07 jun09:45

Bebê que sobreviveu nos braços da mãe deixa o Hospital em Concórdia

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Com apenas alguns aranhões na face, o bebê Marcos Felipe Menezes, de dois anos e cinco meses, deixou o Hospital São Francisco às 11h20 de ontem. Ele é o único sobrevivente do acidente ocorrido na manhã de terça-feira, na BR 153, em Concórdia.

Os pais, Taís Menezes, 20 anos, e Syllas Pereira da Rocha, 23 anos, que conduzia a carreta, morreram no acidente e serão enterrados por volta das 9 horas de hoje na cidade de Nova Andradina, que fica próxima a Naviraí-MS. O casal morava em Naviraí mas a família Rocha é de Nova Andradina.

A irmã de Syllas, Débora Rocha, foi quem saiu com Marcos no colo. Ele só tinha um arranhão no rosto e um hematoma no peito, mas estava bem. –Eles deixaram o filho para a gente cuidar- disse Débora. No entanto o menino vai ficar aos cuidados dos avós maternos.

Ao sair do hospital as pessoas na rua queriam ver o bebê que “milagrosamente” tinha sobrevivido. Integrantes da Pastoral da Saúde até conseguiram uma sacola de roupas e fraldas para o bebê.

Os familiares e amigos do casal chegaram em Concórdia às 4h30 de ontem e, por volta das 12 horas voltaram para o Mato Grosso do Sul, em dois carros, levando o sobrevivente e os corpos. A previsão de chegada em Nova Andradina era por volta das 22 horas de ontem.

Um dos amigos do casal, Ivaí Antunes, disse que Rocha tinha levado carne bovina de Naviraí para Joinville e buscado frutas em Caxias do Sul-RS, que estava levando para Dourados. A intenção era chegar em casa ontem. Antunes acredita que esta era a primeira viagem da família inteira. Syllas também tinha uma filha de cinco anos, Bianca, de outro relacionamento.

Outro amigo que foi até Concórdia, Marcos Roberto Souza, que também é motorista, estava desolado. –Ele era muito companheiro e me ajudou muito numa viagem para o Rio de Janeiro- lembrou. No entanto esta era a primeira vez que Rocha passava por Concórdia. O desconhecimento da rodovia pode ter sido um fator que contribuiu para o acidente. Ele disse que conhecia o amigo há pelo menos 1,5 ano e ele já dirigia carreta.

Lembrou que o sonho de Rocha era comprar um carro e que há poucos dias tinha comprado um Gol usado. –Acho que ele nem chegou a dirigi-lo- lamentou.

A carreta Scania placas de Naviraí-MS, carregada com frutas, perdeu o controle saiu da pista numa curva na “Serra do Cachimbo”, entre Concórdia e Irani e desceu um barranco entre 30 e 40 metros, segundo os bombeiros. Um agricultor encontrou Mateus envolto nos braços da mãe, Taís Menezes, 20 anos, que estava caída sobre o menino, no meio das pedras, fora da carreta, com o corpo mutilado.

-Ele só sobreviveu pois ficou protegido pelo corpo da mãe- relatou a bombeira volutária Flávia Bevilácqua.

Como foi o acidente

Por volta das 8 horas de quinta-feira, a carreta Scânia placas de Naviraí-MS, iniciou a descida da Serra do Cachimbo, no sentido Concórdia/Irani e, numa curva à direita, tombou. A carreta atravessou duas pistas na contramão, arrebentou a defensa e desceu um barranco de pedra com cerca de 40 metros. O condutor, Syllas Pereira da Rocha, 23 anos, morreu no local. Sua mulher, Taís Menezes, 20 anos, caiu fora da carreta e também morreu. O filho, Marcos Felipe Menezes da Rocha, de dois meses, sobreviveu nos braços da mãe.

A carreta não havia sido retirada ainda na tarde de ontem, devido à dificuldade de acessar o local. A Polícia Rodoviária Federal de Concórdia está investigando as causas do acidente. O tacógrafo foi recolhido. Os policiais rodoviários informaram que a pista estava boa e bem sinalizada. No entanto os acidentes são comuns na região por ser um trecho de curvas e declive. Os policiais também informaram que não é exigida a cadeirinha para bebês em caminhões e carretas. Portanto o bebê podia viajar no colo da mãe.



Por

Comentários