05 mar10:45

Síndrome de empate na Chapecoense

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A síndrome da “empatite” tomou conta da Chapecoense que nos 2 a 2 de ontem contra o Brusque empatou a quinta partida seguida no campeonato. O time de Gilberto Pereira marcou passo contra o time do Vale, que tem a pior campanha nos dois turnos.

Enquanto a torcida da Chapecoense vaiava seu time no final da partida os jogadores de Joceli dos Santos se abraçavam na tentativa de conseguir uma reação no campeonato.

Depois de três jogos fora o time do Oeste voltava para sua casa. Mas parece que a interdição das cadeiras por falta de segurança na cobertura interferiu também no desempenho do time.

O cambaleante Brusque, que foi para Chapecó com a intenção clara de não perder, foi quem tomou a iniciativa. E começou a sonhar com a vitória aos três minutos, quando Rafinha cobrou falta para dentro da área e Heverton desviou de cabeça, abrindo o marcador.

O gol deixou a Chapecoense nervosa, que errava bastante. O time tentava concluir com Neném, Tiago Cavalcante e Esquerdinha, mas todos erravam o alvo. Aos 30 minutos o Brusque perdeu Jonatas, com luxação na clavícula. E Rafinha perdeu o segundo gol, numa boa saída de Nivaldo.

Foi então que Gilberto Pereira tentou mudar o quadro do jogo colocando Eliomar. E o jogador correspondeu, empatando a partida aos 35 minutos. Na comemoração, colocou a bola debaixo da camisa em homenagem à futura filha Sofia, que tem quatro meses de gestação.

No segundo tempo outro jogador que saiu do banco, Barbosa, ex-jogador de futsal, consegui colocar a Chapecoense em vantagem, aos 27 minutos. Parecia que a Chapecoense mais uma vez iria vencer o jogo, na marra, mesmo sem jogar bem.

Mas tantos erros não ficariam impunes. Aos 41 minutos, Rafinha novamente cobrou falta para dentro da área da Chapecoense e Marcelo Guerreiro empatou. Um ex-jogador da Chapecoense decretava o empate. O técnico Joceli dos Santos elogiou a atitude de seus jogadores e disse que seu time precisa reagir logo.

Na Chapecoense, o clima de vestiário era de lamentação. –Erramos muito- disse o técnico Gilberto Pereira, que foi muito criticado pela torcida. O presidente Sandro Pallaoro disse que estava envergonhado pela atuação do time. O atacante Jean Carlos disse que a derrota complicou a briga pelo título e que precisa buscar os três pontos no próximo jogo, contra o Camboriú. O time do Oeste é o terceiro na classificação geral, com 20 pontos. O Brusque tem cinco.




Por

Comentários