17 set11:25

Micro e pequenas empresas de SC estão entre as que mais crescem no Brasil

Danilo Duarte | danilo.duarte@diario.com.br

Ser uma pequena ou microempresa em Santa Catarina está se tornando sinônimo de referência de empreendimento com os melhores índices de crescimento no Brasil. A comprovação está no ranking elaborado a partir do estudo “As PMEs que mais crescem no Brasil”, divulgado nesta quinta-feira e que coloca uma empresa do Estado no segundo lugar nacional. SC também tem três das cinco primeiras colocações na Região Sul do país.

As cidades de Timbó, São José e Florianópolis são os endereços de três empreendimentos que colocaram em prática o plano de negócios elaborado e multiplicar sua receita nos últimos três anos entre 371,1% e 11.900%.

De constituição familiar, a construtora Reuter, de Timbó, foi a empresa do Estado a conquistar a melhor colocação, com o segundo lugar nacional. O diretor geral, Edmilson Silva, 55, conta que optar pela construção de imóveis em cidades ao redor de municípios polo foi a estratégia adotada.

O feito foi sair do faturamento de R$ 3,8 milhões, em 2010, para R$ 11 milhões no ano passado. A projeção é fechar 2012 com pelo menos R$ 22 milhões faturados. Seus apartamentos variam entre 70m2 e 300m2 e são oferecidos ao mercado por até R$ 400 mil.

— Focamos no déficit habitacional das cidades da região, que estão crescendo e começando a se verticalizar. O efeito desta expansão é que os terrenos estão ficando mais caros e, junto com eles, o preço para o consumidor construir sozinho seu empreendimento. Oferecemos a opção de entregar tudo pronto e com o máximo de qualidade possível — orgulha-se o empresário, que diz estar surfando na onda do crescimento da construção no Médio Vale do Estado.

Segundo Heloisa Montes, sócia responsável por estratégia para empresas emergentes da Deloitte, a média de crescimento anual das empresas catarinenses é de 30%, semelhante aos 33% da média nacional.

Os setores de construção civil, tecnologia da informação e prestação de serviços, que aqui despontam, também são reflexo da realidade nacional. Quatro das 15 empresas de SC atuam na área de Construção Civil, setor que é o quinto mais presente entre as empresas participantes da pesquisa, com 7,8%, atrás da Tecnologia da Informação (24,3%), comércio varejista e atacadista (1,1%), prestação de serviços (10,5%), e máquinas e equipamentos (9%).


Plano de negócios é fundamental

Desenvolver produtos tecnológicos para melhorar a produtividade no campo, como um GPS que conduz tratores em meio a plantações e controladores que economizam até 20% de adubo ou herbicidas , é o foco da Arvus, empresa fundada por Gustavo Raposo, 30, Bernardo de Castro, 33, e Adriano Correa, 33, há oito anos e que ficou em 5º lugar regional e 18º nacional no ranking. Os três são engenheiros de produção que se conheceram nos corredores da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e nos jogos de polo aquático.

Sediada em Florianópolis, em 2008 saíram da incubadora mantida pela Associação Catarinense de Tecnologia (Acate). No mesmo ano traçaram o planejamento financeiro para projetar o crescimento da empresa.

No ano passado o faturamento foi de R$ 5 milhões e a perspectiva é chegar a R$ 12 milhões neste ano e ultrapassar os R$ 20 milhões em 2013. Hoje a empresa possui sete filiais no Brasil e atende clientes nacionais e dos países vizinhos.

— Como expandir o tamanho das fazendas está ficando problemático porque o valor cobrado pela terra está crescendo, o caminho é melhorar a produtividade e é nesta linha de agricultura de precisão que trabalhamos. Queremos crescer e dobrar o tamanho da empresa em 2013 — prospecta Gustavo.

Ter um plano de negócios e definir os rumos da empresa também foi o caminho escolhido pela EQS Engenharia, de São José, e atende a clientes corporativos do Sudeste e Centro-Oeste do país e tem 70% de sua atuação no Sul.

Fernanda Aragão Lopes, 27, é diretora administrativa e financeira da empresa que atua na gestão de infraestrutura e manutenção para clientes corporativos como empresas de telefonia e instituições bancárias.

Ela revela que os rumos atuais começaram a ser traçadas em 2008, com o planejamento das ações, culminou na conquista da ISO 9001, em janeiro deste ano, que certifica a gestão e a qualidade dos serviços prestados. O faturamento, que era de R$ 47 milhões em 2011, deve chegar a R$ 60 milhões neste ano, projeta a empresária.

— Traçar as metas e definir o planejamento da pequena e microempresa é fundamental, pois permite evitar surpresas e dar capacidade para reagir às mudanças do mercado. É o básico, mas que precisa ser bem feito para garantir que a vida da empresa seja longa — avalia Heloísa.


Confira a lista das empresas catarinenses no ranking nacional

Posição  |  Empresa   | Cidade

2º Reuter  -  Timbó

9º EQS Engenharia -  São José

18º Arvus  -  Florianópolis

57º Ogochi  – São Carlos

75º Cianet – Florianópolis

136º Ekotex – Pomerode

142º Copa&Cia -  Blumenau

144º Domínio Sistemas  -  Criciúma

153º Pioneira da Costa -  Florianópolis

156º Vitsolo – Balneário Camboriú

190º Reivax  – Florianópolis

204º Tecnoblu Your Id  – Blumenau

205º Selbetti  – Joinville

224º Teclan  – Florianópolis

231º Farben – Içara


Fonte: Deloitte e Exame PME


DIÁRIO CATARINENSE



Por

Comentários