19 jul11:16

Refluxo pode provocar, nos piores cenários, infarto e câncer

Você come muito rápido? Dorme logo após a janta? Toma muito líquido durante as refeições? Ingere bebidas com gás e cafeína? Tem azia com frequência? Isso tudo é muito comum em quem sofre de refluxo, uma doença provocada pela passagem do suco gástrico do estômago para o esôfago, podendo alcançar outros órgãos dos aparelhos digestivo e respiratório. Nos piores cenários, o contato constante do líquido gástrico, altamente ácido, com o esôfago pode causar até mesmo enfarto e câncer.

— Os sintomas mais comuns são tosse crônica e crise de asma, mas o refluxo também pode causar faringite, laringite, pigarro, voz rouca, problemas dentários e até enfarto. Sem tratamento adequado, no longo prazo pode se transformar em uma esofagite (inflamação) ou até mesmo em câncer de esôfago — alerta o cirurgião Ricardo Minas, do Hospital São Luiz, de São Paulo.

Segundo ele, o tratamento pode ser clínico, mas muitos pacientes têm optado pela laparoscopia, uma técnica cirúrgica que estrangula a passagem do esôfago para o estômago, impedindo que o líquido estomacal retorne.

— É uma cirurgia muito tranquila, de cerca de uma hora, que faz com que o refluxo desapareça já no dia seguinte em 95% dos casos, livrando o indivíduo dos medicamentos — afirma o especialista.

O paciente passa apenas uma noite no hospital e o pós-cirúrgico consiste em dieta líquida por uma semana e pastosa por um mês. Além disso, a cirurgia também ajuda a emagrecer.

— Geralmente, quem tem refluxo está acima do peso. A cirurgia faz com que a pessoa perca de 5 a 10 kg e também a obriga a reeducar sua alimentação.

Por

Comentários