20 jun17:49

Bebê abandonado em Chapecó está bem

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O pequeno João Pedro, como é chamado pela equipe do Abrigo de Chapecó e pelas enfermeiras do Hospital da Criança, está bem e segue internado em observação. O bebê de cinco dias, 3,8 quilos e 52 centímetros o menino não corre risco e deve receber alta nesta quinta-feira. Ele foi encontrado em uma sacola de papel na tarde da terça-feira por um garoto de 14 anos.

– Ele está bem nutrido e fora de risco – disse o médico Ani Werlang, que atendeu o bebê.

João estava enrolado com uma manta e dentro de uma sacola de papel jogada num terreno baldio, na rua Eurico Gaspar Dutra, no bairro São Cristovão. No local é comum os moradores depositarem lixo.

Quem encontrou o menino foi Junior Everton Menegildo que faltou a aula para ir ao centro comprar roupas com alguns amigos. No caminho eles ouviram uma espécie de miado.

– Pensei que era um gato – disse Junior.


Junior mostra a sacola onde encontrou o pequeno João Pedro.


Curioso ele chegou perto da sacola e viu que era um bebê.

– Num primeiro momento achei que era uma boneca, mas quando vi que era um bebê de verdade peguei no colo e ele parou de chorar – contou o menino emocionado.

O jovem ‘anjo da guarda’ de João, disse que a família duvidou da história. A mãe dele, Rosane Sales, só se convenceu quando viu o menino no colo do filho.

- Tinha passado pelo local minutos antes e não havia nenhuma sacola ali – disse Rosane, mãe de quatro filhos e que chamou o Corpo de Bombeiros.

Antes da chegada dos bombeiros, o menino foi levado para um pronto-socorro particular que fica próximo ao local, onde foi aquecido. A guarnição dos bombeiros chegou e levou o bebê, que ainda tinha sangue e líquido amniótico pelo corpo, para o Hospital da Criança de Chapecó.

- O cordão umbilical estava com início de cicatrização – disse a soldado do Corpo de Bombeiros de Chapecó, Daliane Daleaste.

Segundo a conselheira tutelar, Terezinha Lunelli, que acompanhou a chegada do bebê no final da tarde desta terça-feira no Hospital, foi registrado Boletim de Ocorrência na Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAM).

A delegada Isabel Fauth, disse que as investigações da Polícia Civil estão em andamento e que devido ao tamanho da cidade, pode ser complicado levantar o número de mulheres grávidas e que poderiam dar a luz neste período.

- Vamos aguardar os dados da secretaria municipal de saúde e se a mãe fez o pré-natal vamos encontrá-la – disse a delegada. Ela disse ainda que podem ser feitas denúncias anônimas sobre o caso.

- É um caso difícil e vamos fazer de tudo para encontrar a mãe do menino – disse

De acordo com a coordenadora do Serviço de Acolhimento, Lilian Guntzel, o bebê, assim que receber alta, será encaminhado para o abrigo.

– Recebemos na noite da terça uma comunicação sobre o caso. E ele ficará conosco até a decisão da justiça – disse Lilian.

Junior, que encontrou o bebê e a mãe Rosane, tem vontade e visitar o menino.

– Se der eu quero muito ver ele – disse Rosane que até pensou na hipótese de tentar adotar o bebê.

- Os meus estão grandes já e ficaria feliz em ter mais um – disse.



Números em Chapecó

No Abrigo Municipal estão acolhidas 21 crianças, de 0 a 11 anos. Outras 64 crianças e adolescentes, de 12 a 18 anos, estão em quatro casas lares e 18 famílias acolhedoras da cidade.

Segundo a coordenadora do Abrigo, estão inscritas e aptas para adoção no Fórum de Chapecó 112 famílias.


Sobrevivência

Para o médico Jorge Hazin, no geral, o tempo de sobrevivência de um recém-nascido é variável.

– Depende de diversos fatores como a gestação, condições do parto, idade gestacional e grau de nutrição. Além das condições de exposição a fatores ambientais, como temperatura e umidade – disse o médico.


Por

Um Comentário »

  • ID Chapecó disse:

    Excelente matéira! Parabéns Juliano

Comentários