03 jul14:43

Produtor ignora crise e investe alto na suinocultura

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Enquanto muitos suinocultores estão reduzindo o plantel de animais ou até desistindo da atividade o produtor Marcos Ruppenthal está fazendo um movimento contrário, investindo R$ 700 mil no aumento da produção. –É no momento da crise que tem que investir- aposta o criador de suínos de Arabutã.

Ele tinha 140 matrizes reprodutoras de suínos e, até o final do mês, já terá 500. Com isso a produção de leitões vai quase quadruplicar, chegando a 1.1150 animais por mês. Para isso ele teve que construir dois chiqueiros novos, automatizados e novos sistema de tratamento de dejetos. Metade do dinheiro investido por Ruppenthal é de recursos próprios e, o restante, é financiado.

O suinocultor explicou que não está cometendo nenhuma “loucura” e sim se adaptando a uma nova realidade do mercado. Antes os suínos eram dele e ele era o responsável por praticamente todas as despesas. Quando o preço do suíno estava bom, ele ganhava dinheiro. Quando o preço estava ruim, como nos últimos meses, tinha prejuízo.

Pelo novo sistema todos os animais são da agroindústria e é ela a responsável por fornecer a ração, medicação e transporte dos animais. O produtor fica responsável por alimentar e cuidar dos animais.

>> Chiqueiro vira loja de roupas em Concórdia

O vice-presidente da Aurora Alimentos, Neivor Canton, disse que cerca de 90% dos 3,2 mil suinocultores da cooperativa já são nesse sistema, que é denominado “vertical”.

– Só a Aurora tem mais de um milhão de suínos- calculou.

Ruppenthal também fez um contrato com a Coopérdia, que é uma das afiliadas da Aurora Alimentos, com garantia de preço, entre R$ 15 a R$ 17 por leitão produzido. Com isso ele tem uma renda garantida para pagar o investimento e ainda ter uma sobra no final do mês. –Não tem risco- comemora o suinocultor.

Ele avaliou que não dá mais para criar porcos sem ter um ganho de escala. O presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina, Enori Barbieri, considera que só vai sobreviver quem tiver ligado a uma agroindústria para diluir custos e agregar valor nos produtos.


Por

Comentários