03 mai15:42

Professores fazem ato no centro de Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Os professores estaduais fizeram no início da tarde desta quinta-feira um ato para reivindicar a abertura de negociação do Governo do Estado com a categoria. O ato começou na praça Coronel Bertaso, seguiu com caminhada pela Avenida Getúlio Vargas e deve encerrar com a entrega de um documento na Secretaria de Desenvolvimento Regional de Chapecó.

De acordo com o coordenador regional do Sindicato dos Trabalhados em Educação, Cléber Ceccon, eram esperados mil pessoas das 12 regionais. Ele afirmou que intenção é pressionar o governo a reabrir a negociação. Na terça-feira está marcada uma assembleia estadual da categoria.

Em Chapecó a adesão à greve aumentou à tarde, em virtude do ato. Na Escola Bom Pastor, segunda maior do Estado, com 2.387 alunos, três professores efetivos estavam parados e durante a tarde mais nove pararam de um total de 93. No entanto, de acordo com a diretora da escola, Sandra Galera, eles devem retornar nesta sexta-feira.

Para os alunos que não tiveram aula foram realizadas outras atividades, como exercícios lúdicos.

No Colégio Zélia Scharff, o segundo maior de Chapecó com 1720 alunos, as aulas estavam praticamente normais das 14 turmas até a quinta série. No entanto, nas 16 turmas a partir da sexta-série até o ensino médio, apena sete tinham aula. A assessora da direção Jussane Emerich disse que até nesta quinta-feira 24 dos cerca de 80 professores haviam parado. Mas à tarde a paralisação era de cerca de metade dos docentes, em virtude do ato.

Muitos alunos nem foram para a escola em virtude disso. O servidor público Vilmar Ferreira disse que a greve parcial acaba causando transtornos. Seu filho mais novo, Michel, que vai na quinta série,  teve aula. Já o mais velho, Maicon, que vai no primeiro ano do Ensino Médio, não teve aula. Ele afirmou que há dias que apenas algumas disciplinas são dadas.

Com isso ele tem que levar os filhos em diferentes horários. A assessoria da Secretaria de Desenvolvimento Regional de Chapecó informou que a paralisação nesta quinta era de 6,3%.


Por

Um Comentário »

  • Paulo Godoy disse:

    Tudo está ligado à necessidade de instrução. Pagar melhor os Professores, construir escolas mais modernas que acolham especialistas, pesquisadores, cientistas que transmitam aos nossos jovens o tão desejado conhecimento, estaríamos fadados a um mundo melhor de se viver, transcrevo abaixo trecho de Rui Barbosa:
    Rui Barbosa fez suas as palavras do discurso de Garfield, de 12 de dezembro de 1877,dirigido aos membros da National Education Association:
    “Profetizou Macaulay que um governo como o nosso há de
    necessariamente dar em anarquia; e desmentir esse vaticínio,
    só o mestre-escola o poderá. Se conseguirmos encher o
    espírito de nossos filhos, futuros eleitores, de inteligência que
    os habilite a votarem com acerto, e incutirmos-lhes o espírito
    de liberdade, estará frustrado o fatal presságio. Mas, se, pelo
    contrário, os deixarmos criar na ignorância, então esta
    república se desmanchará numa desastrosa decepção(…).
    Todo o incentivo com que possa contribuir o governo
    nacional, tudo o que sejam capazes de fazer os Estados, tudo o
    com que possam concorrer em toda a parte, os bons cidadãos
    e, principalmente, toda a cooperação do instituidor primário,
    acolhamo-lo entre saudações, como o remédio que há de
    livrar o país do mais lutuoso destino…”(Id. Ibid., p. 124)

Comentários