17 abr12:08

Momentos de terror para família de delegado baleado

José Luís Costa | joseluis.costa@zerohora.com.br

Familiares do delegado da Polícia Civil gaúcha Paulo Florentino Machado, 46 anos, viveram momentos de terror durante assalto a casa de parentes em Chapecó, no Oeste catarinense, no último final de semana.

Machado foi ferido ao intervir em um roubo domingo à noite na casa da sogra. Atingido por um disparo do abdômen que perfurou o pulmão e se alojou nas costas, o delegado está em coma induzido na Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital Regional da cidade. O quadro é considerado grave, mas estável.

— O estado dele é crítico, mas o médicos estão otimistas. Ele vem reagindo bem. Tem um bom porte físico, corre todos os dias, não bebe, não fuma. Isso ajuda muito — conta, apreensiva, a professora universitária Daniela Zawadzki, 42 anos, mulher do delegado.

>> Delegado do RS baleado ao reagir a assalto segue na UTI em hospital de Chapecó

Plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento de Canoas, Machado aproveitava o final de semana de folga para rever a mulher e o casal de filhos de dois e quatro anos que moram em Chapecó. Por volta das 23h de domingo, três homens invadiram o pátio do condomínio familiar de três casas — em uma delas mora Daniela e os filhos, na segunda a mãe dela e, na terceira, uma irmã.

A mãe de Daniela voltava de uma sessão de teatro com três parentes em uma caminhonete, quando os bandidos aproveitaram a abertura do portão eletrônico para entrar no local. Armados, os criminosos fizeram as vítimas de refém dentro da casa e começaram a pegar objetos e revirar gavetas em busca de dinheiro.

— Eles arrancavam quadros das paredes. Perguntavam por cofre, mas minha mãe não tem isso em casa — lembrou Daniela.

O barulho chamou a atenção. O delegado, que assistia a TV ao lado da mulher, foi alertado por uma cunhada, que também avisou a Polícia Militar. Com uma pistola na mão, Machado saiu para o pátio, e Daniela se trancou em casa para se proteger com os filhos.

O delegado trocou tiros com os invasores, acertando as pernas de um deles, mas acabou atingido no abdômen. Na confusão, um dos bandidos alvejou o pé direito de uma tia de Daniela.

— Parecia uma guerra. As casas ficaram cravejadas de tiros, os vidros das janelas quebrados. Foi pavoroso. Quando vi ele (Machado) caído, perdendo muito sangue, entrei em desespero, pensei que não resistiria — recordou a mulher.

Os três bandidos fugiram na caminhonete das vítimas, levando dinheiro, celulares e computador. Um comparsa acompanhava o trio em um Monza. Perseguidos por PMs, foram presos em seguida, após uma nova troca de tiros. A caminhonete e os pertences da família do delegado foram recuperados.

Foram presos em flagrante Antonio Ferreira de Matos, 22 anos, que levou dois tiros nas pernas, e Elton Faccin, 21 anos, que trabalha como segurança de rua e estaria dando cobertura aos assaltantes. Os dois estão no Presídio Regional de Chapecó e vão responder por tentativa de latrocínio.

Os demais integrantes do bando são dois adolescentes, de 16 e 17 anos, recolhidos em uma unidade para jovens infratores. O mais jovem é filho de um PM aposentado e usava o revólver do pai durante o assalto.


ZERO HORA



Por

Comentários