29 fev09:10

Laudo e investigações reforçam tese de suicídio no caso Marcelino Chiarello

Diogo Vargas | diogo.vargas@diario.com.br

Inexistência de vestígios na casa, móveis arrumados e falta de lesões no corpo que indicassem gesto de defesa são os principais pontos que levam a Polícia Civil a acreditar que não houve assassinato na morte do vereador Marcelino Chiarello, de Chapecó.

Essa conclusão ocorreu a partir de um laudo assinado por quatro peritos do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Chapecó, os quais indicaram que a causa mais provável da morte foi suicídio. Mas esse indício também ficou reforçado a partir de depoimentos e da apuração dos policiais locais no inquérito durante a investigação.

Mas o que causa divergência no caso é a existência de um outro laudo, assinado pelo médico legista Antonio José de Marco, de Chapecó, que indicou ter havido homicídio. Esse é o laudo da necropsia e foi o primeiro a ser entregue à polícia. O médico examinou o corpo do vereador e concluiu que a morte foi por traumatismo craniano. Ele afirma, ainda, que houve ação de terceiros para provocar a morte.


>> Polícia tem mais 15 dias de prazo e é alvo de protesto

>> Delegado responsável pelo caso aguarda publicação da suspensão do sigilo

>> O vereador Marcelino Chiarello foi encontrado morto em sua residência no dia 28 de novembro de 2011


O que torna ainda mais intrigante o caso é o fato de haver um parecer anexado ao inquérito que sugere que as características das lesões indicam suicídio. O autor do parecer é o gerente técnico do IML em Florianópolis, o médico legista Zulmar Coutinho, que também é professor de medicina legal da Universidade Federal de SC (UFSC) _ o seu entendimento saiu a partir de análise das fotos feitas do corpo.

Já o laudo dos peritos, que estiveram na casa de Chiarello, onde o corpo foi encontrado, revela que não havia nenhum vestígio de arrombamento ou gota de sangue pela casa. Os peritos chegaram a usar luminol, produto que revela os vestígios ocultos a partir de reação química.

O corpo estava pendurado com a alça do notebook numa grade da janela do quarto de visitas. Havia sangue na grade, onde ele teria se debatido antes de morrer por enforcamento, e no chão.

Os policiais têm outras conclusões também que reforçam o suicídio. Uma delas é de que o filho teria dito que o pai estava trancado sozinho no quarto. A polícia pensa também que, se tivesse havido execução, os autores deixariam evidências como da arma do crime e da própria presença pela moradia _ era de manhã e ninguém viu nada de estranho ou pessoas suspeitas pela região.

Consta no inquérito, ainda, que o vereador afirmou a uma pessoa chamada Rita, em reunião do PT no dia 26 de novembro, que o seu destino seria decidido nos próximos dias. Há outras afirmações de Chiarello a políticos dias antes da morte de que ele renunciaria ao mandato. Colegas da escola e do partido disseram ao DC que Chiarello estava pressionado em casa para abandonar a política.


DIÁRIO CATARINENSE



Por

3 Comentários »

  • Erik disse:

    Ãham, lembro-me muito bem do caso do esquartejamento e queima de corpos em Chapecó na década de 1950! E dos motivos também! O Museu de História e Arte de Chapecó deve ter arquivos sobre o caso! Vejam! Naquele caso, os motivos foram toscos e culminaram na morte de 2 inocentes. Estaria se repetindo, a barbarie no OESTE!

  • Gilson disse:

    Pois é, passaram-se tantos dias, agora vem esse outro Laudo aonde aponta o Suicídio, será que foi mesmo (eu acho que não foi)…????? e por que a Polícia está demorando tanto assim…????será que tem alguma outra informação que ninguém mais sabe…????..e Se não foi Suicídio quem são os responsáveis pela morte dele…?????
    Essas são perguntas que não podem ficar sem respostas e a sociedade tem o direito de ter e saber essas respostas.

  • Rosangela disse:

    Estão nos tratando como otários, então o Dr. Antonio Jose de Marco,(habilitado)e respeitado Medico Legista, esteve junto ao corpo do vereador Marcelino Chiarelo, analizou tudo detalhadamente, e conclui que foi HOMICIDIO, pelas lesões (quebra de nariz, pulsos,etc), aí as autoridades aceitam anexar ao Inquerito Policial o parecer do fulaninho de …Florianopolis, por uma analise feita pelas fotos tirada da vitima…pelo amor de Deus, onde querem chegar com esse absurdo??? o povo clama por Justiça, o Estado deve issa a toda população, ou nao devemos mais acreditar no \”estado\”…estão querendo ganhar tempo para que ??? para quem??? alguém esta sendo protegido por essa morosidade da \”justiça\”???? LAMENTAVEL ACONTECER ISSO !!

Comentários