01 mar09:18

Laudos diferentes sobre caso Chiarello geram desconforto

DarciDebona | darci.debona@diario.com.br

As contradições sobre a morte do vereador Marcelino Chiarello estão deixando as autoridades policiais e o Instituto Geral de Perícias de Santa Catarina em situação constrangedora. A confirmação de um laudo elaborado pelo Instituto Geral de Perícias indicando suicídio, colocou mais lenha na fogueira. Tudo porque esse laudo entrou em contradição com o primeiro laudo elaborado pelo médico legista de Chapecó, Antonio de Marco, apontava para homicídio. Com isso há dois laudos, cada um com conclusão diferente.

Marcelino Chiarello foi encontrado enforcado no quarto de visitas de sua casa no dia 28 de novembro.  Logo no início da tarde o delegado Alex Passos, ligado ao Partido da República, base da atual administração do município, afirmou que a cena era forjada que os indícios eram de homicídio. Uma coletiva com cinco delegados, entre eles Ronaldo Neckel Moretto e Augusto Brandão, reiterou a tese de homicídio.

Depois de três meses as investigações não apontaram suspeitos do possível crime, a perícia não encontrou provas da presença de terceiros no local do crime e a tese de suicídio tomou força.

Isso gerou reações fortes de lideranças do Partido dos Trabalhadores. –É uma fraude- vociferou indignado o deputado federal Pedro Uczai, presidente do partido e um dos possíveis nomes para concorrer a prefeito na cidade. Uczai afirmou que o laudo do suicídio não explica de forma satisfatória o motivo das lesões no nariz, no olho e na cabeça de Chiarello. Também não explica por que o sangue parece ter corrido na horizontal, entre o nariz e a orelha do vereador, quando deveria escorrer na vertical se ele estivesse “pendurado” na hora da morte. –Esse laudo desafia a lei da gravidade- disse Uczai. –Estão brincando com a inteligência do povo- completou a professora Vanda Casagrande, que era amiga e colega de Marcelino na Escola Pedro Maciel.

>> Laudo e investigações reforçam tese de suicídio no caso Marcelino Chiarello

>> Polícia tem mais 15 dias de prazo e é alvo de protesto

A vereador Angela Vitória (PT) disse que perdeu a confiança na polícia e disse que o celular de Chiarello não foi periciado a tempo, pois 30 dias depois as informações do aparelho se apagam. As lideranças do PT solicitaram que o Ministério Público continue as investigações e vão tentar federalizar o caso.

O presidente do diretório municipal do PSD, João Rodrigues, disse que aguarda a conclusão do inquérito para se manifestar. Ele afirmou que poderá mover ações contra o Partido dos Trabalhadores que tentou relacionar a morte do vereador a denúncias, algumas delas relacionadas à atual administração municipal, que é do PSD. Como pano de fundo da morte do vereador também corre a disputa política na cidade, onde o resultado de sua morte pode ser utilizada combustível na campanha eleitoral.

Uczai nega uso político do caso. O delegado Ronaldo Neckel Moretto disse que nem vai comentar sobre insinuações de que a Polícia não priorizou o caso. -Vou falar na coletiva- disse sobre a entrevista que deve ser marcada para os próximos dias.

O diretor do Instituto Geral de Perícias, Rodrigo Tasso, reconhece que o órgão ficou numa situação difícil, pois há dois laudos com conclusões diferentes. Ele argumenta que algumas situações podem levar a conclusões tanto de suicídio, quando de homicídio. Mas acredita que algum dos peritos se excedeu nas conclusões. Ele afirmou que há um relatório sobre as ligações do celular mas não tinha informações detalhadas.

Uma junta médica composta de três pessoas recebeu ontem o inquérito e deve emitir um parecer até o dia 6 de março, sobre as incompatibilidades entre os laudos.  Mesmo assim o desgaste é inevitável.


Por

5 Comentários »

  • Cleber Santana disse:

    Muito boa a matéria de vcs parabéns.
    Realmente esse caso ja virou uma zona ta muito enrolado.

  • carlos disse:

    O cara se suicida e seu partido quer e vai usar isso politicamente, eles tem que respeitar a instituição que é o IGP se o primeiro legista que tem fama duvidosa se excedeu no laudo e foi tendencioso, isso foi corrigido com peritos realmente capazes de fazer esse trabalho! Entao espernear é direito de todos que nao tem vergonha em usar politicamente esse fato! E depois o professor Chiarelo nao era esse santo não, falo pois tive o desprazer de ser seu aluno!

  • alan disse:

    veja bem, não tenho partido, não sou de chapeco nem conhecia a vitima. Mas se ele era mesmo uma cara “fanatico petista”, não duvido que se suicidou, pois quem acreditava de verdade neste partido como o salvador da patria deve estar inconformado e desesperado ao perceber que é um partido igual aos outros, ou talvez pior, e ver que seus proprios companheiros não são os benfeitores do universo e sim mais gente atrás de cargo, dinheiro e poder.

  • Paulo Henrique disse:

    Carlos, já imaginou sair por ai “suicidando” quem não tem caracter, imagina “suicidar” seu pai, um irmão seu ou alguém próximo de você? Ninguem tem o direito de tirar a vida do outro, não importa o caracter da pessoa. Para você pode ser que ele não era bom, mas para outros era bom. Releia o que você escreve antes de publicar, pois ninguém esta livre de nada neste mundo.

  • João Acácio disse:

    “Coletiva com 5 Delegados”???? De onde saiu isso??? Em nenhum momento isso aconteceu! Houve, sim, uma entrevista com 4 Delegados, porém, nada oficial.

Comentários