28 fev11:43

Vagas para o Jovem Aprendiz em Maravilha

Trinta e cinco jovens de 14 a 24 anos terão a oportunidade de entrar no mercado de trabalho e se qualificar por meio do programa Jovem Aprendiz, do Senac Chapecó, que está sendo desenvolvido em Maravilha por iniciativa do Programa de Atenção à Criança e ao Adolescente Dependente Químico (Pacadeq).

Na noite desta segunda-feira, 27, foi realizada reunião na CDL/Associação Empresarial de Maravilha para repassar informações às empresas interessadas em participar do Jovem Aprendiz contratando alunos do programa. Das 35 vagas ofertadas, 15 se destinam à Aurora e outras 20 são disponibilizadas às demais empresas, sendo que ainda há vagas em aberto. Já confirmaram a adesão as empresas Kasa Empreendimentos, Erva Daninha, Real Alimentos, Sicoob Credial, CDL/Associação Empresarial, Auriverde, Agência D e Construtora Oliveira.

Como o programa é vinculado às empresas, cada aluno irá estudar no ensino regular durante o período vespertino e trabalhar numa empresa conveniada três manhãs por semana, sob orientação e acompanhamento do Senac. Em outras duas manhãs, frequentará o ensino profissionalizante. Durante os 21 meses de curso, serão 516 horas de aula teórica, na EEB Deonubem Baldissera, e 644 horas de aula prática nas empresas. A empresa que contratar um jovem aprendiz não terá ônus em relação ao curso do Senac, pois ele é patrocinado pelo Sistema Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop).


Saiba quais são os estabelecimentos obrigados a contratar aprendizes

Os estabelecimentos de qualquer natureza, que tenham pelo menos sete empregados, são obrigados a contratar aprendizes, de acordo com o percentual exigido por lei (art. 429 da CLT). É facultativa a contratação de aprendizes pelas microempresas (MEs), empresas de pequeno porte (EPPs), inclusive as que fazem parte do Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições, denominado Simples (art. 11 da lei nº 9.841/97), bem como pelas entidades sem fins lucrativos (ESFLs) que tenham por objetivo a educação profissional (art. 14, I e II, do decreto nº 5.598/05). Nesses casos, o percentual máximo estabelecido no art. 429 da CLT deverá ser observado.

Os contratos de aprendizagem ainda em curso, quando as empresas forem reclassificadas pela Receita Federal para EPP e ME, deverão ser concluídos na forma prevista no contrato e no programa. As empresas públicas e sociedades de economia mista também estão obrigadas a contratar aprendizes. Pode-se optar pela contratação direta, por meio de processo seletivo divulgado em edital ou, indiretamente, pelas ESFLs (art. 16 do decreto nº 5.598/05).

As empresas interessadas em contratar um jovem aprendiz podem entrar em contato com a CDL/Associação Empresarial de Maravilha para mais informações.



Por

Comentários