acumular água em Seara

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A cidade de Seara voltou a entrar em racionamento por falta de água, provocada pela estiagem. O problema é que o poço profundo que poderia abastecer a cidade, está com uma bomba e tubulação entalados desde dezembro. A bomba queimou no dia 15 de dezembro e, na troca, dia 20 de dezembro, o equipamento com 22 toneladas caiu mais de 100 metros dentro do poço, que tem 589 metros.

A barragem do Rio Caçador, que seria a alternativa, não tem volume de água suficiente. Para tentar acumular mais água e aproveitar ao máximo as escassas chuvas está sendo feito um trabalho de desassoreamento da barragem. A empresa Tucano Terraplanagem, de Concórdia, foi a vencedora da licitação no valor de R$ 78 mil. O trabalho iniciou na semana passada e deve estar concluído até sexta-feira.

Aí vai depender de São Pedro ajudar a encher o reservatório. Na questão do poço profundo o superintendente de negócios da Casan para a Região Oeste, Écio Bordignon, disse que um dos canos se rompeu na troca da bomba.

A Casan teve que fazer uma licitação para contratação da empresa que fará a retirada do equipamento. Foi necessária a filmagem no poço e depois a colocação do equipamento para retirada. A empresa Hidropel Poços Artesianos, de Curitiba, foi contratada por licitação no dia 12 de janeiro para fazer a retirada. De acordo com o funcionário Gelson Lima, eles conseguiram engatar a tubulação, mas o peso era muito grande e o equipamento se soltou.

Por isso foi mandado confeccionar em São Paulo uma nova peça chamada “pescador”, que será acoplado ao equipamento. Esse material deve chegar no domingo e, a partir de segunda-feira o trabalho será retomado. A perspectiva é de que o trabalho demore cerca de uma semana para a retirada do equipamento queimado, limpeza e colocação da nova bomba. O custo da retirada é de R$ 137 mi. Mas pode chegar a R$ 406 mil se for necessário trocar o cabeamento.

Bordignon disse que, além de Seara, outros municípios estão com rodízio no abastecimento: Jardinópolis, Formosa do Sul, Maravilha, Pinhalzinho, Caxambu do Sul e São Miguel do Oeste.

Até ontem 86 municípios decretaram situação de emergência. Ontem o secretário de Agricultura João Rodrigues esteve em Brasília onde conversou com a coordenadora de projetos especiais do Ministério da Integração Nacional, Daniela Nogueira. Ele afirmou que Santa Catarina e Rio Grande do Sul devem ser beneficiados com recursos do Programa Água para Todos, do Governo Federal. O programa prevê investimento em infraestrutura de captação de água para famílias que se enquadram no programa Bolsa Família. Na próxima semana deve ser agendada uma reunião com prefeitos para explicar o funcionamento do programa.



Por

Comentários