06 abr09:48

Efeitos da estiagem podem afetar SC até junho

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Apesar de estar com apenas 32% do volume útil do reservatório para a geração de energia e com mais de quatro metros abaixo do nível máximo a hidrelétrica de Itá não deve paralisar a geração.

De acordo com o gerente da usina, Elinton Chiaradia, o reservatório deve se manter até a vinda de novas chuvas pois a operação está com apenas 18% da capacidade.

A hidrelétrica, instalada entre Itá-SC e Aratiba-RS, é a que tem maior potencial de geração de energia nos dois Estados. São 1.450 megawatts, o suficiente para abastecer 45% da demanda de Santa Catarina ou 30% do Rio Grande do Sul.

Chiaradia disse que ao contrário de Machadinho, que já suspendeu a geração duas vezes, em 2006 e 2009, Itá nunca deixou de gerar, em quase 12 anos de operação. Ele afirmou que a baixa geração não compromete o abastecimento elétrico e o nível reduzido do lago não interfere nas atividades dos moradores da região. O lago era muito utilizado no verão, para atividades aquáticas e turismo. Mas, com a chegada do frio, o movimento fica reduzido. No entanto é possível observar uma borda de terra no lago.

Alguns barcos chegaram a ficar “encalhados” na margem, com a redução do leito do lago. Nas torres da igreja São Pedro, que foi parcialmente submersa com a inundação da cidade antiga, é notável a base de pedra que fica submersa quando o nível da água está mais baixo.


Efeitos da estiagem até junho

Os efeitos da estiagem continuarão a afetar os catarinenses até junho. A informação é do Diretor de Respostas a Desastres da Secretaria de Defesa Civil de Santa Catarina, Aldo Baptista Neto. Ele se baseou na previsão do Centro de Informações de Recursos Ambientais e Hidrometeorologia da Epagri, que prevê chuva abaixo da média entre abril e junho.

Há ocorrência de chuva, mas de forma irregular e não em volume significativo. Ontem por exemplo choveu em Chapecó, mas nada que mudasse o quadro de estiagem.

Diante disso o Grupo de Ações Coordenadas de Combate à Estiagem, formado por 10 instituições, entre elas a Defesa Civil, está trabalhando para minimizar os efeitos da falta de água.

Neto disse que foram conseguidos R$ 10 milhões com a Defesa Civil nacional. Disto, R$ 3,2 milhões já chegaram. O recurso foi aplicado na compra de kits com dois tanques e bombas para cada município em situação de emergência, que podem ser instalados em caminhões das prefeituras. Também foram adquiridos tanques que 10 mil litros que funcionam como estações que podem ser colocado próximo a reservatórios para tratamento químico e posterior distribuição.

Parte do recurso foi aplicado ainda em água mineral e serão repassados valores para a locação de caminhões-pipa. Até ontem 121 municípios já havia decretado situação de emergência. Neto disse que o número está se aproximando do pior cenário traçado no início da estiagem, que era de 134 municípios. Os prejuízos na agricultura já somam R$ 748 milhões.


Por

Comentários