03 ago20:18

Aduana de Dionísio Cerqueira pronta só em novembro

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As obras de reforma da Aduana de Dionísio Cerqueira, que deveriam ser concluídas neste mês, devem terminar somente em novembro. E esse é um dos motivos que reduziu em 29,5% o movimento de caminhões na fronteira. Os outros dois problemas, segundo o inspetor chefe da Receita Federal, Arnaldo Borteze, foram as restrições comerciais entre Brasil e Argentina e a greve dos funcionário s da receita federal e Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Borteze informou que as obras atrasaram porque a reforma está sendo feita sem paralisação da liberação das cargas. O pátio e o galpão de conferência já foram concluídos. O novo prédio administrativo está em andamento e falta o prédio dos despachantes, cerca e iluminação. O valor da obra, que iniciou há um ano, é R$ 9,8 milhões.

A redução no movimento afetou principalmente as importações, de vinho, frutas, inseticidas e cosméticos, que diminuíram em 16,2%. Mesmo assim as exportações aumentaram em 76%. Borteze explicou que esse acréscimo se deve principalmente ao aumento das vendas de carne bovina para o Chile. Uma carga de 25 toneladas representa cerca de US$ 100 mil.

No entanto a venda para o Chile teve uma redução de 40% em julho, que foi um dos meses mais fracos dos últimos anos na aduana. No entanto a Argentina deu sinal de retomada das compras de carne suína do Brasil. Também foram retomas as exportações de banana.

Os motoristas de caminhão até aprovam a reforma da Aduana, mas estão reclamando da greve. José Bonifácio, que é de Barracão-PR e está transportando maçã do Chile para São Paulo, disse que chega a ficar uma semana para ter a carga liberada. –Normalmente demorava dois dias- informou.

E não é só na aduana de cargas que houve redução no movimento. Na aduana turística, entre Dionísio Cerqueira e Bernardo de Irigoyen, no início do ano passavam três mil veículos por dia. Agora, passam somente cerca de mil.

O motivo é a inflação argentina, que elevou o preço dos produtos, principalmente combustíveis. Anteriormente muitos brasileiros atravessavam a fronteira para abastecer o veículo e fazer compras.


MOVIMENTO NA ADUANA DE DIONÍSO CERQUEIRA

Importações de janeiro a julho de 2012: US$ 203 milhões

Importações de janeiro a julho de 2011: US$ 242 milhões

Comparativo 2012 a 2011: Queda de 16,2%


Exportações de janeiro a julho de 2012: US$ 229 milhões

Exportações de janeiro a julho de 2011: US$ 137 milhões

Comparativo 2012 a 2011: Aumento de 76,4%


Movimento total de janeiro a julho de 2012: US$ 432 milhões

Movimento total de janeiro a julho de 2011: US$ 380 milhões

Comparativo 2012 a 2011: Aumento de 13,6%


Movimento de caminhões de janeiro a julho de 2012: 9.320

Movimento de caminhões de janeiro a julho de 2011: 13.225

Comparativo 2012 a 2011: Queda de 29,5%


Despachos de janeiro a julho de 2012: 8.965

Despachos de janeiro a julho de 2012: 12.357

Comparativo 2012 a 2011: Queda de 27,4%


FONTE: Receita Federal de Dionísio Cerqueira


Por

Comentários